Coluna do Coach: Adaptação para baixar de categoria

O duelo entre Fedor Emelianenko e Dan Henderson, previsto para acontecer em julho no Strikeforce, levanta a questão da preparação para o combate pela categoria dos meio-pesados (com limite de 93kg). Henderson vem de vitória e de conquista do cinturão da categoria sobre Rafael Feijão. Já Fedor viu sua invencibilidade de 10 anos cair pelas mãos de Fabricio Werdum e Antonio Pezão.

A questão levantada é a adaptação dos lutadores ao baixar de categoria. Muitos relacionam a queda de desempenho de Fedor, mesmo sendo um ícone no MMA, a não aceitação de métodos modernos de preparação e do camping pré-luta de acordo com o seu adversário.

Ao analisarmos as características da categoria meio-pesado conseguimos traçar o estilos destes lutadores. Estes atletas tem o punch próximo ao do lutador da categoria pesado e a movimentação de um peso médio. Isto justifica que esta seja a categoria no MMA mundial onde os cinturões mais desfilam, por ser a categoria onde existe o maior número de lutadores em alto nível. Se fizermos uma breve lista observaremos o porque da necessidade do lutador ceder a preparação moderna para o combate.

Jon Jones, Maurício Shogun, Rogério Minotouro, Quinton Jackson, Rashad Evans, Rafael Feijão, Dan Henderson, Lyoto Machida, Randy Couture, entre outros, formam a maior lista de uma categoria quando tratamos de manutenção de um cinturão.

A mudança da arena do ringue para o octagon parece ter sido o maior vilão dos lutadores clássicos como Mirko Cro Cop e Fedor. No ringue você encurralava o adversário no canto e conseguia trabalhar isolando-o da fuga. Além disso havia o uso das cordas, que gerava a interrupção do combate algumas vezes pelo árbitro. No octagon o combate é ativo durante os 5 minutos de round e o mercado do MMA atual pede que os lutadores sejam verdadeiras máquinas. Alguns deles saem de um combate de 5 rounds como se estivessem realizado apenas o aquecimento, apresentando desgaste consideravelmente abaixo do seu limite máximo.

Observando a fundo a área da preparação física, a solução para tal adaptação de pesado para meio-pesado, será configurarmos todo o cronograma de acordo com a disputa de título de 3 para 5 rounds e com a característica da categoria, com força, porém com maior velocidade.

Ao definir juntamente com o Chefe de Equipe (Head Coach) o desenvolvimento deste lutador – no caso deste texto, Fedor -, um trabalho de controle e redução do percentual de gordura e desenvolvimento de potência e velocidade seriam essenciais no cronograma de treinos. A alimentação precisa ser cuidadosa, pois há a necessidade de reduzir gordura e manter o rendimento. Treinos como levantamento olímpico, saltos e arremesso de peso seriam algumas propostas. Próximo ao combate o treino para aumento de lactato entra em evidência. Alguns utilizam circuitos, outros não, mas o objetivo continua o mesmo em desenvolver maior resistência de força do lutador.

Como consideração final, a preparação física é um complemento essencial para o lutador, pois esta permite que o mesmo execute sua técnica por um tempo prolongado durante o combate. Muitas vezes ela faz a diferença em um duelo equiíbrado.

“Se não cedermos às modernidades do MMA, ficaremos para trás, independente se for um grande ídolo.”

  • Pingback: Coluna do Coach: Adaptação para baixar de categoria | SportSquare()

  • Quem diria… Fedor quer marcar a luta como catchweight até 220lbs (100kg) e o Dan Henderson disse que prefere na categoria dos pesados (até 265lbs/120kg).

    Por mais que 4 meses de trabalho árduo sejam suficientes, acho que o problema maior do Fedor seria se adaptar a um novo modo de treino e de vida. Sempre foi rechonchudo, nunca precisou se preocupar muito com isso, vai pra pesagem de calça jeans. Mora num país frio, onde o tecido adiposo é bem vindo no sentido de proteção térmica.

    Não deve ser por acaso que a maioria dos atletas da ex-URSS que se dão bem nos esportes de combate o fazem na categoria dos pesados.

  • Luca

    Uma duvida pq a categoria dos meio pesados do MMA é tão concorrida e a do Boxe não tem a mesma fama(pelo menos que eu saiba)?

    • O MMA tem 7 categorias de peso (8 se contarmos com os moscas, que não existem no UFC ou Strikeforce). O boxe tem 17.

      Esta diferença faz com que as categorias do boxe sejam apenas mais uma no meio de uma confusão enorme. O intervalo do meio-pesado do MMA engloba meio-pesado, cruzador e pesado no boxe.

      • Luca

        E qual motivo vc dar para a categoria dos pesados do boxe ter sido tão aclamada?(hj infelizmente não é tanto assim)

        • A categoria dos pesados é onde historicamente tem mais nocautes, por isso tem mais fama. É a que mais atrai a atenção do público, por este motivo. Isso faz com que os lutadores sejam mais bem pagos, mesmo nos dias atuais, com o enfraquecimento da categoria. Apenas Pacquiao e Mayweather lutam por bolsas semelhantes às dos irmãos Klitschko.

