Jim Miller comenta ansiedade por luta no Brasil e elogia Massaranduba

No próximo sábado, o peso leve americano Jim Miller completa o incrível número de 28 lutas no UFC, quando ele subir no octógono contra o brasileiro Francisco Massaranduba, no card preliminar do UFC Fight Night 119, em São Paulo.

Próximo de um recorde da organização, Miller fará a seu primeiro combate em território tupiniquim. Em entrevista ao MMA Brasil, ele comentou que está muito animado pela oportunidade de lutar aqui e espera trazer um bom show ao público:

“Sim, eu me sinto bem animado para essa luta, e não só por causa da luta, é pela oportunidade de vir aqui, lutar no Brasil, dar um show para os brasileiros. O jiu-jítsu brasileiro fez a minha vida, comecei a treinar 12 anos atrás e não sei onde estaria sem. É muito legal ter essa oportunidade”.

Com duas derrotas sofridas para Dustin Poirier Anthony Pettis, Jim acabou se afastando do top 15 da organização. Perguntado sobre suas ambições, ele comentou sobre o desejo de ser campeão, mas quer sempre dar o melhor de si sempre que luta:

“Ter a luta perfeita. Eu tenho a vontade de ser campeão, toda luta eu quero dar o máximo de mim. Esse é o desafio, essa é a luta. Vir aqui e lutar 100%. Toda vez que eu subo no octógono é para dar o meu melhor e mostrar minhas habilidades, sei que se farei isso, posso ter uma oportunidade pelo título”.

O adversário do próximo sábado será o piauiense Francisco Massaranduba, que vinha de sete vitórias seguidas até perder para Kevin Lee e chegou a ocupar o top 15 do peso leve. Miller também aproveitou a oportunidade para elogiar o lutador brasileiro, esperando um grande combate no próximo sábado:

“Ele é agressivo, anda pra frente, é bom trocador e é perigoso no chão. Tem algumas boas finalizações que ele arranja, é um cara experiente, já esteve lá com algum dos melhores, espero uma luta legal”.

Seis vezes vencedor do prêmio de “Luta da Noite” e três vezes vencedor do “Submissão da Noite”, Jim Miller é um dos lutadores favoritos dos fãs de MMA, mas ele não promete ganhar um dos prêmios mais uma vez, e ainda aconselha lutadores jovens sobre o dinheiro extra:

“Nunca tenho fé nisso. Eu ouço muito os atletas mais novos falando que vão lutar pelo bônus. Você nunca sabe, já vi desempenhos que poderiam levar e não levaram, e senti que isso já aconteceu comigo. Você não pode lutar por isso, não pode esperar isso, mas se aparecer, é ótimo, como se você tivesse andado na rua e achado 50 mil dólares. Você tem que dar o seu melhor, lutar a sua luta e não se preocupar, é ótimo, mas não se preocupe”.