Campeonato Mundial de Wrestling 2017: Os favoritos no estilo livre e a potencial luta do século

A partir desta segunda-feira (21) até sábado (26) os fãs de wrestling voltarão suas atenções para Paris. A capital francesa será palco do Campeonato Mundial de Wrestling 2017, competição que será disputada na AccorHotel Arena com previsão de um gran finale para entrar para a história.

O primeiro Mundial do ciclo olímpico de Tóquio-2020 terá várias estrelas consagradas, alguns candidatos a astro e ausências sentidas. Como o Mundial tem mais categorias do que os Jogos Olímpicos, muitos atletas mudaram de divisão para a competição parisiense. Uma dessas mudanças, no estilo livre masculino, pode produzir a mais sensacional disputa deste século.

Neste artigo, o MMA Brasil fará uma avaliação do estilo livre masculino, apontando quem são os principais favoritos ao título e em quem nossos leitores devem ficar de olho. As competições começam na quinta-feira e terão transmissão ao vivo a partir do site oficial da United World Wrestling, a entidade que regulamenta o esporte no mundo.

Normalmente as competições da categoria até 65 quilos são as mais atraentes pela falta de um favorito destacado. Neste Mundial, caberá à divisão até 57 quilos o papel de casa-da-mãe-joana. Porém, é no peso pesado, até 97 quilos, que todos os olhos estarão apontados no último dia de competições.

A Rússia, principal potência do esporte, vai levar a Paris um time jovem e pouco experiente. O Azerbaijão, outra força do estilo livre, tem sofrido com problemas internos. Este cenário pode fazer com que as equipes dos Estados Unidos, da Geórgia e do Japão cresçam.

Categoria até 97kg

Ao fim de 2016, virou meio que consenso entre os especialistas que os dois wrestlers que dominariam o cenário mundial, com potencial para serem os próximos Buvaisar Saitiev e Aleksandr Medved, seriam o russo Abdulrashid Sadulaev (campeão olímpico até 86 quilos nos Jogos Rio 2016) e o americano Kyle Snyder (ouro no Rio até 97 quilos). Pois não é que Sadulaev resolveu subir de categoria? Então, sabe o Roger Gracie vs Marcus Buchecha que sacodiu o jiu-jítsu no mês passado? Sadulaev-Snyder é a versão wrestling deste combate.

Eu sequer me atrevo a imaginar quem sairá vencedor de uma potencial final envolvendo Sadulaev e Snyder. Na teoria, Snyder seria o favorito por ser fisicamente mais forte, mas o talento do russo, considerado o número um peso por peso do mundo, equilibra as ações. Contra o americano pesa a derrota para o azerbaijano Arslanbek Alborov, na Copa do Mundo, em fevereiro. Já Sadulaev não sai de um tapete derrotado desde 2013.

O próprio Alborov, o uzbeque Magomed Ibragimov e o cubano Reineris Salas, outro que subiu de categoria neste ano, correm por fora, mas é mais provável que eles apenas lutem pelo degrau mais baixo do pódio.

Categoria até 61 quilos

A disputa mais ferrenha do Mundial 2017 deve acontecer na chave até 61 quilos devido ao êxodo de talentos que não aguentavam mais cortar peso para 57 quilos. O georgiano Vladimir Khinchegashvili, atual campeão olímpico da categoria de baixo, é o favorito ao título até 61 quilos, mas ele pareceu vulnerável depois de um par de derrotas nas competições preparatórias. Uma bateria de fortes concorrentes estarão em sua cola, como o americano Logan Stieber, o azerbaijano Haji Aliev, o russo Akhmed Chakaev e o iraniano Behnam Ehsanpoor. O cubano Yowlys Bonne Rodríguez e o jovem japonês Rinya Nakamura, que desbancou o medalhista olímpico Rei Higuchi na seletiva nacional, correm por fora.

Categoria até 57kg

Como três dos quatro medalhistas olímpicos de 2016 meteram o pé para a categoria de cima, a divisão mais leve do Mundial ficou muito aberta. Jogue a moeda para cima e escolha entre o russo Zavur Uguev, o georgiano Beka Lomtadze e o azerbaijano Giorgi Edisherashvili. Porém não ignore as possibilidades do mongol Bekhbayar Erdenebat.

