Boletim do MMA Nacional #8: São Paulo em evidência no início de agosto

Boletim do MMA Nacional #8: São Paulo em evidência no início de agosto
MMA

Dois talentosos ex-lutadores do UFC seguem tentando retornar ao maior palco do MMA mundial num fim de semana que traz vários prospectos interessantes em ação no cenário paulista.

O mês de agosto começará em grande estilo para o MMA nacional. Duas das principais organizações brasileiras realizarão eventos no primeiro final de semana do oitavo mês de 2016.

O Thunder Fight volta à capital paulista para a sua oitava edição com dois talentosos e rodados lutadores nos combates principais. Já o Aspera FC visitará a cidade de Cosmópolis pela primeira vez com um card cheio de interessantes prospectos.

Segue a lista das lutas e dos lutadores que você pode olhar com mais carinho:

Elias Silvério (12-2) – peso meio-médio

Campeão dos meio-médios do Thunder Fight, Elias Silvério colocará o seu cinturão em jogo pela primeira vez na próxima sexta-feira. Na luta principal do Thunder Fight 8, ele enfrenta o ex-WSOF Washington Nunes da Silva visando a segunda vitória seguida depois da saída do UFC, em 2015.

Mesmo já com uma passagem pelo maior evento do mundo, vejo Elias como um lutador talentoso, com um estilo interessante na trocação e um jogo de solo razoavelmente bom. O preparo físico foi um dos problemas durante sua passagem no UFC, mas, lutando na categoria dos meios-médios, ele fica um lutador mais inteiro. Colecionando bons desempenhos, pode voltar a lutar internacionalmente.

Lucas “Mineiro” Martins (16-3) vs. Sérgio Leal (13-4) – peso leve

Depois de uma misteriosa demissão do UFC, em maio, Lucas Mineiro está de volta ao cenário nacional. Na luta coprincipal do Thunder Fight 8, ele encara o ascendente Sérgio Leal, que buscará a vitória de maior expressão em seu cartel.

Atleta da Chute Boxe Diego Lima, Mineiro deixou algumas impressões positivas dentro do UFC. O atleta é ótimo na parte do muay thai e na maioria das vezes proporcionou grandes combates ou nocautes fulminantes na organização. O boxe defensivo e o wrestling atrapalharam a crescente de Lucas no UFC, mas trata-se de um lutador com condições de voltar à organização novamente.

Mesmo com sete vitórias seguidas, Sérgio Leal ainda é desconhecido no cenário nacional pelo fato de não ter lutado em nenhum evento grande no Brasil, mas ele tem a oportunidade de crescer na carreira contra Lucas. Atleta baiano, registrou a maioria de suas vitórias por finalização, mas é um lutador bem agressivo na luta em pé, que normalmente parte para a troca de golpes frenética. Não é um atleta com 100% de aproveitamento nos golpes, mas pode proporcionar um interessante combate contra Mineiro e talvez sair com uma importante vitória.

Viviane “Sucuri” Pereira (11-0) – peso palha

Na luta principal do Aspera FC 42, Viviane Sucuri fará o seu primeiro combate no ano de 2016 enfrentando a gaúcha Carolina Karasek, pelo cinturão da organização. A cearense se tornou conhecida no cenário nordestino após bater nomes conhecidos da região. Ao receber oportunidades no Sudeste, mostrou o seu talento registrando vitórias sobre atletas de renome como Duda Yankovich e a lutadora do UFC Poliana Botelho. As boas apresentações lhe renderam um contrato com o XFC Internacional e, após vencer o torneio do peso palha da organização, recebeu a oportunidade pelo título e finalizou Vanessa Guimarães, tornando-se detentora do cinturão do evento.

O fator diferencial de Sucuri é a sua idade. Com 22 anos, ela ainda tem muito tempo para poder consertar algumas falhas em seu jogo. Mesmo sendo muito verde, ela apresenta um bom muay thai e uma jiu-jítsu que pode ser melhorado. A defesa de quedas não é perfeita, mas isso provavelmente não será problema no próximo sábado.

Leonardo “Cabeção” Silva (6-0) – peso meio-pesado

Leonardo Cabeção fará a luta coprincipal do Aspera FC 42 contra o paraense Tico Silva. Em seus primeiros seis combates profissionais, Leonardo conseguiu o impressionante número de seis vitórias, sendo cinco delas por nocaute técnico e uma por finalização.

A categoria meio-pesado não vive os seus melhores tempos, a maioria dos grandes lutadores de 6 ou 7 anos atrás envelheceram e não estão mais nas melhores formas físicas. Em paralelo, a categoria não ganhou tantos novos nomes decentes e acabou ficando rasa, com um nível inferior, já que os mesmos lutadores que já passaram do auge permanecem entre os melhores. No Brasil, a divisão também vive o mesmo problema, mas Leonardo Cabeção é um prospecto interessante. Além da pouca idade (24 anos), ele é um talentoso trocador, que, além de agressivo, sabe ser estrategista e tem uma boa defesa de golpes. Por não pressionar os adversários de forma frenética, seu preparo físico é decente, o que o torna uma das esperanças de renovação na categoria até 93 quilos.

Kinberly Novaes (8-2) – peso palha

Quem comparecer ao Ginásio Antônio Damiano ou sintonizar o Esporte Interativo na noite de sábado também terá a oportunidade de assistir ao retorno da catarinense Kinberly Novaes. A carismática lutadora ficou conhecida mundialmente após descobrir que lutou grávida contra Renata Baldan, em maio de 2015. Depois da grande repercussão e do nascimento de Breno, Kinberly fará o seu retorno ao MMA contra Bianca Sattelmayer, no Aspera FC 42.

A principal característica de Kinberly é o forte muay thai. A catarinense impressiona bastante pelo thai clinch, usado fortemente para o controle das adversárias. Atleta da CM System, ela também vem mostrando uma certa evolução no jogo de solo, o que a coloca como uma das principais lutadoras na categoria. Kin já devia ter lutado fora do Brasil e talvez já poderia estar no UFC, mas uma cirurgia em 2013 e a gravidez em 2015 afastaram a catarinense do MMA. Com o foco de volta no lugar, Novaes tem bastante potencial para chegar no exterior em breve.

Outras lutas para ficar atento:

Gustavo Erak vs. Antônio Muita Luz – Aspera FC 42
Alan Puro Osso vs. Patrique Tavares – Aspera FC 42

  • James sousa

    não entendi a demissão do Lucas no UFC .
    a Viviane e a Kinberly logo vão está lutando no cenário internacional

    • Achei a do Kevin pior que a do Mineiro, mas também não entendi a do Mineiro.