Gracie Pro 2017: Prévia de Marcus Almeida “Buchecha” vs. Roger Gracie 2

Vinte títulos mundiais somam Roger Gracie e Marcus Buchecha. Os maiores pesos pesados da história do jiu-jítsu voltam a se enfrentar na luta mais aguardada de todos os tempos, num evento de alto nível idealizado por Kyra Gracie.

No próximo domingo, dia 23 de julho, dois dos mais condecorados lutadores de toda a história do jiu-jítsu vão se reencontrar no combate mais esperado pelos amantes da arte suave. Os 10 vezes campeões mundiais Marcus Almeida “Buchecha” e Roger Gracie farão a superluta do Gracie Pro 2017, evento idealizado por Kyra Gracie, que vai acontecer no Parque Olímpico do Rio de Janeiro, na Arena Carioca 1.

Além desta antológica revanche, o Gracie Pro 2017 terá competições de jiu-jítsu nos dias 22 e 23. No sábado, acontecerão disputas nas categorias Pré-Mirim (4 a 6 anos), Mirim (7 anos), Infantil A (8 e 9 anos), Infantil B (10 e 11 anos), Infanto-Juvenil A (12 e 13 anos), Infanto-Juvenil B (14 e 15 anos), Juvenil (16 e 17 anos) e Adulto (acima de 18 anos, da faixa branca à preta). Haverá também competições em categorias Master 1+2 (acima 30 anos), Master 3+4 (acima 41 anos), Master 5+6 (acima de 51 anos) no masculino e Master 1 a 6 (acima de 30 anos) no feminino.

As finais das faixas pretas, masculino e feminino, acontecerão no domingo. Os vencedores nas categorias absoluto receberão prêmios que vão de um quimono e um kit (absoluto faixa azul) até R$4.000 para faixa preta masculino e feminino.

O Gracie Pro 2017 terá diversos outros eventos paralelos como seminários de Kyra Gracie, Renzo Gracie, Ralph Gracie, Carlão Barreto, Sylvio Bhering, Amaury Bitetti, Milton Vieira e Erica Paes; clínicas de jiu-jítsu, seminários de defesa pessoal, food trucks e mais.

Marcus Buchecha vs. Roger Gracie

No primeiro e único encontro, no Metamoris 1, ocorrido em 2012, Buchecha e Roger empataram depois de 20 minutos de luta – pelo regulamento do campeonato, somente a finalização contava. Gracie vinha de uma grave infecção por estafilococo contraída dias antes do evento, mas que não o impediu de entregar uma luta muito dura e disputada.

Agora, cinco anos depois, os dois se enfrentarão sob as regras de pontuações, vantagens, punições e decisão da IBJJF, com apenas a diferença na duração do combate, que será de 15 minutos. Desta vez o regulamento acertou em contar pontuação, o que vai dar outra dinâmica para o combate.

Nenhum dos dois atletas são conhecidos por fazer antijogo ou truncar luta. Roger Gracie, com seu controle posicional e sistema defensivo quase impenetrável, aplica muito bem o chamado “jiu-jítsu feijão com arroz” e construiu sua gloriosa carreira utilizando e executando perfeitamente os fundamentos básicos da arte marcial, como os estrangulamentos da montada, que você aprende nas primeiras aulas na faixa branca. Porém, aplicar essas técnicas contra os melhores do mundo é coisa para poucos. E Roger é um desses poucos. Para muitos, ele é considerado o maior competidor da história do esporte.

No entanto, Buchecha caminha para tomar o lugar de Roger. Além de ter empatado no número de títulos mundiais do rival, Buchecha superou um recorde de Roger ao conquistar o quarto título no absoluto. Suas ações no último Campeonato Mundial da IBJJF fizeram muita gente já colocá-lo no patamar de Roger como os maiores de todos os tempos. Confrontar os dois melhores pesos pesados faz desta provavelmente a maior luta da história do jiu-jítsu.

Marcus mescla o jiu-jítsu clássico com movimentos e posições atuais. Ele é um lutador muito explosivo, tem uma meia-guarda agressiva e sua movimentação não lembra nem de longe o que estamos acostumados a ver nos atletas mais pesados. Buchecha também tem um jogo de quedas sólido, desenvolvido inclusive na AKA, academia de wrestlers do nível de Daniel Cormier e Khabib Nurmagomedov. Esta característica de Almeida permite que ele defina estrategicamente como a luta vai transcorrer. Os nove anos de diferença também favorecem o atleta da Checkmat, que fez a reta final dos treinos na BTT e na Checkmat do Rio de Janeiro.

A certeza é de que teremos um lutão e dificilmente haverá um desequilíbrio técnico muito grande. Na primeira vez, além da infecção, Roger também estava sem ritmo no jiu-jístu, devido ao foco que estava dando ao MMA. Agora, as informações dão conta que o astro está afiado novamente.

Acredito num combate tão disputado quanto o primeiro. Porém, valendo pontos, o favoritismo está do lado de Buchecha, que está em ritmo de competição e é mais jovem. Almeida deve prevalecer fisicamente e isso fará a diferença – as respectivas equipes informaram que Buchecha está com 110 quilos e Roger, com pouco menos de 100.

E vocês, o que acham? Estão ansiosos por essa luta? Deixem suas opiniões ai nos comentários.

Oss!

