Floyd Mayweather vence Andre Berto, encerra a carreira com uma atuação típica e iguala histórico 49-0

Com mais uma atuação dominante, Floyd Mayweather vence Andre Berto por decisão unânime e iguala a marca do lendário ex-campeão dos pesos pesados Rocky Marciano. Foram 19 anos de carreira sem sofrer um knockdown.

Não é raro grandes astros pararem e voltarem. O próprio Floyd Mayweather Jr. já fez isso. Porém, desta vez o pugilista número um do mundo peso por peso reforçou que foi a última vez que subiu num ringue para lutar profissionalmente. O americano bateu o compatriota Andre Berto na MGM Grand Garden Arena, em Las Vegas, igualando o cartel histórico de Rocky Marciano.

“Money” teve mais uma de suas típicas atuações, reforçada pelo fato de Berto não ser a melhor escolha do ponto de vista competitivo. Mostrando sua conhecida fortaleza defensiva, Mayweather transitou em todas as partes do quadrilátero e fez o descendente de haitianos errar consistentemente. Mesmo quando se deixava encurralar nas cordas, Floyd era o senhor das ações, como aliás aconteceu em toda a sua lendária carreira de 19 anos e zero knockdonws oficiais sofridos.

Em momento algum Berto deu a impressão que poderia vencer a luta. No começo, pareceu nervoso diante de sua maior responsabilidade. Quando passou a se sentir mais à vontade no ringue e saiu à caça do rival, o ex-campeão dos meios-médios sofreu nas esquivas e contragolpes de Mayweather, que também foi superior no ataque, com jabs muito velozes e direitas precisas. A melhor passagem de Floyd na luta foi um rápido combo de dois ganchos, um com cada punho, seguido, por uma esquiva em pêndulo, saída lateral e um terceiro gancho de direita, um breve resumo de seus domínios defensivo e ofensivo.

O combate foi tão fácil que Mayweather dedicou os últimos rounds para brincar e fazer algumas palhaçadas no ringue. Teria sido mais respeitoso para todos uma tentativa de nocaute, mas Mayweather é Mayweather. O superastro ainda deu uma volta olímpica nos segundos finais do 12º assalto, diante de uma plateia de 13.395 pessoas que começou torcendo contra, mas que já gritava “T-B-E!” (The Best Ever, o melhor de todos os tempos) àquela altura. Ao soar do último gongo, Floyd caiu de joelhos no ringue, ciente de que um ciclo histórico se encerrava ali.

Os três juízes oficiais garantiram a vitória por decisão unânime a Floyd Mayweather. Um deles deu 120-108, marcando todos os assaltos ao campeão. Outro anotou 118-110 e o terceiro viu 117-111. O MMA Brasil compactua com o 120-108 ou com um 119-109 em respeito aos esforços de Berto.

As estatísticas oficiais também mostraram a larga margem que Mayweather obteve na luta. De acordo com o CompuBox, Berto lançou mais golpes (495 contra 410), mas acertou apenas 83 (17%) contra 232 (57%) de Mayweather. Nos golpes contundentes, a vantagem de Mayweather na porcentagem de acerto foi de 68% a 17%, enquanto que nos jabs foi de 43% a 13%.

Não é possível afirmar que Mayweather realmente fez ontem sua última luta profissional. Realmente terminou o contrato de seis lutas e 30 meses que ele havia assinado com o canal Showtime, em 2013. Porém, nada impede que ele faça um acerto para uma 50ª luta no ano que vem, talvez para uma revanche contra Manny Pacquiao, que foi a maior (no sentido numérico) luta da história dos esportes de combate. Na entrevista após vencer Berto, ainda no ringue, Mayweather foi enfático:

“Você tem que saber quando é a hora de pendurar as luvas e esta é a hora para mim. Eu não vou fazer isso quando estiver com 40 anos. Estou neste esporte há 19 anos, sou campeão há 18. Não há mais nada mais para eu fazer no boxe. Fiz grandes investimentos, estou financeiramente estável. Tive uma grande carreira. Meu cartel fala por si só. Estou deixando o esporte com minhas faculdades plenas. Ainda sou esperto, ainda estou afiado. Eu conquistei tudo. Não há mais nada para conquistar. Eu sou o melhor.”

