BJ Penn, Tito Ortiz e os caminhos que levam ao fim

BJ Penn, Tito Ortiz e os caminhos que levam ao fim
MMA

Ex-campeões dominantes, integrantes do Hall da Fama do UFC, Tito Ortiz e BJ Penn viram a má fase chegar na aproximação dos 40 anos, mas tomaram caminhos diferentes para a aposentadoria.

Quando Tito Ortiz se aposentou pela primeira vez, no UFC 148, em julho de 2012, amargava uma única vitória desde outubro de 2006. Se considerarmos que o triunfo foi sobre o já decadente e quarentão Ken Shamrock, a seca remontava a abril de 2006, quando venceu Forrest Griffin, o mesmo último algoz no octógono. Neste intervalo de seis anos e três meses, apenas a vitória sobre Ryan Bader, em 2011, considerada uma das maiores zebras da década. De resto, sete derrotas e um empate. Sinal claro que o fim havia chegado.

BJ Penn vive uma fase semelhante. Desde dezembro de 2009, quando surrou Diego Sanchez no UFC 107, na terceira defesa do cinturão do peso leve, o havaiano venceu apenas uma vez, contra o já decadente e quase quarentão Matt Hughes. De resto, seis derrotas e um empate em sete anos. Sinal claro que o fim chegou. Ortiz tinha 37 anos quando perdeu no UFC 148. Penn foi derrotado por Yair Rodríguez aos 38.

As semelhanças não param por aí. Até a chegada de Jon Jones, Tito era dono do mais longo reinado da história dos meios-pesados do UFC. Já Penn viu Frankie Edgar e Ben Henderson igualarem seu recorde de três defesas consecutivas entre os leves, marca que perdura até hoje. Por causa disso, mas não somente por isso, ambos integram o Hall da Fama do UFC.

Neste primeiro mês de 2017, com seis dias de intervalo, Penn e Ortiz voltaram à ação, o primeiro no UFC Fight Night 103, o segundo no Bellator 170. No entanto, as semelhanças param por aqui.

BJ Penn foi maltratado por Yair Rodríguez em sua última aparição no UFC, na semana passada (Foto: Jeff Bottari/Zuffa LLC)

BJ Penn foi maltratado por Yair Rodríguez em sua última aparição no UFC, na semana passada (Foto: Jeff Bottari/Zuffa LLC)

Curado do problema no pescoço que o tirou do posto de comandante do TUF 11 e o incomodou nas lutas finais no UFC, Ortiz resolveu largar a aposentadoria quando aceitou o convite de Scott Coker para integrar o Bellator, em 2014. No cage circular, ele voltou a surpreender quando finalizou o ex-campeão dos médios Alexander Shlemenko, em maio. A vitória garantiu novo compromisso, contra Stephan Bonnar, em novembro. Poucos pareciam se incomodar com o fato de Shlemenko aparentar ser de duas categorias abaixo e que o duelo contra Bonnar tenha sido horrível. Afinal, uma lenda voltava a vencer. Duas vezes seguidas.

Como prêmio, Ortiz foi agraciado com a chance de desafiar o título de Liam McGeary. A empreitada acabou trancada num triângulo invertido do então campeão. Ninguém achou a derrota vergonhosa, já que McGeary era considerado digno de aparecer no top 15 do UFC. Ortiz tinha chegado até longe demais.

O “Bad Boy de Huntington Beach” entendeu que, se ainda quisesse lutar, o palco não poderia mais ser o octógono mais famoso do mundo – até mesmo porque a relação dele com Dana White não é das melhores há muitos anos. O momento de parar é uma decisão pessoal e é direito de qualquer pessoa achar que tem condição de seguir desempenhando sua profissão, mesmo que, no caso, a profissão cause danos físicos que podem ser irreparáveis se forem estendidos além da conta.

BJ está entrando no mesmo momento que Tito viveu entre perder para Griffin e voltar no Bellator. Porém, a situação do havaiano é pior do que era a do californiano. Apesar dos massacres sofridos contra Rashad Evans e Rogério Minotouro, há quem diga que Ortiz venceu Griffin. Ninguém acha que Penn venceu alguma das últimas quatro lutas, já que ele foi espancado pelo “Pantera”, por Edgar, por Nick Diaz e Rory MacDonald. Outra diferença grave foi a escolha das categorias de BJ, ora um nanico como meio-médio, ora um peso pena sem compleição muscular.

