Georges St. Pierre está de volta ao UFC: decisão correta ou legado em risco?

Georges St. Pierre está de volta ao UFC: decisão correta ou legado em risco?
MMA

Money fights ou o primeiro campeão em três categorias no UFC? Seja qual for o rumo da volta de Georges St. Pierre, as atenções estarão voltadas para ele num momento em que as estrelas estão apagadas.

Depois de meses de especulações e negociações nada tranquilas, finalmente mais uma novela chegou ao fim. E com final feliz para quem gosta do esporte. Georges St. Pierre, um dos mais vitoriosos e talentosos lutadores da história do MMA, acertou seus ponteiros com o UFC e assinou um novo contrato com a organização líder do mercado mundial.

O maior meio-médio que o MMA já viu em ação havia decidido encerrar a carreira ainda no octógono após vencer Johny Hendricks, num resultado controverso, na luta principal do UFC 167, evento que comemorou os 20 anos do UFC, em novembro de 2013. Na época, em meio a informações vagas, o superastro canadense havia dito que o pouco combate ao doping era um dos motivos que fizeram com que ele tomasse a decisão de se aposentar.

De lá para cá, muita coisa mudou. O cinturão, que ele dominou com mão-de-ferro desde 2007, não esquentou lugar na casa de ninguém: Hendricks ganhou o título que ficou vago, perdeu na primeira defesa para Robbie Lawler, que colocou em jogo em duas guerras antológicas antes de ver Tyron Woodley tomá-lo. E o atual campeão escapou com um empate quando defendeu no fim do ano passado. A competitividade acirrada pode ter empolgado St. Pierre a retornar.

A guerra contra o doping também teve uma reviravolta. O UFC montou uma parceria com a USADA, principal órgão regulador dos Estados Unidos. O cerco fechou como nunca se viu na história do MMA e sobrou até para várias das maiores estrelas do esporte, chegando ao ponto de cancelar a luta principal do UFC 200 na semana do evento. Jon Jones, Anderson Silva e Brock Lesnar foram alguns dos punidos pela USADA.

Georges St. Pierre passou a Conor McGregor o posto de maior estrela do MMA

Georges St. Pierre passou a Conor McGregor o posto de maior estrela do MMA

Até mesmo a questão da popularidade virou. Quando GSP resolveu parar, jogou o UFC num buraco. No ano seguinte, nenhum card vendeu mais de 550 mil pacotes de pay-per-view. Lesnar, maior fenômeno comercial do MMA na época, se aposentara em 2011. Anderson, que se tornara um porto seguro de vendas, viu seu reinado ruir e passou 2014 se recuperando de uma horrenda fratura na perna. Com a aposentadoria de St. Pierre, o UFC só deu sinais de recuperação em 2015, com a ascensão de Ronda Rousey e, principalmente, Conor McGregor, que se tornou a maior “galinha dos ovos de ouro” de Dana White. Quando Ronda e Conor passaram a enfileirar mais de um milhão de pacotes vendidos consecutivamente, parecia que o UFC não precisaria mais de Georges.

Aos 35 anos (fará 36 em maio), dono de cartel de 25 vitórias e apenas duas derrotas, ambas vingadas, St. Pierre retornará carregando também uma série de 12 triunfos desde a surreal derrota para Matt Serra, considerada por muita gente como a maior zebra da história do MMA. Popular, consagrado, rico, o “Rush” não precisava voltar à rotina que o estressou. Porém, a chama do guerreiro, do competidor, ainda pulsa. E a pergunta que vem à tona é: o que esperar deste retorno?

Três anos e meio parado é tempo demais em qualquer esporte, especialmente um em que o timing é fundamental para você não acordar com a lanterninha do médico no olho. É tranquilo dizer que a maioria voltaria exalando ferrugem em todos os poros. Contudo, cabe reforçar que Georges St. Pierre é líder da classe dos “dominicks”. Superatleta, provavelmente o mais bem condicionado que o MMA já viu, GSP já ficou 20 meses fora e voltou na ponta dos cascos, na vitória sobre Carlos Condit, no UFC 154. É verdade que não estamos mais em 2012 e o canadense não tem apenas 31 anos, mas alguém acredita que ele tomaria a decisão de retornar se não se sentisse fisicamente em condições plenas? Não um sujeito obcecado com perfeição como ele.

