De Olho no Wrestling Olímpico: Copa do Mundo do Estilo Livre 2016

A Copa do Mundo de Wrestling no estilo livre contou com alguns dos melhores lutadores do mundo, candidatos a medalhas nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. O Irã saiu com o quinto título consecutivo.

Ocorreu no final de semana dos dias 11 e 12 de junho um dos eventos de wrestling que mais angariam fãs pelo mundo todo, tanto pela bela produção quanto pelas lutas fantásticas que proporciona, a Copa do Mundo, focada somente no estilo livre. O evento foi sediado no Forum de Inglewood, na Califórnia, e contou com oito potências do esporte divididas em dois grupos. No grupo A estavam Rússia, Turquia, Mongólia e Geórgia, enquanto o grupo B contava com Irã, Estados Unidos, Azerbaijão e Índia.

A Copa do Mundo de wrestling é um torneio entre equipes nacionais. Todos do grupo se enfrentam para determinar em que colocação ficarão. Os primeiros colocados dos dois grupos se enfrentam pela disputa do ouro, enquanto os segundos de cada grupo se confrontam pela disputa do bronze, os terceiros colocados encaram-se pelo quinto lugar e os quartos pelo sétimo lugar.

Como de praxe, Irã e Estados Unidos foram com seus melhores times, embora faltando o melhor de cada um (Jordan Burroughs e Reza Yazdani) por variadas razões, enquanto outras equipes foram com um time razoável, com alguns wrestlers de ponta, ou foram com um time fraco, deixando os melhores em casa, como o Azerbaijão por exemplo.

O Irã, pelo quinto ano consecutivo, conseguiu o primeiro lugar, enquanto a Rússia ficou em segundo, Geórgia em terceiro e os donos da casa em quarto. Como o wrestling é um esporte predominantemente individual, vou me focar neste artigo nos melhores desempenhos individuais de cada peso olímpico (57kg, 65kg, 74kg, 86kg, 97kg e 125kg), citando alguns dos favoritos a levar uma medalha olímpica ou até mesmo o ouro para casa em agosto.

Na categoria até 57kg, Vladimir Khinchegashvili, da Geórgia, primeiro colocado do ranking da United World Wrestling (UWW), atual campeão mundial e europeu, medalhista de prata olímpico e um dos grandes favoritos a conquistar o ouro olímpico no Rio de Janeiro, teve um ótima desempenho. Em sua primeira luta, derrotou o nono do ranking, o russo Gadzhimurad Rashidov, por 3-2. Nas duas lutas seguintes, enfrentou o décimo e o sexto colocado (Atly Suleyman e Bekhbayar Erdenebat, respectivamente), batendo-os por 11-2 e 4-1. Na disputa pelo bronze entre Geórgia e Estados Unidos, Khinchegashvili teve pela frente o americano Daniel Dennis, vencedor da seletiva olímpica americana. Numa das melhores lutas do evento, o georgiano conseguiu o encostamento logo no começo do combate depois de um começo avassalador de Dennis.

Vladimir é conhecido por começar devagar nas lutas, mas que fica perigoso conforme seu oponente cresce para cima dele. Recomendo fortemente que o leitor assista a esta luta, que está no vídeo abaixo:

Ainda nesta divisão, outra ótima apresentação veio com o iraniano Hassan Rahimi, segundo do ranking, campeão mundial em 2013 e segundo colocado no Mundial do ano passado. O iraniano venceu suas duas primeiras lutas por 11-1 (superioridade técnica) e W.O. No terceiro combate, derrotou Daniel Dennis por 7-2. Na disputa pelo ouro, numa luta muito acirrada, superou Gadzhimurad Rashidov por 3-3, pelo critério de desempate. Rahimi é outro grande favorito a conquistar o ouro nas Olimpíadas do Rio de Janeiro, inclusive já é possível perceber que essa categoria é uma das mais acirradas do estilo livre de wrestling.

