Demetrious Johnson bate Tim Elliott e chega à 9ª defesa em luta espetacular na noite dos pesos moscas

Com muito mais dificuldade do que o previsto, Demetrious Johnson voltou a mostrar brilhantismo, bateu o inquieto Tim Elliott e ficou a um passo de igualar o mais impressionante recorde do UFC.

Sábado foi a noite para quem não gosta de peso mosca pensar na vida. O TUF 24 Finale, disputado no Palms Casino Resort, em Las Vegas, teve um card principal muito melhor que o preliminar, culminando com duas lutas sensacionais da categoria masculina mais leve. Demetrious Johnson teve muito trabalho com o vencedor do TUF, Tim Elliott, mas chegou a uma marca histórica.

Quem diria que a luta considerada um enorme mismatch fosse tão competitiva no começo? Mais ainda, vencida no primeiro round pelo desafiante. Nos primeiros cinco minutos, Elliott teve Johnson duas vezes com as costas no chão e chegou a ter uma guilhotina profunda, que depois virou um triângulo de mão. De quebra, ainda mandou Johnson a knockdown.

Depois de perder um raro round, Demetrious voltou mais ligado no segundo. Ainda levou uma pancada forte, mas conseguiu chegar ao duelo corpo a corpo com o controle, levando Tim ao solo. O campeão pegou as costas e girou para a posição de cem-quilos. Dali, atacou com uma americana, encaixou um crucifixo, mas Elliott se defendeu. Sempre um passo à frente, Johnson evitou qualquer ação ofensiva do desafiante. Nos segundos finais, com ambos no clinch, Elliott percebeu a posição do pé de Johnson, derrubou e acabou o assalto por cima da meia guarda. Luta empatada em 19-19.

Johnson passou a ter o controle posicional do combate a partir do terceiro assalto, mas jamais teve o trabalho facilitado. Mesmo tomando sufoco por baixo, Elliott fez o campeão lutar minuto após minuto, seja tentando dar botes em triângulos ou armlocks, seja dando bolacha e telefone na cabeça avantajada do campeão. No quarto, o desafiante defendeu um estrangulamento mão-com-mão, engoliu soco no crucifixo e seguiu tendo que lidar com Demetrious dando giro atrás de giro.

Elliott conseguiu uma contraqueda no quinto, mas foi raspado e voltou a ter que se virar embaixo do campeão. O desafiante repôs a guarda e seguiu vendendo caro até o último segundo. Johnson tentou um armlock, defendeu os ataques do rival nos scrambles e levou mais um round.

Com mais uma demonstração de brilhantismo técnico e experiência, Demetrious Johnson venceu por decisão unânime, com dois 49-46 e um 49-45, e chegou à sua nona defesa de cinturão consecutiva. Ele empatou com Georges St. Pierre na segunda posição, ficando a apenas uma vitória do recorde de Anderson Silva. Com Jon Jones suspenso, não há dúvidas que o MMA tem um rei peso por peso consolidado.

Joseph Benavidez vence Henry Cejudo numa das melhores lutas dos últimos tempos

A única coisa a se lamentar sobre Joseph Benavidez contra Henry Cejudo era o fato de a luta ter apenas três rounds. Num duelo franco e agressivo, Joe Jitsu triunfou pela sexta vez consecutiva, agora por decisão dividida que vai render discussão.

joseph-benavidez-henry-cejudo

Benavidez se assustou com o início agressivo de Cejudo, que logo encontrou a distância e dominou as ações no kickboxing, fazendo o oponente balançar duas vezes. O campeão olímpico teve um ponto corretamente deduzido quando acertou o segundo golpe baixo, mesmo sem intenção de cometer a infração. Isso fez com que Cejudo ficasse ainda mais agressivo e desse espaço para o adversário acertá-lo. Joe-Jitsu cresceu ao ficar menos previsível, mas ainda assim não virou a parcial, que acabou igual em 9-9.

O segundo assalto foi mais equilibrado, especialmente quando Cejudo teve uma queda de rendimento. Porém, ele retomou as rédeas e fez Benavidez errar muitos golpes num round inteiramente disputado no kickboxing. O panorama no terceiro começou parecido, com Cejudo arriscando algumas entradas de single leg que foram bem defendidas por Benavidez. Henry seguiu atacando bem o corpo, mas Benavidez finalmente encontrou seu ritmo e conseguiu retaliar as ofensivas de Cejudo.

A luta foi definitivamente equilibrada, mas sempre tem um juiz para estragar. Um deles deu 29-27 para Cejudo, enquanto outro deu o mesmo para Benavidez. No entanto, o terceiro anotou um bizarro 30-26 para Joseph Benavidez, vencedor por decisão dividida. O MMA Brasil ficou mais uma vez dividido, já que eu vi empate em 28-28 e Diego Tintin, no Twitter, ficou com 29-27 para Benavidez.

Jorge Masvidal dá show de muay thai e nocauteia Jake Ellenberger

A principal chance de Jake Ellenberger era aproveitar o conhecido início lento de Jorge Masvidal. Não foi possível.

