Chidi Njokuani vence Melvin Guillard em luta sofrível no Bellator 171

Chidi Njokuani vence Melvin Guillard em luta sofrível no Bellator 171
MMA

Nem mesmo o prospecto AJ McKee salvou o Bellator 171, que viu Melvin Guillard seguir sem vitória na organização depois de cinco apresentações no cage circular.

Uma semana após um dos maiores eventos de sua história, a segunda maior organização do MMA não falhou em decepcionar no Bellator 171. Com muitos nomes de qualidade no último evento, Scott Coker não fez tanto esforço para preencher o card do retorno para a Kansas Star Arena.

Como duelo principal, o Bellator 170 trouxe de volta Melvin Guillard, recém-saído de suspensão por doping, subindo para 180 libras em peso casado para enfrentar Chidi Njokuani. Sim, isso mesmo que você leu: Guillard subindo dos leves para um peso casado próximo dos médios para enfrentar um dos tops da categoria dos meios-médios. Por que não?

A luta começou bem morna, com os dois lutadores repreendidos por “Big” John McCarthy para tomarem alguma iniciativa. Após entrar no clinch e acertar uma joelhada nas partes baixas de Njokuani, Guillard aplicou uma queda e levou a luta para o chão, mas, sem conseguir controlar a posição, voltou para a luta em pé. Novamente tentando a queda, Guillard dessa vez falhou e acabou por baixo, onde passou por um perrengue no ground and pound até a luta ser interrompida após uma joelhada ilegal de Njokuani.

No segundo round, Njokuani levava bem a luta mantendo a distância com chutes até Guillard tentar novamente mudar de nível, mas falhou miseravelmente e acabou por baixo. O “Assassino não tão jovem” conseguiu escapar da posição, mas, após se desequilibrar em pé, ficou novamente de costas no chão. Após quase nenhuma ação de Njokuani por cima, o árbitro teve que interferir novamente. O descendente de nigerianos então acertou um forte chute no corpo que atordoou Guillard antes do final da parcial.

Melvin voltou a tentar a queda no começo de round, mas, com o gás já no fim, foi facilmente invertido por Njokuani e acabou novamente com as costas no chão. Chidi passou a dominar completamente a luta no solo, avançando até a meia guarda e soltando um ground and pound pouco efetivo até o árbitro levantar novamente os lutadores. Com pouco tempo para o final da luta, Guillard tentou novamente a queda e, após algumas transições, acabou novamente por baixo ao final do round. Terminada a luta, os juízes deram a vitória unanimemente para Chidi Njokuani com placares de 30-24, 30-25 e 30-26.

Chidi Njokuani conseguiu sua quarta vitória no Bellator, a oitava seguida no geral de sua carreira. Apesar da boa fase, o nível de apresentação que Njokuani mostrou contra um adversário nas condições de Guillard foi desapontador. De qualquer jeito, sem essa luta, Chidi já estava mais do que credenciado a confrontar um dos tops da categoria e, na minha opinião, deve ser o próximo adversário do ex-campeão Andrey Koreshkov.

Já para Melvin Guillard, as opções são escassas. Voltando ao Bellator após sua suspensão por uso de cocaína ter sido cortada pelo meio, é bem difícil de imaginar que ele continue na organização agora, com três derrotas e um no contest desde que chegou, em 2015. A aposta é que ele siga para o MMA oriental, talvez sendo repassado pelo Bellator ao RIZIN FF.

David Rickels domina e nocauteia Aaron Derrow

O dono de uma das melhores entradas da história do MMA voltou a aparecer no cage circular. O sempre violento e pouco técnico David Rickels pegou Aaron Derrow, dono de um cartel contestável, a clássica baranga para alimentar Rickels em sua casa.

Não demorou para Rickels encontrar uma patada forte de direita, que deixou Derrow atordoado e, depois de uma sequência forte de socos, o “homem das cavernas” acabou derrubando e ficando na guarda do oponente, batendo muito durante praticamente o round inteiro. Faltando 30 segundos para o fim da parcial, Rickels resolveu levantar, mas, depois de um início de trocação franca no meio do cage, acabou sendo derrubado. Novamente no segundo round, Rickels caiu por cima de Derrow em pouco tempo, mais por falta de habilidade do adversário do que por mérito próprio. Rickels foi de novo muito agressivo no ground and pound, dominando no chão até o final da parcial.

Começado o terceiro round, Derrow tentou partir para o clinch e pressionar Rickels na grade, mas David se afastou com uma joelhada no corpo e mandou novamente seu adversário para o chão com uma patada de direita, desta vez forçando rapidamente a interrupção do árbitro com o ground and pound passados 44 segundos do terceiro round.

David Rickels ganhou mais uma com o apoio da torcida de sua terra natal e agora está com duas vitórias e um no contest nas últimas três apresentações. Tendo feito essa luta nos meios-médios, a tendência é que ele volte para os leves e ganhe um nome decente como adversário. Este pode ser Derek Anderson ou o perdedor do confronto entre Adam Piccolotti e Brent Primus.

Aaron Derrow teve uma atuação mais do que sofrível e não merece mais nenhuma chance na organização.

AJ McKee leva decisão unânime em luta morna contra Brandon Phillips

Em um card capitaneado por veteranos do esporte, a presença do prospecto AJ McKee era um suspiro de juventude necessário. Novamente contra um adversário de pouca grife em Brandon Phillips, era esperado um bom desempenho do jovem californiano.

