Cine Luta indica: Foxcatcher – Uma história que chocou o mundo

Em memória dos 20 anos do assassinato do campeão olímpico e mundial Dave Schultz, nossa coluna Cine Luta faz a critica de Foxcatcher, filme indicado a cinco Oscars.

Dois irmãos, dois campeões olímpicos e mundiais, um trágico destino. É disso que se trata Foxcatcher – Uma história que chocou o mundo. Indicado em cinco categorias ao Oscar em 2015, o filme conta a história dos irmãos Mark Schultz e Dave Schultz, campeões olímpicos de wrestling no estilo livre nos Jogos Olímpicos de 1984, em Los Angeles.

Somos apresentados ao caçula Mark e logo no início já percebemos que Mark, apesar de talentoso, tem um grande incômodo de viver à sombra de Dave. Isso faz com que Mark, interpretado por Channing Tatum, seja uma pessoa introvertida e com um ego de difícil trato. Por outro lado, Dave é apresentado como uma boa pessoa e o carisma do personagem é confundido com a ótima atuação de Mark Ruffalo, indicado ao Oscar de ator coadjuvante.

Nenhuma outra dupla de irmãos americanos ganhou tantos títulos da NCAA, US Open, Mundial e Olimpíadas como Mark e Dave (Foto: cortesia de Mark Schultz)

Nenhuma outra dupla de irmãos americanos ganhou tantos títulos da NCAA, US Open, Mundial e Olimpíadas como Mark e Dave. Além disso, só eles e Buvaisar e Adam Saitiev foram campeões mundiais e olímpicos no wrestling (Foto: cortesia de Mark Schultz)

As coisas não andavam muito bem. Sem qualquer apoio da USA Wrestling, a confederação nacional da modalidade, demitido do posto de assistente técnico da Stanford University, o caçula tinha que dar palestras motivacionais em troca de algumas dezenas de dólares (dinheiro era raro naquela época mesmo nos Estados Unidos), muitas vezes se passando pelo irmão, cujo carisma o fez mais famoso. Num belo dia, Mark é convidado para ser patrocinado e líder de uma nova equipe, a Foxcatcher, que seria financiada pelo multimilionário John Eleuthère du Pont, interpretado magistralmente por Steve Carell, concorrente ao Oscar de melhor ator. Du Pont era herdeiro de uma das famílias mais tradicionais dos Estados Unidos, dona de uma indústria que desenvolveu o kevlar, a lycra, o neoprene, o nylon e muito mais.

Mark deixa seu irmão para trás e parte para o centro de treinamento da Foxcatcher, construído na fazenda onde du Pont residia, onde finalmente poderia protagonizar a sua própria história. No início, a relação dos dois vai bem e Du Pont assume um papel paterno para Mark, até que, aos poucos, a personalidade manipuladora, controladora e doentia do milionário começa a aparecer. Frustrado pela sua própria fraqueza e pela rejeição da mãe, Du Pont se coloca como o head coach da equipe para todo o mundo e por vezes dá sinais de que ele mesmo acredita na sua própria mentira.

Os conflitos entre Mark e John crescem até atingir o ápice quando Du Point leva Dave para treinar a equipe. O que era um conflito entre ex-amigos se torna um conflito entre irmãos. Em meio a tantas desavenças, os resultados não aparecem e as tensões crescem de maneira tão sombria que culminam no dia em que Du Pont vai até casa de Dave Schultz e o mata a tiros, diante da esposa do lutador, encerrando assim a trágica história da Foxcatcher.

Tecnicamente o filme é muito bom, com maquiagem excelente, ótimas atuações dos três atores centrais e um bom trabalho de direção por Bennett Miller, que também disputou o Oscar. O ponto negativo da obra é o roteiro e a edição, pois em alguns momentos o filme é exageradamente lento, ficando nítido que a edição poderia ter enxugado alguns minutos, mesmo com o intuito de dar um ar bastante sombrio à trama.

