Arbitrar MMA é muito sério, assim como escolher os árbitros

Árbitro - que era reincidente - e equipe médica cometem erros graves em luta no Aspera FC 55, acendendo mais uma vez a luz de alerta para os cuidados que estas profissões requerem no MMA.

Frequentemente os fãs de MMA estão envolvidos em discussões sobre julgamento de lutas, apoiados em intermináveis casos de juízes que erram evento sim, outro também ao redor do mundo. Com menos frequência se vê discussões sobre erros de arbitragem, cometidos pelos homens e mulheres de preto dentro dos cages e ringues. Porém, estes casos podem ser muito mais graves por envolver a integridade física dos atletas.

No último sábado, o Ginásio Chico Neto, na cidade paranaense de Maringá, foi palco do Aspera FC 55. Com uma política agressiva de expansão baseada em parcerias com outros promotores, o Aspera FC é a organização que mais cresceu no Brasil em tempos de crise econômica refletindo diretamente no cenário nacional do MMA. O Aspera FC 55 escalou um card repleto de nomes conhecidos como os ex-UFC Glaico Nego, Marcio Lyoto, Maiquel Falcão, Iliarde Santos, Alberto Uda e Ivan Batman. Porém, o cuidado com a formação do card não se refletiu na seleção dos profissionais que trabalharam no evento. O árbitro Gastão Oliveira Junior cometeu erros crassos no combate de Lyoto contra Fabio Aguiar.

Repare os lances no vídeo abaixo. No primeiro chute de Lyoto, Fabio tem apenas os dois pés em contato com o chão, o que caracteriza o golpe como legal. Porém, o impacto faz com que o pernambucano caia sentado. Com um pé, uma perna inteira e uma mão apoiados no solo, Aguiar recebe outro chute de Lyoto. Ainda que, no momento do impacto, a mão que estava no chão tenha subido para proteger o rosto, as nádegas do nordestino só não estavam no chão por causa da posição do lutador, que sentou na própria perna (esta, sim, em contato com o solo). Não considerar que Fabio estava em mais de três apoios é ridículo. Ele protestou com o árbitro, que, muito bem posicionado, mandou o combate prosseguir. Marcio executa outro chute com o rival sentado e parte para o ground and pound.

Achou esse erro grosseiro? Pois continue assistindo ao vídeo para ver que Gastão foi além. No segundo assalto, um mata-cobra de Aguiar atingiu em cheio o rosto de Lyoto, que sentiu o golpe. Fabio percebeu a oportunidade e seguiu no ataque. Mais um mata-cobra e diversos uppercuts e ganchos deixaram Marcio em situação crítica contra a grade, com os braços largados, sem condição alguma de se defender, apenas absorvendo o castigo. Qualquer árbitro com um pingo de responsabilidade e conhecimento das regras teria parado a luta ali. Não foi o que Gastão fez. Faltando 15 segundos, Lyoto caiu entregue. Como o mediador não interrompeu, Aguiar seguiu para o ground and pound até a buzina salvar o catarinense de mais castigo.

O circo dos horrores seguiu no intervalo, quando uma emergencista tratou Lyoto, sentado no banquinho sem a menor condição de luta, com balão de oxigênio. Não apareceu uma alma para impedir que a barbaridade seguisse adiante. Apesar da ilegalidade do tratamento, Marcio foi autorizado a voltar para o terceiro round. Como obviamente mal conseguia se manter de pé, foi atingido inúmeras vezes até ficar contra a grade mal se defendendo depois de sofrer mais um knockdown. Gastão parou a luta, mas para chamar a médica no cage. Lyoto recebeu a tradicional lanterninha nos olhos e a médica sugeriu ao árbitro acabar o combate. A decisão foi tomada na marca de 3:03 do último assalto.

Esta não foi a primeira vez que Gastão cometeu um absurdo dentro de um cage de MMA. Um ano atrás, no Aspera FC 43, ele não percebeu que Henrique Santos estava apagado dentro de uma guilhotina aplicada por Saimon Oliveira. Gastão levou mais de dez segundos para decretar a vitória de Saimon por finalização, expondo Henrique a uma situação que poderia ter tido contornos dramáticos.

A intenção aqui não é promover uma execração pública de Gastão Oliveira ou do Aspera FC. Erros graves de arbitragem acontecem em todo canto, inclusive no UFC. Quem esqueceu o massacre que o árbitro John Sharp permitiu que Mark Hunt sofresse pelas mãos de Stipe Miocic? Acontece até com os melhores do mundo. Só em 2017, “Big” John McCarthy errou ao demorar a interromper as vitórias de Jon Jones sobre Daniel Cormier e, muito mais grave, de Yair Rodríguez sobre BJ Penn.

