Johny Hendricks comenta luta com Paulo Borrachinha: “Bate pesado, e isso é tudo que faz”

Fazendo sua terceira luta na categoria dos médios do UFC, o ex-campeão dos meio-médios Johny Hendricks busca voltar a trilhar o caminho das vitorias dentro da organização. Seu próximo desafio será enfrentar o invicto Paulo Borrachinha na luta que abrirá o card principal do UFC 217, no próximo sábado.

Sabendo que a vitoria é imprescindível para a sua carreira, já que vem de quatro derrotas em suas últimas cinco lutas, Hendricks sabe o que precisa fazer para garantir o duelo. Durante o media day do UFC 217, o ex-campeão afirmou que a explosão e potência de seu oponente não serão suficientes para pará-lo.

“Ele bate pesado, e isso é tudo que ele faz. Soca pesado e chuta pesado. Vamos testar seu cardio e testar sua vontade de ser o melhor do mundo. Porque eu sei o que é preciso para estar lá, e agora que já vi o que quero ter, é tudo o que tenho em mente”, disparou o lutador.

Ex-detentor do cinturão dos meios-médios e antigamente um dos maiores nomes da categoria, Hendricks foi do céu ao inferno nos últimos anos. Vivendo sua pior fase da carreira, onde chegou a acumular três derrotas seguidas, o americano declarou que sua atual situação se deve as inúmeras frustrações que sofreu dentro dos octógonos.

“Muitos desses jovens, é isso que estou tentando dizer a eles: não siga esse caminho, senão você cai num buraco. Eu me deixei me irritar, cheguei num ponto que não me importava mais com o MMA. Porque você ganha do GSP, mas perde; você ganha no Texas, volta a Vegas, e perde. Aí o próximo, você perde, e na próxima luta você pensa, “Pra que treinar? Se eu estou batendo esses caras e ainda assim vou perder, pra que treinar?” Vou receber a mesma quantia se eu não treinar. Posso literalmente apenas aparecer e receber meu dinheiro, pois não importa se eu te der uma surra, ainda vou sair com a derrota. Foi isso que tive que derrotar. Demorou um pouco, não vou mentir, mas foi uma das coisas que tive que conquistar como uma pessoa, essa sensação da vitória para a derrota”.

Antes treinando no Texas, o lutador se mudou para a cidade de Albuquerque, no Novo Mexico, para treinar na Jackson-Wink MMA, celeiro de grandes lutadores do UFC. Para o lutador, foi uma decisão muito difícil, principalmente ficar longe da família, mas acredita que era algo necessário para seu crescimento como atleta.

“Fui idiota de não fazer isso há dois anos. Mas tudo acontece por um motivo. Era minha hora. Minha esposa estava num ponto em que, quando liguei pra ela, perguntei, “O que você acha de eu ficar aqui?” Ela disse: “Fique. Se é o que você precisa fazer para vencer e não perder, faça.” É difícil estar longe da esposa, dos meus filhos, mas todos estão me apoiando. Quero treinar mais do que qualquer coisa porque não tenho nenhuma distração. Não tenho que me preocupar em ficar atrás dos meus filhos, de ter que buscá-los no futebol, isso e aquilo. Literalmente acordo e vou treinar de 9h às 11h, de 12h às 13h, depois descanso por uma ou duas horas, e treino de novo por volta de 17h, e aí corro às 21h. Esse é meu dia, todos os dias. É isso ou ficar vendo TV que nem um vagabundo. Prefiro estar me exercitando”.

O UFC 217 sera realizado neste sábado (4), no Madison Square Garden, na cidade de Nova York, Estados Unidos.

 

  • William Oliveira

    “Apenas” bater forte vai ser o suficiente nesse caso, não vejo como o Hendricks possa ganhar do Borrachinha, o tamanho importa sim e a diferença vai ser mt bizarra, mt maior que a de GSP-Bisping por exemplo. Detalhe: o cara vem de derrota pro Tim Boetsch por HIGH KICK, me dizer que “só bater forte” não basta é foda. Hendricks pareceu até que endoidou na entrevista com o Helwani, sei lá, pupila dilatada, excessivamente animado.. Duvido nada testar pra algo dps também.

  • Jonas Greco

    “Pra que treinar? Se eu estou batendo esses caras e ainda assim vou perder, pra que treinar?” Isso explica muita coisa

  • Gabriel Fareli

    Esse texto explica exatamente o Hendricks que vimos nas últimas lutas. Desinteressado, preguiçoso e que ia lutar sem estar preparado fisicamente e psicologicamente. Espero que ele tenha tomado rumo, ele ainda tem talento pra ir longe na categoria.

  • Bruno Coelho

    Gostava muito do Hendricks, mas confesso que perdi completamente o “tesão” nele e passei a vê-lo como um gordinho preguiçoso. Agora essa declaração explica muita, mas muita coisa.

    Guardadas as devidas proporções, acho que aconteceu a mesma coisa com o Carlos Condit.

  • Ricardo Vieira

    Caramba, se com um soco ele mesmo podia deitar um oponente então pq achar que somente a força do Borrachinha não vai ser tudo? Espera só, tomando o primeiro tijolo na cara já vai pedir água!