Como seria o UFC 200 do MMA nacional?

Por Gabriel Carvalho | 17/07/2016 02:41

A noite do último dia 9 de julho ficou marcada pelo UFC 200. A maior organização do MMA mundial trouxe um card estrelado para a edição especial, que só deve ser superado pelo UFC 300, que não vai acontecer nesta década.

Com duas disputas de cinturão, vimos Amanda Nunes ser coroada como a nova campeã do peso galo e José Aldo conquistar o cinturão interino do peso pena, além dos retornos de Brock Lesnar e Cain Velasquez, e o combate especial entre Daniel Cormier e Anderson Silva.

Em vez da T-Mobile Arena, em Las Vegas, e se o cenário das grandes lutas fosse o Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo? Ou o Ginásio do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro? Pegando o bonde do evento histórico, resolvi reunir um possível card dos sonhos do MMA brasileiro, o “UFC 200 do MMA Nacional” (ambos em suas devidas proporções, é claro). Confira!

Luta principal: Bruno “Macaco” Azevedo (13-2) vs. José Maria “No Chance” Tomé (37-5) – peso mosca

Como luta principal, nada mais justo que escolher dois dos melhores lutadores da melhor categoria brasileira. Bruno Macaco é o atual campeão dos moscas do XFC e mais recentemente lutou no Shooto Brasil, conseguindo uma grande vitória sobre o experiente Lincoln Sá.

José Maria No Chance teve a sua oportunidade no UFC em 2013, mas acabou derrotado por John Lineker e Dustin Ortiz, o que não é demérito algum. Em quatro lutas após sua saída do UFC, ele conseguiu quatro vitórias batendo nomes como Marcel Adur e Roberto de Souza.

O combate, que inclusive já foi marcado e cancelado depois de uma lesão de “Macaco”, provavelmente seria uma interessante batalha de grapplers, com Bruno aplicando bastante pressão no experiente “No Chance”, que também tem um excelente jogo de pernas e consegue lutar bem em todas as áreas do combate.

Luta coprincipal: Felipe Froes (14-2) vs. Leonardo Limberger (8-1) – peso pena

O maior peso-pena da história do MMA é brasileiro e dois dos principais lutadores brasileiros da próxima geração também lutam até 66 quilos: Felipe “Sayajin” Froes e Leonardo “Kazuya” Limberger.

O paraense Felipe Froes é o atual campeão peso-pena do Shooto Brasil. O atleta tem o estilo de luta da Nova União, baseado em muay thai com excelentes chutes baixos e um forte jiu-jítsu. Com sete vitórias seguidas, Froes provavelmente é o melhor lutador do Brasil na categoria.

Atleta da Rizzo RVT, Leonardo Limberger não tem a mesma experiência de Froes, mas já mostra um imenso talento, especialmente na parte do jiu-jítsu. Com 21 anos de idade, Leonardo vem de cinco vitórias seguidas, inclusive batendo nomes como Claudir Dutkevis e Jamil Silveira.

Willian Cilli (12-3) vs. Natan Schulte (11-2) – peso leve

A melhor categoria do mundo também teria espaço no meu evento dos sonhos com dois lutadores que provavelmente estão fazendo hora extra no território brasileiro: Willian Cilli e Natan Schulte.

Atleta da Chute Boxe Diego Lima, Willian tem um ótimo muay thai, mas se destaca mesmo é no jiu-jítsu, que já lhe rendeu 10 de suas 12 vitórias na carreira. Sua sequência atual é de seis vitórias e uma medalha de ouro após vencer o torneio do XFC.

Quando falamos em luta agarrada, o catarinense Natan Schulte não é bobo. Além de ser faixa-preta na arte suave, o “Russo” é vice-campeão catarinense de wrestling. Já são 10 vitórias em sequência, que colocam Natan entre os principais lutadores até 70 quilos do Brasil.

Naldo Silva (24-4) vs. Denis “Alagoas” Silva (9-1) – peso galo

O peso galo é a categoria em que os brasileiros mais conseguiram títulos ao redor do mundo. Atualmente, os cinturões do Bellator, do WSOF, ONE Championship, Titan FC e da RFA pertencem a lutadores nacionais, além do UFC, que já foi de um brasileiro também. Por isso, obviamente esta divisão teria espaço nesse card dos sonhos.

O amazonense Naldo Silva é o atual campeão do Jungle Fight. Ele tem 14 vitórias seguidas, com direito a triunfos sobre fortes nomes como Anderson Berinja e Maike Linhares. Além de nocauteador, Naldo também mostra ser um ótimo grappler, mantendo controle sobre os seus oponentes.

Parceiro de treinos do lutador do UFC Reginaldo Vieira, Denis Alagoas tem apenas 21 anos e já chama atenção no MMA paulista. Outro especialista em jiu-jítsu, ele registra sete vitórias seguidas e provavelmente deve enfrentar Naldo pelo cinturão do Jungle Fight em breve.

Handesson “Boy Doido” Ferreira (9-0) vs. Bruno Lopes (6-0) – peso meio-médio

A categoria dos meios-médios também é bastante movimentada e os dois principais lutadores do Brasil na categoria abençoada por Georges St. Pierre são Handesson Boy Doido e Bruno Lopes.

Atleta da Kimura Nova União, de Natal, Handesson é conhecido pela trocação de alto nível. São cinco vitórias por nocaute, o cinturão dos meios-médios do Jungle Fight e triunfos sobre nomes como Roberto Facada e Jorge Filho. Indiscutivelmente, “Boy Doido” é o melhor atleta até 77 quilos do Brasil.

Bruno Lopes está inativo desde junho de 2015, mas, no tempo em que esteve ativo, mostrou ser um lutador de alto nível. Com apenas 23 anos, o atleta da 011 MMA Team registrou seis vitórias em suas seis lutas, mostrando ser um bom lutador tanto na trocação quanto na luta de solo.

Kinberly Novaes (8-2) vs. Viviane “Sucuri” Pereira (10-0) – peso palha feminino

Uma luta feminina não poderia faltar neste card. Com grande estilo, seria o confronto na categoria peso palha entre a catarinense Kinberly Novaes e a cearense Viviane Sucuri.

Atleta da CM System, Kinberly tem um excelente currículo no muay thai e uma grande vitória sobre a atual lutadora do UFC Jéssica Andrade. A carismática lutadora sofreu com alguns imprevistos na carreira, como uma cirurgia que a afastou dos cages, em 2014, e a sua famosa gravidez, em 2015.

A cearense Viviane é jovem, mas já é bem gabaritada. Com 22 anos de idade, ela já soma 10 vitórias no MMA e o cinturão peso-palha do XFC, além de triunfos sobre nomes como a lutadora do UFC Poliana Botelho e nomes conhecidos do MMA nordestino como Rosy Duarte e Ilara Joanne.

Editor do MMA Brasil. Fã de esportes em geral, apaixonado pela arte de punhos em rostos alheios. Amante de filmes e música.