McKee entrou melhor no primeiro round, controlando a distância com chutes no tronco e acertando bons golpes, levando vantagem mesmo com o crescimento de Phillips no final da parcial, quando encaixou dois bons golpes. O segundo round foi bem mais equilibrado, com Phillips mantendo o ritmo do final da parcial anterior, sendo mais agressivo e capitalizando nas brechas defensivas que McKee dava.

Começando o terceiro round, McKee continuou com o jogo de chutes e contragolpes na distância mas, não mais confortável na trocação, buscou levar a luta para chão. Phillips conseguiu se levantar, mantendo o equilíbrio na trocação. Terminada a luta, os juízes deram a vitória unanimemente para AJ McKee com dois placares de 29-28 e um 30-27.

Conseguindo sua sétima vitória na organização e na carreira, o prospecto AJ McKee continua como um ótimo nome para se acompanhar na divisão dos penas, mas vêm de dois desempenhos abaixo do que se esperava dele. Sendo assim, é hora de melhorar o nível de competição, mas ainda não jogá-lo aos leões da divisão. O momento agora é de remarcar a luta contra Henry Corrales, que era para ter acontecido no Bellator 160.

Já Brandon Phillips surpreendeu, mas acabou saindo do cage com a segunda derrota seguida. Agora, ele deve ser liberado para lutar por outra organização e, com uma vitória, já deve ter outra oportunidade no Bellator.

Outros destaques do Bellator 171

Abrindo o card preliminar, a jovem brasileira Bruna Ellen conseguiu se recuperar da derrota que sofreu em sua estréia no Bellator, levando uma decisão unânime sobre Carmella James, subindo para um cartel de 3-1.

Outros dois prospectos que ainda iniciam suas carreiras também venceram no preliminar. O meio-pesado Jarod Trice nocauteou Kevin Woltkamp e o pesado Tyrell Fortune conseguiu o mesmo resultado sobre Will Johnson. Ambos alcançaram cartel de 2-0 depois de fazer a transição do wrestling para o MMA.

Em outra luta no preliminar, Chris Harris foi superado por Jordan Young na decisão dos juízes. Harris era bastante marqueteado pelo Bellator, sendo incluído nos pôsteres do evento para atrair torcida local. Conhecido por já ter participado do programa Looking For a Fight de Dana White, quando foi cogitado para enfrentar CM Punk, o prospecto do Kansas desapontou no Bellator.

Essas foram as principais atrações do Bellator 171, pessoal! Voltaremos no dia 18 de fevereiro para o Bellator 172, que trará o retorno da lenda russa Fedor Emelianenko para os cages americanos. Ele enfrentará Matt Mitrione, um dos melhores nomes que a divisão tem a oferecer no Bellator. Como luta coprincipal, foi anunciada durante o Bellator 171 o encontro entre os pesos leves Josh Thomson e Patricky Pitbull. Além disso, teremos também nos pesados o confronto entre Cheick Kongo e Oli Thompson e o embate de Adam Piccolotti e Brent Primus, válido pelo peso leve. Até lá!

  • James sousa

    não seria uma boa o David Rickels contra o Ben Henderson ?

    • Rafael Oreiro

      Acho o Rickels um desafio muito pequeno pro Henderson, em outra coluna eu casei ele contra o Brandon Girtz.

      • Danilo

        Mas perto do que o Bendo tem apresentado, não acha que seria uma boa pra ele recomeçar com desafios pequenos?

        • Rafael Oreiro

          Acho justo, e pra mim o Girtz já é um desafio decente pro Bendo e tem lutar mais interessantes na categoria pro Rickels. Mas não duvido nem um pouco o Bellator dar o Rickels pro Bendo não, do matchmaking do Bellator tu não pode duvidar nada.

          • Danilo

            É, o Rickels acabou de pegar um cara bem mais ou menos, precisa pegar uma luta melhor. Bendo precisa se reencontrar. Casar os dois não parece uma boa mesmo.
            Sua ideia parece ser a melhor opção.

  • Idonaldo Gomes Assis Filho

    ” placares de 30-24, 30-25 e 30-26.” Credo… não vi a luta mas deve ter sido um massacre, e pelo visto como tá na foto, o Guillard ficou nanico perto do Njokuani haha

    • Rafael Oreiro

      Luta foi bem ruinzinha, a única coisa que o Guillard conseguiu foi uma ou duas quedas, de resto o Njokuani dominou mesmo com uma apresentação mais ou menos dele.

      • Danilo

        Ou seja, foi ruim a ponto de uma apresentação meia boca do Njokuani ser suficiente pra sair com a vitória.
        Guillard ainda tentou um mata-leão faltando 10 segundos pra acabar a luta, mas perto do que foi o resto, isso e nada é praticamente a mesma coisa.

        • Rafael Oreiro

          Foi isso mesmo, Guillard não mostrou absolutamente nada no cage, subir pra 180lb foi uma ideia horrível.

  • Henrique Santos

    Acho que esse ano será a tendência no Bellator colocar cards de propesctos em cards locais , e nos grandes centros irá preencher os cards com grandes lutas, como foi o card do Bellator 170 será no Bellator 172 , vai acontecer com Bellator 175 .

    • Rafael Oreiro

      Só acho problemático você botar cards que nem o 171, o nível caiu muito do evento anterior pra esse, o público que o eventão recrutou pode ficar assustado com esse evento fraco. Tirando isso, os cards grandes que o Bellator tem pra oferecer esse ano devem ser bem maneiros mesmo.