Ele não foi o melhor de todos os tempos, mas indiscutivelmente o melhor boxeador que surgiu nos últimos 30 anos e fatalmente um dos 20 ou 25 melhores que o esporte já viu. Profissional desde 1996, depois de conquistar a medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de Atlanta, Mayweather não só venceu todas as 49 lutas que disputou profissionalmente como esteve em apuros em não mais de cinco delas. Para completar, foram 19 anos sem sofrer um único knockdown de modo oficial (fora uma polêmica contra Zab Judah, que não modificou o andamento e o desfecho do combate).

Mayweather sai de cena sem cicatrizes, sem lesões cerebrais e coberto de cinturões. Berto foi o 16º campeão ou ex que Floyd enfrentou consecutivamente (foram 24 no total). Das 49 lutas que ele disputou, 26 foram disputas de cinturões mundiais nas maiores organizações (WBA, WBC, IBF, WBO) – Mayweather foi campeão entre os superpenas, leves, superleves, meios-médios e médios-ligeiros (super meios-médios). Para completar, nenhum atleta, em modalidade esportiva alguma, faturou tanto dinheiro quanto ele – contra Berto foram US$32 milhões de bolsa garantida. Somente as seis lutas do contrato com a Showtime lhe renderam quase meio bilhão de dólares.

Floyd-Mayweather-equipe-cinturoes

Sempre haverá críticas sobre Mayweather, especialmente em relação à escolha de adversários. Por exemplo, este compromisso final poderia ter acontecido contra Keith Thurman ou Kell Brook, que certamente seriam mais competitivos do que Berto. Shane Mosley poderia ter sido enfrentado cinco anos antes, assim como o próprio Pacquiao. Até mesmo um confronto contra o vencedor de Acelino “Popó” Freitas e Joel Casamayor teria feito sentido em 2002.

Agora o cenário do boxe mundial se abre. O mexicano Saúl “Canelo” Álvarez é o principal candidato ao posto de maior astro do esporte. Gennady Golovkin também está na briga. O trono está vago depois de Mayweather tê-lo ocupado por tantos anos.

The Game Of Thrones is about to begin. E o boxe – ah, o boxe! –, este nunca morre.

Fotos: AP Photo/John Locher e Steve Marcus

  • Lucas

    A esquiva dele é monstruosa, ótimo lutador só q pouco atitude ofensiva(estilo dele, mas se ele fosse mais ofensivo chegaria no top 10 de todos os tempos).

    • Talvez chegaria com o mesmo estilo, mas se tivesse vencido Mosley, Márquez, Cotto e Pacquiao antes, o vencedor de Popó-Casamayor, Kostya Tszyu. Até porque não dá pra dizer que um cara que provavelmente terminou todas as lutas da carreira (ou a imensa maioria) tendo acertado mais golpes que o adversário tinha pouca atitude ofensiva.

      • Lucas

        Pra mim ele é top 10 na parte defensiva.

        • Provavelmente é mesmo.

        • Nilo Júnior

          Pelo que o youtube e os livros de história contam, o Willie “Will-o’-the-Wisp” Pep era um monstrinho na defesa também. Existe a lenda do round ganho sem soltar um soco.

  • Gabriel Carvalho II

    Me senti honrado em ver outro show desse mano. Pena que só comecei a acompanhar a carreira dele depois da luta contra o Guerrero.
    É foda ver os sadistas xingando ele pelo simples fato de não lutar para nocautear. Bom é que teremos GGG e Canelo pela frente.