Steve Carell e Channing Tatum em cena como John Du Pont e Mark Schultz em Foxcatcher

Steve Carell e Channing Tatum em cena como John Du Pont e Mark Schultz em Foxcatcher

Detalhes que o filme muda

Todo filme baseado em fatos reais é apenas uma versão dos eventos e não um retrato dos fatos ocorridos. Qualquer aluno de Teoria da História entende ao fim do curso que a história é uma amálgama de versões, uma colcha de retalhos de pontos de vista de um mesmo evento, sendo a sua reprodução na sua integralidade quase impossível. No caso do filme isso fica muito mais evidente, já que o próprio Mark Schultz contesta várias passagens do longa-metragem.

De acordo com a versão de Mark, as insinuações de uma relação homossexual entre ele e John é mentirosa, mais conhecida aqui em Brasília como uma inverdade. Mark afirma que tampouco pintou o cabelo e que não era tão sugestionável assim como o filme o retrata. Todavia, Mark afirma que o patrocínio de John não era tão representativo assim, porém todos os outros atletas da Foxcatcher dizem justamente o contrário.

Um ponto crucial do filme, que pode se chamar de erro crasso ao representar a realidade, mas que deu licença poética à obra, foi colocar os dois irmãos simultaneamente na Foxcatcher. Na história real, Du Pont queria Dave e o convidou pela primeira vez em 1986. Dave negou o chamado e indicou o irmão, que foi inicialmente levado pelo milionário ao posto de assistente técnico da Villanova University para só depois integrar a Foxcatcher. Após o fiasco nos Jogos Olímpicos de 1988, quando ele era o favorito ao ouro, conduzido pelo título mundial de 1987, Mark abandonou a Foxcatcher e o próprio wrestling. Apenas no ano seguinte, em 1989, Dave chegou à fazenda.

No fim das contas, era Dave, com sua personalidade apaziguadora, quem balanceava o temperamento de Du Pont. Dave e John se tornaram mais amigos do que John e Mark foram e o estopim que culminou no assassinato a sangue frio de Dave foi quando o campeão considerou deixar a fazenda de Du Pont para assumir a coordenação técnica da Stanford University. Dave foi assassinado aos 36 anos no dia 26 de janeiro de 1996. John foi condenado à prisão em 27 de fevereiro de 1997 e morreu aos 72 anos, ainda preso na State Correctional Institution Laurel Highlands, em 9 de dezembro de 2010.

Os atores ao lado dos seus pares reais da trama

Os atores ao lado dos seus pares reais da trama

Conclusão e nota

Foxcatcher foi um dos melhores filmes da leva do Oscar do ano passado e vale a pena ser assistido. Vale mais a pena ainda cavar mais uma camada nessa história e pesquisar sobre o assunto, que é fascinante.

Nota do filme: faixa roxa com três graus.

Faixa Branca Muito Fraco
Faixa Azul Fraco
Faixa Roxa Bom
Faixa Marrom Muito Bom
Faixa Preta Excelente
Faixa Vermelha Hall da Fama do MMA Brasil

  • Beto Magnun

    O Rufallo tava a cara do Johny Hendricks. hehe
    Gostei desse filme, mas o ritmo dele é muito arrastado e pra piorar tem o Channing Tatum.
    Felizmente o Steve Carrel sabe muito bem como interpretar um maluco.
    E o que dizer dessa coluna que mal conheço e já considero pacas?

    • Eu tava falando pro Pedro, o ritmo arrastado certamente foi proposital pra aumentar o clima sombrio da relação. Tem uma hora ou outra que poderia ser menos, mas acho que não comprometeu. Não é um filme de ação ou tradicional de luta.

    • Pedro Lins

      Hendricks agora tá a cara do Robert Baratheon do Game of Thrones! hahaha
      Cara, o Tatum deu uma virada na carreira dele, os dois últimos filmes que eu assisti dele ele foi bem. Esse e o Hateful Eight.

      • João

        O Hendricks atualmente tá parecendo o vilão do jogo Crash, se liga:

        • João Gabriel Gelli

          HAHAHAHAHAHA

        • Pedro Lins

          falta banha pra esse ai

      • Beto Magnun

        Ele tá bem em “Hateful Eight” porque morre depois de 10 minutos em cena. HAHAHA
        Ele tá bem mesmo, mas aquela mina, o Samuca Jackson e o Xerife lá ofuscam todo mundo.