Categoria até 65kg

A ex-categoria mais equilibrada do estilo livre sofreu um duro golpe. Vários astros subiram de categoria, fazendo com que o mais bem ranqueado em ação em Paris seja o número sete. O cenário aponta para o georgiano Zurabi Iakobishvili, o portorriquenho Franklin Gómez, o polonês Magomedmurad Gadhziev e o russo Alan Gogaev. O americano Zain Retherford corre por fora.

Categoria até 70kg

Quem se deu bem com o êxodo da categoria anterior foi a competição até 70 quilos. Como ela não é olímpica, vários nomes fortes tentaram a glória no Rio na divisão de baixo e agora cortarão menos peso em busca do título mundial. Sai na frente o cubano naturalizado italiano Frank Chamizo. No entanto, ele não terá vida fácil diante do russo Magomedkhabib Kadimagomedov, que tirou o atual campeão mundial do caminho na seletiva nacional; do uzbeque Ikhtiyor Navruzov e do americano James Green.

Categoria até 74kg

Os fãs de wrestling se acostumaram a ver o americano Jordan Burroughs reinar soberano. Porém, os últimos anos não têm sido fáceis para o superastro, que pagou mico nos Jogos Olímpicos do Rio (única competição internacional que ele não ganhou medalha) e quase perdeu a vaga no Mundial para Kyle Dake. Ainda assim – ou até mesmo por isso -, não dá para tirar o favoritismo de seu colo. Provavelmente turbinado para apagar as recentes más impressões, Jordan terá no uzbeque Bekzod Abdurakhmonov e principalmente no russo Khetik Tsabolov seus principais concorrentes. Correm por fora o turco Soner Demirtas e o azerbaijano Yabrail Hasanov.

Categoria até 86kg

O povo deste peso deve ter feito fila na Igreja de São Karelin para agradecer o fato de Sadulaev ter subido de categoria. O cenário parece propício ao título do iraniano Hassan Yazdani, campeão olímpico da categoria de baixo. O turco Selim Yasar, que perdeu a final olímpica para Sadulaev, o americano J’Den Cox, o russo Vladislav Valiev e o azerbaijano Aleksander Gostiev também estão no páreo de medalhas.

Categoria até 125 quilos

Como a chapa vai esquentar na categoria de baixo, o maior favorito de todo o Mundial 2017 é o superastro turco Taha Akgul, que tentará se tornar o primeiro superpesado a conquistar quatro mundiais (que junta Campeonato Mundial e Jogos Olímpicos) em sequência desde o soviético Soslan Andiev, em 1978. Como uma derrota de Akgul seria uma zebra de proporções bíblicas, o craque georgiano Geno Petriashvili é o mais forte candidato a fazer a final com o jovem fenômeno. O ucraniano Alen Zasieiev deve se aproveitar do fato de o Azerbaijão não enviar nenhum concorrente na categoria.

A incrível renovação da seleção japonesa feminina

Este será o primeiro Mundial desde 2002 sem a presença das superestrelas japonesas Saori Yoshida e Kaori Icho, que somam absurdos 23 títulos mundiais e sete olímpicos. Em compensação, a equipe liderada pelo técnico Kazuhito Sakae é a favorita destacada a dominar as competições femininas, com um time bastante renovado.

As japonesas são favoritas em quatro categorias de peso. A média de idade das quatro é de 20,5 anos. Yui Susaki (18 anos), Mayu Mukaida (20), Risako Kawai (22) e Sara Dosho (22) mostram que o trabalho na Federação Japonesa de Wrestling é o mais assombroso do mundo na atualidade.

A equipe brasileira será representada por quatro lutadoras. Aline Silva pode voltar a beliscar uma medalha com a repaginação da categoria até 75 quilos, a mais pesada entre as mulheres. Com a carrasca Adeline Gray fora do Mundial para curar lesões e a campeã olímpica Erica Wiebe derrotada na seletiva canadense, Aline terá pela frente a turca Yasemin Adar, a canadense Justina DiStasio (que eliminou Wiebe) e a chinesa Paliha Paliha.

  • James sousa

    Muito boa prévia animado para acompanhar Jordan Burroughs desde que eu comecei a me interessa pelo esporte ele foi o atleta que eu mais gostei de ver séria uma boa uma prévia das competições femininas também se der tempo lógico. expectativa boa para a Aline

  • Gabriel Fareli

    Ainda lembro de ver o Sadulaev no Rio-2016, que monstro !!

    A categoria 97 kg vai ser que dia ? Se for sabado, com certeza farei um esforço pra assistir….

    • Gabriel Carvalho

      É no sábado sim.