Ciência da Luta: Como a altitude afeta os lutadores, especialmente os mais pesados

"Cain Velasquez ao nível do mar" virou mais uma das entidades do MMA por conta da derrota para Fabricio Werdum, no UFC 188. Será que foi apenas folclore, ou uma desculpa de perdedor, o que aconteceu no México?

Desde o UFC 188, disputado nos 2.250 metros de altitude da Cidade do México, foi criada uma nova entidade do MMA: o “Cain Velasquez no nível do mar”. Afinal, a queda de rendimento apresentada contra Fabricio Werdum foi tão brusca que só uma piada justificaria. Mas será mesmo que aquilo foi uma piada?

LEIA MAIS Fabricio Werdum pega Cain Velasquez na guilhotina com sorriso e unifica os cinturões dos pesados no UFC 188

Para ajudar a entender este fenômeno, a coluna Ciência da Luta traz uma pesquisa feita por mim para o extinto site do projeto Discovery Esportes, do grupo Discovery Channel. Para efeito de medição, o UFC 188 foi disputado no dia 13 de junho de 2015 e o texto original foi escrito em 19 de fevereiro de 2013, mais de dois anos antes do encontro de Velasquez com as montanhas mexicanas. Para este artigo, o texto original foi completado com os fatos ocorridos dois anos depois, na capital mexicana.

Todo brasileiro fã de futebol já ouviu falar um dia dos efeitos nocivos de uma partida disputada em altitude elevada. A Bolívia é a grande vilã, com estádios localizados entre 3.500 e 4.050 metros acima do nível do mar, mas nem é preciso subir tão alto nos morros para sentir os desagradáveis sintomas. Cidades como Quito, no Equador (2.800 metros acima do nível do mar) e Denver, nos Estados Unidos (1.600 metros acima) já são motivos para preocupação das comissões técnicas e médicas – o estádio do Denver Broncos inclusive se chama Sports Authority Field at Mile High (algo como Campo Sports Authority a uma milha de altitude).

Como a quantidade de oxigênio diminui quanto mais alta for a cidade, o indivíduo tende a apresentar dificuldade de oxigenar os glóbulos vermelhos no sangue, que transportam o gás vital pelo nosso organismo. Quanto menos oxigênio no sangue, menos eficiente é a queima de combustível pelo corpo. Este quadro gera, como forma de compensação, aumento da frequência de batimentos cardíacos, aumento do ritmo respiratório e do volume de sangue bombeado por minuto, fazendo com que a pessoa acabe cansando mais rapidamente. Até tarefas simples como subir escadas, carregar uma mala ou caminhar uma distância considerável é bem mais complexa em grandes altitudes.

A altitude afeta jogadores de futebol, que costumam correr de quatro a oito quilômetros em uma partida, num campo de mais de 7.000m² de área, mas também atrapalha muito lutadores que atuam num octógono de cerca de 70m², especialmente pelo fato de o MMA ser um esporte que mescla como poucos os momentos de explosão com a necessidade de suportar o ritmo por 25 minutos, como se fosse uma mistura de uma prova de 100 metros rasos com uma de fundo, tipo 10.000 metros.

O problema de lutar na altitude atinge mais os lutadores das categorias mais pesadas do que os mais leves. Como o corpo humano é uma máquina que precisa de oxigênio, água e alimento para funcionar, quanto maior a máquina (a estrutura física), maior o consumo. Um lutador como o peso pesado Cain Velasquez, de 1,86m de altura e 108 quilos, precisa de muito mais oxigênio do que a atleta do peso palha Jéssica Andrade, que mede 1,58m e bate 52 quilos na véspera da luta, provavelmente sem chegar a 60 no momento do combate.

Em condições normais, lutadores da categoria pesado já são menos dotados de gás, ou seja, já costumam cansar mais rapidamente que seus pares mais leves por terem que alimentar de oxigênio e nutrientes uma estrutura corporal bem maior. Lutando em grandes altitudes, este quadro piora. Sintomas como náusea, dor de cabeça, mal estar e fadiga muscular são recorrentes. Não foi à toa que registraram pelo menos sete lutadores vomitando nos bastidores após saírem do octógono, no UFC 188.

