FILA anuncia novas regras e categorias para a luta nos Jogos Olímpicos Rio 2016

Por Alexandre Matos | 17/12/2013 19:01

Depois de vencer uma longa e sofrida batalha para se manter como esporte olímpico em 2020, a Federação Internacional de Lutas Associadas (FILA), entidade que regulamenta a luta olímpica no mundo, divulgou nesta terça-feira algumas mudanças que serão implementadas nos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro.

O anúncio, que foi feito em Corsier-sur-Vevey, na Suíça, sede da FILA, englobou mudanças nas regras e no formato das competições. Primeiramente, a FILA combateu uma reclamação do Comitê Olímpico Internacional (COI) que questionava diferenças entre competições masculina e feminina. A FILA então mexeu nas categorias de peso olímpicas, adicionando duas divisões femininas e removendo uma em cada um dos dois estilos masculinos. Deste modo, tanto o estilo livre e o greco-romano masculinos e o estilo livre feminino terão seis categorias olímpicas, a saber:

Estilo Livre Masculino: até 57kg, 65kg, 74kg, 86kg, 97kg e até 125kg.

Estilo Greco-Romano: até 59kg, até 66kg, até 75kg, até 85kg, até 98kg e até 130kg.

Estilo Livre Feminino: até 48kg, até 53kg, até 58kg, até 63kg, até 69kg, até 75kg.

De acordo com a FILA, as novas categorias foram definidas em estudos realizados em conjunto com as comissões médicas, científicas, atléticas e arbitrais das federações nacionais. Para as competições do calendário da FILA, incluindo Mundial e campeonatos continentais, outras categorias serão adicionadas. As divisões até 61kg e 70kg serão incluídas nas competições do estilo livre masculino, 71 e 80kg farão parte das competições de greco-romano e as mulheres terão a mais as categorias até 55 e 60kg. É bom frisar que a redução na quantidade de categorias de peso acontece em todos os esportes olímpicos de combate.

Mudanças nas regras valerão a partir de 2014

Além das alterações feitas nas categorias de peso, a FILA anunciou mudanças no corpo de regras técnicas com o objetivo de simplificar o entendimento do esporte. Vítima de maior perseguição do COI, o estilo greco-romano foi o único que sofreu alterações específicas (as demais foram alterações globais).

Mudanças válidas para todos os estilos:

A regra já previa que um dos meios de vencer uma luta é por superioridade técnica. Um lutador que abrir 10 pontos de diferença é declarado vencedor nos dois estilos livre. No greco-romano será necessário abrir 8 pontos (por causa da diferença de pontuação entre os estilos). Antes, no estilo greco-romano, um round terminava quando um lutador abria 6 pontos e a luta chegava ao fim por superioridade técnica quando um lutador vencia ao menos dois rounds por 6 pontos.

Todas as quedas serão bonificadas com quatro pontos no estilo livre. Antes, as quedas podiam valer 1, 3 ou 5 pontos. O estilo greco-romano dará 4 pontos para as quedas seguidas por controle do oponente e 5 pontos para quedas de grande amplitude. As quedas do greco-romano também eram bonificadas com 1, 3 ou 5 pontos. Com a mudança da pontuação, acaba também a finalização de lutas por duas quedas de 3 pontos ou por uma de 5.

Foi eliminada a pontuação do par-terre, quando um lutador fica cinco segundos mantendo o oponente no chão pelas costas. Além disso, uma penalidade por falso início vai render um ponto ao oponente, não mais dois, como acontece atualmente.

Mudanças específicas para o estilo greco-romano:

Para manter a ação nos combates, a primeira advertência de passividade não interromperá a luta. Caso um combate termine em 0-0, o último lutador advertido será derrotado.

Desafios

A luta olímpica é outro esporte que possibilita o desafio aos atletas, ou seja, um lutador pode reclamar formalmente de uma marcação dos árbitros.

No procedimento de desafio, o Júri de Apelação vai produzir decisão sem consultar o corpo de árbitros. Se o Júri de Apelação mudar a decisão do corpo de árbitros, estes serão advertidos. Uma segunda advertência resultará na suspensão dos árbitros.

A decisão do Júri de Apelação é final, ou seja, não cabe recurso nem reclamação. Além disso, não será permitido desafio em caso de penalidade por passividade.

Fundador e editor-chefe do MMA Brasil. Colunista do site oficial do UFC. Prestes a se aposentar e virar colunista especial do próprio site.