Contraprova confirma doping de Jon Jones no UFC 214 por anabolizante

Contraprova de exame antidoping de Jon Jones também confirma presença de substância proibida Turinabol. Caso nada seja provado, Jones deve ser suspenso por quatro anos.

Após ser pego no exame antidoping em período de competição do UFC 214, o então campeão dos meio-pesados Jon Jones recebeu mais uma péssima notícia na madrugada da última quarta-feira (13). O resultado da contraprova requisitada pelo atleta e seus treinadores foi divulgado de forma exclusiva pela “ESPN“, e como esperado, o novo exame confirmou a presença da substância proibida Turinabol no sangue do norte-americano.

Com a confirmação do doping, a situação do atleta fica oficialmente mais complicada. Embora o UFC não tenha ainda retirado o cinturão dos meio-pesados e a comissão responsável não tenha revertido o resultado da luta contra Daniel Cormier para sem resultado – ambas aguardam o desenvolvimento do caso para tomar qualquer atitude -, Jon Jones agora enfrentará uma punição de quatro anos com a USADA, já que o atleta é reincidente.

Muito usado em competições de definição muscular, o esteroide anabolizante Turinabol é utilizado para um ganho acentuado de massa muscular com uma aparência de definição muscular. Além disso, o esteroide não causa tanta retenção hídrica no usuário, facilitando assim no corte de peso, além de ter menos efeitos colaterais do que outros anabolizantes.

Mesmo com a confirmação do doping, a equipe de Jon Jones crê na inocência do atleta no caso. Acredita-se que o episódio de suplemento contaminado se repetiu com o atleta, pois as partes envolvidas afirmam que desconhecem qualquer uso feito da substância pelo atual campeão dos meio-pesados.

Em 2016, Jon Jones foi pego em exame antidoping dias antes do UFC 200, onde enfrentaria o próprio Daniel Cormier na tão aguardada revanche entre ambos. Com a presença dos bloqueadores de estrogênio Clomofeno e Estrozol, Jones conseguiu provar no juri que usou pílulas para melhora de performance sexual contaminadas pelas substâncias e foi suspenso apenas por um ano, mas acabou tendo o cinturão retirado pela organização.

  • James sousa

    Para surpresa de ninguém

  • Bruno Coelho

    Nada de novo debaixo do sol.

    Em tempo: Pô, vou pedir para a equipe do Jones dizer o nome dessa marca de suplemento porque eu tô cansado de comprar Creatina e Whey e só receber Creatina e Whey. Ahh, como eu queria pagar R$ 60,00 num pote Creatina e receber GH, Trembo, um Cipionatinho de Testosterona só pra dar um gás nos treinos de powerlifting que faço.

    Falando sério, me causa espanto o fato de que nenhum desses atletas que foram casualmente agraciados com lotes contaminados decidiu processar a empresa responsável pela contaminação, afinal os lutadores perdem dinheiro, ficam com a imagem arranhada…
    Além disso, me espanta também o fato de que a “ANVISA” dos EUA ainda não decidiu abrir sindicâncias pra apurar a origem dessas contaminações, pois, usando uma lógica quase infantil, é possível conjecturar: se o suplemento de um atleta de ponta foi contaminado com esteróides, o que será que não deve ter nos suplementos vendidos na lojinha da esquina? Césio 137, no mínimo.

    • Marcio Rodrigues

      Aqui a contaminaçao é com farinha mesmo haha…Tem gente que acredita nessas historias da carochinha.