Contusão de Dan Henderson desencadeia um dos maiores problemas da história do UFC

Por Alexandre Matos | 23/08/2012 23:30

Depois do UFC 150 vem o UFC 151, certo? Not so easy. Numa manobra sem precedentes na história do UFC, uma edição simplesmente vai sumir do mapa. É exatamente isto que você entendeu, o UFC 151 não será disputado, não existe mais.

O problema começou com a notícia da contusão de Dan Henderson, que faria a luta principal do UFC 151 contra o campeão dos meio-pesados Jon Jones. Em entrevista ao jornalista Eduardo Cruz, do blog MMA, Mano a Mano, o francês Daniel Woirin, treinador de muay thai de Hendo, disse que o veterano rompeu parcialmente o ligamento cruzado medial de um dos joelhos durante um sparring. Hendo fazia uma defesa de queda quando se machucou. Ainda de acordo com Woirin, o lutador teve que ser convencido por toda a Team Quest a não enfrentar Jones lesionado. Um último teste feito ontem serviu para bater o martelo: Hendo estava mesmo fora do UFC 151.

A nove dias do evento, podemos imaginar o desespero que baixou em Dana White e Lorenzo Fertitta. Os cabeças do UFC teriam que inventar outra luta principal em cima da hora para manter o evento, que já não tinha tantas atrações populares além do combate de fundo.

Assim que o problema de seu companheiro de equipe veio à tona, Chael Sonnen pegou o celular e ligou para Dana White, colocando-se à disposição para substituir Hendo no dia 1. Dana aproveitou toda a onda que Sonnen já vem fazendo com Jones e ligou para o campeão para propor a luta. Para choque do presidente do UFC, Jones e seu treinador Greg Jackson disseram que “oito dias eram insuficientes para se preparar para enfrentar Chael Sonnen”. A negativa aconteceu poucas horas antes de Dana White anunciar oficialmente a substituição.

Dana White anuncia oficialmente o cancelamento do UFC 151

White em seguida foi atrás de Lyoto Machida, próximo desafiante depois de Dan Henderson. Por motivos óbvios, o Dragão, que lutou no último dia 4 contra Ryan Bader, negou o confronto, mas aceitou a remenda. O brasileiro terá sua revanche contra Bones na luta principal do UFC 152, no dia 22 de setembro, em Toronto, no Canadá. O evento terá como luta coprincipal a disputa do cinturão dos moscas entre Joseph Benavidez e Demetrious Johnson.

Como a luta coprincipal do UFC 151 seria entre os meio-médios Jake Ellenberger e Jay Hieron, que voltaria ao UFC depois de quase sete anos, a organização ficou sem uma luta de apelo popular para encabeçar um card em pay-per-view. A solução, tão óbvia como trágica, foi o cancelamento do UFC 151. Agora os executivos trabalham para reencaixar as lutas canceladas do evento do começo de setembro. Ellenberger e Hieron se enfrentarão no UFC On FX 5, no dia 5 de outubro.

Como não poderia ser diferente, o cancelamento do show provocou reações diversas. Chael Sonnen mostrou que sua língua afiada não serve apenas para atacar lutadores brasileiros. Ele foi curto e grosso com Jones no Twitter:

“30 minutos para cementar seu legado. Campeão ou covarde? Eu faço muito mais do que você… Apareça em oito dias e eu lhe darei a minha bolsa.”

Quem também se ofereceu para substituir Hendo foi Chris Weidman, que está sendo preterido por Anderson Silva. Ele comentou ao site MMA Fighting:

“Eu ouvi que Dan Henderson se machucou. Eu disse: ‘Uau, eu não estou tendo chance no peso médio, deixe-me pegar Jon Jones, ele é absolutamente incrível. Mas não acho que ele vá aceitar. Se ele não quer enfrentar Chael Sonnen, tenho certeza que não vai querer lutar comigo.”

Normalmente conhecido pela arrogância e falta de bom senso, Michael Bisping teve uma das melhores reações pelo Twitter:

“Jones disse que não enfrentaria Sonnen com oito dias de antecedência. Eu fiz isso. Só para lembrar…”

Além dos fãs e dos donos do UFC, quem mais ficou irritado com o cancelamento do UFC 151 foram os lutadores que estavam escalados para o evento, já que as bolsas são seus salários. Jeff Houghland comentou:

“Espere aí, eu não vou mais lutar? Por favor, diga que isso não é verdade, eu tenho contas a pagar.”

Quem também tem contas a pagar é Charlie Brenneman, outro que lutaria no dia 1. Ele mandou um tweet direcionado a Jones dizendo:

“Você pode mandar meu cheque para Caixa Postal 198 EH NJ. O aluguel vence primeiro, então mande o cheque preferencialmente antes disso. Obrigado.”

O prejuízo se estendeu à equipe de transmissão. O comentarista Joe Rogan faria um show no mesmo Mandalay Bay no fim de semana do UFC 151. Com o cancelamento do evento, o hotel também cortou o espetáculo do comentarista-ator. Em uma sequência de tweets, Rogan comentou com razão:

“Estou completamente chocado que Jones não aceitou lutar com Chael Sonnen. Nunca vi isso em um milhão de anos. Agora, todo o card do UFC 151 foi cancelado porque Jones não aceitou lutar com um peso médio que está completamente fora de forma. UAU. Apenas uau. Pessoas que estariam indo ao meu show na sexta, dia 31: por causa do cancelamento do UFC 151, o Mandalay Bay cancelou meu show também. Aqueles que compraram ingressos serão totalmente reembolsados. Minhas humildes desculpas por isto, não tive o que fazer.”