Ninguém mais aguenta ver Penn apanhar. Os fãs mais novos devem estranhar quando leem sobre o passado glorioso de um dos mais talentosos lutadores que o MMA já produziu. Os mais antigos, com as boas memórias ainda vivas, se entristecem com o que BJ vem fazendo à própria reputação.

BJ Penn atropelou Sean Sherk numa cena que já foi comum no MMA

BJ Penn atropelou Sean Sherk numa cena que já foi comum no MMA

Estivesse eu no lugar de Penn e já teria tomado a decisão de parar. Porém, o primeiro totalmente não-brasileiro campeão mundial de jiu-jítsu na faixa preta parece ter um espírito de guerreiro dentro de si que sempre quer mais uma. Ele não precisa de dinheiro, nunca precisou. Nada do que ele faça apagará as glórias conquistadas. O que o move parece mesmo ser esse tal de espírito, que mais tem parecido um encosto.

Já que ele não quer parar, alguém precisa convencer BJ que o UFC não é mais o seu lugar. Ao contrário disso, o treinador Jason Parillo disse que seu pupilo ainda quer disputar mais uma luta no octógono. Chega a me dar desespero. Imagine se o matchmaker Sean Shelby voltar com a esdrúxula ideia de confrontá-lo com Ricardo Lamas, um erro que a loucura de Rodrigo Duterte impediu de acontecer nas Filipinas. Alguém duvida que BJ aceitaria novamente? Eu não.

Depois de perder para McGeary, Ortiz decidiu que era hora de parar. De vez. Agendou uma luta contra alguém em condições físicas e técnicas semelhantes às suas – Chael Sonnen está a poucos meses de completar 40 anos e não lutava desde novembro de 2013. O combate, que marcou a estreia do “Gângster de West Linn” no Bellator, tinha ainda um ingrediente de revanche, já que Sonnen, quando defendia a University of Oregon, subiu de categoria e venceu Ortiz, da California State University de Bakersfield, por encostamento em 44 segundos, na Divisão I da NCAA, em 1998.

Depois de muita provocação na promoção da luta e das baixarias que Sonnen e Ortiz são especialistas em produzir, o final. O combate em si foi tosco, a finalização, com direito a segurar o estrangulamento além da conta, foi mais ainda, mas Tito conseguiu vingar sua derrota no wrestling diante de seus conterrâneos, com o filho deixando suas luvas no centro do octógono e o mundo do MMA agradecido pelos serviços prestados ao longo de 20 anos de carreira. A saída de cena de Ortiz não foi a melhor, mas pelo menos ele para com retrospecto recente de 3-1 em vez do 1-7-1 de 2012.

Bem mesmo fez Georges St. Pierre, que se aposentou quando virou o lutador que mais venceu na história do UFC, atingindo a segunda maior marca de defesas consecutivas. Parou como campeão e número um do mundo. Só que isso é raro. Lembro de Pete Sampras pendurando a raquete após conquistar o US Open, em 2002. Ou Floyd Mayweather Jr., recentemente aposentado do boxe com 49-0, mesma marca de Rocky Marciano. Ou ainda John Elway, Ray Lewis e Peyton Manning, que largaram o futebol americano com uma vitória no Super Bowl, assim como David Robinson e Bill Russell na NBA. Jim Brown deixou o esporte da bola oval ocupando o posto de melhor jogador da NFL. Mark Spitz saiu das piscinas logo após conquistar sete medalhas de ouro e recordes mundiais nos Jogos Olímpicos de 1972. A lista não deve ir muito além disso.

Afinal de contas, uma vez disse Harvey Dent:

“Ou você morre como um herói ou vive o bastante para se tornar o vilão.”

As luvas de Tito Ortiz foram deixadas no cage circular, indicando sua aposentadoria (Foto: Dave Mandel/Sherdog.com)

  • James sousa

    gostaria de ver o BJ se aposentando mesmo não gostaria de ver ele no Bellator , até porque a categoria dele e bem mais forte que a do Tito no Bellator , mesmo que venham a fazer o mesmo que fizeram com o Tito dando um Shlemenko bem mais leve e um recém saindo da aposentadoria Bonnar . espero que essa luta no UFC Fight Night 103 tenha marcado a aposentadoria do BJ Penn no MMA em definitivo

    • Nem precisa ir pro Bellator, mas mesmo lá dá pra ficar enrolando que nem o Michael Page enrola (e outros).