Masvidal entrou com mais ação do que de costume. Isso rendeu cerca de um minuto equilibrado de muay thai até Jorge logo imprimir um ritmo muito forte que Ellenberger não conseguiu seguir. Jake encaixou os golpes com dignidade e escapou de ser nocauteado. Porém, Masvidal já tinha entendido o timing das ações. Cheio de confiança, o ex-Strikeforce baixou a guarda, mesclou joelhadas, chutes e socos, fazendo Ellenberger recuar. Numa dessas, Jake tropeçou e meteu o pé esquerdo no buraco do tablado com a grade. Herb Dean viu que o lutador se machucou e decretou o nocaute técnico a 55 segundos do fim do primeiro round.

Precisão no boxe de Jared Cannonier prevalece sobre o sambô de Ion Cutelaba

Numa luta muito movimentada para sujeitos enormes, Jared Cannonier mostrou boa capacidade de adaptação para virar o combate contra Ion Cutelaba.

jared-cannonier-ion-cutelaba

Cutelaba não esperou nada para atravessar o octógono de cara feia e chegar ao infighting, de onde largou bons uppercuts, evitando os danos das mãos pesadas do americano. Cannonier tentou equilibrar as ações no boxe, mas o moldavo manteve o ritmo forte e conseguiu duas quedas. Jared defendeu a tentativa de montada, levou uma pedrada e quase foi alvejado por uma canelada enquanto se levantava.

Cada um conseguiu uma queda no começo do segundo assalto, mas foi Cutelaba quem acabou por cima. Quando ficaram novamente de pé, o europeu baixou o ritmo e foi acertado por vários socos bem orquestrados por Cannonier. Vendo que estava em perigo, Ion atacou as pernas do oponente e levou a luta para o chão. O americano arriscou a queda duas vezes, quase levou a raspagem, mas acabou por cima. Cutelaba tentou fechar os espaços, reduziu o prejuízo, mas viu o rival empatar a luta em 19-19.

Cannonier estava mais inteiro na volta para o terceiro round e foi mais preciso na troca de socos enquanto Cutelaba tentava o Hail Mary. Exausto, sem conseguir encurtar para derrubar, Ion passou a jogar tênis, lançando backhands ao léu. Jared manteve a compostura, com a distância controlada, e seguiu acertando os melhores golpes. Quando Cutelaba acertou uma bomba no meio da cara de Cannonier e o americano nem se mexeu, estava claro quem tinha o domínio da situação.

A luta foi equilibrada a ponto de o MMA Brasil apontar dois placares. Enquanto eu vi 29-28 para Cannonier, Diego Tintin marcou o mesmo para Cutelaba no Twitter. Na marcação oficial, os três juízes ficaram com o 29-28 que deu a vitória por decisão unânime para Jared Cannonier. O combate foi premiado como o melhor da noite, ainda que as duas lutas de pesos moscas tenham sido superiores.

Sara McMann surpreende e finaliza Alexis Davis no segundo assalto

Uma vitória de Sara McMann neste sábado era um resultado normal. Porém, ver a americana finalizar Alexis Davis apenas usando trabalho de chão foi surpreendente.

As lutadoras entraram sem lero-lero nem vem cá que eu também quero (alô, você!), trocando couro no centro do octógono. Quando achou brecha, a medalhista olímpica conseguiu uma queda e caiu por cima da guarda da canadense. Porém, McMann errou na postura, teve pouca ação ofensiva e deixou Davis trabalhar por baixo. Por outro lado, Alexis baixou o ritmo e insistiu numa ação que ficou com pouco espaço ao invés de tentar escapar. Ainda assim, Davis tentou um triângulo no minuto final e terminou o assalto com cotoveladas na americana, saindo na frente por 10-9.

McMann voltou para o segundo round com uma queda sensacional, mas Davis manteve a calma e já caiu buscando a omoplata. Sara se defendeu e achou espaço para tentar um katagatame. Davis tentou defender a posição travando a perna de McMann, mas vacilou ao manter as costas no chão, fazendo um trabalho ruim de guarda. A americana aproveitou, conseguiu passar para o lado correto e apertou o estrangulamento. Alexis tentou aliviar o pescoço, porém logo se viu sem alternativa senão batucar na marca de 2:52 do segundo round. McMann recebeu um dos bônus de desempenho da noite, junto com Anthony Smith, que nocauteou Elvis Mutapcic no card preliminar.

Brandon Moreno vence a segunda em dois meses ao bater Ryan Benoit

MMA é um esporte multidisciplinar. Muito melhor no grappling e equilibrado no striking, Brandon Moreno dominou Ryan Benoit para conquistar a segunda vitória no UFC desde que saiu do TUF 24.

brandon-moreno-ryan-benoit

Depois de uma fase inicial de estudos, a luta explodiu com um chute alto de Benoit que Moreno bloqueou e aproveitou o embalo para derrubar o oponente. O mexicano voltou às quedas depois de os lutadores trocarem chumbo grosso no centro do octógono. Na segunda metade do assalto, Benoit facilitou o trabalho de Moreno ora sem combinar golpes, ora lançando punhos no vento, com muita vontade e pouca precisão.

