Bruce Lee: a lenda do Dragão de água, parte 1

Com o anúncio da EA Sports da inclusão de Bruce Lee no jogo oficial do UFC, o historiador Pedro Lins faz uma revisão da vida de um dos precursores do MMA, o artista marcial mais famoso do mundo, sua carreira, influência e uma pergunta polêmica: como seria seu desempenho no MMA?

“Não se limite a uma forma, adapte-se e construa a sua própria e deixe-a crescer, ser como a água.

Se você colocar água num copo, ela se torna o copo; se você a coloca numa garrafa, ela se torna garrafa. A água pode fluir ou pode destruir. Seja água eu amigo.”

Bruce Lee

Bruce-Lee-UFC

A influência de Bruce Lee e sua relação com o UFC são antigas. Dana White nunca escondeu sua admiração pelo maior artista marcial do mundo, vários lutadores do UFC reconhecem a influência do astro e, nesta semana, a EA Sports anunciou a participação de Bruce Lee no jogo oficial do UFC. Ele poderá ser selecionado nas categorias galo, pena, leve e meio-médio.

O debate sobre como seria o desempenho do Dragão no octógono é antiga e extensa, entretanto, para o inicio do debate, é essencial um conhecimento prévio sobre quem foi Bruce Lee e o marco que ele representa nas artes marciais.

O início

Bruce Lee nasceu no dia 27 de novembro de 1940, em São Francisco, na Califórnia. Filho de pais chineses, mudou-se para Hong Kong aos 3 anos de idade. Lee, que tinha asma e oito graus de miopia, começou a treinar Tai Chi com seu pai durante a infância.

Bruce Lee disputando uma luta de boxe em 29 de março de 1958

Bruce Lee disputando uma luta de boxe em 29 de março de 1958

Aos 13 anos, Bruce Lee iniciou sua vida como artista marcial treinando Wing Chun, sistema de luta chinês que acredita na economia de movimentos, simplicidade da defesa pessoal e que todo movimento acrobático deve ser descartado, com o mestre Yip Man. Pelo fato de Lee ser mestiço (sua mãe não era totalmente chinesa, pois o avô materno era alemão), os alunos mais graduados se recusavam a ensiná-lo. Lee passou então a ser ensinado diretamente pelo mestre Yip Man, fato que impulsionou a sua evolução e aprendizado. O efeito colateral do preconceito foi criar um ícone, que em seus filmes denunciava o preconceito que Lee sofrera durante toda a sua vida.

Em 1956, aos 16 anos, devido ao fraco desempenho escolar, ele foi transferido para o Colégio St. Francis Xavier, onde se tornou aluno do Irmão Edward, monge, professor e técnico de boxe. Bruce Lee aprendia as técnicas com uma velocidade acima da média e tornou-se campeão de boxe em Hong Kong nos anos de 1957 e 1958.

Vida nos Estados Unidos e as aulas de kung fu

Em 1959, com 18 anos, metido com brigas de gangues, Bruce Lee se mudou para os Estados Unidos para concluir os estudos e iniciar a universidade. No mesmo ano, ele começou a dar aulas de kung fu nos Estados Unidos. Kung Fu significa “trabalho perfeito”, o conceito é de qualquer coisa que o homem faça buscando a perfeição.

Rapidamente sua fama se espalhou na região de Seattle, onde morava, e o crescimento da sua academia começou a chamar atenção da comunidade chinesa nos país, que era contra o ensino do kung fu para estrangeiros.

Em 1964, começou a se apresentar no Long Beach Internacional Karate Championship, com suas flexões de um braço, apoiado somente nos dedos polegar e indicador, vencendo lutadores de caratê com os olhos vendados e usando seu famoso soco de uma polegada. Bob Baker, voluntário para a apresentação do soco de uma polegada, disse: “eu tive que ficar em casa sem trabalhar porque a dor no peito era insuportável”. O soco tinha a distância de uma polegada e Bob Baker, deslocado pela potência do golpe, caiu sentado em uma cadeira e seguiu sendo deslocado na distância total de um metro.

Bruce Lee com seu aluno número um, Chuck Norris

Bruce Lee com seu aluno número um, Chuck Norris

Bruce saiu da apresentação com novos alunos, dentre eles Chuck Norris, que depois de treinar com Bruce Lee, tornou-se sete vezes consecutivas campeão mundial de caratê.

