Por Idonaldo Filho | 07/05/2019 23:56

Em 2018, a PFL entregou um modelo interessante e inovador que foi um sucesso dentro do cage, trazendo muitas lutas sensacionais, interrupções, e o surgimento de novas caras para o MMA, que até então eram pouco conhecidas do público. Com um sistema de torneio diferente do clássico utilizado no esporte, que inicia na fase regular – onde os lutadores competem por duas rodadas de pontos corridos -, e termina na fase de playoffs – que funciona como mata-mata – a PFL conseguiu conquistar seu nicho e conquistou um contrato com a ESPN americana. No Brasil, a dona dos direitos de transmissão é a DAZN, ou seja, provavelmente teremos a transmissão pelo Youtube.

Dando seguimento a cobertura do evento como ocorreu no ano passado, traremos aqui um guia sobre o que você deve esperar de mais relevante nas seis categorias nas quais serão disputadas o torneio em 2019, além do próprio evento em si, que vem com novas adições e teve que se virar nas últimas semanas com várias substituições de última hora. Sobre as regras, a única alteração mais impactante do ano passado para este é que, nas disputas de playoffs, quando ocorrer empate, a luta será julgada como um todo e não da forma que ocorreu no ano passado, na qual quem houvesse vencido o primeiro assalto ganhava o combate.

O PFL 2019 terá sua fase regular entre 9 de maio e 8 de agosto, e os playoffs iniciarão no dia 11 de outubro e terminarão no dia 31 do mesmo mês, a final acontecerá na noite de ano novo.

Peso Pena

O campeão de 2018 Lance Palmer certamente está entre os favoritos novamente. No ano passado, o wrestler – que recentemente se desvinculou da Team Alpha – assegurou a vitória no torneio com muito domínio, impondo toda sua potência no grappling com certa facilidade, vencendo inclusive o ex-campeão do WSOF Andre Harrison. Este, que anteriormente se mantinha invicto, seguirá também no elenco da temporada de 2019, continuando como bom valor, embora possa se sair prejudicado nos casamentos de playoffs pela total inabilidade de obter interrupções, perdendo pontos preciosos na classificação. Fique de olho em Movlid Khaibulaev que, dentre as novas adições, é uma das que mais empolgam, mostrando um jogo de pressão muito poderoso, sem falar na fluidez de seus golpes.

Enquanto os favoritos não aparentam ser os mais empolgantes lutadores – mas que certamente atuarão buscando os pontos no início – há alguns lutadores que sempre buscam entreter o público. Alexandre Popó certamente é um destes, já que o violento faixa-preta de jiu-jítsu, além de sempre ser uma ameaça no chão, busca o nocaute em pé a todo custo, com joelhadas voadoras, chutes, e golpes potentes. O ex-UFC Damon Jackson também deve garantir seus pontinhos, já que é especialista em estrangulamentos e só foi para decisão uma vez na carreira. Surpresa da categoria na temporada passada, Steven Siler é outro do qual é desnecessário comentar, sendo um dos mais perigosos guardeiros e também possuindo potência nos golpes, além da resiliência.

Outros lutadores: Alex Gilpin, Alexandre Capitão, Gadzhi Rabadanov, Jeremy Kennedy, Luis Rafael Japa, Luiz Eduardo Garagorri

Palpite de favorito: Lance Palmer
Pode surpreender: Movlid Khaibulaev
Zebra: Luiz Eduardo Garagorri

Peso leve feminino

Kayla Harrison na pesagem oficial do PFL 6

Neste ano, não teremos a categoria dos médios (até 84kg), que na temporada passada foi uma das mais fracas em nomes – embora tenha revelado bons prospectos – e foi retirada para a adição do peso leve feminino. Categoria praticamente inexistente no MMA mundial, ela foi adicionada somente com o objetivo de abrigar a estrela do evento, Kayla Harrison, bicampeã olímpica no judô que fez a transição para o MMA. Obviamente, Kayla é a grande favorita pela suas grandes credenciais e, principalmente, pelo rastro de destruição que deixou no MMA até o momento, batendo todas as adversárias colocadas contra ela sem dó nem piedade com a facilidade de uso de seu grappling, além de um ground and pound poderoso.