    • Como eu comentei ontem no Twitter, tem gente que acha que luta é o cara plantar no meio do ringue/cage e trocar soco até alguém cair. Nego parou no tempo dos gladiadores.

      Eu adoro o fato de conseguir ver mérito e me divertir vendo alguém como o Mayweather, como o Canelo, GGG, Kovalev, Ward. Desde que seja bom, eu consigo me divertir. Fico com pena de quem não consegue.

  • silva dias

    Uma pena que alguns comentaristas que não sem como são chamados para comentar uma luta dessas, ficam o tempo todo falando “nocaute, nocaute” pow meu luta de Boxe não se resume a Nocaute, têm que ser muito Hater pra falar que o money não é mostro luta muito.

    • Eu vi sem som ontem, nem posso emitir opinião sobre narrador e comentarista. Mas é uma pena que profissionais sejam haters e não consigam esconder isso. Princípio da imparcialidade passa longe de alguns.

  • Jefferson França

    Alexandre, você acha que o Popó no seu auge daria algum trabalho pro Mayweather ou Pacquiao?

    • Contra o Pacquiao a luta não tinha como acontecer. O auge do Popó como superpena foi na época que o Pacquiao era supergalo.

      O Mayweather era superpena na mesma época. Inclusive seria uma luta que faria sentido, unificação dos cinturões WBC, WBO e WBA. O problema é que o Mayweather tinha contrato com a HBO e o Popó estava na Showtime. Isso foi meses antes da primeira copromoção da história pra Lennox Lewis x Mike Tyson, mas na época não justificava o esforço pra Mayweather x Popó.

      Sobre a luta, acho que o Mayweather teria vencido do mesmo modo de sempre. A luta teria até feito mais sentido quando ambos subiram pro leve e o Mayweather pegou umas lutas um pouco mais fracas. Só que o Popó não foi tão bem como leve do que como superpena, então acho que teria sido ainda mais tranquilo pro Mayweather como leve. De qualquer maneira, foi uma luta que deveria ter acontecido.

      • Jefferson França

        Tu manja mesmo de boxe Alexandre! Kkkk

        • hahahaha eu gosto muito disso, foi o boxe que me levou para o vale tudo/MMA. Até escrevi um texto sobre isso no Patreon e no Medium.

          • Nilo Júnior

            Mesma coisa comigo, cara.

            O curioso é que tenho visto gente fazendo o caminho inverso também.

            • Verdade. Queria que acontecesse com o wrestling, o jiu-jítsu e o kickboxing também.

  • Bruno Fares

    Com esse cartel, as pessoas que venceu, o modo como venceu todos sem susto e nunca ter tomado um knockdown…. não credencia o Floyd a um Top10 todos os tempos?

    • Sugar Ray Robinson, Muhammad Ali, Joe Louis, Henry Armstrong, Willie Pep, Benny Leonard, Sugar Ray Leonard, Roberto Durán, Jack Johnson, Jack Dempsey, Harry Greb, Jimmy Wilde… a disputa é árdua.

      • Pedro Lins

        eu acho que não… além desses que o Alexandre citou tem o Langford, Joe Gans, Archie Moore, Chavez, Foreman, Eder, Larry Holmes, Liston, Marciano… tem muita gente boa ao longo da história

        • Mayweather não deve nada a muita gente dessa lista. Inclusive ele é o #1 dentre os que vi, lista que inclui o Julio Cesar Chavez.

          • Pedro Lins

            pois é, mas ele também não é muito superior a nenhum desses, ele está no bolo. Citei esses de modo exemplificativo, de cabeça mesmo. Já top 10 eu não o colocaria pois dos 12 que vc citou e dos 9 que eu acrescentei eu não o colocaria entre os 10 melhores desses 21 lutadores…

            • Bruno Fares

              Eu acho que daqui uns 15, 20 anos, vão dar mais valor pro Floyd nessa analise de todos os tempos.

              Entendo muitos dos citados, mas acho que as pessoas ainda não digerem ainda a magnitude de um cara ter sido campeão mundial em 5 categorias diferentes sem nunca tomar um knockdown.

