Eddie Alvarez: “Não irei lutar enquanto não conseguir um novo acordo”

Um importante lutador da categoria dos leves não está muito feliz com o UFC. Com apenas mais uma luta no contrato, o ex-campeão Eddie Alvarez ainda não conseguiu um acordo de renovação com a organização. Em entrevista ao site MMAFighting, Alvarez cita que recebeu uma proposta recente do UFC para um novo acerto, porém não gostou e a recusou. “A única coisa que falamos foi sobre a renovação, e nós não conseguimos um acordo”.

Ele também disse que só deverá ter uma luta marcada quando estiver disposto a assinar novamente, e isso levando em conta que uma revanche sua contra Dustin Poirier – a primeira luta foi um no contest, devido a uma joelhada ilegal de Alvarez – estava sendo discutida para acontecer em Calgary, no Canadá.

“Bem, eu acho que não irá ter nenhum oponente ou acerto de luta em meu e-mail, a menos que eu esteja pronto para reassinar. Então quando nós entrarmos em um acordo para assinar o contrato, tenho certeza que aparecerá uma luta para mim”

Alvarez se mosta disposto a continuar no UFC, dizendo que ainda há lutadores que ele gostaria de enfrentar e que ainda há trabalho a ser feito. O atleta americano já possuí sete lutas na organização, e com a vitória contra Justin Gaethje no UFC 218, o número 3 do ranking dos leves no UFC está perto de uma nova chance de disputar o título. Outra luta que vinha sendo discutida com Alvarez era um possível embate contra Nate Diaz, no UFC 227, mas as negociações para o casamento também estão travadas pelo seu processo de renovação de contrato.

“Acho que os melhores estão (no UFC).  Eu ainda tenho alguns caras que gostaria de enfrentar e ter em meu cartel, eu definitivamente tenho trabalho a ser feito por aqui”.

Ele conclui com as seguintes frases “O UFC precisa parar de ficar jogando com isso” e adicionou “Eles sabem o que eu estou falando”, provavelmente se referindo a buscar uma negociação para um reacordo salarial, e que as negociações fiquem mais tranquilas. Eddie Alvarez foi campeão do UFC durante 4 meses, entre julho e novembro de 2017, nocauteando Rafael dos Anjos para ganhar o cinturão, e o perdendo para Conor McGregor no memorável UFC 205.