Josh Barnett confirma saída do UFC, fala sobre seu futuro e critica USADA

Por Gustavo Lima | 26/06/2018

Josh Barnett confirmou através de uma nota em sua página oficial do Facebook que está oficialmente liberado de qualquer vínculo contratual com o UFC. Rumores sobre a demissão do veterano começaram a pipocar na última semana e acabaram eventualmente sendo confirmadas pelo site “MMA Junkie“.

Em comunicado, Barnett agradece ao UFC e fala sobre o lado bom de sua passagem de 5 anos pela companhia, mas também critica a maneira com que a companhia conduz determinadas situações, citando uma “falta de liberdade” que o mesmo procura ao se desligar do seu antigo empregador.

Outra alvo das críticas do Warmaster foi a USADA, que recentemente havia notificado o atleta outra vez sobre um teste anti-doping falhado. Confira abaixo a tradução integral da nota:

“Uma carreira extensa como a minha pode tomar vários rumos ou mudar totalmente de direção as vezes. Essa é uma dessas ocasiões. Ninguém esperava que eu voltaria algum dia ao UFC dada a relação conturbada que tivemos no passado, mas nesses últimos 5 anos e 5 lutas, foi lá que eu estive. E eu me diverti muito durante meu tempo lá. O UFC foi uma experiência maravilhosa na minha segunda passagem e juntos nós fizemos muitas coisas boas. Por mais que eu ache que talvez fôssemos capaz de continuar fazendo essas coisas, eu sinto que é hora de tomar outro caminho. Eles possuem grandes lutadores e a maior plataforma do mundo, então qual a razão pra eu querer sair? O UFC possui uma estrutura pronta pra criar as histórias deles, do jeito deles, e é um jeito legal, mas não é o meu jeito – não é minha história. O chamado pela aventura continua comigo e eu quero exercitá-lo. Eu quero voltar ao caminho dos primeiros dias do MMA, viajando o mundo e indo a lugares exóticos, lutando sob diferentes regras, cages ou ringues ou sei lá, lutadores que estão abaixo do radar; o desconhecido. Tem muitos atletas e lugares em que eu quero lutar e seguir meu caminho. Eu terei a habilidade de criar essa história e fazer dessas oportunidades uma realidade, algo que eu não poderia fazer dentro do UFC.

O imbróglio com a USADA durante o último ano e meio também influenciou minha decisão de sair do UFC. A insistência desenfreada deles em me punir por algo que eles claramente sabiam que era um problema de contaminação foi totalmente anti-ética. A tentativa de manufaturar alguma razão para legitimizar o aumento de qualquer sanção contra mim foi inaceitável. A postura deles de solicitar meu advogado e travar uma batalha comigo foi totalmente desnecessária. Eles escolheram um adversário à um processo limpo e justo. Eu não posso, em boa consciência, confiar que eles vão agir em boa fé ou que não vão tentar nenhum tipo de vingança pra tentar cancelar a minha vitória na corte. Não é o tipo de cenário em que eu desejo passar a fase final da minha carreira.

Eu quero evitar a burocracia ao deixar o UFC. Eu espero ser capaz de lutar onde eu quero. Competir no grappling, na luta livre (telecatch) e aproveitar as oportunidades da maneira como eu desejo. Como uma peça no quebra-cabeças do UFC, eu iria trabalhar pela narrativa e pra estar no desenho da linha do tempo deles – como muitos esperam. Ainda existem muitas histórias pra contar na minha carreira e eu quero determiná-las sem influência. Pra fazer isso, eu preciso estar sozinho nessa. Quero ser o arquiteto do meu destino. Cruzar os campos de batalha. O UFC foi muito bom pra mim e um grande lugar pra lutar, mas o tempo que eu tenho sobrando nesse esporte é pra me arriscar e ir pra batalha. Eu escuto o chamado pela aventura e sou obrigado a ir.

Rumo a incontáveis batalhas.

O Warmaster.”

Aos 40 anos de idade, Josh Barnett não pisa no octógono do UFC desde setembro de 2016, quando finalizou Andrei Arlovski no UFC Fight Night 93. O híato se deve ao imbróglio com a USADA, onde Barnett foi pego num exame antidoping, mas conseguiu provar sua inocência e constatou contaminação em uma longa batalha judicial. O ex-campeão do UFC e do Pride soma quatro vitórias nas últimas cinco lutas, sendo apenas derrotado por Ben Rothwell por finalização em janeiro de 2016.