Por Alexandre Matos | 25/08/2016

A segunda maior organização do MMA mundial deixa um pouco de lado os cards de alto apelo popular e bem menos esportivo para promover um evento com uma luta principal pra lá de interessante, além de alguns prospectos que merecem atenção. Este é o Bellator 160, que acontece no Honda Center, casa do Anaheim Ducks, da NHL.

Ben Henderson

Ben Henderson

Para liderar o card, o matchmaker Rich Chou lançou mão do principal lutador do plantel, que precisa se recuperar de uma inesperada derrota. Ben Henderson, ex-campeão dos leves do UFC e do WEC, volta à categoria que o consagrou depois de uma passagem pelo peso meio-médio, que lhe rendeu as duas vitórias finais no octógono, mas também uma acachapante derrota na estreia no cage circular, quando chegou para desafiar o cinturão de Andrey Koreshkov. Benson levou uma surra tão grande que foi obrigado a pegar uma eliminatória antes de disputar diretamente o título dos leves.

Do outro lado do cage estará o brasileiro Patricio Pitbull, ex-campeão da categoria de baixo e considerado pelo MMA Brasil o melhor peso pena do mundo fora do UFC. Depois de perder o cinturão para Daniel Straus, a quem já havia vencido em duas oportunidades, o potiguar se recuperou com uma vitória por submissão sobre Henry Corrales. Com a contusão na mão do campeão, Pitbull resolveu se manter ativo e topou subir um degrau na escala das categorias de peso, mesmo sendo um pena pequeno, que poderia lutar como galo.

Patricio Pitbull

Patricio Pitbull

Este confronto reúne provavelmente os dois lutadores mais talentosos do Bellator. Henderson tem um jogo dinâmico, que mistura o taekwondo, o wrestling e o jiu-jítsu (ele é faixa preta na modalidade coreana e na arte que os Gracie desenvolveram, além de ter sido competidor universitário de luta) de forma fluida, com potentes chutes baixos, clinches fortes e muito giro e pressão no chão. Já Pitbull traz a raiz da escola brasileira de MMA, juntando o muay thai com a arte suave, mas acompanhado de ótimas quedas do judô (Patricio tem a graduação preta tanto no jiu-jítsu quanto no judô) e de um boxe muito bem polido, com combinações longas e variações de ataques visando cabeça e corpo.

O principal problema que Patricio vai encarar aqui é a enorme desvantagem física. Henderson é um peso leve enorme e muito forte, que vai recuperar muito mais peso do que o oponente após a pesagem – Benson sofre horrores para chegar à marca de 155 libras. Isso deve fazer com que o combate corpo a corpo seja praticamente inviável para o brasileiro, que terá que apostar na velocidade e na alternância de trajetórias para bater e sair sem ser atingido. Patricio tem um queixo dos infernos, domina tecnicamente todas as áreas do jogo, mas o retrospecto recente de ter sido mandado a knockdown em três das últimas quatro lutas será perigoso contra um oponente bem mais potente que Daniel Weichel e Straus.

O vencedor deste confronto provavelmente será declarado desafiante número um do cinturão dos leves de Michael Chandler. Patricio, que andou se estranhando com o campeão da divisão depois da derrota do irmão Patricky, tem talento de sobra para obter sucesso na empreitada, mas é preciso verificar como o peso excedente vai afetar sua movimentação. Se a derrota para Koreshkov tiver abalado muito a confiança de Henderson, será um importante ponto a favor do líder da Pitbull Brothers. Porém, o que se espera é que Benson tenha usado o revés como aprendizado e chegue focado para o combate, usando uma abordagem de poucos riscos, para encurtar a distância e grudar Patricio contra a grade. A aposta é que o americano leve esta por decisão.

Benson Henderson vs Patricio Freire odds - BestFightOdds

Na seara dos prospectos a se observar no Bellator 160, o americano Bubba Jenkins é o principal deles. Campeão da Divisão I da NCAA em 2011, chegou com tanta moral no MMA que mesmo a derrota para LaRue Burley, em sua quinta luta, foi considerado um tropeço natural no caminho do amadurecimento profissional. Porém, em janeiro do ano passado, o “Highlight Kid” foi apagado em menos de dois minutos pelo russo de raízes armênias Georgi Karakhanyan, ex-campeão do WSOF e Tachi Palace, resultado que o jogou para trás na corrida pelo cinturão do peso pena.

Jenkins terá oportunidade de redenção, visto que seu oponente no Bellator 160 é exatamente Karakhanyan. O americano hoje é um lutador mais maduro, que inclusive vem de uma vitória importante ao aguentar a pressão do jiu-jítsu de Goiti Yamauchi, algo que será necessário no provável cenário de derrubar Georgi e lidar com os botes do faixa-preta. A aposta aqui é que Jenkins vingará seu revés com uma vitória na leitura das papeletas.

Bubba Jenkins vs Georgi Karakhanyan odds - BestFightOdds

Filho do velho de guerra Antonio McKee, que passou por UFC, DREAM, IFL e WSOF, A.J. McKee vai se firmando como uma das principais apostas do Bellator. Ele fez toda sua carreira profissional na casa, vencendo as quatro lutas que disputou, todas antes do quarto minuto. Parceiro de treinos de Jenkins sob o comando de seu pai na Team Body Shop. Aliás, A.J. divide uma história curiosa com Ronda Rousey: assim como a estrela do UFC, o jovem prospecto também cansou de ser acordado tendo que se defender de ataques do pai (com Ronda, era a mãe quem a acordava com chaves de braço e outras situações parecidas).

Oriundo do wrestling universitário, quando competiu pela Cerritos College, A.J. desenvolve um jogo versátil, com um boxe de boas combinações e quedas seguidas de tentativas de finalização. Ele vai colocar seu aprendizado em jogo contra Cody Walker, que foi finalizado por Ricardo Carcacinha no ano passado, no Legacy FC. Apesar de mais experiente, Walker não possui as ferramentas técnicas necessárias para deter o crescimento de McKee e deve ser finalizado ou nocauteado.

A.J. McKee vs Cody Walker odds - BestFightOdds

O outro prospecto da noite sequer lutou MMA profissionalmente, mas tem credenciais que merecem a atenção. Em março, Joey Davis completou um feito que apenas outros dois lutadores haviam conseguido antes dele, o de conquistar quatro vezes o campeonato da NCAA de modo invicto. Com 131 vitórias e nenhuma derrota pela Notre Dame College, na Divisão II, Davis se juntou ao lendário campeão olímpico Cael Sanderson (159-0 na Divisão I) e ao ex-UFC Marcus LeVesseur (155-0 na Divisão III) como os únicos que limparam o wrestling universitário na NCAA. Aos 22 anos, Davis vai encarar Keith Cutrone (1-0) no card preliminar do Bellator 160.