              • Pedro Lins

                de todos os que eu vi lutar, o Floyd é o meu favorito, mas o problema de entrar no top 10 é que tem muita história inacreditável, muita gente que fez coisas que beiram o impossível. O Marciano tem 49-0 também e ainda sim não entra no top 10 de muita gente, basicamente porque não teve concorrentes na época dele. Tem muito lutador lendário que também não tem o devido reconhecimento com o Sonny Liston. Essas coisas variam…

                • São 120 anos de boxe profissional com muita gente sinistra realizando feitos incríveis. É foda até de comparar, de pesar.

              • Eu já dou muito valor a ele, tanto que é o melhor dos que eu vi, em lista que tem Julio Cesar Chavez, Roy Jones Jr e Oscar de la Hoya.

                Ter sido campeão mundial em 5 categorias sem nunca tomar um knockdown é sinistro. Ter sido o único campeão em três categorias diferentes ao mesmo tempo (numa época em que não existiam 17 categorias, ou seja, os espaços de peso eram maiores) também é. Perder a primeira com 40-1 e a segunda com 128-1-2, numa época em que nego fazia 20, não duas, lutas por ano, também é. Enfim, tem muita gente que realizou feitos notáveis nos mais de 120 anos de história do boxe profissional. É muito tempo, com muita gente notável.

                • Bruno Fares

                  Eu não disse que o Floyd era melhor que o SRR. Alias, eu acho que o boxe tinha que ser dividido (esses rankings) em era pré-WWII (algo assim) e boxe moderno, porque não dá pra comparar um Henry Armstrong com um Mayweather.

                • Então, exatamente porque não dá pra comparar em algumas condições que não dá pra colocar o Mayweather no top 10. Todos os analistas (os sérios) que eu tenho lido dão o valor devido ao Mayweather.

                  Dá pra dividir esses 120 anos em 3 períodos. O Mayweather certamente seria top 10 do terceiro.

                • Bruno Fares

                  E pegar como 3o periodo os ultimos 40 anos, ele é top 5 tranquilo, tranquilo hein

        • Rafael Maia

          Não entendo nada da história do boxe, mas só pra colocar lenha na fogueira:
          – Eu vejo boa parte das pessoas valorizando mais as vitórias do passado do que as atuais, assim, o ranking fica deturpado por causa do saudosismo.

          Veja que muita gente não coloca o Jon Jonnes como um dos melhores da história do MMA, mesmo ele tendo massacrado todos os melhores de seu tempo, da geração anterior e da nova.

          • Não existe saudosismo com lutadores que atuaram nas décadas de 1910 ou 1920. Quem viu ao vivo não está mais aqui. Quem está e sabe sobre eles só sabem por imagens recuperadas da época, além de relatos da imprensa. E não existe saudosismo pra falar da carreira de um sujeito que se aposentou com cartel de 132-3-1 (99 KO). Ou de outro que perdeu a primeira quando tinha 40-0 e a segunda com 128-1-2 (este sujeito chegou a lutar 20 vezes num ano, não duas vezes). Ou o único cara que foi campeão em três categorias diferentes ao mesmo tempo.

            Quem não coloca o Jon Jones como um dos melhores de todos os tempos tem problemas sérios.

            • caveira king of stab

              quem não coloca o jon jones como um dos melhores de todos os tempos tem problemas sérios? hahahaha, tu ta brincando comigo? primeiro de tudo, o jones nem meio pesado nao é, se aproveita da ENORME vantagem fisica e alcance que tem pra lutar contra lutadores fora de seu auge e contra outros bem inferiores a ele, inclusive faz uso de golpes ilegais em praticamente todas suas lutas, dedadas no olho…agora quando chegou o primeiro lutador com qualidade e alcance pra derrotá-lo, o que aconteceu? ele perdeu e os juizes roubaram pra ele…gustafson

              mesma coisa falou do mcgregor, faz um corte de peso brutal pra lutar com caras bem menores e mais fracos que ele, atitude de covarde, e só lutou com peréba, tirando o brandão.