Por causa da apresentação em Long Beach, Lee foi convidado para um papel na série Besouro Verde, iniciando assim sua carreira como ator. Ele também conheceu e ficou amigo de John Rhee, que lhe ensinou taekwondo. Nas filmagens de Besouro Verde, o diretor pediu para diminuir a velocidade dos golpes, pois a câmera não conseguia pegar seus movimentos. Bruce Lee conseguia dar oito socos por segundo: era tão rápido que conseguia encostar dedo na sua pálpebra enquanto você piscava.

O surgimento do Jeet Kune Do

Bruce-Lee-Jeet-Kune-Do-LivroEm 1965, Bruce Lee foi desafiado por um lutador chinês, Wong Jack, representante da comunidade de seu país. O acordo dizia que caso Bruce Lee fosse derrotado, não poderia mais ensinar kung fu para estrangeiros. Lee venceu em três minutos, porém ficou extremamente insatisfeito com seu desempenho, porque acreditava que deveria ter vencido mais rapidamente. Ele começou a se questionar e concluiu que o Wing Chun, ou qualquer outra arte marcial isolada, não era suficiente para uma situação real de luta. Era necessário misturar as artes, criar o que ele chamou de “estilo sem estilo”. Assim surgiu o Jeet Kune Do.

O Jeet Kune Do criticava a ideia do artista marcial se prender a apenas um estilo, pensava que isso o limitava e o engessava. O artista marcial deve ser como a água, se adaptar ao seu adversário e às circunstâncias da luta. Se o adversário luta com golpes retos, ele luta com movimentos circulares. Se o adversário lutava na longa distância, ele encurtava a distância. Deveria ser como a água: se a água é colocada em um copo, ela se adapta à forma do copo, sem deixar de ser água. Se colocamos um obstáculo na frente da água, ela se molda e circunda o obstáculo. O Jeet Kune Do deveria ser como a água.

Bruce Lee já possuía uma bagagem extensa para a criação do “estilo sem estilo”. Antes de criar o Jeet Kune Do, os estilos praticados por Bruce eram: Wing Chun, Boxe, Jiu-jítsu, Caratê Shotokan, Savate, Esgrima, Judô, Taekwondo, Wrestling, Hapkido e Aikido. Além disso, Lee foi precursor da ideia que um lutador precisava ter um condicionamento físico acima da média.

Em 1967, ele voltou ao Long Beach International Karate Championship, realizando diversas apresentações demonstrando o Jeet Kune Do, incluindo o famoso “soco imparável” contra o campeão mundial de caratê Vic Moore. A apresentação consistia em Moore tentar bloquear um soco de Lee. Bruce deu um soco em linha reta em direção ao rosto de Moore e parou antes de atingi-lo. Ele repetiu o mesmo movimento oito vezes e Vic Moore não conseguiu bloquear o movimento em nenhuma das tentativas.

Na segunda e última parte, que será publicada no próximo sábado, a carreira no cinema, morte e legado e como Bruce Lee se sairia numa competição de MMA. Não perca!

  • Patrick Silva

    Do caralho! Simplesmente assim!!!
    Muito bom!!!

    • Pedro Lins

      Obrigado!

    • Anderson

      [2]

  • Abel

    Fui praticante de Wing Chun por 6 anos. Meu mestre costumava dizer que muito daquilo que se ensina hoje em dia em relação a essa arte tem muita influência na filosofia de Bruce Lee em particular; mesmo que o Wing Chun tenha identidade própria, o ensino dele é, na maioria das vezes, orientada pelo viés do Jeet kune Do. Eu particularmente considero o Jeet Kune Do o “avô” do MMA.

    A propósito, quanto aos socos por segundo, já ouvi falar (fontes não científicas, claro :P )q eram 15!!!

    • Pedro Lins

      A influência do Lee sobre o Wing Chun hoje é grande porque ele se transformou em uma referencia. O Bruce Lee também fez filosofia na universidade e toda a sua obra literária é muito boa.
      Quanto aos socos, existem várias histórias, mas os 8 segundos eu já vi videos cronometrados que comprovam a velocidade do mito.

  • Rafael Alves

    Texto sensacional!
    Oportuno, bem dividido, contagiante… e frustrante, por ter de esperar semana que vem pela conclusão.
    Parabéns Alexandre, que parece ter uma fábrica inesgotável de bons colaboradores e parabéns Pedro.

    • Pedro Lins

      Semana que vem que a chinela canta, espero falar de confrontos imaginários… hehehe

      • Airton S

        Zuluzinho passava o carro fácil no china.