Se olharmos para o que se tornou a categoria dos meios-médios, parar foi uma decisão sensata para St. Pierre, que estava mentalmente esgotado. Cada disputa de cinturão se tornou uma batalha de proporções bíblicas e, naquelas circunstâncias, St. Pierre acabaria caindo mais cedo ou mais tarde. Parou na hora certa. Recobrou as energias. Sentiu o tesão de lutar aflorar novamente. Recuperou a máquina dos desgastes de anos de carreira.

Desde que GSP saiu de cena, disputas do cinturão dos meios-médios viraram batalhas viscerais

Desde que GSP saiu de cena, disputas do cinturão dos meios-médios viraram batalhas viscerais

O momento da volta não poderia ser melhor, pelo menos para o UFC. McGregor se deu férias e não tira da cabeça a estapafúrdia (e milionária) ideia de enfrentar Floyd Mayweather Jr. no boxe. Rousey carrega duas derrotas vexatórias seguidas e não se sabe se ela voltará um dia. Lesnar se aposentou definitivamente, Anderson parece ainda estar lutando apenas para se divertir e Jones… bem, Jones não para de se meter em confusão. Depois de 2016 fazer o dinheiro sair pelo ladrão no UFC, é sempre bom contar com mais um capaz de vender um milhão de pacotes e lotar ginásios. Mesmo que, para isso, talvez tenha sido necessário rever alguns pontos da negociação com a Reebok (GSP ganha rios de dinheiro da Under Armour) e que a WME-IMG, nova dona do UFC, tenha que ter negociado com um cliente de sua maior concorrente.

Negociar a saída da aposentadoria não foi nada fácil. A volta em si também não será. St. Pierre teria moral para pegar apenas lutas despretensiosas – as money fights – e continuaria vendendo muito. Num ano em que Artem Lobov e Cub Swanson farão uma luta principal, imagine GSP contra Anderson? Mas parece que não será este o cenário.

Desenha-se uma possível chance pelo título dos médios contra o campeão Michael Bisping, que já havia falado sobre negociações em curso neste sentido. Caso se concretize, Yoel Romero e Ronaldo Jacaré levarão um balão duplo. Dana White falou ainda da possibilidade de GSP encarar o vencedor da revanche entre Tyron Woodley e Stephen Thompson, pela coroa que o astro abdicou em 2013 – se o balão em Romero e Jacaré não parece justo, o mim acher em Demian Maia é totalmente aceitável. O dirigente disse ainda que Georges pode lutar no peso leve, o que provavelmente arrancaria McGregor do sofá, num duelo que esmagaria todos os recordes econômicos do esporte.

Os riscos do retorno são enormes, tanto para a reputação quanto para a saúde de St. Pierre. Porém, diretamente proporcional será o lucro da empreitada em caso de sucesso. Ser campeão em três categorias seria, disparado, o maior feito da história do MMA, o que enterraria em definitivo a discussão sobre quem é o maior de todos os tempos.

  • James sousa

    eu como fã do GSP(meu lutador favorito ) adorei a notícia do retorno do Rush , não acho que vai manchar o legado dele se ele vier a perder admiro só o fato dele sair da zona de conforto e voltar depois de mais de 3 anos parado acho uma boa ele lutar de peso leve lutas contra McGregor e Khabib seriam interessantes , por fim acho que se ele quiser volta só para se despedir em uma luta não controversa como foi a do UFC 167 em Montreal ele merece

  • Weslei Alvarenga

    Caiu como uma bomba essa notícia e pelo que vi posteriormente, ele rompeu laços com a Under Armour e voltou pra Hayabusa e assim facilitou as negociações pro retorno.

    Agora temos um cenário inacreditável de um cara poder mudar o rumo de 3 categorias ( e de forma histórica ), e meu desejo e repito isso a 2 anos é que ele lute como peso-leve, seria muito sinistro e também o mais sensato além da categoria original dele, GSP tem um biotipo muito mais pra um leve do que um peso-médio.