Uma lutadora famosa que também estará no evento é Sarah Kaufman – antiga peso galo (!!) do UFC – que decidiu subir nove quilos para se testar e tentar conquistar o prêmio de um milhão de dólares. O restante da categoria que tem apenas 8 atletas não empolga muito: uma Larissa Pacheco que recentemente foi derrotada no TUF, a faixa preta de jiu-jítsu Roberta Samad que volta de muito tempo afastada e a campeã mundial de muay thai Genah Fabian, que deve sofrer na mão das grapplers.

Outras lutadoras: Bobbi Jo Dalziel, Morgan Frier, Moriel Charneski

Palpite de favorita: Kayla Harrison
Pode surpreender: Sarah Kaufman
Zebra: Moriel Charneski

Peso Leve

Com algumas adições interessantes,e outras bem suspeitas, o peso leve trará bons lutadores que buscam ampliar o seu nome no mundo do MMA, para que sejam mais conhecidos do grande público. Um deles é o ex-campeão do Fight Nights, Akhmet Aliev. O russo é cruel quando está trancafiado com outra pessoa no cage, atacando com sequências monstruosas. que não acontecem com frequência – mas quando acontecem causam o caos, envolvendo golpes rodados, combos lindos de chutes e socos e muita força também em disputas de clinch. Islam Mamedov é outro russo que quer crescer já que, embora tenha saído invicto da temporada passada, se lesionou e acabou perdendo a vaga nos playoffs. Parceiro de Khabib Nurmagomedov, Mamedov é um ótimo atleta, com um sambô sensacional e muito bom domínio no solo, já tendo vencido o campeão da categoria em 2018 em sua carreira.

Obviamente não podemos esquecer dos finalistas da temporada passada. Nathan Schulte levou o título para o Brasil e mostrou que sua evolução na ATT foi monstruosa, se transformando em um dos melhores lutadores da categoria em pouco tempo, com um grappling muito efetivo, jiu-jítsu perigoso e trocação eficiente, além de ótimo preparo físico. Rashid Magomedov é aquilo, sempre estará com aquele pouco senso de urgência e de nocaute, mas será extremamente eficaz no que faz – sendo bastante difícil sair vitorioso contra um atleta tão bom em controlar combates como ele.

Vale também mencionar os nomes de Nate Andrews e Ronys Torres. O americano de 35 anos tem a oportunidade da vida para mostrar todo seu trabalho feito no cenário regional, sempre levando perigo com seus estrangulamentos e atuando preferivelmente na longa distância, usando muitos chutes. Já Ronys é um conhecido veterano, atleta da Nova União que porta uma faixa-preta de jiu-jítsu e possui muita experiência, sendo certamente um dos melhores grapplers no torneio.

Outros lutadores: Ylies Djiroun, Bao Yincang, Ramsey Nijem, Carlão Silva, Chris Wade, Loik Radzhabov

Palpite de favorito: Islam Mamedov
Pode surpreender: Akhmet Aliev
Zebras: Bao Yincang e Ramsey Nijem

Peso meio-médio

Essa categoria sim promete. Recheada de lutadores que gostam de trocar sopapos como se não houvesse amanhã, os meios-médios tem como campeão de 2018 o russo Magomed Magomedkerimov, que defenderá seu título nessa temporada. Magomed é um atleta completo, que não é de ousar muito em pé, mas faz o jogo seguro e consegue fazer seu trabalho principalmente no solo, onde é calmo – sabendo muito bem quando amarrar e quando partir para a finalização. Outro bom lutador é Glaico França, campeão do TUF Brasil 4 nos leves e que conquistou o cinturão do Pancrase após sair do líder do mercado. Glaico – sem o corte de peso drástico – atua com mais energia, com sua luta livre esportiva sendo extremamente eficiente quando usada em combate, mostrando também ser um atleta completo com sua habilidade em pé. Ele tem um desafio complicado em seu primeiro combate casado na temporada, contra o bom russo Gamzat Khiramagomedov, que está invicto em 8 combates e é bastante eficiente em pé, com muita agilidade e boa movimentação.