  • Gabriel Fareli

    Deve.ser complicado demais pra um atleta que já viveu o auge, ter que parar e fazer a reflexão de que não dá mais pra ele, que ele não tem condições de competir em alto nível como já fez bem um dia.
    Acho que quando Tito Ortiz foi pro Bellator, ele teve essa consciência, BJ Penn ainda não. E nessa teimosia do Havajano, os fãs também sofrem em ver o cara que já foi um monstro do peso leve, campeão em duas categorias, se mostrar uma baranga aos olhos dos mais novos que estão começando a ver o esporte agora.

    • Muito complicado mesmo. Em qualquer profissão já é, imagina numa que te leva ao estrelato.

  • Gabriel Carvalho II

    O grande problema do BJ é essa teimosia de achar que vai conseguir voltar por cima, e ele acaba sofrendo essas derrotas humilhantes.

  • Bruno Fares

    Que texto excelente!

    e BJ Penn no Rizin? Que tal?

    • Idonaldo Gomes Assis Filho

      BJ Penn vs Krazy Horse, aí eu quero ver se ele não se aposenta com vitória hahaha

      • Sexto Empírico

        Krazy Horse Mito!

      • Krazy Horse de cartel 30-30-2 e 7-14 de retrospecto recente.

        • Idonaldo Gomes Assis Filho

          hahahaha

    • Falamos disso no podcast. Eu acho que ele deveria fazer isso mesmo.

  • Fernando Tassoni

    Parabéns pelo texto, Alexandre. À saber, o tal Dent é um tremendo duas caras.

  • Leonardo Paz

    Vc percebe q o texto é foda quando usa frases do “cavaleiro das trevas”

  • Sexto Empírico

    Um lutador q está administrando bem seu final de carreira é o Spider. Muito por sua natureza de escolher lutas com o menor risco de derrota. Só encarava desafios de verdade quando era obrigado pelo UFC. Foi assim contra Griffin, Hendo e Belfort. E saiu-se brilhantemente bem, apesar de não desejar esses duelos.
    Anderson, bem ou mal, vai somando fortunas sem passar por grandes humilhações. Em seu auge, tinha talento pra bater em todo mundo e ser o melhor de todos os tempos DE FATO e não como gritam os seus fãs até hoje e faziam os marketeiros do UFC pra tentarem diminuir o Fedor.

    • Asisz Marco

      concordo com vc, essa historia de anderson melhor de todos na epoca foi ecoada por dana white, apenas para diminuir o russo, que nao se curvou para dana e sua trupe, mas com o tempo esse “boato” pegou, vale lembrar que dana ja falou ate q anthonny pettis era o melhor de todos os tempos.
      mas nao concordo mt com vc qd vc diz q ele esta administrando bem seu final, acho q nao, para mim o dc pegou bem leve com ele na luta dos dois, e ele tem pego caras q poem ele em risco, como bisping e agora brunson, o qual eu acho q se for um pouco inteligente vai amassar o spider por 3 rounds a base de wrestling, ele deveria agora em seu final de carreira escolher seus desafios a dedo, ele inverteu a ordem de suas açoes kkkkkkk, agora q valia um kung le da vida, essas coisas,
      acho q depois de uma possivel derrota para brunson, ele deve encerrar sua carreira contra o superestimado uriah hall, ae o anderson vence e se aposenta.

      • Sexto Empírico

        Comparado a elite a qual Anderson pertence, Bisping nao era nada ate ser esse questionavel campeao. E quem e Brunson? Anderson, mesmo com quase 42 anos, ainda e bem melhor q esses meios de tabela. Ao contrario de outros veteranos, o Spider ainda tem uma tecnica unica e consegue lutar (muito pelo estilo) quase incansavel por 5 rounds. Todas as suas lutas sao contra lutadores relevantes que podem vence-lo. E ai e q ta o truque. Entre esses nomes relevantes, ele escolhe o q lhe cai melhor. E Brunson e uma boa pedida.

        • Brunson tem um jogo péssimo pro Anderson. E tá fisicamente inteiro, coisa que o Anderson deixou faz tempo.