Luta entre Rahimi e Makhmud Magomedov (11-1, superioridade técnica para o iraniano):

Na categoria até 65kg, o melhor desempenho, com quatro vitórias e nenhuma derrota, foi do americano Frank Molinaro, campeão da Divisão I da NCAA em 2012 e da acirrada seletiva olímpica americana. Em suas duas primeiras apresentações, Molinaro anotou 5-0 e 4-1 no placar, sendo que esta última quase acabou em briga, com o azerbaijano perdendo a compostura no final do combate. Na luta seguinte, o americano conseguiu a vitória mais significativa de sua carreira internacional até então, desbancando o sétimo colocado do ranking e medalhista de prata e bronze nos dois últimos Mundiais, Sayed Ahmad Mohammadi, do Irã, por 4-3. Em seu quarto e último combate, Molinaro bateu de frente e venceu o nono colocado do ranking, Zurab Iakobishvili, da Geórgia, por 4-4, pelo critério de desempate. Estas vitórias, principalmente aquela contra o iraniano, mostram que, no final das contas, Molinaro tem chances de conquistar a tão disputada medalha olímpica.

Luta entre Frank Molinaro e Sayed Ahmad Mohammadi:

Foi na divisão até 74kg que ocorreu o maior desfalque da competição, com Jordan Burroughs, tricampeão mundial e campeão olímpico, se retirando bem no dia que iria lutar por conta do nascimento de sua filha. Uma das lutas mais esperadas do evento, que seria de Burroughs contra o nono colocado do ranking, o iraniano Hassan Yazdani, campeão mundial júnior e medalhista de prata no Mundial de 2015 (entre os adultos), infelizmente acabou não se concretizando. Yazdani, por sua vez, mostrou um dos melhores desempenhos da Copa do Mundo, conseguindo três superioridades técnicas em suas quatro vitórias no campeonato. Inclusive duas de suas superioridades técnicas vieram contra o tricampeão da Divisão I da NCAA e vencedor do Dan Hodge Trophy deste ano, o americano Alex Dieringer, e contra o russo campeão mundial de 2014, Khetig Tsabolov, terceiro colocado do ranking, vingando a derrota que teve para ele no Alexander Medved no ínicio de 2016. Nos três encontros entre Yazdani e Tsabolov, o iraniano levou a melhor em duas oportunidades.

Confira nos dois vídeos abaixo a semelhança da projeção partindo do underhook que rendeu quatro pontos para Yazdani nas lutas contra Dieringer (1:59 do primeiro vídeo) e Tsabolov (22 segundos do segundo vídeo):

Outra bela apresentação nessa categoria foi do quarto colocado do ranking, Unurbat Purevjav, da Mongólia, medalhista de prata no Mundial de 2015. O mongol levou seu primeiro combate por W.O. Na luta seguinte, Purevjav superou seu oponente com um placar apertado de 5-4. Na terceira e mais significativa luta para ele nesse evento, encontrou com o russo Khetig Tsabolov e, num ótimo desempenho, venceu por 10-2. No quarto e último combate, o mongol derrotou Ashraf Aliyev, do Azerbaijão, por 7-0.

Vídeo da luta entre Unurbat Purevjav e Khetig Tsabolov:

Na divisão até 86kg o destaque foi o segundo colocado do ranking e um dos meus wrestlers preferidos, o russo Shamil Kudiyamagomedov, atual campeão europeu, do Ivan Yarygin GP e dos Jogos Mundiais Militares. O russo lutou três vezes nesta Copa do Mundo, todas elas contra adversários ranqueados. O primeiro deles foi o 12º colocado, o georgiano Dato Marsagishvili, campeão mundial júnior, bicampeão europeu entre os adultos e medalhista de bronze olímpico. O russo superou Marsagishvili por 9-3. Na segunda luta, enfrentou o nono colocado do ranking, o mongol Orgodol Uitumen, campeão mundial militar em 2014, e o derrotou por 7-0. No terceiro combate, na disputa pelo ouro entre Irã e Rússia, bateu de frente com o quinto colocado, considerado por muitos como o segundo melhor wrestler dessa categoria, o iraniano Alireza Karimimachiani, e, numa luta muito bonita e movimentada (assista no vídeo abaixo), o russo venceu Karimi por 6-3.

Se Kudiyamagomedov fosse representar seu país nas Olimpíadas, em agosto, teria chances consideráveis de conseguir a medalha de ouro ou, no mínimo, conseguir outra medalha qualquer. Para o seu azar, o melhor wrestler dessa categoria e talvez o mais dominante nos dois últimos anos, Abdulrashid Sadulaev, é russo, está ativo e no seu auge, sendo aposta certa para a Rússia conseguir pelo menos uma medalha de ouro olímpica no estilo livre.

