Por Edição MMA Brasil | 15/07/2019 22:16

Por Idonaldo Filho e João Gabriel Gelli

Embora na semana anterior os atletas não eram os de maiores nomes no cenário regional, eles entregaram lutas de alto nível de entretenimento e, graças a isso, o presidente Dana White ofereceu contrato a todos os cinco vencedores. Na Semana 4 alguns lutadores já são mais conhecidos do público, com dois atletas brasileiros, lutadores invictos e um prospecto de elite campeão da principal organização satélite para o UFC. A promessa é de um bom evento e que deve fazer os dois matchmakers e Dana pensarem muito para decidir quais serão os atletas contratados. A luta principal é entre Stephen Regman e Antonio Arroyo nos médios, enquanto teremos também o peso pesado Ricardo Prasel no card.

Peso médio: Stephen Regman (9-3) vs. Antônio Arroyo (8-2)

Sólido competidor no cenário regional, Stephen Regman fez a maior parte da carreira no CFFC e também teve passagens pelo Ring of Combat. Ele chegou a desafiar pelo título dos leves no CFFC, mas foi superado pelo ex-UFC Darrell Horcher. Após ser derrotado em seu compromisso seguinte, Regman tratou de emendar uma sequência de quatro vitórias, todas por nocaute até receber a oportunidade no Contender Series. Em sua última atuação, superou Will Santiago, veterano da última temporada do programa. Sua preferência é pela luta em pé, com boxe muito explosivo e com alta taxa de interrupções. Além disso, pode aplicar algumas quedas, mas este não é seu traço principal.

Antônio Arroyo participou da edição brasileira do Contender Series em 2018. Nela, saiu vitorioso em decisão tranquila contra Diego Gaúcho, mas não conseguiu um contrato. Este foi seu quarto triunfo seguido e, provavelmente, o que veio sobre concorrência de melhor qualidade. Nas outras oportunidades em que foi colocado diante de adversário de nível mais alto, foi atropelado pelo muito bom Herdem Alacabek, que estará em uma edição futura do programa, por exemplo. Arroyo é versátil e sabe atuar da distância com bom uso de chutes, mas é paciente demais em alguns momentos. Consegue algumas quedas e pode buscar finalizações, mas quase não usa o ground and pound. A defesa de quedas não é das melhores e precisa evoluir para evitar submissões, método de suas duas derrotas até aqui.

Antonio Arroyo vs Stephen Regman odds - BestFightOdds
 

Peso galo: Armando Villarreal (5-1) vs. Ode Osbourne (7-2)

O duelo coprincipal do evento trará Armando Villarreal como uma de suas metades. O americano fez sua estreia como profissional pelo Bellator, mas depois passou pelo XKO e recentemente está em sequência três vitórias, todas na LFA. Ainda é um tanto inexperiente e não é o mais atlético, mas parece entender muito bem suas melhores armas para conquistar as vitórias. Villarreal precisa enfrentar concorrência mais qualificada, mas já está em uma boa trajetória até aqui, apesar de seu teto não parecer muito alto. Ele usa muito volume em pé, mas com o propósito de se aproximar. Seu objetivo é encurtar e buscar quedas, mas parece lhe faltar um pouco de explosão nas entradas. Quando consegue derrubar, faz transições, controla o adversário e aplica ground and pound pesado, além de tentar finalizações.

Apesar de ter uma luta pela RFA no currículo, Ode Osbourne não pode ser caracterizado como um nome consolidado no cenário regional. No geral, ele fez a carreira como um amassador de latas até o momento e sofreu em quase todos os combates contra oposição um pouco mais qualificada. Isto é bem representado pelo fato de ter vencido apenas duas lutas contra adversários de cartel positivo. Dessa forma, ele é bastante cru e apresenta diversos problemas que precisarão ser ajustados para o futuro. No momento, tem preferência por atuar de pé, com socos rápidos e muitos chutes, além de algum poder de definição. Sua defesa de quedas transponível, mas tenta compensar isto ao ser ativo da guarda. Outra falha do seu jogo em geral é que deixa brechas ao ser agressivo em excesso.

Armando Villarreal vs Ode Osbourne odds - BestFightOdds
 

Peso pesado: Don’Tale Mayes (6-2) vs. Ricardo Prasel (10-1)

Em um duelo de atletas de outros esportes, o ex-jogador de basquete Don’Tale Mayes encara o ex-goleiro do Chelsea, Ricardo Prasel. O americano vai pra terceira vez no Contender Series já que perdeu uma contra Allen Crowder e venceu outra contra Mitchell Sipe na temporada anterior, não conseguindo o contrato com a organização. Com 1,98m e 2,07m de envergadura, Mayes é um atleta grande e que ao mesmo tempo é rápido e móvel, mas em suas lutas demonstra o que a falta de um background de luta faz, já que muitas vezes toma decisões horrorosas e se coloca em situações complexas. Seu jogo baseia muito em seu atleticismo – embora o gás seja meia boca – e na grosseria, usando a força para defender quedas e quando está no solo, explosões para sair de posições desvantajosas. O poder de nocaute é razoável, mas Mayes é um lutador que embora tenha potencial para ser lapidado, você sempre pode esperar qualquer coisa saindo dele, inspirando pouca confiança.

