Canelo Álvarez aciona DAZN e Golden Boy Promotions na justiça por quebra de contrato

Por Israel Silveira | 11/09/2020 19:44

Não é novidade que Canelo Álvarez está com relações comprometidas com seu promotor Oscar de la Hoya e DAZN, com quem assinou o então contrato mais lucrativo pra um atleta na história dos esportes: 11 lutas e um total de 365 milhões de dólares. Agora, ele confirmou os rumores e entrou em processo judicial contra o gigante do streaming e o homem que o lançou ao estrelato. A informação é de Mike Coppinger do “The Athletic”.

Canelo está exigindo no processo 280 milhões em danos, os custos do processo e liberação do contrato para que ele possa participar de confrontos que não sejam agenciados pela Golden Boy Promotions e transmitidos por outra plataforma que não o DAZN. O processo basicamente garante que Canelo não lutará em 2020, ou pelo menos não nos ringues como os fãs esperavam.

Canelo não conseguiu um adversário para 2020, porém, de acordo com o próprio lutador, os culpados são Oscar de la Hoya e o DAZN.

“Eu não tenho medo de enfrentar ninguém no ringue e eu não vou permitir que os fracassos de meu promotor e da emissora me afastem do ringue. Eu sou o lutador número 1 peso por peso. Eu processei [eles] para que eu possa voltar ao boxe e dar a meus fãs o show que eles merecem”, afirmou Canelo ao “The Athletic”.

Muitos adversários foram cogitados para Canelo este ano, tais como Callum Smith e Billy Joe Saunders. O problema é que o DAZN não considerou estes lutadores de elite o bastante para valer os 35 milhões por luta que Canelo tem em contrato e ofereceu a metade do valor. O contrato do mexicano diz que ele deve lutar duas vezes por ano, sendo que uma dessas lutas deve ser contra um adversário considerado “premium”. Contudo, o critério para o DAZN considerar um lutador “premium” é completamente obscuro, exemplo: Gennady Golovkin, Khabib Nurmagomedov, Jorge Masvidal e Oscar de la Hoya (sim, você leu certo) são considerados adversários “premium” para Canelo, porém Sergey Kovalev, Callum Smith e Billy Joe Saunders não são.

Ao olhar estes termos do DAZN, você compreende que faz sentido a insatisfação do mexicano. Khabib Nurmagomedov e Jorge Masvidal não são boxeadores, Oscar de la Hoya está aposentado há 12 anos (e jamais aceitaria lutar com Canelo), deixando Golovkin como única opção para que Canelo receba seu dinheiro integralmente.

O que chama a atenção é o fato de Callum Smith e Billy Joe Saunders não terem sido considerados adversários de elite, já que ambos detém um cinturão de primeira importância, são invictos e certamente atrairiam a atenção de muitos fãs para o combate. Sergey Kovalev foi por muito tempo o lutador mais dominante dos meios-pesados e também não foi considerado elite. Enquanto isso, Khabib e Masvidal, que sequer são boxeadores, De La Hoya, que está aposentado há 12 anos, fazem parte da seleta lista.

Tudo indica que o DAZN de fato está achando que 35 milhões por ano é muito dinheiro e viu que esse contrato ficou salgado demais. A situação econômica do mundo não é das melhores e levantar 35 milhões para Canelo e 5 milhões para um adversário sem público e com menos assinantes é uma missão difícil. Informações do “Boxing Scene” indicam que o mexicano aceitou uma redução no pagamento para enfrentar Smith e Saunders, mas não tanto quanto o o seviço de streaming propôs.

FOTO: Isaac Brekken/AP