A segunda etapa levou quase um minuto para pegar. Benoit chegou a assustar o oponente com uma dura esquerda que mandou Moreno sentado no chão. Como resposta, o mexicano catou as pernas do americano com um double leg de grande amplitude e controlou Benoit no solo, travando uma perna e socando o rosto desguarnecido do rival. Quando Benoit se levantou, outro double leg o lançou ao piso. Moreno escalou a meia guarda e manteve o adversário controlado até a buzina, chegando ao 20-18.

Moreno insistiu na luta agarrada no terceiro, mas a defesa de quedas de Benoit melhorou. Tendo a chance de lutar em pé, o americano desperdiçou ao não combinar golpes. Os lutadores trocaram esporádicos, mas pesados, socos e chutes, quando Moreno passou a dominar inclusive no striking, aproveitando queda de rendimento de Benoit. O mexicano percebeu a falta de urgência do adversário e tentou derrubar. No minuto final, bombas passaram no vento até a buzina encerrar o combate.

Na hora da leitura das papeletas, o juiz Rick Winter marcou um bastante controverso 29-28 para Benoit, mas Jeff Mullen e Junichiro Kamijo garantiram o resultado correto com o mesmo placar anotado para Brandon Moreno, vencedor por decisão dividida. O MMA Brasil apontou 30-27 para o mexicano.

  • James sousa

    o Demetrious Johnson me lembrar o GSP bom em todas as áreas do jogo e sempre levando a luta pra onde ele se sentir mais confortável .
    no co main event marquei empate 28-28 só não concordei com o 30-26 por Benavidez

    • Beto Magnun

      Ridiculo né. O 1º round foi claro pro Cejudo assim como o terceiro foi pro Joe-B. O segundo foi a discórdia.

  • Diego Tintin

    Salve Fernando Vanucci!!!

    • Gabriel Carvalho II

      Itália campeã mundial de futebol! Com todos os méritos, com todas as justiças É claro que… é claro que eu também estou inconformado com você. Porque poderia ser, hoje, o Brasil comemorando o título.

    • Só pessoal da nossa geração vai perceber hahaha

    • Leandro Coco

      Ele era o melhor transmitindo o Carnaval, com certeza era o q ele fazia melhor !

  • Marllon

    Queria saber se vocês também se surpreenderam positivamente com a luta dos meios pesados.
    Os caras mostraram boa técnica em todas as facetas do mma e mantiveram um bom ritmo durante todo o combate.

    • Sim, ainda que o Cutelaba tenha ficado exausto. O Cannonier ficou muito bem na categoria, bem melhor do que ser um pesado não atlético.

  • Beto Magnun

    Só vi as duas ultimas lutas agora e fora bem divertidas. As duas mereciam bônus de melhores da noite. Que ódio o DJ não ser um campeão popular, pois seria irado ver ele subindo pra desafiar o Cruz novamente e parar de ouvir maluco dizendo que é um erro compara-lo com o Anderson Silva. O Spider que me desculpe, mas ao meu ver o DJ já bateu lutadores bem mais habilidosos que o brasileiro. Embora a situação dos dois seja parecida (uns desafiantes barangões, uns razoáveis e outros excelentes). Elliot é o restante do TUF foram uma bela adição a categoria. Logo logo o top 15 deve ser repaginado.
    Também marquei empate na luta do Benavidez. Outra que merecia 5 rounds. Péssima posição na categoria se encontra o pobre ex-Alpha Male. E seria irado ver o Lineker e Dodson enfrendo esses dois e mais o Horiguchi.
    Masvidal por um instante deu uma enganada com uma bela blitz, mas depois voltou a ter aqueles velhos lapsos ofensivos. Quanto ao Jake… É paia o que vou dizer pois só ele pode dizer o que sentiu ali na hora, mas tive a impressão que ele deu uma arregada quando o pé prendeu.
    Cutelaba deve ser o único prospecto dos meio pesados né? O cara é bom, mas é muito afobado. Nas três lutas que fez no UFC, ele chegou morto de cansaço no terceiro round. Torcer pra ele melhorar isso e pra no futuro fazer parte da elite. E que queixo tem o Cannonier. Tomou umas pedradas no terceiro assalto e nem piscou. Já já tá no top 15.
    E que lutinha podre a do Hall vs Maynard. O Hall não tem a mínima ideia de como levar a luta pro chão. Tava ridículo ele se jogando pra tentar trazer pra guarda. E o Maynard pqp… Já passou da hora de repensar a carreira.

  • Doniel Porter

    Este combate também foi uma verdadeira prova para o psicológico de DJ, conseguiu manter a tranquilidade para sair de uma finalização que parecia sacramentada e depois ter que lidar com as seguidas tentativas frustradas de finalizar um cara que parece infinalizável.

  • Caio Andrade

    Vi um empate muito claro na luta do Cejudo – talvez tão claro quanto Woodley vs Thompson.