Holly Holm nocauteia Bethe Correia com chute brutal no UFC Fight Night 111

The only one who could ever kick me was the daughter of a preacher man

O retorno do UFC a Singapura viu um card preliminar eletrizante e um principal que acabou devendo bastante, mas teve um encerramento que deve aparecer em diversas listas de melhores nocautes no final do ano.

Holly Holm e Bethe Correia nunca foram conhecidas por lutas memoráveis no UFC, e o combate principal de hoje definitivamente não se encaminhava para tal. O primeiro round foi de muito estudo e com poucos golpes de ambos os lados. Bethe não podia se arriscar para não tomar contra-ataques de Holm, que optava por um jogo mais conservador. Início de 10-9 para a ex-campeã na contagem do MMA Brasil.

O segundo round foi praticamente semelhante ao primeiro. Muito estudo, poucos golpes e a interrupção do árbitro Marc Goddard para pedir mais ação no duelo. Ele foi levemente atendido. Ambas começaram a soltar mais o jogo. Bethe encontrou o seu melhor momento na luta, acertou um bom soco rodado, conseguiu atingir Holly com alguns socos e terminou o round no clinch, empatando a luta.

O terceiro assalto novamente mostrou um momento de Rocky em lutas reais. A luta passou a ter um pouco mais de movimentação e, assim como Apollo Creed fez contra Ivan Drago, Bethe pediu para Holly golpear. O resultado foi trágico – não tanto quanto o do filme, claro. Holly mandou um belo chute de esquerda no rosto de Correia, que caiu sentada. A brasileira levou mais um soco antes da interrupção do árbitro.

Foi a primeira vitória de Holm desde que venceu Ronda Rousey, em 2015. O chute também adicionou US$ 50 mil na poupança da “Filha do Pastor” pelo bônus de desempenho.

Marcin Tybura vence Andrei Arlovski em combate lamentável

Juro que não sei o porquê de o UFC ter colocado Andrei Arlovski contra Marcin Tybura em uma luta coprincipal a esta altura dos acontecimentos, mas era óbvio que o resultado seria lamentável.

Mais pesado, Marcin começou bem e não quis perder muito tempo em pé contra Arlovski, levando a luta de imediato para o chão. O polonês chegou na montada, de onde começou um espancamento sobre o pobre “Pitbull”, que mostrou um coração bem maior do que na maioria de suas lutas, resistiu ao castigo e voltou de pé para tentar algo no final do round. Mesmo com os esforços de Arlovski, 10-8 Tybura na contagem do MMA Brasil.

No segundo round, Tybura voltou exausto e Arlovski aplicou um jogo de grade. Mais técnico, mais rápido e mais inteiro, Andrei prendeu o oponente com todas as forças na grade, tentou executar quedas, mas segurou Tybura firme na posição, em uma parcial morna, mas que foi o suficiente para diminuir a vantagem com o 10-9 para Arlovski e 19-18 para Tybura no cômputo geral.

Tudo indicava que Arlovski levaria o terceiro assalto também, mas lhe faltou QI de luta. O ex-campeão não quis tentar golpear na longa distância com Marcin, provavelmente temendo outro nocaute, e optou pelo clinch. O complicado é que Andrei não sabia que estava tão sem gás quanto o polonês, que aproveitou para levar o combate para o solo e lá ficou até o final.

Os três juízes viram a vitória de Tybura, com placares de 29-27, 28-27 (eu não digitei errado) e 29-28 (não digitei errado de novo. É mole?).

Colby Covington acoberta Dong Hyun Kim e empolga na entrevista

Por diversos anos, tivemos a oportunidade de ver Dong Hyun Kim agir como um cobertor humano sobre os seus oponentes. Neste sábado, o feitiço virou contra o feiticeiro. Mais jovem e mais bem preparado,Colby Covington soube aproveitar as oportunidades para aplicar o seu jogo e vencer.

O primeiro assalto teve um leve desequilíbrio de Covington, que Kim tentou a oportunidade para aplicar uma queda. Porém, acabou sendo vítima da forte recuperação de Colby, que tratou de sair da posição e se agarrou com todas as forças no sul-coreano. Foram três quedas do americano, que passou quase quatro minutos controlando Kim e levou o 10-8 pelo domínio completo.

O segundo assalto também foi bastante baseado no clinch, mas agora com mais equilíbrio nos golpes disparados enquanto agarrados. No entanto, o domínio do “Chaos” continuou claro. Colby chegou a soltar uma boa esquerda que balançou o coreano, mas o panorama do round foi de quedas e um bom tempo agarrado em Dong Hyun. Mesmo sem um controle igual ao do primeiro assalto, outra vitória folgada de Covington, que somou 20-17.

O terceiro foi o assalto com mais momentos de trocação na luta inteira. Kim tentou tomar ação, mas acabou sofrendo demais com os golpes aplicados por Covington. Eram boas e simples combinações que marcaram o rosto do “Stun Gun”. O combate acabou se desenrolando no chão pouco tempo depois, novamente com Covington no domínio e marcando 30-26 na nossa contagem. No anúncio oficial, decisão unânime a favor de Covington com 30-25, 30-26 e 30-27.

Na entrevista pós-luta, Colby se empolgou e provocou bastante, declarando-se o “rei sem coroa” da divisão e pedindo uma disputa de título. Risos.

Rafael dos Anjos vence Tarec Saffiedine em estreia no meio-médio

Meses depois de anunciar a controversa subida para a categoria dos meios-médios, o ex-campeão dos leves Rafael dos Anjos venceu o seu primeiro combate na divisão de cima com propriedade. Enfrentando o ex-campeão do Strikeforce Tarec Saffiedine, Rafael triunfou por decisão unânime dos juízes.

A luta não começou muito bem para Rafael. Ele telegrafou um chute e deu a oportunidade para Saffiedine derrubá-lo, mas o carioca conseguiu escapar e ficou de pé. O ritmo de Dos Anjos aumentou, desferindo diversos bons socos no belga e aplicando uma queda no final do round, trazendo a vantagem do primeiro assalto ao seu favor por 10-9.

O clinch foi o protagonista do segundo round. Saffiedine e Rafael começaram na troca de golpes até a luta chegar ao clinch na grade. Dos Anjos era mais forte e conseguiu manter a posição por mais tempo, inclusive respirando mais depois dos cinco minutos frenéticos que teve anteriormente. Quando foi necessário, encurralou o belga na grade e acertou bons golpes, abrindo mais um ponto na contagem.

Com pouca probabilidade de perder na decisão dos juízes, Rafael decidiu ser conservador nos últimos cinco minutos. Depois de momentos de equilíbrio na troca de golpes, Saffiedine levou a luta para a grade no clinch, mas Dos Anjos reverteu a situação e passou a ficar no controle do combate, golpeando no centro do octógono e fazendo o necessário para levar mais um 10-9, totalizando 30-27 no placar final. Dois juízes concordaram com a visão do MMA Brasil, enquanto outro marcou 29-28, confirmando a vitória do carioca.