Nem o melhor do mundo escapou: Lionel Messi vomitou numa partida da Argentina na Bolívia

Nem o melhor do mundo escapou: Lionel Messi vomitou numa partida da Argentina na Bolívia

Velasquez sempre foi conhecido por ser uma máquina física, um sujeito com mobilidade e condicionamento de peso meio-médio, mas estrutura, força e potência de um pesado. Ou seja, um verdadeiro pesadelo para todos que dividiram o octógono com ele. Isso explica porque Cain simplesmente não sabe vencer uma luta que não seja por espancamento completo. A exceção deste cenário foi Fabricio Werdum, no mesmo UFC 188. Desde então, a pergunta que ficou é: por que o “Vai Cavalo”, que é ainda maior e mais pesado que Velasquez, não teve o mesmo prejuízo do adversário?

Para competir em altitudes elevadas, é necessário preparação adequada. O princípio do método é o aumento do número de glóbulos vermelhos, que ocorre em função do organismo ser exposto a uma atmosfera com redução do teor de oxigênio no ar inspirado, de acordo com Turíbio Leite de Barros, doutor em fisiologia do exercício e fisiologista do São Paulo por mais de 25 anos. Em termos fisiológicos, em altitudes a partir de 2.000 metros, o processo de aclimatação só estabiliza ao fim de pelo menos duas a três semanas. E aqui reside o principal ponto que diferenciou Velasquez de Werdum no UFC 188.

O brasileiro juntou sua equipe e se mandou para a altitude com cerca de 30 dias antes do combate. Em parte desse tempo, “Vai Cavalo” ficou hospedado em altitude até maior que a da Cidade do México, quando ele foi treinar em Toluca, a 2.680 metros acima do nível do mar. Enquanto isso, Velasquez ignorou o pedido do técnico Javier Mendez e só saiu de San Jose, ao sul da Baía de San Francisco, 14 dias antes do combate. Isso significa que a aclimatação de Velasquez foi insuficiente, explicando a brusca queda de rendimento apresentada a partir do final do primeiro assalto, algo impensável para alguém como ele.

É possível inclusive dizer que mesmo a preparação de Werdum não foi a ideal. Há uma corrente, iniciada por especialistas russos, que defende que a aclimatação deve ser feita em um local que permita um rápido deslocamento para altitude mais baixa. Deste modo, é possível treinar mais perto do nível do mar e passar o resto do dia na altitude, para que o rendimento nos treinamentos não seja prejudicado, baseado nas condições da hipóxia hipobárica intermitente. Como Werdum treinou e viveu na altitude por 30 dias, acabou tendo dificuldades em parte do camp. Porém, perto do que Velasquez fez, a estratégia do gaúcho foi melhor e acabou desempenhando papel fundamental no andamento e resultado do combate.

O preparador físico e fisiologista Jairo Corsino, do Sampaio Correia e com experiência atuando no MMA com lutadores do UFC, reforçou que a estratégia de Velasquez foi imprudente, ao contrário do planejamento de Werdum.

Jairo Corsino:

“O fato de o Cain [Velasquez] ter ido [para a Cidade do México] somente com 14 dias de antecedência com certeza pode ter diferenciado. No futebol, alguns clubes preferem chegar no local em cima da hora do jogo, porque alguns estudos dizem que não há tanta diferença assim. Os efeitos agudos da altitude começam a aparecer a partir da quarta hora. Teve um jogo do Flamengo, em Potosí, na Bolívia, que eles chegaram no local da partida uma hora antes do jogo. E o Flamengo sentiu pouco. Então, na estratégia do Velasquez, teria sido melhor ele chegar uma hora antes da luta do que ir com 14 dias de antecedência. Porém, isso prejudicaria a pesagem, então ele teria que ir pesar, voltar e só depois seguir para a luta. A preparação do ‘Vai Cavalo’ foi mais prudente.”

Este artigo foi inicialmente publicado por mim no site Discovery Esportes, um projeto que infelizmente foi encerrado pela Discovery Channel Brasil. Foram publicados mais de 50 textos entre 2012 e 2013 e vários deles serão reproduzidos aqui no MMA Brasil sob a coluna Ciência da Luta.

