Por Alexandre Matos | 08/09/2014 01:00

Campeonato Mundial de Luta Olimpica 2014

A partir desta segunda-feira e até o dia 14, o mundo da luta olímpica estará com os olhos voltados para o Gymnastics Palace em Tashkent, capital do Uzbequistão, onde será disputado o Campeonato Mundial de Luta Olímpica 2014.

A nata do wrestling mundial estará reunida para a disputa de medalhas nos estilos livre, greco-romano e feminino, já com a nova distribuição de categorias de peso e novas regras propostas pela United World Wrestling (UWW), a nova denominação da antiga FILA (Federação Internacional de Lutas Associadas), após a manutenção do esporte no cronograma olímpico.

O Mundial de 2014 marca também a inclusão de Pedro Gama Filho, presidente da Confederação Brasileira de Lutas Associadas (CBLA), como membro direto do Bureau da UWW. O dirigente, primeiro sul-americano a ser eleito para um dos cargos de maior importância da entidade, passa a fazer parte do conselho que regula as competições da luta olímpica mundial. Gama Filho recebeu 63 votos de 124 possíveis e foi um dos cinco eleitos entre dezoito concorrentes para o mandato de seis anos. Na mesma solenidade, o sérvio Nenad Lalovic foi reeleito presidente da UWW.

“É uma grande honra ser eleito membro do Bureau com 50% dos votos do congresso”, disse Pedro, o mais jovem membro eleito, com apenas 39 anos de idade, tido como uma das principais lideranças da modalidade na América Latina e um dos responsáveis pelo crescimento da Luta Olímpica nos últimos anos. “Ter o reconhecimento da comunidade mundial da luta demonstra que nosso trabalho está no caminho certo”.

Mundial de Luta Olímpica 2014: Estilo livre

Com a mudança nas categorias, a mais leve no estilo livre passou a 57 quilos. A disputa aqui será intensa entre o iraniano Hassan Rahimi, campeão mundial em 2013 quando o limite ainda era de 55 quilos e número 6 do ranking mundial, o russo Viktor Lebedev, 2º do ranking que retornou forte em 2014 após o bicampeonato mundial em 2010 e 2011, além do georgiano Vladimir Khinchagashvili, prata olímpica em Londres-2012 e atual número um do ranking mundial. Corre por fora na briga por uma medalha o norte-coreano Yang Kyong-il, campeão mundial em 2009, e o turco Sezar Akgul, bronze no mundial do ano passado.

Aposta do MMA Brasil: Viktor Lebedev.

Pela divisão até 61 quilos, o atual campeão mundial Bekhan Goygereev, que passou o carro em 2013, sequer se classificou para a disputa deste ano. Em seu lugar, Alexander Bogomoev, 4º do ranking, representará a Rússia, maior potência da luta olímpica mundial. Porém, o nome a ser batido é o azerbaijano Haji Aliyev, que lidera o ranking mundial. Em 2014, ele venceu Goygereev por 12-5 na final do Campeonato Europeu e surrou o búlgaro vice-campeão mundial Vladimir Dubov, no Golden Grand Prix por 10-0. Dubov, 5º da classificação, é outro forte candidato a medalha, assim como o iraniano Masoud Esmailpour, número 2.

Aposta do MMA Brasil: Haji Aliyev.

O azerbaijano Haji Aliyev deverá ser o mais jovem campeão mundial na competição de 2014 (Foto: Getty Images)

O azerbaijano Haji Aliyev deverá ser o mais jovem campeão mundial na competição de 2014 (Foto: Getty Images)

A categoria até 65 quilos não terá o atual campeão olímpico nem quatro dos últimos cinco campeões mundiais. A exceção é o armênio David Safaryan, campeão mundial em 2013, mas que não deve repetir o feito neste ano. Num cenário mais aberto aparecem o indiano Yogeshwar Dutt, o mongol Mandakhnaran Ganzorig, o americano Brent Metcalf e os estreantes em mundiais Sayed Ahmad Mohammadi, do Irã, e Soslan Ramonov, da Rússia, que tomou a vaga do líder do ranking mundial Magomed Kurbanaliev.

Aposta do MMA Brasil: Brent Metcalf.

A briga vai ser ferrenha na nova categoria até 70 quilos. O americano Nick Marable desce de peso depois de ter sido o único a vencer o melhor do mundo peso por peso. Porém, o iraniano Moustafa Hosseinkhani, líder do ranking da categoria, venceu Marable na Copa do Mundo de Los Angeles. Eles terão como principais rivais o campeão europeu Ruslan Dibirgadzhiyev, do Azerbaijão, e o jovem prospecto russo Khetig Tsabolov.

O grande astro do estilo livre e wrestler número um do mundo peso por peso é o americano Jordan Burroughs, chefão da categoria até 74 quilos, tricampeão mundial e campeão olímpico. Desde que entrou no circuito internacional, Burroughs só foi derrotado uma vez, por Marable, nos critérios de desempate, em 89 lutas. O fenômeno que quebrou a hegemonia russa na categoria deverá triunfar sobre seu maior rival e bicampeão mundial Denis Tsargush, da Rússia, Reza Afzali Paemami, do Irã, Rashid Kurbanov, do Uzbequistão, e Livan López, de Cuba. Porém, esta categoria é tão forte que, salvo Burroughs, dois outros atletas podem completar o pódio.

Aposta do MMA Brasil: Jordan Burroughs.

