Lutadores da Pitbull Brothers falam de seus compromissos internacionais entre março e abril

Rony Jason e Fabio Maldonado preparam-se para lutas no UFC Natal, na próxima semana. Patricio Pitbull e Leandro Higo vão disputar cinturões no Bellator e RFA, enquanto Patricky Pitbull encara mais um GP do Bellator. Por fim, Bethe Correia sai do Brasil novamente para lutar no UFC 172.

Firmando-se cada vez mais como a principal equipe de MMA com matriz no Nordeste, a Pitbull Brothers segue em treinos diários para os próximos compromissos de seus atletas no UFC, Bellator, RFA e outros eventos. Para isso, trouxeram de volta atletas que estavam fora como Patricky Pitbull, Leandro Higo, Rony Jason, além do novo reforço Fábio Maldonado. O renomado professor de boxe Luis Predador também está na equipe.

O MMA Brasil esteve no centro de treinamentos da Pitbull Brothers, em Natal, e conversou rapidamente com cada atleta internacional que lutará entre março e abril, além do preparador físico Mário Novaes.

Fabio-Maldonado-Talison-Soares

Mário Novaes – preparador físico

“A preparação para as próximas lutas está sendo muito proveitosa para nossa equipe. Estamos recebendo atletas do Brasil todo e juntando com nossos atletas locais. Isso está proporcionando um excelente camp pra todos eles.”

Leandro Higo – RFA (luta pelo cinturão dos moscas no dia 11 de abril, no RFA 14)

“O Rio Grande do Norte é um estado de múltiplos talentos, está todo mundo vindo treinar aqui na Pitbull Brothers, a galera está toda unida. Eu estou me sentindo muito bem. Minha expectativa ao estrear em um evento internacional é fazer uma luta muito boa. Estou treinando bastante para dar um show e, dessa vez, quero sair com um nocaute contra o Matt Manzanares. Estou treinando para nocautear. Agora é só dosar os treinos, pois eu estou preparado.”

“O UFC é o sonho de qualquer atleta de ponta, o meu também. Mas eu quero fazer história na RFA, vou ser campeão. Depois pensamos nisso.”

Patricio Pitbull – Bellator (luta pelo cinturão dos penas contra Pat Curran, provavelmente em maio)

Patricio-Pitbull“Eu nunca deixo de treinar, mas dessa vez estou me mantendo mais ativo ainda, porque nunca se sabe o que pode acontecer. Gosto de estar sempre pronto e meu peso está numa faixa que, se me pedirem para lutar daqui a dez dias, eu estarei com o peso batido.”

“Lutar contra alguém que eu já enfrentei, que já conheço, com certeza facilita. Curran e Daniel Strauss são lutadores que eu conheço muito bem seus jogos. Eu venci o Daniel Strauss em 2011, na final o GP. Com o mesmo jogo que ele ganhou do Curran, eu o venci. Contra o Pat Curran, tive uma luta muito apertada em janeiro de 2013. Infelizmente os americanos viram uma luta diferente da que foi, pois eu fiz o campeão andar para trás em todos os rounds. Infelizmente não foi o resultado que eu esperava, mas, na próxima vez, eu vou lá pra terminar antes do tempo.”

Patricky Pitbull – Bellator (lutará dia 21 de março, na estreia do GP dos leves, contra David Rickels)

Patricky-Pitbull“A energia de treinar em casa é totalmente diferente, eu volto a ter os treinamentos que me fizeram chegar à final do primeiro torneio que participei, em 2011, quando eu concorri com ao nocaute do ano com uma joelhada (na vitória sobre Toby Imada, no Bellator 39), quando nocauteei o favorito do GP, o ex-campeão do WEC Rob “Razor” McCullough (no Bellator 36). Estou voltando a ser mais agressivo, a mostrar o meu poder de nocaute e como eu sou poderoso com as mãos e com as pernas.”

“O público pode esperar, na minha próxima luta, três rounds de agressividade. Se for para nós dois sairmos encharcados de sangue, vai ser uma guerra até o fim. Vou adorar sair melado de sangue (risos).”

Fábio Maldonado – UFC (lutará dia 23 de março, no UFC Natal, contra o americano Gian Vilante)

Fabio-Maldonado“Esse camp em Natal está me ajudando, inclusive na aclimatação com a cidade. No final de 2012, eu já tinha vindo passar um tempo com o Patricio (Pitbull), porque eu já conhecia o trabalho dele no tempo que eu era da Team Nogueira. Eu tinha dado uma mão para o Patricky no boxe e o Patricio começou a me dar uma força no MMA, no conjunto da obra. Eu vinha de três derrotas e ia lutar contra o Roger Hollet, em Jaraguá do Sul (maio de 2013). O Patricio foi à Sorocaba e passou seis semanas salvando meu camp. Eu sabia que, assim que precisasse dele de novo, eu podia contar. Daí ele me chamou para fazer o camp aqui e eu vim, por que sei que aqui tem sparring bom, tem o (Wendres) Godzilla, tem o Thiago (Jambo), tem o Silmar (Rodrigo), que é bom de chão. Fora todos os outros que são competentes, mas são menorezinhos.”