  • Lero

    E ainda tem o elefante no quarto… Foi a primeira luta do Cain post USADA…

  • James sousa

    o próprio Cain se fez piada há não se preparar da forma correta e tendo ele total condição de se preparar se é lutador de card preliminar ainda dava de entender mais o Cain e a AKA não

    • Não é intenção hora nenhuma de passar panos quentes em nada. A matéria é bastante clara ao dizer que um errou e o outro, não. A intenção da matéria é mostrar que tem absolutamente nada de desculpa.

  • Gui Castro

    Desculpa de perdedor não fez a preparação da maneira certa e werdum capitalizo em cima fim.

    • Sexto Empírico

      Foi isso mesmo.

    • Velasquez errou na preparação, como está claro na matéria. Werdum fez direito e capitalizou, como está claro na matéria. E o erro de preparação impactou diretamente no desempenho do Velasquez, como está claro na matéria.

      Não tem absolutamente nada de desculpa. Nada. São fatos científicos que um ignorou e o outro, não.

      • Gui Castro

        então Werdum ganhou só pq ouve erro na preparação do Cain que afeto o desempenho dele, e isso não é desculpa ? dizer que a vitoria do Werdum passa só por isso é tirar méritos do gaúcho e passar aquele pano pra Cain

        • Cara, quem falou que o Werdum só venceu porque houve erro na preparação do Velasquez? Quem disse que a vitória do Werdum só passa por isso? Onde você leu isso?

          • Gui Castro

            Não to falando que tu falou , mas ja vi muita gente falando isso.

            • Ah! Foi mal! Esquece o que nego fala, tem muito tosco por aí. Vamos focar no que interessa. O que eu quis dizer é que esse papo de desculpa não cola, sacou? A parada fez uma diferença monstra na luta. Foi burrice do Velasquez, ele mesmo sabe disso, mas não tem a menor possibilidade de ignorar o fato e muito menos achar que a mesma coisa aconteceria sem a altitude estar envolvida (já vi muita gente cometer esse erro grosseiro de avaliação também).

  • Sexto Empírico

    Esse Cain é dos q gostam de arranjar uma desculpa. Altitude é algo que pode matar até quem se prepara para ela, caso de muitos alpinistas. Só que já faz 200 anos que as pessoas sabem disso. Então, pq um profissional desse calibre, q tem tudo a mão, não fez a preparação adequada? Mais fácil chorar, né.

    • Você jura que, mediante um texto com explicações científicas, continua falando de desculpa?

      Você acha mesmo que ele pensou: “Ah, vou cagar a minha preparação, porque, se eu perder, terei uma desculpa”?

      • Sexto Empírico

        Claro q não. O texto tá top e é isso mesmo. Altitude é algo muito sério. Se vc subir a 3000 metros sem nenhuma adaptação, vc pode morrer. Acima de 7000 (death zone) vc morre em horas. Como o texto mesmo diz, nem o Verdum se preparou adequadamente e este é meu ponto. Pq profissionais de alto nível não se preparam direito? Nem precisava ir para o México. O Dos Anjos fez a adaptação dele numa região alta dos EUA. Há uns malucos de outros esportes q dormem em câmara de ar rarefeito pra aumentar a quantidade de glóbulos vermelhos no sangue. Isso é, há meios. Claramente o Cain teve a atuação afetada pela altitude. Agora, o problema é q das duas vezes que ele perdeu, deram desculpas. O tal “perdi para mim mesmo”, como se do outro lado não estivesse um lutador altamente preparado para te destruir na menor falha.

        • A estratégia do Werdum pode não ter sido a ideal, mas foi prudente, respeitou os riscos. Ele poderia ter feito melhor ainda, como você mesmo citou, mas o que fez já tava aceitável. O que o Velasquez fez foi meio amador.

          Da outra vez que ele perdeu, justiça seja feita, nada foi dito por ele. Quem disse que a preparação não fora adequada foi a imprensa. Eu mesmo fiquei sabendo por uma fonte interna da AKA que ele queria ter adiado a luta, mas que não fez porque ia foder o acordo do UFC com a FOX. E, se você lembrar bem, o Velasquez nunca veio na imprensa dizer isso.

