Chuck Liddell: a Era do Gelo começava há 17 anos

Chuck Liddell: a Era do Gelo começava há 17 anos
MMA

Integrante do Hall da Fama do UFC, um dos responsáveis por levar o MMA ao mainstream nos Estados Unidos, Chuck Liddell começou sua trajetória há exatos 17 anos.

Chuck-Liddell-UFC-cinturao-beltEm um 15 de maio, 17 anos atrás, estreava aquele que viria a se tornar um dos maiores lutadores da história do MMA. No UFC 17, disputado no Mobile Civic Center, em Mobile, Alabama, Chuck Liddell venceu Noe Hernandez e iniciou uma das mais vitoriosas carreiras da história da organização e do próprio esporte.

Chuck Liddell nasceu em Santa Barbara, Califórnia, e começou a treinar Koei-Kan, um dos muitos estilos de caratê, aos 12 anos. Ao longo da adolescência, praticou wrestling, kempo e kickboxing. Após iniciar sua carreira no MMA, integrou os treinos de jiu-jítsu à sua rotina.

Além de estreia no UFC, a vitória contra Hernandez foi também a estreia de Chuck no MMA. A luta seguinte foi contra José “Pelé” Landi, no IVC 6. Mesmo lutando no Brasil, Liddell venceu por decisão unânime dos juízes. Quase um ano depois da estreia, no UFC 19, o americano conheceu sua primeira derrota, contra Jeremy Horn. A partir dali, Chuck emendou uma série de dez vitórias contra adversários do calibre de Jeff Monson, Kevin Randleman, Murilo Bustamante, Vitor Belfort e Renato Babalu.

As rivalidades de Chuck Liddell

Após as dez vitórias consecutivas, Liddell recebeu a chance de disputar o título interino dos meios-pesados do UFC. O adversário era o lendário Randy Couture. Começava ali, em 2003, a maior rivalidade da história do UFC.

Chuck Liddell tinha como grande característica os contragolpes, a movimentação incomum, o faro de sangue e uma ótima defesa de quedas. Chuck foi wrestler na Divisão I da NCAA pela California Polytechnic State University, na cidade de San Luis Obispo, onde veio a se estabelecer. Já Randy Couture fora wrestler de nível olímpico, medalha de ouro nos Jogos Pan-americanos e Campeonato Pan-americano em 1991, além de ter sido campeão dos pesados do UFC.

Durante a luta, Couture mostrou a sua maior característica, a inteligência tática, e evitou os famosos ganchos de Liddell usando golpes em linha e quedas. Em uma destas quedas, Randy conseguiu a montada, lançou um agressivo ground and pound e venceu o embate no terceiro round.

Chuck Liddell e Randy Couture travaram a rivalidade mais importante na história do UFC

O “Iceman” Chuck Liddell e o “Natural” Randy Couture travaram a rivalidade mais importante na história do UFC

Liddell teve uma passagem morna no PRIDE, para onde foi enviado, ainda em 2003, a fim de “defender o nome do UFC” no PRIDE Middleweight Grand Prix (ele já havia feito uma luta pela organização dois anos antes, quando nocauteou Guy Mezger). No GP, venceu Alistair Overeem e foi nocauteado por Quinton Jackson na semifinal.

No retorno à América, já em 2004, Chuck enfrentou Tito Ortiz, em uma das lutas mais esperadas da história do MMA naquele momento. O tempero extra da luta foi o fato de os dois serem ex-amigos e ex-parceiros de treinos. O trash talking de Ortiz alcançava níveis épicos – as ofensas de Chael Sonnen não chegam nem perto da agressividade do trash talking de Ortiz.

Após uma pesagem tensa e uma entrada onde os dois ostentavam semblantes completamente diferentes – Tito entrou sério enquanto Liddell sorria -, a luta foi uma das maiores apresentações de Chuck em toda sua carreira. Tito tentava sem sucesso levar a luta para o chão e, entre um soco e outro que recebia, sorria e provocava o Iceman, sobrevivendo assim ao primeiro round. Entretanto, no inicio do segundo, foi encurralado na grade e sofreu com uma metralhadora de socos de Liddell que o nocautearam e deram a vitória ao Iceman.

O Bad Boy de Huntington Beach foi brutalizado duas vezes pelo Iceman

O Bad Boy de Huntington Beach foi brutalizado duas vezes pelo Iceman

No ano seguinte, Liddell recebeu a oportunidade de lutar novamente contra Couture pelo cinturão dos meios-pesados do UFC. Porém, antes do embate, ambos foram os treinadores da primeira temporada do reality show The Ultimate Fighter, o que acirrou ainda mais a rivalidade entre eles.