O campeão olímpico e tri mundial Jordan Burroughs é o grande nome do estilo livre na atualidade

O campeão olímpico e tri mundial Jordan Burroughs é o grande nome do estilo livre na atualidade

Um jovem fenômeno é o nome na categoria até 86 quilos. O russo Abdul Rashid Sadulaev fez 18 anos em maio, mas já é o líder do ranking mundial sênior depois de conquistar o Mundial cadete em 2012 e 2013. Devem completar o pódio o cubano Reineris Salas, o também super talentoso americano Ed Ruth, bicampeão da Divisão I da NCAA, e o portorriquenho Jaime Espinal, vice-campeão olímpico e parceiro de Ruth na Penn State University.

Aposta do MMA Brasil: Abdul Sadulaev.

Nas duas categorias mais pesadas, dois campeões olímpicos estão entre as forças. O americano Jake Varner, ouro em Londres-2012, voltou motivado em 2014 após um ano de descanso, mas terá o bicampeão mundial Reza Yazdani, do Irã, como um favorito com mais ritmo. Já na divisão até 125 quilos, o mito russo Khadshimourad Gatsalov, campeão olímpico em 2004 (quando bateu Daniel Cormier na semifinal) e cinco vezes campeão mundial. O turco Taha Akguel, campeão mundial universitário em 2013 e número 1 do mundo, deve ser o principal rival de Gatsalov.

O brasileiro Adrian Jaoude, irmão do olímpico Antoine Jaoude, é o único representante brasileiro nas chaves do estilo livre. O bicampeão sul-americano tem chances remotas de avançar no torneio.

Mundial de Luta Olímpica 2014: Estilo greco-romano

As chaves do estilo greco-romano terão dois dos mais lendários wrestlers da história. O iraniano Hamid Soryan (até 59 quilos) tentará o hexacampeonato mundial e o cubano Mijaín López (até 130 quilos) buscará sua quinta medalha de ouro no campeonato do mundo. Ambos subiram ao degrau mais alto do pódio olímpico em 2012 (López ganhou também em Pequim-2008). Somando títulos mundiais e olímpicos, as conquistas em 2014 deixarão López e Soryan empatados com o soviético Valery Rezantsev (5 títulos mundiais e 2 olímpicos) e atrás apenas do supermito Alexander Karelin (9 títulos mundiais e 3 olímpicos) na história da luta greco-romana.

O monstro cubano Mijaín López vai atrás de seu quinto ouro em campeonatos mundiais

O monstro cubano Mijaín López vai atrás de seu quinto ouro em campeonatos mundiais

O russo Roman Vlasov, que ficou invicto por quase três anos, volta para limpar a barra da derrota para o sul-coreano Kim Hyeon-Woo no mundial de 2013 na categoria até 75 quilos. Pela divisão até 80 quilos, a batalha será intensa entre o húngaro Péter Bácsi, o turco Selçuk Çebi e o iraniano Habibollah Akhlaghi.

Invicto em 2014, o jovem armênio Artur Aleksanyan, tricampeão europeu, é a principal força até 98 quilos contra o turco Cenk İldem.

Antônio dos Santos (até 130 quilos) é o único brasileiro que disputará as competições de greco depois que Diego Romanelli torceu o tornozelo e ficou impossibilitado de participar do Mundial.

Mundial de Luta Olímpica 2014: Luta feminina

A equipe japonesa é a maior força da luta feminina, com domínio semelhante ao que os russos exercem entre os homens. Recentemente a seleção brasileira fechou parceria com as nipônicas de treinamentos conjuntos – a preparação final das brasileiras foi feita no centro de treinamento japonês durante um mês.

Simplesmente estar perto de Saori Yoshida deve elevar o nível técnico, nem que seja apenas por observar a maior wrestler de todos os tempos. Yoshida lutará pelo seu 12º título mundial consecutivo (ela tem ainda três ouros olímpicos nesta sequência, somando 14 conquistas nas duas competições) na recém inaugurada categoria até 53 quilos, onde ela segue varrendo a concorrência sem piedade.

A máquina de produzir medalhas de ouro Saori Yoshida tentará sua 12ª em campeonatos mundiais (Foto: AFP-Jiji)

A máquina de produzir medalhas de ouro Saori Yoshida tentará sua 12ª em campeonatos mundiais (Foto: AFP-Jiji)

Outra colecionadora de medalhas de ouro que estará em ação em Tashkent é Kaori Icho. A japonesa acumula oito títulos mundiais e três olímpicos na categoria até 63 quilos e agora segue a senda de vitórias na nova divisão até 58 quilos.

A escola que promete bater de frente com a japonesa pelo título por equipes é a da Mongólia, que tem potencial para subir ao pódio nas oito categorias de peso. Das cinco medalistas de 2013, quatro estarão em 2014 acompanhadas das campeãs mundiais júnior Sukhee Tserenshimed, favorita até 60 quilos, e Badrakh Odonchimeg.

O Brasil, uma das forças emergentes da luta feminina, terá quatro representantes no Mundial. A jovem Giulia Penalber é um diamante a ser lapidado, mas ainda se ressente de experiência internacional. Já Laís Nunes e Aline Silva, campeã do Golden Grand Prix de Paris, levam a esperança da CBLA de terminar entre as sete melhores de suas categorias. Mais laureada wrestler brasileira, Joice Silva, representante brasileira nos Jogos Olímpicos de Londres, tem condição de ir além, podendo sonhar inclusive com a primeira medalha brasileira na história da competição. Nos rankings mundiais, Aline é a 10ª até 75 quilos, Joice é a 12ª até 58 quilos e Laís é a 20ª até 63 quilos.