        • Asisz Marco

          elite a qual o anderson pertencia vc qus dizer ne ?
          a tecnica dele continua em partes, a esquiva ja nao esta a mesma, e a absorçao tbm parece q nao, alem das falhas em defesa de quedas e chao continuam a acompanhar o spider.
          bom sexto, nao me parece atualmente q o anderson esteja melhor q esses meios de tabela, como vc citou.
          bisping nao era nada, realmente concordo, perdeu para hendo, sonnen, belfa, qd ele podia na epoca ter o ts e lutar com o outrora imbativel spider, mas no atual contexto o bisping foi uma luta dura para o spider, tanto q pasmem ele deu 2 knockdows no anderson, e venceu na base do volume de jogo
          e brunson apesar de ter brechas visiveis em pe, como o queixao erguido, afobaçao e falhas de defesa e movimentaçao, onde anderson com sua extrema precisao em acertar golpes pode aproveitar, mas o brunson e um touro, fisicamente parecido com o romero, punch pesado e dono de um wrestling poderoso, entao reitero se brunson usar um pouco de inteligencia ele vai esmagar o atual spider no chao, visto q ele nao vai puxar o freio, igual o cormier fez.
          olhando o top 10 hj, acho q o anderson pode vencer apenas o belfort, que deve ser esmagado pelo gastelum, de resto hj ele entra como azarao contra todos.

          • Sexto Empírico

            Isso mesmo, “pertencia”, bem corrigido. Nao estou defendendo o Anderson, nao. Pra mim, ele ja ta fazendo hora extra. Estava so fazendo uma comparacao entre os outros que terminam(ram) a carreira tomando surras de dar do. Eu tambem acho q ele apanha da maioria. Mas, ate agora, tem perdido sem levar “aquela” sova. O q deixa o fan ainda esperancoso, prolonga sua carreira, da visibilidade e enche o bolso. Belfort, por exemplo, vai tentando sobreviver de massacre em massacre, ouvindo a cada cinco minutos que deveria se aposentar. Ele ja ta igual aos Nogueiras q nem os adversarios queriam mais ve-los apanhar.

      • Concordo contigo.

    • Anderson não vence uma luta desde outubro de 2012. Isso não é administrar bem a carreira. E passar pelo que ele passou contra o Cormier também não. Eu não entendo como alguém viu tanto mérito ali. Ele não foi atropelado porque o Cormier claramente puxou o freio de mão.

      E o Anderson levou dois knockdowns do Bisping…

      • Sexto Empírico

        Na verdade, estava usando uma certa ironia pra dizer q ele escolhe suas lutas. No entanto, ele perde, mas nao e massacrado como foi BJ, Lidell, Couture, Belfort entre outros no encerramento de suas carreiras, e continua com certo status, isso q eu queria dizer.
        Aquela contra o Comier achei pessima em todos os sentidos. Aquilo foi um sparring de luxo q nao deveria ter acontecido. Nao daquela forma.

  • Asisz Marco

    bj penn x gray maynard, a unica luta q eu acho q o bj tenha alguma chance

    • Sexto Empírico

      Seria um perfeito casamento. Mas parece q: 1- Penn pensa q a idade nao chegou e ainda pode ser campeao. 2- O UFC quer q ele se aposente de forma brutal.

    • No peso pena, com os dois fracos. Prefiro no leve.

      • Asisz Marco

        realmente no peso leve seria a opçao, luta de aposentadoria de ambos, ambos tem nome e estao em situaçoes semelhantes atualmente, essa luta no auge dos 2 seria animal, mas hj da para rolar uma despedida de ambos.

        • Maynard rendeu contra o Açougueiro o que o BJ não produz tem tempo. Vá lá que o BJ não pegou ninguém do nível do Açougueiro, mas até o Maynard é páreo duro.

          • Asisz Marco

            mas o açogueiro e horroroso ne, um dos piores q eu ja vi no ufc, pior ate q o lobov, mas realmente no ufc hj em dia qqr um leva reais chances de vencer o bj
            eu pensei em bj x guida; bj x siver; bj x dan hardy, que quer voltar e lutar de peso leve, todos esses duelos nos pesos leves,
            guida e siver eu acho q teriam uma vantagem ate consideravel contra esse rascunho de bj penn, pelo fato de eles estarem mais ativos, hardy ja nao da para saber, talvez seria 50 a 50
            bj deveria e parar de manchar seu cartel, o q ele fez nao se apaga, mas o q ele faz atualmente tbm nao da para apagar vexame atras de vexame.

            • Sim, o Açougueiro não tem nível de UFC, mas o BJ hoje em dia tem?

  • Saulo Henrique

    Bj vs Gomi.

    • Acho duro pro BJ…

      • Saulo Henrique

        Sério, Alexandre? Fora a aposentadoria. ..qual seria sua opção?

        • Asisz Marco

          kasushi sakuraba no rizin, ou royce no bellator

      • Idonaldo Gomes Assis Filho

        Sei lá, o Gomi tá quase pior que o próprio BJ kk

  • Digodasilva

    Que baita frase para encerrar a matéria hein!