        • Pedro Lins

          Se alguém não viu o filme ainda e tomou esse spoiler, vc criará inimigos! hahaha

        • João

          Aliás, filme bom, mas por ser Tarantino me decepcionei.

      • Caio Abreu

        que é isso galera garanto que vcs não assistiram a atuação dele em Magic Mike.
        kkkkkkkkkkkkk

        • Pedro Lins

          pode ter certeza que eu não assisti! hahaha

        • Disseram que ele foi bem nesse filme. Se bem que não lembro se os elogios foram pra ele ou pro Matthew McConaughey.

      • Deivisson Teixeira

        Em Magic Mike XXL tá muito bom também.

    • Cara, o Ruffalo ficou igual ao Dave. Mas não tem jeito, todo careca barbudo vai ser o Hendricks hahaha

  • James sousa 8

    já sei o que eu vou assistir nesse carnaval valeu Pedro

    • Pedro Lins

      não vai se arrepender!

  • Malk Suruhito

    Ainda não vi este filme (e olha que antes do lançamento, já tinha dado o bisu ao Alexandre) mas tenho que dizer: Pedro, tu tá muito preso a ditadura do 10-9!
    “Bom” só cara, por todas as qualidades e indicações que o filme tem? “Bom” é Rocky 5, Pedrão. Bom era o time do Botafogo ano passado. Como eu sei que Rocky 1 é faixa Vermelha e a Preta vai para o Creed (é o mínimo que um filme que faz um bando de marmanjo já nos 40 que eu conheço verter lágrimas ), acho que o Foxcatcher merece ao menos um degrauzinho acima.

    • Pra mim era marrom também. Conversei com ele a este respeito.

    • Pedro Lins

      Tudo depende do referencial que vc adota. Rocky 5 é um filme ruim que por ser Rocky fica no máximo mediano. O time do Fogão ano passado era uma merda inacreditável.. hahaha
      Funciona assim, Foxcatcher é um ótimo filme se vc analisar somente os filmes de 2015, contra os quais ele concorreu. Só que vc analisar Foxcatcher comparando-o com todos os filmes da história do cinema, ele é apenas um bom filme.
      Exemplificando:
      Vermelha: Poderoso Chefão
      Preta: Um Sonho de Liberdade
      Marrom: Gladiador
      Roxa: Snatch
      Azul: Tudo por Dinheiro
      Branca: Remake de Vingador do Futuro
      Guerreiro de teclado: Filme 3D do Cavaleiros do Zodiaco

      • João Gabriel Gelli

        Rapaz, o remake de Vingador do Futuro é um lixo mesmo hahahahaha.

        • Bruno Fares

          Não achei! hahahaha

          • Pedro Lins

            sua falta de gosto já é conhecida, Bruno. Não esperávamos menos de vc! hahaha

          • Hahaha só serve pela Jessica Biel e pela Kate Beckinsale. O filme em si é lixeira.

      • Malk Suruhito

        Entendi. E juro que você ia dividir as faixas entre de Rocky até Creed, hahaha

        • Pedro Lins

          hahahahaha quem sabe em uma outra oportunidade!

  • Jefferson França

    É impressão minha ou o Mark Schultz lembrava muito o Luke Rockhold? kkkkkk
    Bem… De fato esse lance de “baseado em fatos reais” é quase sempre distante do que realmente aconteceu. Até mesmo pelo fato de ser um recurso necessário para criar mais apelo junto ao público. Haja vista que nem sempre a história real é tão comovente, trágica ou emocionante assim.

    • Bom, neste caso a história real foi muito comovente, trágica e emocionante.

      • Jefferson França

        Eu não disse que as história deles nao foi comovente, trágica ou emocionante. Sem sombra de dúvidas foi uma tragédia. Lamentável que algo assim tenha acontecido com o Dave. Apenas disse muitos filmes alteram detalhes pra que se pareça assim. Muitas vezes até criando personagens ou excluindo pessoas que realmente estavam lá. Seja pra enxugar o roteiro ou pra vender melhor o filme.

