Mark Hunt se irrita com possível title shot para Brock Lesnar: “Aquele palhaço estava trapaceando”

Por Idonaldo Filho | 13/09/2018 19:32

Um dos protagonistas da luta principal do UFC Moscou, evento que vai acontecer nesse sábado (15), Mark Hunt se mostra um desafeto de Brock Lesnar desde que foi derrotado pelo americano no UFC 200, com o ex-campeão tendo sido pego no exame antidoping com substâncias ilegais em seu corpo após a luta. Em entrevista ao canal Submission Radio o peso pesado neozelandês não economizou palavras, e se mostrou extremamente infeliz com a decisão do UFC em dar a Lesnar a disputa pelo título atualmente em posse de Daniel Cormier.

“Como isso funciona? Aquele filho da puta é trapaceiro. Como isso controverso? Aquele otário é um ladrão fodido, usando esteróides. Vai se foder cara, como isso é controverso? Aquele palhaço estava trapaceando.” 

Questionando a existência dos rankings, Hunt se mostrou indignado também por Lesnar buscar atalhos para a disputa de cinturão, e se mostrou indignado com o oponente obtendo a disputa pelo título da forma que tudo aconteceu.

“Para quê que existem os rankings? E é isso aí cara. Não sou eu que estou falando, é o modo que isso realmente é. É uma merda na verdade” 

Sobre a luta contra Lesnar no UFC 200, Hunt afirma que o americano trapaceou buscando vantagem para o machucar, e criticou todos os atletas que buscam atalhos para chegar mais perto do cinturão.

“Ele estava trapaceando e tentando me machucar e você me diz ‘bem, vamos ser gentis aqui’. Vá a merda aquela fraude. Como você vai ser bacana com um cara que está tomando atalhos, cara? Não dê isso a ele. Por quê você vai entregar para ele esse tipo de coisa? Foda-se, eles não merecem. Vocês sabem, todos esses caras só buscam atalhos, e pra mim é isso que eles são. Nada.”

O neozelandês disse também que não queria processar ninguém, mas que foi forçado a fazer isso devido ao UFC não aceitar sua proposta de que pegassem o dinheiro de Lesnar de volta. Ele busca um jogo mais justo com a sua ação judicial e quer que quem trapaceie não ganhe as oportunidades que Brock está ganhando atualmente.

“Como eu disse, não quero processar nenhum desses caras. Eu disse para o Dana sobre essa porcaria, entende, tirar o dinheiro daquele palhaço. Não precisa me entregar, só toma ela daquele bosta e ele fica sem nada. Mas não vão fazer isso, por isso que eu estou aqui agora. E com essa ação judicial, tudo o que eu estou buscando é um campo de jogo justo. Não é nem por esses caras, pois eles estão trapaceando a rodo e continuam ganhando essas oportunidades. Por quê? Honestamente…” 

Na entrevista, Hunt comentou sobre as lesões que acumulou durante sua carreira. Muitas dessas, segundo o peso pesado, foram devidas aos trapaceiros que levavam vantagem sobre ele, também dizendo que tem 16 parafusos na sua mão e que ela está debilitada devido as cirurgias feitas.

“Eu sei os motivos do porquê, mas foda-se. Eu não vou ficar brincando e depois sair lesionado. Como eu disse, já tive lesões por lutar com esses caras que estão trapaceando. E você nunca é o mesmo quando fica lesionado desse modo. Eu digo, olha pra minha mão. Tá quebrada, ela tem 16 parafusos nela. Eu não sou tão forte nessa mão mais. Isso afeta demais você, especialmente o meu corpo sendo o meu ganha pão.”

Sobre o futuro, Hunt – que só tem mais duas lutas em seu contrato – diz querer terminar a carreira no UFC o mais rápido possível, pedindo para esperar pouco após seu combate com Alexey Oleinik em Moscou, querendo cumprir sua última luta em evento que a organização realizará em Adelaide, este que vai acontecer no dia 01 de dezembro.

“Depois dessa luta eu disse para o Zen [empresário de Hunt] conseguir uma luta pra mim no evento em Adelaide ou em qualquer lugar o mais rápido possível se eu não estiver lesionado. Eu quero uma luta o mais rápido o possível. E se for em Adelaide, melhor ainda. Sim, eu acho isso interessante, seria legal. Seria minha última luta pelo UFC. E enfim, não sei sobre me aposentar. Estaria terminando um grande momento. E enfim, você sabe. Eu gostaria de lutar três ou quatro vezes mais internacionalmente. Vamos ver o que vai acontecer na divisão e na perseguição ao cinturão. Meu sonho terminou, mas sabendo como o jogo funciona, quem sabe…”

Colaborador do MMA Brasil, goiano, fã de pesos pesados e admirador de freakshow com responsabilidade.