Entrevista: Johnny Eduardo, peso galo do UFC

Entrevista: Johnny Eduardo, peso galo do UFC
MMA

Nossa nova repórter Julia Malak foi até a academia Nova União e conversou com o peso galo do UFC Johnny Eduardo, que se prepara para enfrentar um dos principais prospectos da categoria.

A categoria peso galo do UFC finalmente está pegando fogo. Apesar das duas vitórias acachapantes do campeão TJ Dillashaw sobre o antigo dono do cinturão Renan Barão, a divisão vê o crescimento de vários atletas, além do retorno do rei deposto Dominick Cruz.

Um dos nomes em ascensão é o carioca Johnny Eduardo, companheiro de Barão na Nova União. Ele vai enfrentar outro atleta em fase parecida, o americano Aljamain Sterling, um dos principais prospectos em qualquer categoria no UFC.

Johnny recebeu nossa enviada Julia Malak durante o Media Day realizado em parceria do UFC com a Nova União. Bem-humorado, o lutador de 37 anos falou da pressão de enfrentar um adversário bem mais jovem, invicto e provocador; do tempo parado tratando uma lesão e até palpitou sobre a próxima disputa do cinturão.

Seu próximo adversário é um cara duro, que vem de 11 vitórias consecutivas. Qual vai ser sua estratégia para acabar com essa invencibilidade?

Minha estratégia será fazer uma luta normal. É uma luta contra um adversário difícil. Eu nunca lutei contra adversários medianos ou fáceis, sempre me preparei para atletas duros. O UFC é isso, não tem lutador mediano. Ele é um atleta duro e difícil como qualquer outro que eu enfrentei na minha carreira.

Então você não sente nenhuma pressão por conta dessa invencibilidade?

A pressão maior é dele. Ele está ficando nervoso, está entrando no meu Twitter, fica querendo me afrontar o tempo todo, fica falando “blá blá, blá blá” o tempo todo (risos).

O trash talking está te incomodando?

Eu achei muito maneiro. Ele está levando a luta pra um lado diferente, um lado que tá me motivando mais, sabe? Eu fico tão feliz quando um adversário leva a luta para esse lado, alguns ficam desconfortáveis com esse tipo de desafio. Eu não. Isso aqui é minha vida, meu trabalho, esse tipo de desafio sempre fez parte da minha vida.

Você está há um tempo parado por conta de lesão. Isso pode te atrapalhar ou você acha que estará 100% pronto?

Eu falo que o atleta nunca fica parado. Ele pode estar parado de competir, mas o atleta que está em ascensão, que está treinando, ajudando, fica constantemente com adrenalina. Eu fiquei um ano parado por causa de uma lesão no ombro, mas estava sempre aqui na academia ajudando meus amigos. Fiquei sempre trabalhando a minha mente, nunca parei.

Você fez uma campanha para pegar o Thomas Almeida, mas acabou que ele vai lutar em outro evento, contra outro adversário. Você acha que ele correu dessa luta?

Não, cara! Você não pode me botar nessa fogueira! Acho que nenhum atleta foge de outro atleta. São os empresários, os treinadores fazendo uma boa jogada, casando lutas com adversários acessíveis. Acho que o UFC e os treinadores dele no momento não acharam que seria uma boa luta. Não somos nós, eu e o Thominhas, que resolvemos. A luta foi lançada, o desafio foi lançado para que nós pudéssemos promover, vender o espetáculo. Foi aceito pela mídia, mas o UFC não achou que seria uma boa luta para o momento. Quem sabe lá na frente? Mas meu foco não é esse agora, meu foco é o Aljamain.

Para terminar, qual o seu palpite para a disputa do cinturão entre o TJ Dillashaw e o Dominick Cruz?

Eu acho que o Dillashaw… eu tenho que falar isso mesmo? Sério (coça a cabeça)? É que eu sou um cara que fala o que pensa. Então tá, vamos lá. Eu acho que o Dominick vai ganhar do TJ. Tá certo que o TJ está em ascensão, está em ritmo de competição, mas o Dominick foi o grande campeão, ele tem um talento… ele tem o diferencial. E o grande foco é esse: que o Dominick vença e que eu possa chegar até ele.

  • Sergio Chames

    Excelente entrevista, parabéns!

    • Obrigado, Sergio! Agradeço também em nome da Julia, mais um bom reforço que nosso site traz.

  • André Guilherme Oliveira

    MELHOR resposta de uma pergunta sobre se o adversário (Thominhas) tinha fugido ou não de uma luta. Inteligente o rapaz.

    • Também achei, até porque claramente não foi uma resposta pra ficar bem com o Thominhas, foi o que realmente aconteceu.

  • Flávio Reis

    Muito boa a entrevista, gosto de ler entrevistas com atletas com bom nível de argumentação e consciência sobre o esporte! Parabéns!

  • Nilo Júnior

    Excelente entrevista. Parabéns!