Outro que teve uma apresentação impecável nessa divisão foi o turco Selim Yasar, quarto colocado do ranking, campeão mundial júnior e medalhista de bronze e prata nos Mundiais adultos de 2014 e 2015, respectivamente. Nos dois primeiros combates, o turco venceu seus adversários por 10-3 e 4-1. Na luta seguinte, enfrentou o sexto colocado do ranking, o georgiano Sandro Aminashvili, medalhista de bronze no Mundial de 2015, derrotando-o por 6-0. Na disputa pelo sétimo lugar da Copa do Mundo, Selim rapidamente bateu, ainda no primeiro período, o indiano Pawan Kumar por 10-0, superioridade técnica, como você pode acompanhar no vídeo abaixo.

Selim Yasar é um monstro no tapete. Se ele repetir suas apresentações dos dois últimos mundiais, são grandes suas chances de sair com uma medalha em agosto, nas Olimpíadas.

Como era de se esperar, o destaque na categoria até 97kg foi o atual campeão mundial, da Divisão I da NCAA e campeão mundial júnior em 2013, Kyle Snyder, terceiro colocado do ranking, que superou seus três primeiros oponentes por 10-0 (superioridade técnica), 2-1 e 8-1. Na disputa pela medalha de bronze da Copa do Mundo, o americano teve pela frente o quinto colocado do ranking, Elizbar Odikadze, da Geórgia, bicampeão do Golden Grand Prix e campeão do Yasar Dogu. Numa luta muito apertada, o jovem fenômeno estava atrás do placar (3-1) quando, faltando 10 segundos para o combate acabar, conseguiu uma queda salvadora, que igualou o combate em 3-3, mas que também fez Snyder ficar na vantagem, pois foi o último a conseguir dois pontos, levando o público americano a delírio. Kyle sem dúvidas é um dos grandes favoritos a ficar no lugar mais alto do pódio nas Olimpíadas.

Luta entre Snyder e Saywart Kadian, da Índia, que terminou em 10-0 (superioridade técnica):

Luta entre Snyder e Odikadze, com a queda salvadora acontecendo no final do combate:

Na divisão de peso até 125kg, o georgiano Geno Petriashvili, campeão mundial júnior de 2013 e duas vezes medalhista de bronze em Mundiais, vem conquistando tudo desde o final do ano passado, como o Golden Grand Prix, o Alexander Medved Prizes, o Campeonato Europeu até 23 anos e o Europeu entre os adultos. Por isso, não é à toa que está em primeiro lugar do ranking da UWW. Em sua primeira luta na Copa do Mundo, Petriashvili teve pela frente o campeão mundial júnior de 2010 e do Ivan Yarygin GP em 2015, o russo Muradin Kushkov, batendo-o por 4-0. Depois de vencer o combate seguinte por W.O., Geno enfrentou o sétimo do ranking, Chuluunbat Jargalsaikhan, e passou por cima do mongol, derrotando-o por 11-0 (superioridade técnica). Em sua última luta, o georgiano encarou o americano Zach Rey, campeão da Divisão I da NCAA, tricampeão do Campeonato Pan-Americano e atual campeão dos Jogos Pan-Americanos. Sem dar muitas chances a Rey, Petriashvili o superou por 6-2, finalizando sua campanha invicta na Copa do Mundo.

Vejo somente Geno Petriashvili e Bilyal Makhov como ameaças ao reinado do turco Taha Akgul, atual bicampeão mundial da categoria, nas Olimpíadas, ainda mais se Akgul não estiver recuperado da lesão que provavelmente prejudicou seu desempenho no Campeonato Europeu de 2016.

Luta entre Petriashvili e Chuluubat Jargalsaikhan:

  • James sousa 8

    Elias queria dar um sugestão de matérias sendo tipo um radar MMA Brasil com os atletas favoritos a ganhar medalha esse ano no Rio de Janeiro

    • Elias Freire

      James, estou planejando fazer isso, como fiz ano passado com a prévia para o Campeonato Mundial.

    • Já está em preparo pro wrestling, boxe, taekwondo e judô.

  • Cláudio Vilança

    Matéria de génios, só pode ser mesmo no MMA Brasil.

  • André Guilherme Oliveira

    Valeu Elias, cê é fera demais.

  • Kudiyamagomedov é uma mostra quando a gente fala que o campeonato russo pode ser mais difícil que os Jogos Olímpicos.

  • IMPERADOR

    Maravilha de materia!
    Parabens, Elias!