Chael Sonnen domina Wanderlei Silva na luta principal do Bellator NYC, um evento bizarramente divertido

Aconteceu de quase tudo na noite em que dois campeões foram depostos, um super prospecto não durou meio minuto e dois lutadores foram a knockdown simultaneamente. O Bellator NYC foi inesquecível para o bem e para o mal.

Daqui a alguns anos, quando comentarem o que aconteceu no Bellator NYC, muitos que não viram dificilmente acreditarão. O Madison Square Garden viu cenas de pastelão, knockdown duplo, zebras massivas, novos campeões e uma luta principal mais divertida do que o esperado.

A entrada de Chael Sonnen e Wanderlei Silva para o combate mais importante da noite teve direito até a hinos nacionais executados – o americano foi levado na guitarra de Dave Navarro, antigo guitarrista do Jane’s Addiction e Red Hot Chili Peppers. No duelo em si, Sonnen não precisou de 10 segundos para derrubar e cair por cima do Cachorro Louco. Esta foi a toada de quase todo o combate.

Wand teve alguns momentos. Ele tentou pegar o americano numa guilhotina, travada por mais de um minuto. Mandou Sonenn a knockdown com um gancho poderoso na têmpora. Porém, no restante da luta, não mostrou capacidade para deter as quedas de Chael e teve que trabalhar na guarda por muito tempo.

Por outro lado, Sonnen teve uma boa primeira metade de round inicial, quando trabalhou num intenso ground and pound (considerando que se trata de um lutador de 40 anos). No terceiro assalto, o “Gângster de West Linn” montou duas vezes, passou a guarda, tentou americana, kimura, fez menção de katagatame e conseguiu um 10-8. Exausto, Wand ficou com as costas chapadas no solo torcendo por uma intervenção do árbitro John McCarthy, o que não ocorreu.

No fim das contas, um juiz marcou 30-26, mesmo placar do MMA Brasil, enquanto os outros dois anotaram 30-27 para Chael Sonnen, vencedor por decisão unânime.

Matt Mitrione nocauteia Fedor Emelianenko depois de duplo knockdown

O martírio de Fedor Emelianenko no MMA norte-americano continua. Neste sábado, o maior peso pesado de todos os tempos voltou a ser nocauteado, desta vez por Matt Mitrione.

Matt Mitrione e Fedor Emelianenko protagonizaram um curioso duplo knockdown (Foto: Esther Lin/MMA Fighting)

Matt Mitrione e Fedor Emelianenko protagonizaram um curioso duplo knockdown (Foto: Esther Lin/MMA Fighting)

Desde o começo ficou claro que a intenção de Mitrione era se movimentar para não dar chance para o míssil do russo ou uma entrada de queda. O ex-UFC inicialmente estava receoso, mas, quando pegou coragem, entrou com um cruzado potente de direita. No entanto, no mesmo momento, Fedor devolveu fogo, também com a direita. Os dois golpes colidiram com os alvos simultaneamente. Como Mitrione tinha deixado o punho esquerdo protegendo sua cabeça, o soco de Fedor teve o impacto reduzido. Já o golpe do americano entrou seco. Ambos foram à lona, mas Mitrione se recuperou rapidamente para disparar um ground and pound feroz que levou Emelianenko a nocaute na marca de 74 segundos de ação.

Brent Primus tira cinturão de lesionado Michael Chandler em zebra homérica

Eu acreditava que, para tirar o cinturão de Michael Chandler, o desafiante Brent Primus precisava contar com o imponderável. Tipo uma contusão. Pois é.

Logo numa das primeiras ações, Primus lançou um chute baixo que Chandler evadiu. Porém, ao colocar o pé no chão, Mike pisou em falso e o tornozelo girou para onde não devia. O desafiante percebeu que Chandler estava sentindo e passou a tentar bicar a perna do rival. Mesmo sem base, Michael ainda mandou Primus à lona com uma direita violenta, mas voltou a torcer o pé, desta vez de modo ainda mais agudo.

O árbitro Todd Anderson percebeu que Chandler tinha dificuldades de se manter de pé, parou a luta e pediu para o médico examinar o campeão. Chandler foi reprovado no teste e Anderson decretou o fim do combate na marca de 2:22, sob protestos intensos de “Iron” Mike.

