Lyoto Machida fala sobre contrato com o Bellator e decreta: “Quero fazer lutas que sejam épicas”

Por Jessyca Damaso | 09/07/2018 17:59

Lyoto Machida surpreendeu a todos ao encerrar sua passagem no UFC após 11 anos de história. No dia 12 de maio, no UFC 224, o ex-campeão dos meios-pesados subiu pela última vez no octógono. Na ocasião, ele aposentou seu compatriota Vitor Belfort com um nocaute espetacular. Em entrevista exclusiva ao MMA Brasil, o brasileiro revelou os motivos que o fizeram deixar a organização para assinar com o Bellator, além de também falar sobre seu futuro e possíveis adversários.

LEIA MAIS: Lyoto Machida deixa o UFC e assina com o Bellator

“The Dragon” aproveitou a brecha gerada pela demora do UFC em negociar a extensão do seu contrato e sua boa relação com a organização, conquistada através do irmão e lutador Chinzo Machida, para iniciar as negociações com a nova casa. Para o lutador baiano, criado em Belém do Pará, a perspectiva de novos desafios foi fundamental na hora da decisão de trocar o UFC pelo Bellator.

“Eu já conhecia a organização e sempre fui muito bem recebido nos eventos que estive acompanhando meu irmão. Quando meu contrato com o UFC terminou, eu procurei a direção do Bellator para conversarmos e dessa conversa surgiu a proposta. O desafio de estar em uma nova organização foi um dos principais motivadores, além disso, também entendi que poderia contribuir com a visibilidade deste campeonato, que pode abrir portas para muitos lutadores”, disse Lyoto Machida, que assinou um contrato inicial de seis lutas.

Antes do seu último confronto, Lyoto afirmou que gostaria de fazer pelo menos mais três lutas esse ano para voltar a se credenciar para uma disputa de título no UFC. No entanto, esse objetivo não mudou. Machida deixou claro que sua meta é conquistar novamente um cinturão, mas agora pela nova casa.

“A vontade de lutar e voltar a conquistar o espaço como campeão seguem muito fortes. Apenas encerrei um ciclo com uma organização e estou começando um novo em outra”.

Em entrevista coletiva, o presidente do Bellator, Scott Coker anunciou que o mais novo contratado não competirá apenas no peso médio, mas sim transitará entre outras categorias – a organização tem histórico de deixar os lutadores alternarem entre as divisões de peso a procura de combates mais emocionantes. E, ao que parece, isso é exatamente o que o brasileiro está procurando nessa nova fase da carreira.

“A ideia é continuar lutando dentro do meu peso sim, mas não descartamos a possibilidade de fazer uma superluta em outro peso. Quero fazer lutas que sejam épicas”, declarou o lutador.

Agora com Machida em seu plantel, o Bellator poderá promover revanches de lutas realizadas nos tempos de UFC. O brasileiro enfrentou e venceu lutadores como Ryan Bader, campeão dos meio-pesados, e Gegard Mousasi, detentor do cinturão dos médios. Além de ter travado duelos equilibrados com Phil Davis e Quinton ‘Rampage’ Jackson. Apesar de ter grandes nomes para encarar dentro da organização, Lyoto falou que ainda não tem nenhum adversário à vista.

“Estamos no começo das conversas. Mas acredito que podemos ter lutas muito interessantes com todos esses nomes. Vamos aguardar para entender qual luta será casada, acredito que existe uma flexibilidade na organização. Nesse momento a meta é fazer uma luta forte pelo cinturão, claro que se tiver que fazer outros confrontos antes disso estou aberto”, falou o carateca.

Bellator x UFC

O Bellator tem aproveitando algumas brechas do maior rival, como a forma de pagamento e o investimento em lutadores veteranos, para ir, aos poucos, se destacando no cenário mundial. Segundo Lyoto, a organização tem totais condições de conquistar cada vez mais espaço no mercado e para ele, os fãs é que saem ganhando por poder ter mais de um campeonato expressivo de MMA para acompanhar.

“Acredito que é uma organização diferente e que vai conquistar seu espaço de forma única. Vejo que tem espaço para as duas organizações, os fãs de luta não precisam escolher apenas uma delas. Se pensarmos em outros esportes, como o futebol, por exemplo, que tem diferentes ligas, vamos entender que ter mais um campeonato forte só faz o MMA crescer. Porque os fãs podem consumir ainda mais conteúdo sobre as lutas”.

Bellator no Brasil

Questionado sobre as possibilidades do Bellator fazer algum evento no Brasil e se ele usaria sua influência no esporte para tentar trazer o evento para cá, ele respondeu:

“Acredito que esse é um momento muito novo ainda dentro dessa nova parceria com o Bellator. Se a organização entender que é estratégico trazer um evento para o Brasil será um prazer lutar aqui e, claro, que eu farei o possível que aconteça”.

Expectativas para a nova fase

“Estou muito feliz com esse contrato. Minha expectativa é manter a boa fase e crescer novamente. Como eu disse, quero lutar e a vontade de ser novamente campeão é o que me motiva. E os fãs podem esperar lutas muito fortes! Podem esperar o meu 100% em cada confronto. Quero que o público vibre comigo e veja que não importa qual dificuldade tenha esteja enfrentando ou tenha passado, é possível dar a volta por cima”.