              e tu ainda vem me falar do maywaether…por favor, tu é o moderador do site mesmo? esse cara só foge, o ápice do boxe é o nocaute, esse é objetivo, bater e não ser acertado, mas o objetivo de bater é pra nocautear, não bater pra fazer carinho. mike tyson falou que ele é uma vergonha pro boxe

              • hahahahaha quanta sandice… você tá de parabéns, cara.

                • caveira king of stab

                  eu adoro quando eu falo algo e na resposta ninguem fala nada, o argumento não vem, simplesmente se travam…é lindo…eu to acostumado com isso, no trabalho, no dia a dia, eu quebro o cérebro dos caras nas idéias…todo mundo fica perdidão…
                  hahahah

                • hahahahaha

  • Marley Fortunato da Silva

    Bom dia senhores!
    Incrível como Mayweather tem essa técnica incomparável de não levar golpes!! Nunca vi nada igual!! Foi uma belíssima carreira e quem gosta do um verdadeiro lutador de boxe, vai sentir falta do Money!! Eu teria adorado ter assistido Mayweather X Popó…

  • Ícaro Araújo

    O Money é simplesmente uma muralha defensiva, sem contar a esquiva, tirou o adversário para nada. É verdade que o ápice da luta é o nocaute, o momento que todos querem ver, mas como já disseram, boxe não se resume a apenas isso. Os caras (do FOX Sports) falando que ele tinha a obrigação de nocautear, pressão disso e daquilo, falando que ele não tinha pegada etc. Me pergunto, porque deabos o Mayweather iria para uma trocação franca (correndo riscos) com o Berto só para agradar o público? O Floyd tá mais é do que certo de impor seu típico jogo de defesa e esquiva, afinal, foi isso que o consagrou. Parabéns para ele, que encerrou (será?) a carreira invicto.

    • É isso, Icaro. Nocaute pode ser o momento que a maioria quer ver, mas não significa que só isso seja legal.

      Essa parada de “não tem pegada” é da linha de “Mike Tyson melhor de todos os tempos”. É coisa de quem não entende muito ou de hater. Tem muito comentarista hater no Brasil.

      Eu vejo uma parada legal entre o Dan Rafael e o Kevin Iole. O primeiro, da ESPN americana, claramente puxa pro lado do Mayweather. O Iole não, mas isso não faz dele um hater. Os dois fizeram coberturas excelentes não só da luta de sábado, mas da aposentadoria e dos feitos da carreira. Nenhum dos dois colocou o Mayweather como o #1 de todos os tempos, mas também nenhum dos dois ficou com esse papo esdrúxulo de “obrigação de nocautear” e essas coisas de haterismo que a imprensa deveria evitar.

  • Paulo Melo

    Falar que o Money é monstro , é um estado da arte em se defender , é foda e tudo mais é chover no molhado
    Meu momento chororô rs
    Fui embora de Vegas no dia 11 ! No dia 4 fiquei sabendo da luta do Money , não teria como alterar a estadia/vôo pra ver a luta , perdi , pena !
    Desde a luta com o Pacman , to acompanhando e me interssando mais pelo boxe , nunca é tarde pra começar né não

    • Nunca é tarde pra começar, tenha certeza disso. É um esporte muito legal por si só e ainda te ajuda a perceber novas nuances no MMA. Além do boxe, eu te aconselharia a acompanhar as principais competições do wrestling pelos mesmos motivos (é muito legal e é intrinsecamente ligado ao MMA).

      A parada de ter começado tarde te fez ficar sabendo da luta em cima da hora. Se reparar, desde que voltou da aposentadoria, em 2009, o Mayweather só luta nos sábados perto (antes) de 5 de maio e 16 de setembro. Eu quase sempre reforço isso nas matérias sobre ele.