        • Pedro Lins

          se puder entrar armado talvez o Zuluzinho tenha alguma chance… já ficou provado que o filho do Bruce não conseguia desviar de bala, já o pai eu não tenho tanta certeza…

          • Airton S

            Hahahahhehe, falei na brincanagem (claro!), mas sua resposta foi até melhor que a minha.

        • Fácil.

  • Vera Alves

    Sensacional!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  • Renato R.

    Muito show hein mano.
    To ansioso pela segunda parte.

  • Luiz Gustavo

    Po véio q texto maneiro.eu não sabia a historia real do Lee..e fico me imaginando como era akela época…
    Texto sensacional..parabens.Esperando a parte final,ate pra saber como ele faleceu.

  • Euler

    Sensacional o texto! Eu comprei aquele DVD duplo de Operação Dragão que tem vários documentários sobre ele, e a partir daí me tornei um fã dele.

    Pedro, você deve ter visto aquele documentário que foi feito depois que foram achadas umas filmagens perdidas do filme Jogo da Morte. Incrível o que Bruce pretendia fazer e infelizmente não pôde concluir devido ao seu falecimento.

    Eu fico pensando se um dia não vão fazer um novo filme com o Bruce, recriando-o em computação gráfica. Com a tecnologia de hoje, seria possível. Seria épico!

    • Suruhito

      Maravilhoso texto, Pedro. Lee Jun Fan não é só um herói imortal, é um sem fronteiras, é como um Senna, é como o Michael Jackson, e é como um saudoso membro da família. É um cara que já lemos tudo e sempre que aparece alguma coisa sobre ele, mesmo tendo a certeza que já sabemos o que vai vir no texto o devoramos sem demora. É um cara que muitos aqui como eu nasceram já depois da sua morte (e olha que eu já passei dos 30) e mesmo assim, ler sobre a mesma causa uma tristeza, um vazio como ele fosse alguém muito próximo e recente que perdemos. Eu não tenho vergonha de dizer que já fiquei com os olhos marejados em vários momentos lendo ou vendo algo sobre ele e sua morte. É o cara que se eu pudesse fazer um pedido a Sheng Long, não pensava duas vezes em traze-lo de volta. Obrigado por este trabalho de trazer um pouco mais do eterno mestre para nós.
      Agora, sobre o texto:
      1 – Eu que já li todas aquelas semi-biografias da Ediouro (e também todos aqueles manuais de ninjutsu e outras artes marcias do Ashida Kim) recordo de que o número de socos dele era algo em torno 12 socos por segundo. O lembro porque na época tinha lido uma matéria sobre o Tyson e este socava 8 por segundo, e na época fiquei surpreso pelo Bruce ser 50% mais rápido. Mas claro, não é uma certeza absoluta (nem ele, nem o Tyson).

      2 – Grata surpresa esta prática dele em outros esportes e artes marcias. Como disse, já tinha devorado um monte de textos sobre ele e não lembrava de terem citado ele em nenhuma outra coisa além do Boxe e Chachachá. Como sempre, a frente ao seu tempo.

      3 – Eu sempre digo: Norris foi um tremendo maceteiro em aprender Kung Fu/Jeet Kune Do e usar isso para ganhar campeonatos de caratê.

      4 – O exemplo de atleta. Lembro que ele sempre mantinha um percentual de gordura corporal de 7~10%, fazia exercícios até para os dedos enquanto lia algum livro pro exemplo, e tinha calos nos nós dos dedos do tamanho de moedas. A mão dele parecia as dos personagens do Tekken 1!! É um ponto que eu pessoalmente sempre admirei nele, é que ele não era apenas um atleta, tinha corpo e vivia como atleta. Apesar de ter respeito e simpatia por muitos lutadores pelas pessoas que são e os resultados dos mesmos nos ringues, eu ao primeiro contato sempre tive pé atrás com caras como o nosso BJ “Barriguinha de Verme” Penn, Mauricio “cabei de sair da churrascaria” Shogun, Roy Nelson ( não precisa exemplos), Volchanchy, etc. e sempre torci de cara para figuras como Carlos Newton, Cro Cop, Don Fry, Shamrocks, Bendo, etc. Eu sei que MMA não é concurso de fisiculturismo, mas eu sempre lembrava do Mestre…

      5 – Quanto ao JKD, é interessante lembrar que ele falava que as pernas só serviam para 2 coisas: finta e bloqueio. Talvez até um mata-cobra, mas basicamente só finta e bloqueio, em relação a potência e velocidade dos seus socos, é fácil entender o porquê.