A luta foi completamente diferente da primeira. Logo nos primeiros minutos, Liddell nocauteou Couture com seu característico contragolpe e finalmente sagrou-se campeão dos meios-pesados do UFC.

Após vingar a derrota contra Jeremy Horn e Couture vencer o ex-companheiro de seleção olímpica Mike van Arsdale, as duas lendas voltaram a se enfrentar no UFC 57, em fevereiro de 2006. Liddell dessa vez precisou de mais um round, mas nocauteou Couture no segundo. Era o desfecho da maior trilogia do UFC. No fim do mesmo ano, Chuck venceria mais uma vez o rival Tito Ortiz na sua quarta e última defesa com sucesso do cinturão.

O fim da era Chuck Liddell

Em maio de 2007, Liddell enfrentou novamente Rampage, seu algoz no PRIDE, valendo o cinturão dos meios-pesados do UFC. Logo no início da luta, Rampage acertou um gancho de direita e emendou com uma sequência de socos que levaram o árbitro a encerrar a disputa.

Rampage bateu Liddell no PRIDE e no UFC

Rampage bateu Liddell no PRIDE e no UFC

Na sequência, após mais uma derrota, desta vez contra Keith Jardine, Chuck foi escalado para enfrentar o brasileiro Wanderlei Silva, que fizera fama no PRIDE. A luta valia a nostalgia de ver um embate que os fãs não foram presenteados no auge dos dois lutadores, quando eram os campeões do UFC e do PRIDE.

Os dois ex-campeões não decepcionaram e presentearam os fãs com uma das maiores pancadarias que a humanidade já viu num ringue de MMA. No primeiro round, houve vários knockdowns para ambos os lados, toda a sorte de socos – com e sem técnica – foi distribuída e, apenas quando a buzina do fim do primeiro round tocou, os fãs conseguiram voltar a respirar, sabendo que uma parte do coração de cada um deles havia ficado ali. Épico. Nos dois rounds seguintes, Liddell se beneficiou da maior técnica e de algumas quedas para vencer a luta na decisão dos juízes.

Liddell e Wand protagonizaram uma das melhores lutas da história do UFC

Liddell e Wand protagonizaram uma das melhores lutas da história do UFC

Depois daquela luta lendária, a impressão é que os reflexos e o queixo inabalável do Iceman havia dado seu último suspiro. Liddell então foi derrotado por Rashad Evans, Maurício Shogun e Rich Franklin, sempre por nocaute.

Na luta contra Rich Franklin ficou mais evidente que a histórica capacidade de absorção de golpes de Liddell não era mais a mesma. Apesar de estar dominando o combate, Chuck foi nocauteado por um Rich Franklin de braço quebrado. Era um sinal mais do que claro de que o fim havia chegado.

Chuck Liddell é um dos maiores meio-pesados da história do MMA. Ele ostenta as marcas de terceiro lutador que mais defendeu o cinturão dos meios-pesados do UFC e é o segundo maior nocauteador e segundo lutador que mais aplicou knockdowns na história da organização.

Toda esta incrível jornada começou 17 anos atrás, em um 15 de maio de 1998.

  • Palmas pro Iceman (e pelo levantamento histórico do Pedro), mas devemos também lembrar que o UFC 17 teve outros dois momentos históricos:

    1- Estreia do Dan Henderson no UFC

    2- O comentarista Jeff Blatnick, campeão olímpico de greco em 84, batizou o esporte como Mixed Martial Arts na reunião de regras. Foi a partir dali que nego parou de chamar de “no hold barred” ou de “vale tudo”, pelo menos nos EUA. A partir dali, o negócio começou a ser visto como esporte.

    • Guga Trigueiro

      Mt bem lembrado. A respeito do comentarista Jeff Blatnick, há uma passagem interessante, no UFC 4 Royce levando um atraso de Dan Severn, qdo de repente, encaixou um triângulo e Jeff comentou “não acontece nada”, “não é nada demais”… Segundos depois, Dan Severn dava os três tapinhas e Royce, definitivamente, tornava-se Lenda.

      Texto mt bom Pedro.

    • Pedro Lins

      Verdade, talvez seja tão importante quanto a do Liddell, eu sou muito fã do Hendo, no aguardo pra ele aposentar e eu escrever um texto homenagenando o mito.

    • Pedro Lins

      Verdade, talvez seja tão importante quanto a do Liddell, eu sou muito fã do Hendo, no aguardo pra ele aposentar e eu escrever um texto homenageando o mito.

  • é correto dizer então que o Dana White não gosta do Rampage por bater o seu protegido duas vezes?

