Por Alexandre Matos | 06/03/2015 13:04

Há exatos 30 anos, iniciava-se uma das carreiras mais emblemáticas da história dos esportes de combate. No dia 6 de março de 1985, num acanhado ringue montado no Plaza Convention Hall, em Albany, Nova York, um jovem de 18 anos chamado Michael Gerard Tyson fez sua primeira luta profissional de uma carreira que seria recheada de vitórias e de polêmicas.

O combate de estreia de Mike Tyson aconteceu contra o limitado Hector Mercedes, então com cartel de 0-3, num combate programado para quatro assaltos, como é comum para atletas que ainda não completaram cinco lutas profissionais. “Iron Mike” já deu ali a primeira mostra do que o marcaria sobre os ringues de boxe: intimidação, agressividade, potência, velocidade assustadora para a categoria e variação de golpes, embora a técnica não fosse exatamente a mais vistosa.

Tyson precisou de apenas 1:40 para dar cabo de Mercedes. Ele encurralou o adversário num córner e despejou uma infernal saraivada que terminou em uma de suas marcas registradas, o gancho de esquerda. Travado, violentamente atingido na linha de cintura, Mercedes ajoelhou e não conseguiu vencer a contagem do árbitro Luis Rivera.

Na ocasião, Mike Tyson era treinado pelo lendário Cus D’Amato, que faleceu no fim daquele mesmo ano. O técnico, que fazia o papel de pai do lutador, foi substituído por Kevin Rooney, que inclusive fez a luta principal da noite de estreia de Tyson, contra Garland Wright (ainda que a promoção fosse mais forte sobre o estreante). A parceria Tyson-D’Amato-Rooney disputou 15 lutas apenas em 1985, todas elas vencidas por nocaute, a maioria no round inicial. No ano seguinte, aos 20 anos e 4 meses, Tyson se tornou o peso pesado mais jovem da história a conquistar o cinturão mundial quando nocauteou Trevor Berbick no segundo assalto.

Enquanto a carreira de Mercedes se estendeu até 1995, com um cartel de 1-10, a de Tyson foi até 2005, fechando com retrospecto de 50 vitórias (44 por nocaute), seis derrotas e dois empates. Ele foi o campeão mundial unificado (conquistou os cinturões das versões Conselho Mundial de Boxe, Associação Mundial de Boxe e Federação Internacional de Boxe) dos pesados entre 1987 e 1990 e voltou a unificar os títulos do CMB e AMB em 1996. Ele foi eleito o Prospecto do Ano de 1985 pela Ring Magazine e Lutador do Ano pela mesma publicação em 1986 e 1988. Tyson foi ainda introduzido no Hall da Fama do boxe em 2011, junto com os também lendários ex-campeões Julio César Chávez e Kostya Tszyu, além do ator, diretor e roteirista Sylvester Stallone.

A biografia de Tyson ultrapassa a barreira do boxe. Ele foi uma das mais controversas personagens do século XX. O ar de bad boy nos ringues teve eco fora deles, com diversos casos de prisão pelos mais diversos motivos (agressão, violência sexual, posse de drogas, direção sob influência de entorpecentes, desacato e agressão a policiais), processos judiciais, brigas conjugais em rede nacional de televisão e falência financeira duas vezes, mesmo ganhando milhões de dólares por luta, fora a publicidade – Tyson foi até personagem de videogame da Nintendo. Isso sem contar na famigerada mordida na orelha do arquirrival Evander Holyfield durante o combate realizado em 1998, que lhe rendeu o banimento do boxe pela Comissão Atlética de Nevada.

Dos cinco maiores pay-per-views de todos os tempos, Tyson protagonizou dois deles, na revanche contra Holyfield e contra Lennox Lewis, em 2002. A marca de 1,99 milhão de pacotes vendidos contra Holyfield, bem como as bolsas somadas de US$65 milhões (30 para Tyson), ficou como recorde até 2007, quando Floyd Mayweather Jr e Oscar de la Hoya desbancaram. O duelo contra Lewis foi o único coproduzido pelos canais HBO e Showtime até a super luta entre Mayweather e Manny Pacquiao, que vai acontecer no próximo dia 3 de maio.

Mike Tyson, desafiando Lennox Lewis após nocautear Lou Savarese, em 2000:

“Sou o melhor de todos os tempos. Sou o mais brutal e o mais violento, o mais implacável campeão que já existiu. Ninguém pode me parar. Lennox é um conquistador? Não! Eu sou Alexandre, o Grande! Eu sou o melhor de todos os tempos. Nunca houve ninguém implacável como eu. Sou o Sonny Liston, sou o Jack Dempsey. Não há ninguém como eu. Não há ninguém que possa me igualar. Meu estilo é impetuoso, minha defesa é inexpugnável e eu sou feroz. Eu quero seu coração! Quero comer seus filhos! Reze para Alá!”