Por Pedro Carneiro | 02/02/2016 02:26

Dois irmãos, dois campeões olímpicos e mundiais, um trágico destino. É disso que se trata Foxcatcher – Uma história que chocou o mundo. Indicado em cinco categorias ao Oscar em 2015, o filme conta a história dos irmãos Mark Schultz e Dave Schultz, campeões olímpicos de wrestling no estilo livre nos Jogos Olímpicos de 1984, em Los Angeles.

Somos apresentados ao caçula Mark e logo no início já percebemos que Mark, apesar de talentoso, tem um grande incômodo de viver à sombra de Dave. Isso faz com que Mark, interpretado por Channing Tatum, seja uma pessoa introvertida e com um ego de difícil trato. Por outro lado, Dave é apresentado como uma boa pessoa e o carisma do personagem é confundido com a ótima atuação de Mark Ruffalo, indicado ao Oscar de ator coadjuvante.

Nenhuma outra dupla de irmãos americanos ganhou tantos títulos da NCAA, US Open, Mundial e Olimpíadas como Mark e Dave (Foto: cortesia de Mark Schultz)

Nenhuma outra dupla de irmãos americanos ganhou tantos títulos da NCAA, US Open, Mundial e Olimpíadas como Mark e Dave. Além disso, só eles e Buvaisar e Adam Saitiev foram campeões mundiais e olímpicos no wrestling (Foto: cortesia de Mark Schultz)

As coisas não andavam muito bem. Sem qualquer apoio da USA Wrestling, a confederação nacional da modalidade, demitido do posto de assistente técnico da Stanford University, o caçula tinha que dar palestras motivacionais em troca de algumas dezenas de dólares (dinheiro era raro naquela época mesmo nos Estados Unidos), muitas vezes se passando pelo irmão, cujo carisma o fez mais famoso. Num belo dia, Mark é convidado para ser patrocinado e líder de uma nova equipe, a Foxcatcher, que seria financiada pelo multimilionário John Eleuthère du Pont, interpretado magistralmente por Steve Carell, concorrente ao Oscar de melhor ator. Du Pont era herdeiro de uma das famílias mais tradicionais dos Estados Unidos, dona de uma indústria que desenvolveu o kevlar, a lycra, o neoprene, o nylon e muito mais.

Mark deixa seu irmão para trás e parte para o centro de treinamento da Foxcatcher, construído na fazenda onde du Pont residia, onde finalmente poderia protagonizar a sua própria história. No início, a relação dos dois vai bem e Du Pont assume um papel paterno para Mark, até que, aos poucos, a personalidade manipuladora, controladora e doentia do milionário começa a aparecer. Frustrado pela sua própria fraqueza e pela rejeição da mãe, Du Pont se coloca como o head coach da equipe para todo o mundo e por vezes dá sinais de que ele mesmo acredita na sua própria mentira.

Os conflitos entre Mark e John crescem até atingir o ápice quando Du Point leva Dave para treinar a equipe. O que era um conflito entre ex-amigos se torna um conflito entre irmãos. Em meio a tantas desavenças, os resultados não aparecem e as tensões crescem de maneira tão sombria que culminam no dia em que Du Pont vai até casa de Dave Schultz e o mata a tiros, diante da esposa do lutador, encerrando assim a trágica história da Foxcatcher.

Tecnicamente o filme é muito bom, com maquiagem excelente, ótimas atuações dos três atores centrais e um bom trabalho de direção por Bennett Miller, que também disputou o Oscar. O ponto negativo da obra é o roteiro e a edição, pois em alguns momentos o filme é exageradamente lento, ficando nítido que a edição poderia ter enxugado alguns minutos, mesmo com o intuito de dar um ar bastante sombrio à trama.

Steve Carell e Channing Tatum em cena como John Du Pont e Mark Schultz em Foxcatcher

Steve Carell e Channing Tatum em cena como John Du Pont e Mark Schultz em Foxcatcher

Detalhes que o filme muda

Todo filme baseado em fatos reais é apenas uma versão dos eventos e não um retrato dos fatos ocorridos. Qualquer aluno de Teoria da História entende ao fim do curso que a história é uma amálgama de versões, uma colcha de retalhos de pontos de vista de um mesmo evento, sendo a sua reprodução na sua integralidade quase impossível. No caso do filme isso fica muito mais evidente, já que o próprio Mark Schultz contesta várias passagens do longa-metragem.

De acordo com a versão de Mark, as insinuações de uma relação homossexual entre ele e John é mentirosa, mais conhecida aqui em Brasília como uma inverdade. Mark afirma que tampouco pintou o cabelo e que não era tão sugestionável assim como o filme o retrata. Todavia, Mark afirma que o patrocínio de John não era tão representativo assim, porém todos os outros atletas da Foxcatcher dizem justamente o contrário.

Um ponto crucial do filme, que pode se chamar de erro crasso ao representar a realidade, mas que deu licença poética à obra, foi colocar os dois irmãos simultaneamente na Foxcatcher. Na história real, Du Pont queria Dave e o convidou pela primeira vez em 1986. Dave negou o chamado e indicou o irmão, que foi inicialmente levado pelo milionário ao posto de assistente técnico da Villanova University para só depois integrar a Foxcatcher. Após o fiasco nos Jogos Olímpicos de 1988, quando ele era o favorito ao ouro, conduzido pelo título mundial de 1987, Mark abandonou a Foxcatcher e o próprio wrestling. Apenas no ano seguinte, em 1989, Dave chegou à fazenda.

No fim das contas, era Dave, com sua personalidade apaziguadora, quem balanceava o temperamento de Du Pont. Dave e John se tornaram mais amigos do que John e Mark foram e o estopim que culminou no assassinato a sangue frio de Dave foi quando o campeão considerou deixar a fazenda de Du Pont para assumir a coordenação técnica da Stanford University. Dave foi assassinado aos 36 anos no dia 26 de janeiro de 1996. John foi condenado à prisão em 27 de fevereiro de 1997 e morreu aos 72 anos, ainda preso na State Correctional Institution Laurel Highlands, em 9 de dezembro de 2010.

Os atores ao lado dos seus pares reais da trama

Os atores ao lado dos seus pares reais da trama

Conclusão e nota

Foxcatcher foi um dos melhores filmes da leva do Oscar do ano passado e vale a pena ser assistido. Vale mais a pena ainda cavar mais uma camada nessa história e pesquisar sobre o assunto, que é fascinante.

Nota do filme: faixa roxa com três graus.

Faixa Branca Muito Fraco
Faixa Azul Fraco
Faixa Roxa Bom
Faixa Marrom Muito Bom
Faixa Preta Excelente
Faixa Vermelha Hall da Fama do MMA Brasil

Historiador e fã de lutas, conheceu o MMA através das lutas de Vitor Belfort, no UFC 12. Fanático por cinema, séries, literatura e Sylvester Stallone.