Marlon Moraes, um dos melhores lutadores peso-por-peso fora do UFC, está sem contrato. E agora?

O campeão peso galo Marlon Moraes fez mais uma vítima no WSOF. Qual o próximo passo do brasileiro, que fez a última luta de seu contrato? Uma superluta contra um campeão de outra organização? Ir para o UFC?

Por James Sousa (*)

Invicto desde 2011, Marlon Moraes é o campeão mais dominante do World Series Of Fighting, dono do maior número de vitórias na organização, além de ser um dos melhores lutadores peso-por-peso fora do UFC na atualidade. Marlon defendeu seu cinturão pela quinta vez após vencer novamente Josh Hill, agora com um brutal nocaute no segundo round, no WSOF 32.

A vitória de sábado deu fim a um ciclo. Hill havia sido o adversário que mais deu problemas a Marlon em seu reinado e agora aumentou a lista de oponentes nocauteados pelo brasileiro. Antes, havia a chance de uma luta interessante contra o daguestani Timur Valiev, mas a derrota na última apresentação para o ex-Bellator Chris Gutierrez acabou com a probabilidade, que já era baixa, já que Valiev tinha declarado que não enfrentaria Marlon pelo fato dos dois serem amigos. Pelo visto, não há mais o que fazer no WSOF.

Saindo das fronteiras da empresa presidida por Ray Sefo, outra opção para Moraes seria uma superluta contra um campeão de outra organização, como Bibiano Fernandes, do ONE FC. No entanto, este duelo só aconteceria caso Marlon fosse contratado pelo ONE para desafiar o título do compatriota. Por outro lado, o campeão do WSOF vem elogiado o Bellator e há quem diga que uma mudança para a organização de Scott Coker seja inevitável. Eu apostaria que Marlon chegaria já para disputar o cinturão, até com favoritismo em relação ao topo da categoria, mesmo em relação ao campeão Eduardo Dantas.

Esportivamente, o próximo passo para o aluno de Anderson França parece ser inevitavelmente o UFC. O problema é que, com o acordo do líder do mercado com a Reebok, Marlon chegaria recebendo salário de iniciante, o que poderia inviabilizar a mudança de organização. Além disso, o alto salário que o WSOF paga ao campeão só tem paralelo na categoria no UFC com Dominick Cruz. Os antigos donos do cinturão TJ Dillashaw e Renan Barão ganharam a metade da bolsa de Marlon em seus compromissos mais recentes, no UFC 200 e no UFC Fight Night 88, respectivamente.

Supondo que as as partes cheguem a um acordo na questão financeira, como o pupilo de Mark Henry e Ricardo Cachorrão chegaria no UFC?

Hoje, a categoria dos galos no UFC poderia ser dividida em três grupos. Cruz e Dilashaw estão acima da divisão. Abaixo deles, Urijah Faber, Raphael Assunção, Bryan Caraway e John Lineker. Em seguida, uma garotada pedindo passagem. Provavelmente Marlon entraria no segundo grupo, trazendo o status de melhor peso galo fora do UFC e já estreando contra um oponente de nível no top 10, assim como aconteceu com Eddie Alvarez, que estreou contra Donald Cerrone, na divisão dos leves, e com Hector Lombard, que começou diante de Tim Boetsch, no peso médio. Em caso de vitória, Marlon poderia ser escalado em seguida contra um top 5 ou até mesmo colocado em uma eliminatoria.

A entrada de Moraes no UFC seria boa também para alguns garotos na divisão, que poderiam ser trabalhados com um pouco mais de calma com a adição de um novo candidato a desafiante, evitando assim jogar algum prospecto precipitadamente aos leões.

Acredito que todo fã de MMA quer ver os melhores lutando contra os melhores. Hoje, os melhores estão no UFC. No entanto, todo trabalhador também tem o direito de escolher onde ele pode exercer sua profissão sendo mais bem remunerado. Pesando todos os lados, acho que esse é o momento para Marlon Moraes deixar o WSOF e buscar novos desafios na carreira. E vocês, o que acham?

(*)James Souza é um leitor antigo do site e colaborador na campanha do Apoia.se. Quer saber mais sobre este projeto? Clique aqui e saiba como ajudar a tornar o MMA Brasil cada vez melhor.