    • Pedro Lins

      Só se for uma versão de queixo mais quadrado! hehehe
      Cara, filmes mudam a história se for melhor pra trama, não tem jeito. Além disso, retratar algo perfeitamente como ocorreu é impossível, são muitos pontos de vista.
      Eu acho que um pai de família morrer na frente da mulher comovente, mas talvez eu que seja muito mole.. hahaha

      • Jefferson França

        Eu não disse que a história deles não foi comovente, trágica ou emocionante. Sem sombra de dúvidas foi uma tragédia. Lamentável que algo assim tenha acontecido com o Dave. Apenas disse muitos filmes alteram detalhes pra que se pareça assim. Muitas vezes até criando personagens ou excluindo pessoas que realmente estavam lá. Seja pra enxugar o roteiro ou pra vender melhor o filme.

        • Pedro Lins

          é meio que o modus operandi em Hollywood, a trama é mais importante do que os eventos ocorridos.

        • Sim, isso rola mesmo.

      • São muitos pontos de vista e os dois personagens principais já morreram. O terceiro, que está vivo, vai contar a versão dele. Outros integrantes da equipe podem falar, mas nenhum deles era tão próximo do John como o Dave.

  • No dia em que o Dave Schultz morreu, estima-se que apareceram uns 10 mil no funeral. O presidente da USA Wrestling na época (um belo de um lixo, digasse di passagi) disse que o Dave era um cara tão legal que apareceram 10 mil amigos, não 10 mil fãs.

    Muita gente diz que o Dave só foi campeão olímpico porque o bloco socialista boicotou os Jogos de 1984. Obviamente é outro nível de dificuldade disputar um torneio de wrestling sem a União Soviética, Cuba e etc., mas o Dave foi ouro nos Jogos da Amizade (uma competição pra marcar o fim dos boicotes) em Moscou, ganhou o Mundial em Kiev (que era URSS na época). Hoje ele dá nome a uma das competições mais importantes do calendário anual da UWW, disputado no fim de janeiro, na época de sua morte.

    • Pedro Lins

      Sempre tem uma desculpa pra desmerecer os outro. Humanidade é isso!

    • Danielsson

      Deve ser que nem a Libertadores sem argentinhos de 81 rs

  • Bruno Moraes da Costa

    O filme é bom, mas a história desses caras é foda demais! Exatamente como o Pedro descreveu na coluna, vale muito a pena pesquisar mais sobre o que aconteceu. Tem muito material online pra consumir, até de vídeos – inclusive, assistindo a eles dá pra perceber que o John era realmente um puta de um doido problemático.

    Ouvi recentemente o Mark Schultz num podcast do Chael Sonnen, o cara parece estar meio quebrado, disse à época que tava vendendo uns pertences… Pena que a grande maioria dos caras que pratica um dos esportes mais duros que existem acabem não fazendo dinheiro suficiente (embora a má administração dele deva ajudar) pra viver confortavelmente o resto da vida.

    Aliás, o Mark tem uma história boa demais ao estilo Khabib Nurmagomedov em que ele luta contra um urso num bar por grana, sensacional!

    • Pedro Lins

      esse tipo de situação é bizarra. O cara foi o melhor do mundo na sua área e hoje não tem grana.. triste demais

    • Mark sempre foi fodido de grana. Ele nunca teve um perfil de empreendedor, muito menos foi bem orientado nesse sentido. Pra piorar, os EUA não apoiavam os esportes como fazem hoje em dia. Hoje, um Jordan Burroughs da vida tá rico.