    Imagina o quanto de casamentos sinistros da pra fazer com ele no leve e NEM PRECISA SER DO TOP 5 !!!! Bota ele contra Porrier, Dariush, Chiesa, Iaquinta, MJ, Edson, Brooks, MassaraMITO ( GSP x MassaraMITO: A Missão ). Todos aí irão fazer ele lutar, de alguma forma irão e essa é a senha pra “agradar” o público médio, porque quando um adversario não por resistência ele fará a tática perfeita dele lá e controla a luta inteira e o povo chama-o de amarrão, e se fizer o oposto ele cai dentro ( as lutas contra o Condit e o Hendrix estão aí ).

    • Opa, não sabia que ele tinha encerrado o contrato com a Under Armour. Isso é bem relevante, sinal que tanto ele quanto o UFC abriram mão de certas coisas pra fechar a negociação.

      Concordo contigo que o peso leve é um safari de animais que fariam o GSP lutar.

      • Weslei Alvarenga

        Ambos cederam certas coisas no acerto, mas ta mais que óbvio que a grana vai rolar nervosa pra pagar cada luta do GSP.

  • Rafael Alves

    Uma dúvida: ele ja estava “desaposentado” e estava buscando acerto ou desaposentou agora?!
    Se desaposentou agora tem de esperar seis meses pelas novas regras da USADA, certo? Nesse caso daria tempo de rolar Bisping vs Romero e, caso o cubano venca, duvido que GSP se arrisque nos médios…
    De toda forma acho que o mais provavel e ele lutar contra o Connor ou contra o Anderson.

    • Já está sendo testado pela USADA desde o meio do ano passado. Ele mesmo pediu pra não ter isenção.

  • Saulo Henrique

    Com todo o respeito a quem é fã do Gsp..mas realmente não o queria de volta. Excelente atleta.. mas nunca me entusiasmou. Finalizar lutas? Envolve riscos. E ele não vai fazer isso. Claro que e compreensivel. Estratégia acima de tudo. Acho excelente ter vários planos. Meu problema com ele, é que o mesmo , desde sempre, é o super pragmatismo. Tem um braço ” solto” ? Não vou tentar finalizar e perder posição e cair de costas no chão. Vai colocar o livro de regras embaixo do braço, e ganhar rios de dinheiro. Vai furar fila, etc. Dinheiro, dinheiro, dinheiro. Fico realmente triste em pensar que o esporte, agora, se resume a isso. Desculpe o desabafo. E parabéns pelo site, desde sempre, Alexandre e todos que participam.

    • Olha, eu acho que essa sua análise foi um tanto rasa, você tá repetindo um senso comum (inclusive repetindo alguns clichês) sem se ligar em algumas coisas.

      GSP correu muitos riscos contra o Hendricks e o Condit, foram duas lutas sensacionais. No meio dessas duas, Nick Diaz, que foi uma luta bem monótona mesmo, assim como o Shields, que meteu dois dedos no olho dele.

      Antes, ele só faltou arrancar o braço do Dan Hardy (foram 6 tentativas de finalização, duas delas que teriam quebrado o braço de meio mundo). BJ só não foi nocauteado porque naquela época ninguém conseguia. Koscheck perdeu duas lutas de dois modos totalmente distintos. Fitch levou uma surra homérica e também só não foi nocauteado por milagre (porque na época ninguém conseguia também). Serra foi nocauteado em atropelamento, Hughes foi nocauteado e finalizado.

      • Saulo Henrique

        As lutas antigas, ( serra super azarao mesmo na revanche), bj folego r1 só e Hughes realmente, era um outro lutador. E Fitch, durissimo na época. Nas outras, versão robô contra Diaz,poderia ter terminado a luta antes, sim, mas em alguns momentos, fez o clássico 25 minutos. Perdeu ( minha opinião) contra o barbudo, e só correu risco de perder contra o Condit naquele chute. Não pisou no acelerador contra Hardy. Se minha análise parece super cliche, e porque não sou muito de discutir pelos comentários. Sempre prefiro ao vivo, ou por áudio. Como não dá, haha. E sua opinião têm muito do que os defensores do gsp, pra alguns o maior de todos, dizem. Inclusive também cliche, meu camarada. :)
        Mas obrigado pelos argumentos. E com respeito, trocamos idéias, certo?

        • Eu também acho que o Hendricks ganhou, pontuei a luta para ele.