Agora, falando da galera do mal. O sueco Sadibou Sy desceu categoria e todos esperamos aquilo que vimos ano passado: um striker heterodoxo, que gosta de golpes ousados e poderosos. Também veremos Chris Curtis e David Michaud, dois americanos que foram contratados após destacarem no circuito americano, sendo que Curtis é mais conhecido pelo nocaute brutal que registrou no Contender Series, enquanto Michaud e sua aparência de lorde das trevas sempre vai pra matar ou pra morrer nas lutas. Contaremos também com os primos Ray Cooper III – que foi uma revelação da última temporada – e Zane Kamaka, que se enfrentarão na primeira rodada e prometem duelo empolgante.

Outros lutadores: Handesson Boy Doido, Andre Fialho, Bojan Velickovic, John Howard

Palpite de favorito: Magomed Magomedkerimov
Pode surpreender: Chris Curtis
Zebra: Zane Kamaka

Peso meio-pesado

A Rússia ocupa quase metade desta categoria, muito pela influência do empresário Ali Abdelaziz, que empresaria boa parte dos lutadores da organização. Nos meios-pesados, Rashid Yusupov – que foi apontado como favorito na temporada passada, mas infelizmente se lesionou e caiu fora – surge para redenção. O ex-campeão do M-1 Global é um sujeito extremamente capaz de tudo no MMA, mostrando muita agilidade e fluidez nos golpes para um sujeito que pesa mais de 93kg, contando com vitórias grandes no cenário russo. Jordan Johnson também estará na PFL e, após não renovar contrato com o UFC mesmo após assegurar quatro vitórias no evento, surge como favorito para o torneio, principalmente pela sua alta capacidade no wrestling.

Mikhail Mokhnatkin por muito tempo foi uma das grandes promessas na Rússia, mas nunca se decidiu se era um meio-pesado ou pesado, e alguns resultados duvidosos – como contra Bodão – mancham um pouco seu cartel. Mas não se enganem, pois ele é dono de um bom condicionamento físico e consegue manter o ritmo do duelo com golpes precisos e muito técnicos como poucos. Para entretenimento, sempre podemos contar com Vinny Pezão e seu grande nível de jiu-jítsu – e pouco nível em pé – além do sensacional Bazigit Ataev, rei dos golpes rodados e que luta da forma mais irresponsável possível, o que obviamente amamos.

Outros lutadores: Dan Spohn, Maxim Grishin, Emiliano Sordi, Sigi Pesaseli, Rakim Cleveland, Ronny Markes, Viktor Nemkov

Palpite de favorito: Jordan Johnson
Pode surpreender: Mikhail Mokhnatkin
Zebras: Sigi Pesaseli e Emiliano Sordi

Peso pesado

É inegável que a vitória de Philipe Lins foi uma das grandes surpresas da temporada 2018 da PFL. O brasileiro entrou de última hora na fase inicial do torneio, foi vencendo os adversários graças a diferença de velocidade – mostrando bastante evolução se comparado com o atleta que era no Bellator – mas agora terá adversários bem mais interessantes. Teremos no elenco dois atletas olímpicos: um que não se adaptou da melhor forma que é o medalhista de ouro Satoshi Ishii e, o ainda novo no MMA Ali Isaev, wrestler russo que representava o Azerbaijão e que mostrou muita evolução em seus últimos combates após um hiato.

Um nome sensacional na categoria é Denis Goltsov. O russo é ex-campeão do ACB e sempre foi considerado como um dos principais pesados fora do grande mercado, com extenso background no sambô, mostrando também agilidade e habilidade com chutes, sendo um atleta completo – embora já tenha mostrado que não se dá muito bem com atletas que o pressionem. Outro bom nome é Ante Delija que, apesar de pupilo de Mirko Cro Cop, não se mostra tão visceral como seu mestre, mas é um striker perigoso e que sabe muito bem se defender, que traz curiosidade já que não mantém muita atividade durante sua carreira recente. Fique de olho também em Mo DeReese, dono de grande atleticismo e que possui um bom wrestling, e também em Kelvin Tiller, que no ano passado mostrou que não é qualquer um e conseguiu bater inclusive o até então favorito Jared Rosholt – que infelizmente (!!!) volta para esse ano.

Outros nomes: Alex Nicholson, Valdrin Istrefi, Francimar Bodão, Ben Edwards

Palpite de favorito: Denis Goltsov
Pode Surpreender: Mo DeReese
Zebra: Alex Nicholson