  • Leandro Coco

    Recomendo tb a todos assistir o Documentário da ESPS da série 30 for 30 que retrata esta história, inclusive com depoimentos do próprio Mark Shultz.
    Foi lá que eu soube sobre o fato de os dois irmão nunca terem treinado juntos na fazenda … tinha assistido o filme primeiro e achei bem estranho.
    Outra coisa que é mostrada no documentário, inclusive com depoimentos de outros atletas que treinavam na fazenda, é que o Jhon Du Pont foi enlouquecendo aos poucos, a ponto de ficar completamente fora de si, e o Dave, apesar ser muito “gente boa”, carismático, etc … tinha um perfil que as vezes desafiava o Du Pont … Eles falam que ele era o tipo de pessoa que sempre colocava os outros em seus devidos lugares, ou seja, ele deixava claro pra todo mundo quem mandava ali. Como o Du Pont foi ficando cada vez mais louco, somado a alguns atritos com Dave, acabou rolando o homicídio.
    Muito bom o documentário, recomendo fortemente pra quem quer complementar a história do filme.

    Abraço.

    • Leandro Coco

      Desculpem-me, documentário da “ESPN”, série 30 for 30.
      Não tenho certeza, mas deve estar disponível no “watch espn”.

      Abraço.

    • Isso mesmo. Na verdade o Du Pont já era louco bem antes. Ele foi casado e a mulher pediu separação 90 dias depois quando ele quase a matou.

      Dave tinha que ter aquela postura mesmo. O Du Pont queria posar de head coach da equipe quando ele era nada mais que o patrocinador, o mecenas. Teve uma parada que até tem no filme de um vídeo que o Du Pont força o Dave a gravar (na verdade era o Mark, pois o Dave ainda não estava lá) uma declaração dizendo que o Du Pont era importante na preparação pra Seul. Dizem que foi isso que desmotivou o Mark na competição, pra ele não dar os louros da vitória ao John.

      Enfim, essa história é cheia de troço mal contado, com várias versões.

      • Leandro Coco

        Já dizia o Stallone Cobra : – Com louco eu não negocio, eu mato !!!

        Vendo o filme ou o documentário a gente se pergunta pq esses caras foram se envolver com esse maluco, só pela grana ?
        Mas é foda de julgar, pq cada um sabe onde o calo aperta … deve ter rolado várias situações em que os caras estavam apertados de grana e acabaram comprando o sonho desse maluco de montar a “melhor equipe de wrestling do mundo” … no filme eles fazem questão de mostrar a relação do Dave com os filhos … e quando um cara é pai de família, tem que prover. Não dá pra julgar.

        • Mark dava palestras por 25 dólares, já sendo campeão olímpico. Foi demitido de Stanford. Aí chega um sujeito milionário se dizendo benfeitor do wrestling. Ele não sabia que era maluco, não sabia que tinha subornado a USA Wrestling. Você não iria no lugar dele? Eu iria.

          Dave inclusive negou o primeiro convite por causa da família, não queria se mudar pra casa do cacete e levar as crianças. Então indicou o Mark pra ir no lugar dele.

        • Pedro Lins

          Vc ser bom em algo e não ser recompensado por isso, na realidade passar necessidade, deve ser algo muito desesperador. Acho que as circunstâncias os levaram pra lá

    • Pedro Lins

      Du Pont era louco, fraco e covarde!

  • Caio Abreu

    Galera ví um vídeo do Mark lutando no UFC 9.

    • Ele criticava muito o vale tudo e acabou se rendendo por causa de grana. O curioso é que fez duas lutas: ganhou no UFC e perdeu no Jungle Fight. Wallid pira.

      • Elias Freire

        As circunstâncias dessa segunda luta são muito duvidosas, por aparentemente não ter sido legítima, olha aqui uma matéria que ele falou sobre isso:

        http://www.sherdog.com/news/articles/3/Mark-Schultz-Where-Is-He-Now-15062

        Schultz was contacted by promoter Antonio Inoki through mutual
        associates about taking what he believed to be a staged pro
        wrestling-style match. Flown to Japan to meet the Japanese icon of pro
        wrestling, Schultz was given first-class treatment. He believed he would
        eventually become a star in the pro wrestling scene in Japan.

        He was sitting at home in 2003 when the phone rang, in the midst of an
        ugly divorce that has included a still-simmering custody battle for his
        three children.

        “I’m sitting in my apartment in Salt Lake City, kicked out of my house. I had a computer, a bed and a toilet,” he said.