  • Idonaldo Gomes Assis Filho

    Derrick Lewis vs Roy Nelson tinha que ter acontecido no México… que pena kkkkkkkkkk

    Mas acredito mesmo que o Velasquez se preparou errado, Werdum preparou melhor e venceu dignamente.

    • Isso. Velasquez fez merda, Werdum fez direito. Venceu quem se preparou direito.

  • Gabriel Fareli

    Baita texto Alexandre ! Meus Parabens !

    Pra mim alem da altitude que pelo texto percebe-se que faz diferença sim, acho que o Velasquez foi arrogante e achava que venceria o Werdum tranquilamente na hora que quisesse. Pois se ele respeitasse o Brasileiro como foi respeitado, teria ouvido o tecnico e ido com mais antecedencia para o México.
    Nada tira os méritos do Werdum ,mas o Cain perdeu pra propria arrogancia tambem.

    Obs : Que porra de técnico sem moral é esse Javier Mendez ? São os lutadores que decidem planejamento pré-luta ou são os treinadores ? Tá sem moral o coach ein…

    • Eu não sei se o Velasquez achou que venceria o Werdum de qualquer jeito ou se achou que a parada de altitude era frescura e que 14 dias seria suficiente. Não dá pra gente afirmar se foi uma ou outra situação, mas, seja qual foi, ficou malzaço pra ele.

      Sobre a moral do técnico, eu falei a mesma coisa na época. Imagina se um lutador qualquer faz isso com um Greg Jackson ou Dedé Pederneiras. Podia ser o Jones ou o Aldo.

    • Lero

      O Mendez parece que tinha suplicado para o Cain chegar antes.

  • Luis Coppola

    Excelente texto sobre o tema, bem elucidativo. Quanto ao Messi vomitar na Bolívia no jogo da Argentina, claro que a altitude influencia e pode ter contribuído, mas mesmo em partidas na Espanha e em outros locais ele costuma (ou costumava) vomitar antes e durante as partidas. Ele tem um problema gastro intestinal mesmo, que só melhorou depois de começar uma dieta específica para esse problema..

    E o Velasquez foi bem juvenil em não se preparar na altitude, ainda mais sendo Mexicano.

    • Bem lembrado, o Messi tem essa parada mesmo, mas nesse jogo a altitude ferrou com ele também.

      Velasquez não é mexicano, é americano da Califórnia. Mesmo se fosse, ele poderia ser de Guadalajara, sacou? É tipo alguém da serra catarinense não aguentar o calor do Rio, mesmo sendo brasileiro também.

      • Luis Coppola

        Jurava que o Cain era pelo menos nascido no México e criado no USA..

        • Ele nasceu em Salinas, na Califórnia. O pai é mexicano e atravessou ilegalmente a fronteira antes de casar. Casou com uma americana e deu Velasquez à luz nos EUA. Velasquez morou no litoral californiano a vida toda.

      • Malk Suruhito

        O próprio Yair Pantera não chamou o Raul quando lutou lá não? E ele é 100% mexicano e morador de lá (ao menos, na época…)

        • Pantera nasceu na altitude, embora mais baixo que a capital.

  • Digodasilva

    Aprendi muito!

  • Caio Abreu

    não achava que o velasquez fosse tão pequeno assim,as vezes via a altura dele e achava que era erro do combate, mas o cara é um monstro, espancar caras como o Lesnar e o Bigben, que devem ter uns 2,mtrs de altura é algo que deve realmente ser estudado, se ele quisesse poderia bater meio pesado e meio médio perdendo gordura. quanto de desempenho esse cara ganharia teria gás pra 12rounds . so por curiosidade alguem sabe a envergadura dele, e quanto sera que ele anda em off?

    • 1,96 de envergadura. Acho que ele poderia baixar pra meio-pesado, mas pra médio eu acho bem complicado. Ele é um cara largo e pesado.

      • Lero

        Acho que ficaria do tamanho do Bader, Glover e do OSP.

        • Pode ser. Velasquez é mais largo e mais pesadão, mas acho que tem margem pra cortar.