  • Asisz Marco

    1_segundo estatísticas do site bjj heroes( nao é tao completa as estatisticas, mas servem como alguma base) roger tem cerca de 80% de suas lutas terminadas em finalização na faixa preta, indice elevadissimo se levar em conta a qualidade de adversarios nessa faixa, buchecha tem cerca de 57%
    2_acho que analisar somente titulos para definir quem e o maior é meio vago, buchecha pode com mais 2 anos passar o roger em numero de titulos na categoria, ja que no absoluto ele ja passou
    3_mas a maneira como roger ganhava, com o basicao, finalizar caras de grande calibre, ele vencia a maioria das vezes de maneira muito superior, coisa que o buchecha nao faz, por melhor que ele seja.
    4_A obrigação de vencer é do buchecha que esta ativo e no auge, enquanto roger esta no mma e longe das competições de pano por mais de 6 anos, mas vou apostar no roger, cara é sinistro demais, pena ele nao ter levado o mma tao a serio quanto sua carreira no jiu jitsu.

    • Gustavo Menor

      Fala, Marco!
      Como falei no texto, fazer o que Roger faz é pra poucos, mesmo. Eu não sou do tipo que é fã de dizer que fulano é o maior da história, mas uma coisa é fato: são os dois maiores vencedores da história dos mundiais.

      Quanto a dominância de ambos em seus respectivos tempos, é inegável constatar que na época em que Roger se constituiu como um dos maiores a discrepância técnica entre o campeão e o último colocado era maior. O que de forma alguma desvaloriza seus feitos, claro, mas o que pode explicar o motivo de ele ter finalizado mais lutas que o Buchecha em sua carreira.

      Acredito que hoje em dia o fator técnico está mais nivelado, portanto a estratégia, o aspecto físico e o encaixe de estilos que faz a diferença. Por isso acredito mais no Buchecha, por estarem desnivelados no aspecto físico e estratégico (estar em ritmo de competição lutando nas regras da IBJJF conta muito para esse quesito.)

      Abração!

  • Marco antônio

    Boa, Gustavo! Pra mim, não resta dúvidas de que o Buchecha já chegou no nível do Roger, na verdade até acho que passou. Esse negócio de listar o melhor da história é sempre muito complicado, são épocas diferentes, mas se pensarmos que o Jiu-jitsu evoluiu muito de 10 anos pra cá, os feitos do Buchecha (que inclusive já superaram os do Roger) são maiores que os do Roger.

    Roger tem um jogo lindo de se ver, calmo e simples, mas extremante letal. Roger é o tipo de competidor que não perde posição, não anda pra trás, sempre avançando, justinho, cavando centímetro a centímetro no adversário, amassando e envolvendo até não ter mais o que fazer, se não, bater.

    Buchecha é um trem desgovernado, é outro que não sabe andar pra trás. Movimentação impressionante para um sujeito de quase 2 metros de altura e 110 kilos. Explosivo, forte e muito técnico. Evoluiu muito desde a conquista do seu primeiro titulo mundial e do primeiro encontro com Roger. Ainda tem o fato de estar com a autoestima nas alturas, com o sangue fervendo do mundial ainda, em um ritmo muito melhor que o do Roger.

    Essa luta com certeza é a maior luta da história do Jiu-jitsu, e nem tem como ser diferente, afinal são os dois maiores competidores da história se enfrentando, os dois mais condecorados, empatados no número de títulos mundiais.

    Minha opinião é que a juventude e o ritmo do Buchecha vão prevalecer sobre o Roger, inclusive com um placar relativamente folgado, vai ser a passagem de guarda do melhor da história para o cara que está reescrevendo a história, elevando o nível e quebrando todos os recordes.

    • Gustavo Menor

      Fala, Marco Antônio! O onipresente do site, hahaha. Assino embaixo no que tu disse, cara. Nos resta pegar a pipoca e curtir o show. Abração!

      • Marco antônio

        Pipoca e desfibrilador, porque vai ser tenso o negócio.

  • André Guilherme Oliveira

    A expectativa é por um Roger saudável e afiado, que de conta de aguentar ao menos nos minutos iniciais a pujança física do Buchecha.
    É uma luta bem aguardada, mas não sei bem o que esperar do Roger nesse ponto. Com o Buchecha voando, confiante pelos títulos recentes e em ritmo de competição so resta esperar por um Roger bem treinado para que seja uma grande luta.

    • Isso. Eu acho que o Roger vai estar muito bem treinado. Não sei se isso será suficiente.

  • Bruno Fares

    Vai ter transmissão do Combate?

    • Marco antônio

      Sim, começa as 13:00 hs a transmissão no domingo.

  • James sousa

    Não sabia que o Buchecha treinava na AKA ele pensa em migra para o MMA ?

    • Gustavo Menor

      Ele passou uma temporada lá. Ele tinha bem viva esta vontade de migrar, mas acho que agora deu uma esfriada.

      • Eu tenho a sensação que MMA não é a dele. Não sei porque acho isso, pode ser um preconceito da porra, mas nunca vi o Buchecha com o sangue nos olhos comum no MMA.

        • total combat

          Não acompanho tão de perto o Bochecha mais reparando em umas entrevistas recente “pelo Combate “ele exaltando como e possível “pelo menos pra ele “viver do jiu-jitsu competitivo, e se lembramos que ele e muito requisitado pelas academias(para afiar o jogo de chão dos lutadores),ou seja dinheiro não e exatamente o problema.
          Não vejo ele fazendo essa transição pro MMA por motivos econômicos,mais somente pelo espirito de competição .Agora se ele te culhões pra leva soco na cara e outra historia.