Desistindo do futebol após uma lesão, Ricardo é conhecido por ser um dos melhores pesados aqui do Brasil, e foi campeão do Aspera FC. Contratado pelo RIZIN, ele foi totalmente anulado por Ante Delija – atualmente na PFL – e deixou muita gente decepcionada com a atuação fraca. O jiu-jítsu é a principal área de Ricardo, já que o atleta de 2m de altura possui pernas longas e não tem medo de atuar na guarda – o que as vezes é ruim – sendo muito ativo e perigoso, com boa variedade de finalizações na cartola, sendo isso muito útil nos pesos pesados onde há muito lutador fraco nessa área. O problema é que Prasel é um wrestler fraco e sua trocação é bem ruim, deixando o queixo bastante exposto e sendo muito nocauteável. Ele teve uma passagem recente pela Jackson-Wink MMA, podendo mostrar algum grau de evolução.

Don'tale Mayes vs Ricardo Prasel odds - BestFightOdds
 

Peso pena: Lance Lawrence (5-0) vs. Kevin Syler (8-0)

Depois de ter amplo sucesso como amador ao acumular retrospecto de 8-0, Lance Lawrence se profissionalizou no começo de 2016, já fez cinco lutas e segue sem saber o que é derrota. Um prospecto cru, ele enfrentou concorrência de qualidade acima da esperada para alguém de carreira ainda curta. Inclusive, tem vitória sobre Jonathan Pearce, agraciado com um contrato na semana passada, e nenhum de seus adversários profissionais tinha cartel negativo na época dos confrontos. Ele tem boa altura, mas parece um tanto frágil fisicamente, com porte magro. Sua especialidade está na luta de solo, tendo finalizado todos os cinco compromissos e ainda não sabe o que é uma decisão, seja como profissional ou amador. No entanto, não surpreenderia vê-lo sendo dominado por um wrestler sufocante. Outro caminho que pode levar a uma derrota é ser obrigado a ficar de pé, uma vez que suas quedas são apenas razoáveis e sem grande explosão e sua movimentação na trocação é descoordenada.

Assim como Lawrence, Kevin Syler teve carreira vitoriosa como amador, com cartel de 7-0. Além disso, também está invicto como profissional, com oito vitórias em igual número de combates. Ele tem apenas 25 anos, treina na American Top Team e só enfrentou concorrência de retrospecto positivo desde que se profissionalizou. Entretanto, a maior parte veio no fraco cenário boliviano, onde nasceu. Irmão do ex-UFC Bentley Syler, Kevin faz de tudo um pouco seguindo o ritmo que a luta propõe. Na parte em pé, gosta de manter a distância e chutar, sem ser muito técnico com as mãos. Suas quedas são funcionais para o nível em que atuou, mas não devem se traduzir com o mesmo sucesso com o salto de qualidade esperado daqui para frente. Por cima, demonstra um ground and pound potente e capaz de encerrar lutas, além de um bom senso para encontrar finalizações.

Kevin Syler vs Lance Lawrence odds - BestFightOdds
 

Peso médio: Brendan Allen (11-3) vs. Aaron Jeffery (6-1)

O UFC ama roubar os campeões do LFA, principalmente da categoria dos médios, e agora mais um deles está escalado para buscar uma chance no líder do mercado. Brendan Allen bateu na trave duas vezes, quando foi derrotado por Eryk Anders e Anthony Hernandez, mas na terceira conquistou o título da organização ao finalizar Tim Hiley, e com muito estilo defendeu a cinta aplicando uma tremenda surra em Moses Murrietta, atleta com passagens no MMA russo. O lutador de 23 anos – que também é campeão mundial de MMA amador – é um grappler de origem e que é bastante agressivo tanto no solo quanto na trocação, onde vem evoluindo bastante e conquistando nocautes. O clinch é outro bom ponto do americano.

Aos 26 anos, o canadense Aaron Jeffery foi escalado no Contender Series na posição de azarão mas ele mostra evolução em sua carreira, mesmo que tenha sido bastante inativo já que em cinco anos de profissão ele apenas lutou sete vezes. Campeão do BTC, onde venceu um adversário de bom nível regional em Jo Vallée, Jeffery é um lutador muito forte e que tem um físico até que um pouco suspeito. E usa também sua altura de 1,88m para ter vantagem sobre seu adversário no clinch. Ele evoluiu a trocação e mostra poder nos punhos. Além do mais, é nutricionista de carreira, o que obviamente auxilia em seu preparo para os combates. É um lutador de bom nível, mesmo que ainda pouco experiente, mas que tem potencial, sim, para o evento e deve dar uma luta interessante para Allen.

Aaron Jeffery vs Brendan Allen odds - BestFightOdds
 

Palpites de contratos: Stephen Regman, Don’Tale Mayes e Brendan Allen

Embora devam proporcionar um equilibrado duelo, Regman é um lutador com o estilo que Dana White gosta: nocauteador e agressivo. Conquistando a vitória é quase garantido sua contratação. Se Don’Tale Mayes conseguiu a proeza de ter uma terceira chance no evento, é porque Sean Shelby e Mick Maynard gostam dele, além de ser um casamento de estilos benéfico a o americano que deve conquistar um nocaute. Por fim, Allen é favorito em sua luta e é o lutador mais relevante dentre todos para o cenário regional americano, veterano do LFA, e que proporciona divertidos duelos, sendo uma adição de alto nível para o UFC.