        A friend who coached USA Wrestling contacted him, offering a pro wrestling-style match, through Inoki, for $25,000.

        “I’m like, ‘Hell yeah, I’ll do it.’ I get flown to Japan. I’m gonna
        make this new life there. They’re treating me well, and I trusted them. I
        meet Inoki, who put me up in this nice hotel in the Tokyo Dome,”
        Schultz said. “Finally, somebody is recognizing the value of my name,
        like Kurt Angle in New Japan Pro Wrestling. I meet some of Inoki’s pro
        wrestlers. I go there and everything is set, this is just incredible how
        great this is. I thought Inoki was the greatest guy in the world.”

        This is what Schultz had been waiting for, or so he thought.

        He said he understood his scheduled match to be a pro wrestling-style
        bout, with a scripted ending along with the staged drama of that genre.
        And he would be paid a hefty sum of $25,000 against Leopoldo Montenegro. The match was set for the Jungle Fight promotion in Brazil in September 2003.

        “Then about a day before I’m scheduled to go down to Brazil, I get on a
        Web site called Jungle Fight, and I notice (MMA fighter) Rico
        Chiapparelli is on the card. I look at the other guys lined up and I
        say, ‘Hey, this looks like a real fight.’

        “And I call them and they say it’s real and we don’t pay that much
        money. We pay about $5,000 for the fake fights. And I did it because
        Inoki promised to bring me to Japan and make me a star.

        “So I go down to Brazil. A couple hours before the fight, they put us
        on an island. We couldn’t get off. I’m like, ‘Where is everybody?’
        They’re gonna throw me in this cage. Montenegro doesn’t know what’s
        going on. I was spending eight hours a day filing papers for my divorce
        and wasn’t in shape. I’m asking (Inoki’s son) Simon, ‘What’s the script?
        What is the story line?’ I’m realizing there’s gonna be real fights in
        with these fake fights.”

        A bizarre, last-minute situation unfolded as Montenegro claimed he
        didn’t know the match was supposed to be scripted and refused to be on
        the losing end if it was, Schultz said. Schultz offered to get
        disqualified, but Montenegro wasn’t happy about the situation, and
        apparently wasn’t in the loop. It was a fuzzy situation on both ends,
        according to Schultz, and Sherdog.com could not reach Montenegro for
        comment.

        “I thought, ‘Well, maybe it’ll be better if I took him down.’ A lot of
        times you don’t know how things are gonna go,” Schultz said. “I told
        Simon Inoki to make sure that message got to Montenegro. Well,
        Montenegro didn’t get any message. Simon didn’t tell him anything. So
        when I didn’t do exactly what we agreed on, (Montenegro) thought I was
        breaking the deal. I gave him a triangle. He wouldn’t let me go.
        Afterwards I was pissed. Just the way the whole thing went down, it was
        really important for me to go out a winner in my career. I thought,
        ‘Well, only thing I have now is the start of my pro wrestling career.’

        “I never thought anybody would think that was a real fight. I’m a
        trained mixed martial artist. I can tell what’s real and fake, but I
        thought that was the way they did their pro wrestling over there. But I
        never in my wildest dreams thought Inoki would mix fake and pro fights. I
        feel bad I was a participant in that. I really regret it.”

        Schultz maintains that the bout should not be on his record as an MMA
        contest. Compounding the matter — and the $5,000 purse instead of the
        $25,000 he said he was initially promised — he never got the chance to
        compete in Japan’s pro wrestling circuit either.

        Since the Montenegro match, Schultz has stepped away from the wrestling
        scene and taken things one day, and one ache, at a time.

        “I’ve been fighting in court to get my kids back. It’s the most
        drawn-out, contentious legal battle in history. I’m trying to figure out
        how to financially survive, get insurance, get my back fixed,” he said.
        I’m working for a masonry contracting company, and my boss is giving me
        health insurance.”

        But the Montenegro ordeal still bothers him because he believes it
        suggests he went out a loser. That’s something he was never comfortable
        with, especially since he maintains the match wasn’t a real fight.

