Daniel Cormier defende cinturão ao vencer uma guerra contra Alexander Gustafsson

Numa guerra repleta de sangue e hematomas, Daniel Cormier mostrou mais gana e manteve o cinturão dos meios-pesados com uma vitória sobre Alexander Gustafsson, na luta principal do UFC 192.

O cinturão dos meios-pesados do UFC não vai a lugar algum. Neste sábado, diante de 14.622 torcedores no Toyota Center, em Houston, o campeão Daniel Cormier derrotou o desafiante Alexander Gustafsson na luta principal do UFC 192, uma batalha de sangue e hematomas.

Cormier usou o wrestling para vencer o primeiro round, colocando o sueco no chão com uma queda de grande amplitude – Gustafsson chegou a ficar de cabeça para baixo no ar – e seguindo com um trabalho de transições e ground and pound. Parecia que a luta obedeceria um script padrão, mas, conforme o Fator-X da coluna Choque de Titãs havia dito, os atletas mudaram os papéis imaginados.

A partir do segundo assalto, a movimentação lateral de Gustafsson passou a funcionar melhor. Ele conseguiu acertar boas combinações de socos, usar bem o jab e até surpreender o semifinalista olímpico de wrestling derrubando-o em mais de uma ocasião. Vendo que sua principal arma também estava ao lado do oponente, Cormier passou a caçar Gustafsson agressivamente pelo octógono e chegou a virar o segundo round na base do boxe, encurtando a distância para lançar combos ou punir Gustafsson com uppercuts.

Num desses avanços de Cormier, ele sofreu uma joelhada potente, ficou desnorteado, recebeu mais um par de socos e foi a knockdown. Gustafsson cresceu na luta, aumentou a eficiência de seus contragolpes e empatou a luta no final do quarto round. No quinto, Cormier foi implacável na caça ao desafiante, acabando de destruir o nariz do sueco com incontáveis uppercuts. Alex tentou levar a luta para o solo, mas a defesa de Daniel voltou a funcionar.

Ao final do combate, veredito dividido. O juiz Derek Cleary anotou 48-47 a favor de Gustafsson, mas Sal D’Amato inverteu o resultado e Kerry Hatley confirmou a vitória de Daniel Cormier com um 49-46. O MMA Brasil viu o mesmo 48-47 a favor de Cormier marcado por D’Amato. Naturalmente a luta foi bonificada como a melhor da noite e os lutadores receberam um adicional de US$50 mil cada. Os outros dois bônus saíram para o card preliminar, premiando os nocautes de Adriano Martins sobre Islam Makhachev e Albert Tumenov sobre Alan Jouban.

Ryan Bader chega à quinta vitória seguida no retorno de Rashad Evans

Está ficando cada vez mais difícil negar uma chance ao título para Ryan Bader. O vencedor do TUF 8 teve uma atuação segura e afastou o fantasma de não conseguir render em lutas importantes ao vencer Rashad Evans por decisão unânime.

Ryan Bader encontrou poucas dificuldades contra Rashad Evans (Foto: Troy Taormina/USA TODAY Sports)

Ryan Bader encontrou poucas dificuldades contra Rashad Evans (Foto: Troy Taormina/USA TODAY Sports)

Dois pontos ficaram claros neste combate. O primeiro é que Rashad deveria baixar de categoria depois de ter ficado tão menor que Bader. O segundo é que os quase dois anos de inatividade custaram caro ao ex-campeão. Evans tentou ser ofensivo, mas pareceu que estava limitado a tentar encontrar um Hail Mary salvador.

A situação de Rashad se agravou conforme o tempo passou. Mérito de Bader, que mostrou evolução na troca de golpes, mantendo o oponente sob controle com um sólido trabalho de jabs, alguns petardos de direita, inclusive uppercuts, além de um renovado arsenal de chutes, especialmente os baixos e os que atingiam o corpo, que serviram para minar a resistência de Rashad. Bader ainda aplicou quedas no segundo e terceiro rounds, apenas para garantir o resultado.

Todos os juízes marcaram 30-27 a favor de Ryan Bader, mesmo placar anotado pelo MMA Brasil.

Kickboxing superior dá vitória a Ruslan Magomedov sobre Shawn Jordan

No único duelo entre lutadores não ranqueados no card principal do UFC 192, deu a lógica. O peso pesado russo Ruslan Magomedov usou o kickboxing e a defesa de quedas para superar o americano Shawn Jordan na terceira vitória por decisão em igual número de lutas no UFC.

Ruslan Magomedov venceu Shawn Jordan (Foto: Troy Taormina/USA TODAY Sports)

Ruslan Magomedov venceu Shawn Jordan (Foto: Troy Taormina/USA TODAY Sports)

Jordan até teve alguns bons momentos quando conseguiu encurtar a distância, mas o cenário comum da luta foi ele sofrendo com as combinações de socos e chutes do carateca europeu. Circulando pelo octógono, Magomedov fez bom uso de sua envergadura, mas chegou a sofrer uma queda e um contragolpe seco no primeiro round.

No intervalo, o americano disse ao córner que provavelmente tinha fraturado uma costela, fruto dos chutes de Magomedov. Jordan então tentou decidir com um petardo, chegou a acertar Magomedov contra a grade, mas o russo voltou ao controle graças à sua maior técnica.

O terceiro round mostrou Jordan sangrando nos dois olhos, punido pelas combinações de Magomedov. O russo sobrou na parcial, evitando ser pego por alguma marretada do oponente. No final, dois juízes marcaram 30-27 e um anotou 29-28, todos a favor de Ruslan Magomedov.

Joseph Benavidez vence Ali Bagautinov e se mantém na elite dos moscas

Numa categoria onde o campeão sobra, resta aos demais tentar se manter numa elite próxima. É isso que Joseph Benavidez faz entre os pesos moscas. Contra o russo Ali Bagautinov, que retornou de um ano de suspensão por doping, o representante do Team Alpha Male mostrou que, se não consegue vencer Demetrious Johnson, pelo menos não perde dos demais.

Joseph Benavidez vence Ali Bagautinov e se mantém perto de uma nova chance para disputar o título dos moscas (Foto: Troy Taormina/USA TODAY Sports)

Joseph Benavidez vence Ali Bagautinov e se mantém perto de uma nova chance para disputar o título dos moscas (Foto: Troy Taormina/USA TODAY Sports)

Mais rápido, Benavidez manteve uma regularidade de entrar no raio de ação de Bagautinov, acertá-lo com algum golpe pesado, especialmente com o punho direito, e rapidamente sair do alcance do daguestani. Bagautinov chegou a abrir um corte em Benavidez com um uppercut no primeiro round e aplicou duas quedas no oponente, mas não conseguiu produzir muito mais do que isso nos 10 minutos iniciais.

Atrás no placar, o russo tentou uma ofensiva no terceiro assalto. Foi o suficiente para um dos juízes laterais lhe conceder o round, mas longe de representar perigo ao americano. Joseph Benavidez venceu com uma justa decisão unânime, com dois placares de 30-27 e um 29-28.