O mais bizarro ainda estava por vir. No meio da discussão, um representante da Comissão Atlética de Nova York, sabe-se lá por qual motivo, tirou o banquinho de Chandler. O lutador não viu e, quando recuou para sentar, caiu de bunda no chão.

Aaron Pico tomba em estreia com menos de 30 segundos

A primeira vez de Aaron Pico no MMA era aguardada há mais de três anos. Quando chegou a hora, Zach Freeman acabou com a festa em pouco mais de 20 segundos.

O super prospecto tomou logo a iniciativa do combate e avançou para tentar disparar uma direita. Neste exato momento, Freeman deu um passo à frente e atingiu o queixo do rival com um uppercut bombástico. Pico balançou e Freeman não perdeu tempo para encaixar uma guilhotina. Zach mudou a pegada para triângulo de mão e fez o wrestler batucar aos 24 segundos.

Douglas Lima vence Lorenz Larkin e mantém cinturão dos meios-médios

Por Rafael Oreiro

Abrindo o card do Bellator NYC, tivemos uma das lutas mais esperadas da noite, com o campeão dos meios-médios Douglas Lima defendendo com sucesso seu cinturão contra o estreante Lorenz Larkin.

Douglas Lima e Lorenz Larkin trocando socos (Foto: Reprodução/Bellator MMA)

Douglas Lima e Lorenz Larkin trocando socos (Foto: Reprodução/Bellator MMA)

Depois de um primeiro round pouco movimentado, o qual foi inclusive difícil de ver vantagem para qualquer um dos lutadores, Lima e Larkin trouxeram a ação que se esperava na segunda parcial. Depois de crescer de produção e parecer atordoar o campeão, Larkin cometeu o mesmo erro que Andrey Koreshkov: aceitou trocar com Lima na curta distância. Dali saiu o golpe que mudou totalmente o rumo da luta, com Lima mandando Larkin a knockdown e dominando o resto do round.

Depois do knockdown, Larkin demorou para voltar a pegar confiança, só subindo novamente de produção no final do quarto assalto, quando conseguiu usar sua velocidade para acertar combinações. Novamente bem na luta, Larkin continuou no mesmo ritmo para o quinto round, no qual também obteve vantagem, mas já era tarde demais.

Ao final do combate, o MMA Brasil marcou 48-47 para Douglas Lima, placar também marcado por Douglas Crosby e Dave Tirelli. O único discordante, Chris Lee, também marcou vitória de Lima, mas por 50-45.

Ryan Bader toma de Phil Davis o cinturão dos meios-pesados

Num duelo que já aconteceu no octógono do UFC, Ryan Bader voltou a vencer Phil Davis. Desta vez valeu o cinturão que estava nas mãos do rival. A luta foi a principal do Bellator 180, que funcionou como uma espécie de preliminar do Bellator NYC.

Jun 24, 2017; New York, NY, USA; Ryan Bader (blue gloves) reacts to fight against Phill Davis (red gloves) during Bellator NYC at Madison Square Garden. Mandatory Credit: Ed Mulholland-USA TODAY Sports

O duelo não foi muito movimentado e provocou vaias dos presentes em vários momentos. Apesar de ser um wrestler mais condecorado, Davis mais uma vez mostrou deficiências na adaptação ao MMA. Assim como já acontecera contra Bader e contra Rashad Evans, dois wrestlers menos talentosos (Davis venceu Bader na NCAA), Phil não conseguiu deixar de ser previsível e não acertou nenhuma queda. Para piorar, passou boa parte do combate socando o vento e sendo tocado no rosto sem tanta potência, mas com consistência.

No quarto assalto, os lutadores levaram uma advertência curiosa do árbitro Dan Miragliotta: “Vocês têm que dar aos juízes algo para eles julgarem”, disse Miragliotta. Vocês estão sendo pagos para lutar”.

Davis teve seu melhor momento no terceiro assalto e Bader, no quinto. Na pontuação geral, o MMA Brasil marcou 49-46 Bader, mesmo placar anotado pelos juízes Derek Cleary e Sal D’Amato. Jeff Mullen fez o título de Bader sair numa decisão dividida ao marcar 48-47 para Davis.