        “Why is it that Kurt Angle’s matches are not recorded on Sherdog.com?
        What’s the difference between me and him? I want to go on the record
        saying that,” he said. “I want (people) to understand that this is a
        really significant thing that happened in my life. I got screwed.

        “And to me, identifying that as a real loss makes it about a thousand
        times worse. One thing I’d like to do is let Montenegro know I’m really
        sorry about the way things happened. He seems like a really good, tough
        guy. I don’t know if he wouldn’t have beaten me that day anyways. I just
        would like him to know that under different circumstances, we probably
        would’ve been friends.”

        • Eu conheço a história toda contada por várias versões, sei do que se trata. E te digo que provavelmente não é a única polêmica desse tipo naquela época do Jungle…

          • Pedro Lins

            não é mesmo…

          • Elias Freire

            Isso que aconteceu foi um absurdo (se for verdade), teria sido melhor o sherdog analisar o vídeo da luta e verificar dentro de suas possibilidades se a luta foi realmente arranjada, eu particularmente não consegui encontrar o vídeo do combate, mas li declarações de quem viu que a luta foi claramente ilegítima só pelo modo como rolou.

            • Eu já vi a luta, tinha no Youtube, mas acho que não tem mais. Vou ver no MMA Tracker e te falo.

              • Elias Freire

                Eu tenho conta no MMA Tracker, pode deixar, vou dar uma olhada lá.

  • Marcelo Silveira

    Legal a nova seção, que venham outras matérias. Quem sabe de Creed? Abraço

    • Vamos usar o Oscar de gancho.

    • Pedro Lins

      Creed vai vir junto com o Oscar do mestre Stallone!

  • Ricardo Sedano

    Sensacional essa coluna! Como fã de luta e cinema e sabendo a dificuldade que é de achar recomendações de filme da categoria (algumas madrugadas buscando e vendo mt coisa ruim pelo caminho…) já pode me botar na categoria de leitor frequente…

    • Ricardo Sedano

      E digo mais, deixando aqui o lobby para que a coluna possa se expandir para filmes de outros esportes… xD

      • Outros esportes de combate ou filmes de futebol americano, basquete, etc?

        • Ricardo Sedano

          Para mim, seria melhor de esportes em geral pois sou grande amante de cinema e de esportes (e quase que por consequência, filmes de esportes).

          Sei o quanto é complicado achar bons filmes sobre esportes, se restringir a esportes de combate então… Acho que ampliar o escopo poderia permitir uma regularidade a coluna. Mas como o site é de esporte de combate, não sei se é do interesse de vocês ampliar isso para outras esportes e tal, mas minha sugestão era ampliar para todos os esportes sim xD

        • Ricardo Sedano

          Ou talvez ampliar para os documentários que tem, por exemplo alguns que vocês as vezes citam no podcast mas sem maior profundidade e tal.

    • Pedro Lins

      Vou recomendar muita coisa boa aqui! Aguarde

      • Ricardo Sedano

        Pode contar com um leitor já e sempre que possível, vindo contribuir nos comentários!

        • Pedro Lins

          ai siiiim!

  • Danielsson

    Tem um documentário na ESPN Filmes sobre a Foxcatcher. Na verdade ele aborda um lado paranóico com segurança do DuPont que é pouco abordado no filme e teria sido um dos motivos que levou ele a cometer o assassinato.
    Obs.: Podia avisar antes que contém spoilers para o leitor desavisado que ainda não viu.

    • Qual seria o spoiler, a morte do Dave? Mas isso é tão spoiler quanto dizer que o Titanic afunda no final do filme.

      • Danielsson

        Nao po. Todo filme ta contado aí, inclusive as diferencas das historias real e ficção. Por exemplo que o Dave so treinou na Foxcatcher depois que o Mark saiu mas no filme nao, etc.

        • Pedro Lins

          perdão irmão, pensei que estava implicito aquela parada de que de história não existe spoiler, mas a falha foi minha mesmo! No proximo já vou fazer um alerta de spoiler no inicio. Valeu pela dica!