Entrevista: Head Coach de Gleison Tibau explica como é feita a perda de peso do lutador

Por Edição MMA Brasil | 30/09/2013 14:17

marcos-parrumpinhaPor Sergio Jardim

Na semana passada, uma tragédia atingiu o MMA nacional. O peso mosca Leandro Feijão faleceu durante o processo de corte de peso para a pesagem oficial do Shooto Brasil 43, evento que aconteceria na última sexta-feira, mas que foi cancelado devido à fatalidade com o atleta. De acordo com o atestado de óbito, Feijão morreu por um AVC hemorrágico. Desde então, iniciou-se um debate sobre os perigos do corte de peso abrupto e se o falecimento de Feijão teria sido motivado pelo processo.

O MMA Brasil então conversou com o técnico de um dos lutadores que levam mais a fundo no mundo o procedimento de corte e recuperação de peso para uma luta. Quem assiste aos treinos do atleta do UFC Gleison Tibau frequentemente se surpreende quando ele consegue chegar aos 70 quilos necessários para lutar na categoria dos leves da organização. Treinador do potiguar na equipe American Top Team, o faixa preta de jiu-jítsu Marcos “Parrumpinha” da Matta (foto ao lado) é responsável por coordenar o processo de perda de peso do lutador.

Parrumpinha explica neste bate-papo como é feito o trabalho para que Tibau bata o peso sem prejudicar sua saúde e sem perder desempenho no octógono.

O que você acha que deve ser feito para que a integridade física dos atletas seja preservada no processo de corte de peso?

O acompanhamento diário de um nutricionista é fundamental. Tudo isso tem que ser feito com visitas regulares a um médico. Aqui na American Top Team, temos estes dois tipos de profissionais. Isso é muito importante. Por exemplo, o Gleison Tibau é, sem dúvida, um dos três atletas que perdem mais peso na semana da luta. Mas ele sempre bate o peso sem precisar da libra extra que as comissões atléticas dão para os atletas. Ou seja, ele pesa sempre 155 libras e não 156 libras como seus adversários.

Como é feito o processo com o Tibau e qual é o peso dele no dia a dia normal?

Ele sem luta marcada fica com 82/83 quilos. Assim que marcamos a luta, Tibau baixa imediatamente para 80 quilos e fica assim até cinco dias antes da pesagem.

Nos últimos cinco dias, ele perde esse peso gradativamente até que, no dia anterior da pesagem, ele está de 2 a 2,5 quilos acima do limite. No dia da pesagem, ele acorda geralmente de 1,5 a 2 quilos acima e perdemos isso sem sauna, na banheira do quarto mesmo, pois é muito menos desgastaste.

Depois da pesagem, ele se alimenta naturalmente e não deixamos ele passar dos 80 quilos que ele treinou para a luta. Porque, se deixar, ele passa de 82, 83 quilos.

Qual a importância do head coach neste processo?

Minha função é coordenar os treinos para que o atleta não faça de mais ou de menos. Ele não pode se desgastar além do que precisa, mas precisa se exercitar para perder o peso.

Também coordeno o trabalho do nutricionista, junto com o preparador físico e o médico. Faço questão de participar de todo o processo de desidratação. Eu fazia todas as sessões de sauna com ele, mas como não usamos mais este método, fico com ele no banheiro para verificar sua pressão, sua temperatura, colocando gelo na nuca, pés e axilas e, assim, sempre checando sua segurança.

Você acha que os promotores de evento têm alguma responsabilidade sobre este processo de corte de peso?

Nenhuma. Promotor não obriga atleta a perder peso de maneira errada. A responsabilidade é do atleta e de seu time.

A desidratação em excesso não causa uma queda na performance do atleta?

Sim, pode causar, especialmente se o atleta não repuser o peso de uma maneira correta. As duas coisas podem influenciar na maneira dele lutar, especialmente se a luta for longa. O ideal é que sempre os atletas procurem profissionais para ajudá-los e sempre respeitem seus limites.

Acha que a pesagem deveria ser feita no dia da luta?

Não. Isso não tem sentido algum. Chega a ser ridícula essa discussão.