    • Guga Trigueiro

      O próprio Rampage falou, certa vez, q após vencer Lidell e se tornar campeão, ficou estranho o clima nos bastidores. Algumas pessoas passaram a lhe olhar friamente, outras ficaram indiferentes… realmente, não gostaram do resultado.

      • Suruhito

        Pois é Guga, “causos” como este são bons para que aqueles que vivem dizendo em armação nos resultados parem de palhaçada. Mas como o Pedro disse, acho um pouco de ingratidão do Page com o UFC.
        Dana não é santo, mas não é nem de longe o demônio que pintam. Ele trata o UFC como um filho e faz tudo para proteger a marca e a empresa, e só ele e os Fertitta sabem realmente o que passaram para ela chegar onde chegou hoje, engolindo prejuízos anos a fio.

    • Pedro Lins

      Acho que não, eu sou fã do Rampage, mas ele vacilou com o Dana. O cara estava sem vontade de levar a carreira a sério e mesmo assim renovava os contratos e pior, pouco tempo depois ainda reclamava que era mal pago…

    • Acho que não, mas nunca se sabe, né?

      • Pedro Lins

        Pois é, mas acho mais fácil esse tipo de coisa ter acontecido no PRIDE do que no UFC…
        Problema maior é que o Rampage sempre foi uma pedra no sapato do Chuck mesmo, se o Rampage vencesse mais uma já podia pedir música no Fantástico…hehehe

  • hudson dias

    Que o dana persegue alguns atletas isto está meio que claro. ele só não perseguiu o jones após o UFC 151 porque ele é o jon jones. Vejam oque ele está fazendo com o aldo. Depois que o aldo teve aquele entrave com o Pettis o dana sempre fala dele com uma certa má vontade. Lyoto qd recusou enfrentar o jones no UFC 152 tb pegou uma senhora geladeira… Quanto ao rampage eu acho que o dana tinha razão. o Cara teve a cara de pau de reclamar que o joe silva tava dando mts wrestlers pra ele ao invés de strikers. ta de sacanagem né? ainda sobre o dana ele passou anos tentando destruir a imagem do Fedor. Só depois que o Fedor parou que ele passou a falar um pouco melhor do cara.

    • Pedro Lins

      O Dana é extremamente emotivo, mas apesar disso eu gosto dele. Em relação ao Fedor, o Dana tem dor de corno porque o Fedor nunca lutou no UFC.
      Se o Fedor nunca lutou no UFC, azar do UFC…

      • Não tem como não gostar do Dana. Até os defeitos dele são importantes no desenvolvimento do UFC. E sim, também acho que ele tem dor de corno em relação ao Fedor.

    • Caraça de pau do Rampage mesmo hahahaha

  • hudson dias

    E pra não fugir do assunto do texto: chuck lidell era o cara. lutador fantástico e uma pessoa mt verdadeira também. tive o prazer de trocar algumas palavras e tirar uma foto com ele no primeiro UFCBH.

    • Pedro Lins

      Inveja de você, sério mesmo… hehehehe

    • Porra, muito foda. Chuck’s da man.

  • Luiz Gustavo

    Esse Wandeco x Iceman foi um dos maiores quebra paus q eu vi nos ultimos tempos…alucinante.
    Em relação ao Chuck,sou fã declarado dele…infelizmente suas ultimas lutas e nocautes sofridos talvez para alguns tenham manchado um pouco sua carreira e logico,a aposentadoria poderia vir antes.
    Mas enfim não temos o direito d dizer qndo o lutador deve parar.

    • Pedro Lins

      Acho que é normal os caras terem derrotas no fim da carreira. Uma vez o Popó disse algo interessante, disse que quando vc alcança o topo, o único caminho que resta é a descida, e a luta mais dificil é pra conseguir se manter ali.
      Além disso, outro problema é que muitos atletas de alto nível são viciados no que fazem e não conseguem parar. Tem muitos estudos e documentários sobre esse assunto, o vicio do atleta na atividade que faz.

    • Eu acho que a gente não devia deixar o fim da carreira dele manchar o que ele fez. Temos que pesar todas as condições. O que ele fez não vai ser apagado nunca.

      • hudson dias

        Isso que vc falou é importante alexandre. Vou usar um exemplo do futebol. quando falo com neguinho de 21, 22 anos que o romário foi melhor que o ronaldo os kras quase me batem porque o romário qeu eles conhecem é aquele de 2000 pra cá. Isto se aplica também a fedor e lidell. Quem começou acompanhar o UFC da redetv pra cá conheceu o lidell nocauteado pelo shogun em diante. Essa parada da hora certa de parar é muito complicado porque cm o pedro disse atletas são viciados no que fazem.