      6 – Quanto ao campo da imaginação das possiveis lutas dele, talvez não seja tão distante quanto pensamos. Hoje em dia está disponível a tecnologia do Holograma, já utilizada em shows de música. Se o UFC e o seu pioneirismo, unir-se a EA num projeto deste nível, ganharão rios de dinheiro e deixarão milhões de fãs, novos e antigos maravilhados com este sonho realizado.

      (aguardando ansiosamente a próxima matéria)

      • Pedro Lins

        É Suruhito, Bruce Lee é mito! São poucos os homens que conseguem que sua lenda pessoal ultrapassem as fronteiras do tempo e da morte…

        1- Eu já li e ouvi de até 20 socos por segundo, mas citei os 8 porque esse eu vi uma apresentação dele sendo cronometrada.
        2- Pouca gente sabe disso mesmo, mas ele era excepcional em vários estilos, inclusive wrestling e jiu jitsu. Bruce era um lutador completo e muito a frente do seu tempo.
        3- Cara eu evito criticar o Chuck Norris e pra sua própria segurança, recomendo o mesmo. Na verdade, ele deve estar atrás de vc nesse exato momento esperando a hora certa para atacar.
        4- Ele foi precursor nesse assunto também, sendo inclusive viciado em exercicios fisicos.
        5- Realmente o jogo de pernas dele é absurdo, mas o Lee também chutava com uma velocidade e força absurda. Existem várias gravações de apresentações onde ele chuta um lutador e o adversário literalmente voa alguns metros.
        6- Dificil, porque a genialidade a inteligencia artificial não consegue imitar…

    • Pedro Lins

      assisti o dvd e realmente, se a vida dele não tivesse terminado ali, o filme seria mais épico ainda! O problema de tentar refazer o Lee com tecnologia é que nas cenas de ação, ele não respeitava as coreografias e improvisava quase tudo, e isso a tecnologia não consegue fazer. A genialidade é impossivel de ser criada artificialmente…

  • Daniel

    Um coisa interessante é que muita das coisas ditas no texto estão gravadas para quem duvidar. Ex.: A flexão de dois dedos e o soco de uma polegada. Outra coisa maneira é ele jogando ping pong com um nunchaku.

    • Suruhito

      Daniel, a do Ping Pong é fake (ou homenagem, como queiram). Se bem que, não duvido muito que ele o fizesse

      • Pedro Lins

        Ainda bem que está tudo registrado porque muitos realmente duvidariam. Particularmente, o que mais me impressiona é a filmagem dele vencendo 3 faixas preta de caratê ao mesmo tempo e vendado. Outra coisa assustadora é uma filmagem onde ele demonstra a flexibilidade dele com um cara dando uma chave de braço nele, no pau, e ele na maior calma, no maior estilo Dan Hardy contra GSP, conversa com um produtor e sai da chave como se o braço dele fosse de elástico…

        • Dan Hardy não tava nada calmo, tava na merda hehehe

          • Pedro Lins

            nesse caso não me referi a calma, mas a flexibilidade. Se não bateu com o GSP ali, não batia com mais ninguém…hehehe

  • Vanessa Lúcia

    Parabens pelo texto. Não conhecia a história do grande Bruce Lee. Adorei!

  • Suruhito

    Pedro, Alexandre e aos demais: Tem uma série ótima de 50 episódios (52 min cada) no Netflix contando toda a história do Dragão, desde a adolescência problemática até o fim da vida. É carregada de dramas, ficção, etc, mas conta basicamente tudo da vida dele e é ótima para quem quiser conhecer ou ter ainda mais material sobre o Mestre.

    Adendo: Quem assistiu “O Grande Mestre 2” que conta a segunda parte da vida de Ip Man, o grande shifu de Bruce, magistralmente protagonizado por Donnie Yen, deve ter se emocionado quando aquele molequinho cheio de marra, camisa branca, calça preta, assoando o nariz com uma rápida passada de polegar apareceu pedindo para ser aluno. 100% ficção (por conta da idade do garoto mostrado), mas marcante ao mesmo tempo.

  • Manoel

    A série da netflix não tem muito a ver com a realidade. então não se apeguem a isso como verdade. as melhores fontes são os livros que na maioria são contados pela família e amigos dele.

  • Dawud Bryant

    where did you get the boxing picture. It looks like his brother Peter