“O público pode esperar muita agressividade de minha parte na luta em Natal. Meu estilo é trazer muito sofrimento para o adversário. Quero muito sangue, quero cortar, machucar meu adversário, trazer sofrimento pra ele. É o que eu faço de melhor. Sem maldade, espero que nada de mal aconteça, mas eu quero machucar muito o Villante mesmo.”

“Pra mim é muito difícil saber quem é o melhor em quinze minutos. A regra tem que mudar. Um round mal interpretado e vai por água abaixo um trabalho de dois ou três meses.”

Bethe Correia – UFC (lutará no UFC 172, dia 26 de abril, contra Jessamyn Duke)

Bethe-Correia“Eu encaro todas as minhas lutas com a mesma importância. Quando eu estou com uma luta marcada, nem olho para o passado nem para o futuro, pois aquele é o meu momento e é sempre a luta mais importante da minha vida. Esta será minha primeira luta em 2014 e eu não quero entrar no ano com o pé direito. Eu quero entrar pulando mesmo.”

“Eu sempre luto buscando acabar cedo o combate, mas isso não tem acontecido muito nas minhas lutas. Mas esta, em especial, eu não quero deixar nas mãos dos jurados, até porque ela é uma atleta da casa e a tendência, inconsciente, é ir ao encontro do favoritismo, que está com ela. Eu não quero correr este risco. Então, vou lá buscando nocautear ou finalizar.”

Rony Jason – UFC (lutará no dia 23 de março, no UFC Natal, contra Steven Siler)

Rony-Jason“Após eu sofrer um nocaute na última luta, na minha cabeça não muda quase nada para esta próxima. Eu praticamente fui criado aqui em Natal, recebi minha graduação de jiu-jítsu, da azul até a preta, aqui no Rio Grande do Norte. Então eu me sinto em casa aqui.”

“Quando eu fui para a Team Nogueira, já fui preparado. Depois que cheguei lá, fiz cinco lutas: foram cinco vitórias no primeiro round. Entrei no TUF, fiz quatro lutas e ganhei todas. Depois fiz mais duas lutas fora, pelo UFC, e ganhei as duas. Infelizmente o brasileiro tem a memória muito curta, eles só lembram da última luta. Para apagar a impressão da última derrota é só vencer a próxima. O que as pessoas que torcem por mim podem esperar é o mesmo Rony focado, que entra para lutar. O que pode mudar para essa luta é que, se precisar, eu vou focar na minha essência. Se for para botar para baixo, vou fazer uma luta mais técnica. Sempre quis agradar ao público em termos de trocação, porque ninguém gosta de ver luta técnica no chão, só praticantes veem, por exemplo, a qualidade do Georges St-Pierre, pela técnica. Infelizmente o público quer ver dois bêbados lutando e eu entrava muito nessa pira de querer entrar trocando porrada com todo mundo. É uma coisa que não vai mais acontecer nas minhas lutas. Eu sou um cara inteligente, não abandonei uma faculdade de Direito para vir lutar à toa nem cheguei onde estou à toa.”

“Eu ando pensando no Steven (SIler, próximo adversário) mais do que na minha namorada. Acordo pensando nele e durmo pensando nele. Eu já o finalizei, na minha cabeça, de várias formas e de várias posições diferentes – e também o nocauteei de várias formas. E ele deve estar pensando a mesma coisa de mim.”

“Quando eu entrei pra lutar contra o Jeremy Stephens, pensei que seria uma luta dura, de três rounds, e tomei aquele nocaute em um minuto. Depois, liguei para a minha mãe, chorando, e ela me falou: ‘Meu filho, ele também é filho de Deus. Quantos você não venceu no primeiro round também? Tome como lição’.”

  • Anderson

    Porra, a mãe do Jason é foda!! Conselho bacana pro cara!!! :D

  • Rodrigo Cruz

    Na foto em sparring com Maldonado está TALISON SOARES, todo mundo ainda vai ouvir muito falar nele. Jovem, excelente na trocação, faixa-preta de BJJ e campeão de um dos maiores eventos do Nordeste, o Arena Fight.

    Osssss.