  • Felipe Freitas

    Diogo, a última frase é muito boa, é uma verdade, os ídolos no ínicio do esporte, não teriam carreiras como tiveram, o Alexandre disse uma vez no twitter, sobre o Ricco Rodriguez, não lembro o que ele disse, foi algo do tipo “Realmente, a época que o RIcco ROdriguez foi campeão do UFC, era a época negra do MMA.”. Não só o Ricco Rodriguez, mas Mark Coleman e o nosso primeiro herói, o Royce Gracie, não seriam campeões atualmente, Velasquez, campeão da categoria dos pesados(onde o Coleman já foi campeão), na minha opinião, tratorizaria o Hammer, e voltando um pouquinho no tempo, Matt Hughes venceu o Royce, e se a luta tivesse acontecido alguns anos antes, acho que o resultado seria o mesmo.

    Ah, eu sou fã do Royce, afinal, ele foi MUITO importante pro MMA, ele é ídolo do GSP e de uma porrada de lutador no UFC, mas na época dele ainda era o “there are no rules”, era vale tudo, hoje é realmente um esporte, assim como futebol(tem gente que não gosta de comparar os dois, mas…), onde teve várias épocas, Puskas, Pelé, Garrincha, Maradona, Ronaldo, R. Gaúcho, Messi, C. Ronaldo e os novos craques, todos eles(novos atletas), tanto no MMA quanto no futebol, viram mais evoluídos. Mas uma vez, usando um exemplo do que o Alexandre disse numa análise(eu sempre presto atenção no que ele diz), ele comentou que um dos lutadores era um striker(algo assim), e o outro era da nova geração, apenas um lutador de MMA.

    Diogo, tenho uma dúvida, um atleta que não perde peso pra lutar, tem uma vantagem sobre o atleta que precisa perder, e chega a fazer isso horas antes da pesagem?

    • Luca

      rpz concordo com vc quando vc compara os atletas do mma com futebol, realmente se pelé, garrincha, maradona, jogassem hoje da forma que eles exerciam antes o futebol não seriam tão mitificados quanto são, mas se vc ver os atletas do mma antigos são de certa forma mitificados, talvez isso se der em td esporte.

  • Thiago Esposito

    A preparação física mudou de forma brutal. Concordo plenamente com o Felipe em dizer que os heróis de antigamente não são páreos pra moçada de hoje.

    E respondendo a questão (me intrometendo mesmo), essa história de ter que perder 10, 20kg pra lutar na categoria… isso não dá certo. Não por muito tempo. Primeiro que não é saudável o cara oscilar tanto de peso. Vide BJ Penn que entra em algumas lutas no shape e em outras visivelmente abatido e enfraquecido.

    O cara constante, que perde 1 ou 2kg luta nas suas condições normais, pode dar 100%.
    Agora plantando a semente da discórdia: Spyder, vc não é nenhum menino… cada ano que passa fica mais difícil fazer isso. A subida SERÁ inevitável. Também, já varreu tudo, não tem mais desafio aí pra vc.

    • Felipe Freitas

      pode responder a questão, não tem problema :D

    • Anderson já andou dizendo que é amigo do Jon Jones e não quer lutar com ele…

      • Felipe Freitas

        Como disse o Guilherme Pinheiro, uma coisa é tu ser amigo do cara e treinar na mesma academia, a outra é tu ser amigo do cara e treinar bem longe

      • Rafael Friall

        Como é engraçado…Ele não lutaria com JJ, um cara q nunca treinou junto com ele, duvido q frenquenta sua casa ou mantem uma convivencia proxima. Com ele o AS não lutaria.
        Agora com um cara q ele praticamente viu crescer, q treinou junto, q deve ter sido bem proximo (na epoca a Chute Boxe era muito unida) ele lutaria.

        Vai entender.

        • Nada como ter 2,13m de envergadura…

        • Felipe Freitas

          O Anderson me decepciona, sério… ele e o Jones começaram a se falar algumas semanas atrás, pelo twitter, e já tá de amizade, pra mim essa amizade é medo

          • Luca

            o thiago falou q a subida do AS é inevitavel, eu meio que discordo acho mais facil ele se aposentar do que subir pro os meio pesados, apesar de ser fã do AS admito que esse negocio de ficar só nos medios é medinho.

  • Felipe Freitas

    Agora outra pergunta, existe algum lutador(tirando peso-pesado) que não perde peso pra lutar?

    • Charles do Bronx’s :)

      • Felipe Freitas

        eu considero ele o melhor peso leve brasileiro no momento :D

        • Bj Penn de meio médio tbm se pesa de calça jeans e tudo…

          • Rafael Friall

            Acho q o Edgar não perde.
            E o Nate Diaz agora nos meio-medios tb não parece sendo magrelo do jeito q é.

  • Rodrigo Tossato

    Pessoal éssa é uma boa discussão, o antes x o agora, já que a comparação foi feita, vamos inverter a situação, se o Pelé joagasse hoje com o preparo físico de hoje mais a habilidade natural dele vcs acham que ele não ia deitar e rolar?? lógico que ia…coloquemos isso no MMA, se o Marco Ruas treinasse hoje, com a técnicas de hoje, alguém aqui realmente acha que ele não poderia ser campeão do UFC? creio que ele teria condições sim, o estilo dele lembra muito o de hoje, lutador completo, fera no jiu jitsu, na trocação e muito bom com as pernas , Mark Coleman, também teria chances sim…comparações são dificieis, mas creio que se colocarmos os lutadores antigos com os treinamentos de hoje, os caras ainda sarão máquinas…e dariam trabalho para os caras de hoje com certeza…abraço a todos!!