Luis Henrique “KLB” explica descida para os meios-pesados: “Tentei me tornar um peso pesado”

Por Tarso Doria | 21/09/2018 13:55

Poucos atletas no mundo conseguem, aos 25 anos de idade, a experiência que Luis Henrique KLB conseguiu nos quase três anos de UFC. Conhecido pelas atuações no peso pesado, o atleta da TFT irá a São Paulo para lutar pela primeira vez como meio-pesado na organização no UFC Fight Night 137.

Em cinco aparições até 120kg, KLB conseguiu apenas dois triunfos em cinco lutas. Em entrevista exclusiva ao MMA Brasil, o carioca conta que embora existissem certas vantagens, o longo período na categoria não era algo necessariamente planejado.

“Eu já tinha pedido ao UFC desde a minha primeira luta (para descer de categoria). Logo depois da luta contra o Francis Ngannou, pedi de novo e acabou que não aconteceu. Por eu ser novo, estar nos peso-pesados é um ponto positivo. A galera é mais velha”, comentou Luis Henrique.

Mesmo sendo vantajoso em alguns pontos, KLB chegou ao maior palco de MMA do planeta através do que fez nos meios-pesados do Brasil. Então, é claro que a subida de categoria foi antinatural e que, no final das contas, cobrava um preço.

“Tentei me tornar um peso pesado, mas em algumas lutas como a do Marcin Tybura, eu estava claramente ganhando a luta e eu cansei. Encaixei uma finalização que até hoje sinto o pescoço dele no meu braço e acabou que fiz força, escorreguei e não consegui finalizar. Se fosse com um cara mais leve, eu conseguiria levar até o final. Saber essa questão de manter a luta no fim, quando você está ganhando, no meio-pesado vai ser mais fácil, porque será contra atletas do mesmo tamanho”, explicou o atleta.

Categoria nova, adversário novo, mas o plano segue igual

A primeira atuação na nova categoria seria contra Mark Godbeer, outro atleta rodado entre os mais pesados, que faria a estreia nos meios-pesados. Porém, uma lesão do britânico fez com que o brasileiro enfrente um novo adversário. Luis recebeu o nome do novo adversário, Ryan Spann, nos Estados Unidos, quando foi acompanhar o parceiro de treinos Thiago Marreta na luta contra Kevin Holland, no UFC 227.

“Estava no hotel quando o Alex Davis (empresário de Luis Henrique) me ligou dizendo que o Godbeer se machucou e tal. Para mim, ele não se machucou p**** nenhuma. Ele correu da luta. Correu de mim, sabe que levaria porrada de mim. Mas foi quando apareceu o novo adversário e eu aceitei, porque o importante é eu estar lutando, voltar a fazer meu trabalho. Vou chegar lá cem por cento e dar porrada nele também”, prometeu KLB.

Enfrentando um wrestler, KLB garante que é um atleta completo dentro do MMA nos dias de hoje. Anotando lutas de Muay Thai e Boxe, há quem enxergue em Luis Henrique apenas um grappler de mãos pesadas. E é claro, com a mudança de categoria, essas qualidades vão receber também o auxilio da parte física atrelada aos quilos a menos.

“Vocês vão me sentir mais ágil. Isso é algo que estava até sentindo falta. No peso-pesado, com o sobrepeso que acaba acontecendo pois estava tentando me tornar um peso-pesado, eu acabei ficando mais lento. Até na categoria é ruim. Se você ver o que sobressai é a velocidade. E mesmo eu sendo leve, não me sentia assim na luta”, comemora o lutador.