          Se você acha que quase quebrar o braço do Hardy duas vezes e sair pra SEIS finalizações na luta significa que ele não pisou no acelerador, aí a gente nem precisa debater isso, porque eu precisaria entender primeiro o que você considera por pisar no acelerador.

          Sobre eu ter usado clichê, fique à vontade de dizer onde fiz isso. Você usou no “regulamento embaixo do braço”, que ele é “super pragmático desde sempre”, coisas que você mesmo já “desdisse”. E pra esclarecer, não é uma falta de respeito. Se você achou que usei algum clichê, por favor é só apontar que a gente debate numa boa.

          • Saulo Henrique

            Hahah, que isso, não considerei falta de respeito, camarada. Fique tranquilo. Mas pra resumir, respeito sua opinião. E agora, estou curioso a respeito da volta do canandense..

  • Rafael Fiori

    Estou curioso pra ver na segunda luta como vai estar o shape volumoso e trincado que ele tinha.
    Era o maior reglamão sobre a falta de testes eficientes, mas o próprio corpo não enganava ninguém.

    • Ele está passando pelos testes da USADA desde o meio do ano passado. Eu achei que ele ficou muito grande depois que anunciou a aposentadoria, mas deu uma enxugada. Também estou curioso pra saber como isso ficou.

  • Asisz Marco

    gsp nos leves e meio medios para mim e favorito contra qualquer atleta, inteligencia fora do comum e com infimas falhas em seu jogo, nos medios nao da para apostar, mais pelas vantagens fisicas dos oponentes do que propriamente pela tecnica, o gsp e um meio medio nao grande e q poderia descer de peso, acho q tanto nos leves e nos 77 ele ja deve pegar quem quer q seja o campeao, e para mim ele seria bem favorito contra ferguso, khabib, connor, woodley, thompson, maia.

    • Thompson daria uma luta muito curiosa por causa da movimentação e do tamanho e alcance. Acho uma luta mais dura (na teoria) pro GSP do que o Woodley.

      No peso leve, teríamos que ver como o corte de peso afetaria.

      • Lero

        Para mim, Woodley poderia fazer com o GSP o que o Hendricks fez com ele e pior. Acho Woodley luta mais dura pra o GSP que o Thompson

  • Digodasilva

    Difícil acrescentar mais ao texto. Muito bem explorado. Mas, de qquer forma, ver o GSP em ação novamente será incrível! Sem contar aqueles que não acompanharam eventos ao vivo do lutador, já que de lá pra cá a popularidade dos esporte cresceu consideravelmente.

  • Franklin Stein

    GSP parou no momento que achou correto (ele já vinha reclamando de estresse) e, controversa ou não, saiu como campeão. Levantou uma bandeira (contra o doping) e viu os resultados (com certeza a saída dele impactou nisso) e tb voltou no momento correto (os olhos chega marejam com as possibilidades ahahah). Assim como sabe avaliar um adversário ele tb sabe, como poucos, gerenciar a carreira. Essa fama de amarrão é completamente injusta e acho que GSP retorna no topo, tem que ser uma luta por cinturão ou contra o Conor. Lutar contra o Anderson agora, seria dar um passo atrás, passou o timing… essa seria uma terceira ou quarta opção.

  • Luiz Gustavo

    GSP x Lawler por favor.

  • Lero

    Incrivel como já todos aceitamos que a WME-IMG pode foder as chances pelo título do Romero, Jacaré, Demian, Khabib ou Ferguson sem ter pudor nenhum. Nao só que eles facam, É que já todo mundo sabe que isso vai acontecer. Se nao fazer uma luta contra o Spider, GSP vai foder com as tres divisoes com mais contenders claros do UFC.
    Agora, com Wonderboy-Woodley marcado, ele poderia matar Bisping no peito na primeira luta, ou poderia fazer uma luta de esquentamento com o Anderson, mas entao marcariam Romero-Bisping, e se o Romero ganhar, duvido que George quera entrar na gaiola junto contra o demonio de Deus.
    Mas de qualquer jeito, na segunda luta o mais possivel seria ele lutar pelo cinturao dos meio-medios, e depois de ganhar seu cinturao de volta, chamar o Mcgregor para o pau em 77kg. champion vs champion. O campeao interino dos leves e o Demian podem ir e chorar no rio.