    • Nilo Júnior

      Golovkin, Kovalev, Chocolatito, Canelo, Ward, Rigondeaux, Crawford…

      Tem muita gente boa por aí. Uma pena que daqui do Brasil é um pouco mais complicado de acompanhar.

      • Andre Ward também “não tem pegada”, “não sabe nocautear”.

  • Nilo Júnior

    Goste dele ou não, vai fazer falta. Me peguei numa breve discussão hoje pela manhã sobre essa ladainha toda de “perdeu pro Pac”, “só se defende”, “não tem pegada” e blá blá blá, mas aí mostrei os highlights da luta contra o Canelo e ficou tudo certo.

    • hahahahaha

      Como pode um cara que só se defende superar todos os adversários no número de golpes acertados? Pergunta isso pra esse pessoal.

      Sobre “não tem pegada” é mais complicado. Aí entra questão pessoal do cara que prefere briga do que luta, do cara que prefere gente plantada no centro e trocando soco até um cair, como se o esporte fosse isso. Cabe educar melhor, que é o que eu tento fazer aqui, mas a missão é inglória. Dá pra colocar a sementinha na cabeça, pelo menos. Vai florescer em 1 a cada 10, mas é prazeroso.

      Sobre “perdeu pro Pac”, aí é caso de mostrar os placares dos analistas ao redor do mundo, inclusive de jornalistas filipinos. Esse nem precisa de discussão.

      • Nilo Júnior

        Pouca gente leva em consideração o tamanho do Floyd, e muita gente desconhece o fato da mão direita dele ser bastante bichada, a ponto dele ter “cedido um knockdown” na luta contra o Carlos Hernandez devido à dor. Não me recordo se foi contabilizado.

        Gosto muito de usar a luta do Canelo como parâmetro porque foi um adversário que começou a luta querendo boxear, e aí vimos que a diferença técnica dele em relação aos outros não é só abissal na defesa, mas atacando ele também é um monstro.

        *Lembrando que Canelo é um peso médio.

  • Rodrigo13

    Uma pena para o Boxe o Money ter se aposentado, poderia muito bem ter feito uma revanche contra o Pacquiao e faturar mais uns bons milhões, fora o espetáculo que seria foda.

    Sobre o fato de ele não ter pegada, não acredito que seja uma questão pessoal, tão pouco um grande defeito, pois isso mostra que a técnica vence a força.

    • Acho que uma revanche com o Pacquiao ficou completamente fora de cogitação. As pessoas se decepcionaram muito com a primeira luta, ficou a impressão no povo médio que pagaram por algo que não tiveram. A decepção foi tanta que refletiu na luta com o Berto.

      • Rodrigo13

        Mas você mesmo havia dito aqui no site que uma revanche contra o Pacquiao iria vender bem, pelo falto de ele estar lesionado e não ter lutado 100% etc, ainda mais agora pelo fato do doping do Mayweather na primeira luta, iria apimentar bem a promoção da luta.

        • Sim, eu achei que rolaria uma revanche pelo buzz gerado na semana após a luta. Mas, com o tempo, acho que isso ficou inviável. Respondendo ao seu comentário de cima, as pessoas de modo geral ficaram muito decepcionadas porque estavam esperando uma reedição do Thrilla in Manilla ou do Rumble in the Jungle. Essa decepção enterrou as vendas contra o Berto (mesmo se fosse outro, acho que não teria vendido um milhão, que é um patamar tradicional do Mayweather) e enterrou também a tentativa de fazer outro duelo milionário com o Pacquiao (as pessoas vão ficar com os dois pés atrás de pagar outra fortuna e ver a mesma coisa, porque vai acontecer a mesma coisa).

      • Rodrigo13

        Essa decepção que você mencionou, eu acredito que se deve ao fato do oponente ter sido o Berto, se fosse alguém de mais expressão com certeza seria diferente.