Gordon Ryan anuncia que irá se aposentar do jiu-jítsu em 2020

Por Edição MMA Brasil | 30/12/2019 09:48

O cenário do jiu-jítsu sem quimono foi amplamente dominado pelo americano Gordon Ryan em 2019, que conquistou basicamente todos os campeonatos de prestígio do calendário, incluindo o ouro duplo no ADCC. Entretanto, sua carreira já chegou ao fim.

Através de sua conta oficial no Instagram, o atleta afirmou que, após realizar uma viagem, chegou a conclusão de que irá se aposentar do circuito competitivo da arte suave em 2020, logo após realizar algumas lutas que já estavam acertadas anteriormente.

“Obrigado e adeus. Eu não fazia nada além de treinar há anos. Eu não tirava férias há cinco anos. Nesta viagem eu percebi que existe mais na vida do que ficar preso a um tablado azul matando o meu corpo todos os dias. Eu provei que eu sou o melhor várias vezes e agora chegou a hora da mudança. É a hora de começar um novo capítulo na minha vida. Eu tenho algumas lutas agendadas para o começo de 2020 que eu já me comprometi e nelas irei competir, mas considerem 2019 o último ano da minha carreira competitiva.

Eu não preciso de mais nada na vida. Tudo o que eu quero e preciso agora é explorar o mundo com aqueles que eu amo e ajudar meus companheiros de treino a atingir todo o sucesso que eu atingi, além de ajudar pessoas ao redor do mundo através dos meus vídeos de instruções. Eu sei que alguns de vocês ficarão chateados em me ver partir, mas isso é algo que eu tenho certeza. Eu espero que todos os meus fãs entendam e tenham gostado da minha ascensão até aqui. Ainda não acabou. Eu não poderia ter desejado uma carreira melhor do que eu tive. Amo todos vocês”, afirmou.

Com apenas 24 anos de idade, Gordon Ryan revolucionou o cenário do jiu-jítsu sem quimono nos últimos anos. Faixa-preta de Garry Tonon, o americano ostenta o bicampeonato do ADCC, tetracampeonato do EBI, Mundial e Pan da IBJJF e outros campeonatos. De acordo com rumores, uma das últimas lutas de Ryan pode ser justamente contra o brasileiro Felipe “Preguiça”, que lhe derrotou na final do absoluto no ADCC 2017 e se tornou um dos principais algozes da carreira de Ryan.