Por Alexandre Matos | 20/09/2015

Tito Ortiz tinha uma chance para reconquistar um cinturão depois de mais de uma década. Porém, a chance envolveria atacar o ponto forte de Liam McGeary. E quando algo tem tanta chance de dar errado, provavelmente vai dar.

Na luta principal do Bellator MMA: Dynamite 1, evento híbrido de MMA e kickboxing realizado neste sábado, no SAP Center de San Jose, Califórnia, o campeão McGeary aproveitou a primeira oportunidade clara para finalizar o quarentão Ortiz no assalto inicial.

O duelo começou lento, com estudos de ambos em pé. Tito então aplicou uma queda que Liam pareceu não ter feito nenhum esforço para evitá-la. O integrante do Hall da Fama do UFC caiu por cima e começou a trabalhar no ground and pound. Chegou até a passar a guarda de McGeary, mas causou poucos danos. Monstrando calma, o campeão esperou o ritmo do oponente cair. Primeiro foi uma tentativa de chave de braço, quase que um teste. Em seguida, repôs a guarda e rapidamente grampeou o americano com um triângulo invertido. Fim de papo na marca de 4:41 de luta.

Esta foi a primeira vez que Ortiz foi submetido desde 1997, quando caiu numa guilhotina de Guy Mezger ainda em sua segunda luta. Na verdade aquela foi a única vez que Tito sofreu uma finalização clássica antes deste sábado – ele bateu sob espancamento para Frank Shamrock, em 1999.

LEIA MAIS Fim do mistério: Fedor Emelianenko vai lutar no evento de fim de ano do ex-presidente do PRIDE

Phil Davis conquista GP com uma finalização e um nocaute

O ex-UFC Phil Davis estreou no Bellator mostrando que está muito acima dos adversários na nova casa, pelo menos dos que ele enfrentou. O Mr. Wonderful conquistou o torneio de uma noite dos meios-pesados e será o próximo desafiante de Liam McGeary.

Para chegar na final, Davis encarou na primeira luta o ex-campeão Emanuel Newton. Sem dar sopa para o azar, já que voltaria a lutar pouco tempo depois, Davis tratou de colocar o wrestling para jogo. Ele derrubou Newton, pegou as costas e retornou para finalizar na kimura, sua marca registrada.

Davis pegaria na final Muhammed “King Mo” Lawal, que estreou vencendo o ex-desafiante Linton Vassell. Porém, uma queda aplicada pelo inglês machucou a costela de King Mo. Como o tempo de descanso esfriou o corpo de Lawal, as dores aumentaram e ele ficou impossibilitado de voltar para a final. Vassell, que levou um knockdown e engoliu diversas pancadas fortes, também foi vetado de continuar. Sobrou então para a terceira opção, Francis Carmont, que venceu a luta reserva na abertura da programação, cerca de cinco horas antes.

Na final contra Carmont, Davis nao teve nenhum problema. A luta passou cerca de dois minutos sem nada acontecer além de Carmont balançar os braços para confundir o americano. Pois quando o francês avançou, Davis acertou um cruzado de esquerda que mandou o oponente a knockdown. Mais dois ou três socos foram aplicados até o árbitro interromper na marca de 2:15.

Saulo Cavalari é o primeiro brasileiro campeão do GLORY

Na primeira vez que um brasileiro disputou um cinturão do GLORY, Saulo Cavalari repetiu a vitória do ano passado sobre Zack Mwekassa para ficar com o título dos meios-pesados que estava vago desde que Gökhan Saki foi destituído por passar mais de um ano sem defender a coroa.

O congolês começou melhor com sua agressividade costumeira e venceu o primeiro assalto. Saulo voltou melhor no segundo e mandou o rival à lona com um belo chute alto, mesmo artifício que lhe rendeu o nocaute de 2014. Mwekassa se recuperou e, com um duro trabalho na linha de cintura do brasileiro, igualou as ações e passou no placar, graças a um ponto perdido pelo brasileiro no segundo assalto, que fez a vantagem cair de 10-8 para 9-8.

Mais versátilo como kickboxer que o africano, que trabalha mais o boxe do que os chutes, Cavalari voltou a encaixar boas sequências nos dois últimos rounds e conseguiu a virada. Na contagem do MMA Brasil, Saulo Cavalari venceu por 47-46. Dois juízes marcaram 48-46, enquanto o outro anotou empate em 47-47, definindo assim a vitória do curitibano por decisão majoritária.