Por Alexandre Matos | 15/04/2017 23:36

Os debates sobre os melhores da história do MMA ficarão cada vez mais acalorados. Neste sábado, Demetrious Johnson teve mais uma atuação genial e finalizou Wilson Reis na luta principal do UFC On FOX 24, disputado na String Center, em Kansas City, Missouri.

O primeiro round foi disputado em alta velocidade, o que implica em vantagem do campeão. Porém, Reis mostrou-se bem preparado no jogo de quedas, chegando até a colocar Johnson sentado em um momento. Porém, Demetrious esteve sempre um passo à frente e não deixava nenhum movimento ofensivo do desafiante sem retaliação.

Quem consegue alguma coisa no primeiro assalto contra Johnson normalmente se empolga e paga o preço. O campeão apertou ainda mais o ritmo e manteve Wilson sob seu controle. As entradas de queda rarearam e Johnson batia e saía como queria. No fim do round, uma joelhada potente no tronco mandou o desafiante ao solo, seguindo de um avassalador ground and pound. Wilson pareceu estar batido, mas resistiu até a buzina soar.

Dono de um condicionamento físico impecável, Johnson tornou o combate unilateral. Sem errar, ele se movimentava para abrir espaço para golpear e rapidamente retomar a postura de base sem ser acertado. Como o campeão faz isso orquestradamente, Reis ficou perdido, ainda que tivesse uma postura visualmente agressiva. O Mighty Mouse derrubou e trabalhou sem problemas sobre a guarda do ex-campeão mundial de jiu-jítsu. O passeio já estava garantido, mas Johnson é o tipo de sujeito que não se contenta com pouco. Ele montou e rapidamente esticou o braço de Wilson. Faltando 11 segundos, o desafiante batucou e capitulou.

Além de mais uma atuação de gênio, mostrando que não há concorrência na categoria dos moscas, Demetrious Johnson igualou um recorde histórico. Ele conseguiu a décima defesa consecutiva de um cinturão no UFC, deixando Georges St. Pierre sozinho na segunda posição. E alguém duvida que o Spider será superado no próximo compromisso do Mighty Mouse?

“Trem expresso” Rose Namajunas passa por cima de Michelle Waterson

Quando anunciaram que Rose Namajunas enfrentaria Michelle Waterson, os fãs se empolgaram pela possibilidade de grandes momentos no octógono. Neste sábado, elas confirmaram as expectativas.

A luta começou daquele jeito. A carateca Waterson surpreendeu e aplicou uma queda. No chão, Namajunas foi sorrateiramente escapando rumo às costas da adversária até posicionar o princípio de um mata-leão. Dali, Rose deu mais um giro sensacional, raspou e acabou por cima, pressionando Michelle contra a grade. Por outro lado, Waterson fez uma boa postura travando a cabeça da adversária para impedir contundência. Três ou quatro cotoveladas depois, Rose acabou deixando o braço e Waterson tentou um armlock. De volta ao centro, Michelle impediu a aproximação com pisões no joelho, mas Namajunas acertou o tempo da entrada, derrubou no uchi mata e acabou o round por cima.

Namajunas entendeu o tempo dos pisões no segundo assalto. Primeiro ela acertou uma bica na coxa de Waterson. Em seguida, pegou a adversária recuando e largou um canelaço em cheio no queixo. Waterson desabou como uma árvore abatida e foi brava ao sobreviver ao ground and pound frenético. Logo depois, Rose pegou as costas e encaixou o mata-leão que começou em pé e definiu a parada arrastando para o chão, mas não sem uma tentativa de sobrevivência da guerreira Waterson.

Robert Whittaker nocauteia Ronaldo Jacaré com atuação impecável

O peso médio Ronaldo Jacaré tinha ou não tinha feito o suficiente para disputar o cinturão? Agora a discussão enfim chega ao final. Com uma atuação excelente, Robert Whittaker dominou e nocauteou o astro brasileiro no segundo assalto.

Praticamente em momento algum o brasileiro esteve à vontade na luta. Contra um adversário muito mais jovem e mais capaz no striking, ficou visível a maior lentidão do brasileiro, problema que os grandes resultados escondiam, mas que sempre existiu. Misturando bem os socos com chutes, especialmente no corpo, Whittaker controlou Jacaré. Até no momento em que o brasileiro conseguiu derrubar e pegar as costas, o neozelandês saiu da pressão com rapidez.

O segundo round foi unilateral. Logo no começo, Whittaker anotou um knockdown com uma forte direita. Jacaré não conseguiu se recuperar. Cada vez mais lento, foi vitimado por várias combinações até ir à lona mais uma vez após um duro chute alto. Robert despejou um ground and pound selvagem que fez o rosto do capixaba sangrar bastante. Algumas cotoveladas diante do árbitro Mario Yamasaki finalmente decretaram o fim do combate na marca de 3:28.

Renato Moicano consegue maior vitória da carreira com defesa e contragolpes

Na luta mais relevante de sua carreira, Renato Moicano mostrou um sólido sistema defensivo, fez Jeremy Stephens errar muito, capitalizou contragolpes e saiu do octógono com uma difícil decisão dividida.

Moicano teve dois momentos no assalto inicial. Na abertura, ele saiu-se melhor na troca de golpes à distância, com jabs e chutes baixos. Stephens então trouxe o combate para sua área de tiro e acertou alguns golpes contundentes. Foi quando o brasileiro se aproveitou de uma aproximação do americano e derrubou com um double leg preciso, caindo por cima da meia guarda, permanecendo lá até a buzina garantir o 10-9 para ele.

Até a metade do segundo round, Moicano cometeu o erro de parar de chutar. Como não tinha um volume de boxe necessário, não conseguiu manter Stephens longe e viu o rival abrir vantagem. ciente de que tinha que recuperar o controle da distância, Carneiro voltou com alguns chutes esporádicos e passou a correr para se reposicionar. Isso fez com que a torcida o vaiasse e não adiantou muito para recuperar o tempo perdido. Luta empatada neste momento.

Inteligente, o brasileiro tratou logo de cinturar e derrubar o americano nos segundos iniciais da parcial final. Porém, ao invés de manter posição, Moicano resolveu se movimentar e acabou permitindo que Stephens tirasse as costas do chão e voltasse em pé. Lento, respirando com dificuldade com o nariz machucado, o americano até tentava pressionar, mas não tinha impacto nem volume. Como Moicano parecia cansado, não tirou proveito e deixou um cenário equilibrado demais.

Na contagem final do MMA Brasil, Moicano venceu por 29-28. Entre os juízes oficiais, o cenário de equilíbrio se manteve, com Tony Weeks marcando o mesmo para o brasileiro e Marcos Rosales para Stephens. A decisão ficou por conta de Brian Pucillo, que confirmou a vitória de Renato Moicano por decisão dividida.

Fundador e editor-chefe do MMA Brasil. Colunista do site oficial do UFC. Prestes a se aposentar e virar colunista especial do próprio site.