Eu poderia ficar até amanhã relembrando momentos em que um árbitro deixou de cumprir sua principal responsabilidade numa luta: a de preservar a integridade física dos atletas. Não adianta sermos defensores do MMA a ponto de ignorarmos que se trata de um esporte que traz riscos aos praticantes. Porém, é possível que, tomando todos os cuidados necessários, o MMA possa continuar gerando oportunidades e entretendo os fãs sem que uma fatalidade aconteça. Para tanto, é de fundamental importância que os árbitros e médicos tenham responsabilidade e conhecimento, tanto da prática de suas profissões quanto das regras do MMA. Tão importante quanto montar um card sensacional é ter o cuidado de escalar profissionais que protejam o lutador de sua própria coragem. É ter a responsabilidade de manter os profissionais em constante processo de reciclagem. E, quando for o caso, até de banir um profissional que tenha demonstrado incapacidade de executar o básico de suas tarefas, quando essas tarefas envolvem a saúde e a integridade de uma pessoa.

  • Deivis Chiodini

    Eu tinha lido sobre o assunto, mas nao tinha visto o vídeo ainda. Que circo de horrores, que coisa bizarra! Pior é ouvir de uns valentões “podia deixar um pouco mais” quando o lutador esta em estado crítico. Queria saber se esses que pedem um pouco mais vão lá limpar a bunda do lutador quando ele for um velho com dano cerebral por causa das pancadas e concussões.

  • Deivis Chiodini

    Obs: Acho o Aspera o melhor evento nacional. Tenho convicção que tomarão maiores cuidados com isso. O evento num geral so teve boa repercussão.

    • Eu também acho que o Marcelo Brigadeiro vai tomar mais cuidado.

  • Luiz Gustavo

    Rapaz…o q aconteceu nessa luta foi algo criminoso…erros de todas as maneiras e ate balão d oxigênio e nem foi em La Paz essa luta.
    Arbitragem precisa seriamente d mais estudos,e serem punidos por erros assim q mexem com a integridade física do atleta.

  • Rafael Oreiro

    Olhando os dois vídeos, não tem condições do Gastão continuar fazendo essas coisas. São os dois piores erros de arbitragem que eu já vi. Esse cara nunca mais pode pisar em um ringue.

    • Bruno Moraes da Costa

      Não digo que são os piores erros que já vi pq os eventos russos são excelentes em produzir esse tipo de episódio. Mas porra, que absurdo foda!

  • Isabella Kida

    Os eventos não se preocupam muito em ter uma boa equipe de arbitragem, consideram um “gasto desnecessário” mas esquecem que é parte importantíssima e essencial pro evento fluir em ordem.
    Tanto pra manter a integridade física de um atleta, como para não prejudicar o cartel numa decisão duvidosa.
    Erros acontecem, e todos estão sujeitos infelizmente… cabe ao profissional buscar sempre a reciclagem, estudar e aprender com os erros . São vidas, pessoas dentro de um octógono e expostas ao seus limites, um erro pode acarretar em problemas sérios
    E para os donos de evento: deem a devida importância à uma equipe de arbitragem, para o bem do espetáculo e de seus atletas.

    • Sexto Empírico

      É isso mesmo. Mas também é importante q cargos sejam preenchidos por profissionais com o perfil apropriado. E no caso desse Gastão, operfil dele seria pra trabalhar num açougue, num matadouro, com tortura…

      • Isabella Kida

        Simmmmm, a responsabilidade é importante para os dois lados com toda certeza.

    • É isso.

  • Digodasilva

    O esporte precisa de medidas urgentes e enérgicas nessas questões. É impressionante assuntos de mesma grandeza e às vezes mais corriqueiros como.o doping, entretenimento, mainstream e outros assuntos são levados em mais alta importância do que a arbitragem que por vezes é praticamente ignorada. Lembrando que estamos falando de eventos profissionais e estabelecidos!

  • Sexto Empírico

    Acabei de ver os vídeos. Caraca, q cara sem noção. Esse árbitro consegue ser uma mistura piorada do Yamazaki com o Mazzagatti. De fato, todos erram em algum momento, mas esse Gastão tá a beira de causar uma tragedia. Q desastre!! Não recicla, não. Joga fora.

  • James sousa

    Os eventos deveriam preparar mais os árbitros porque alguns parecem que nem sabe a regra do esporte que ele está árbitrado

    • Gabriel Carvalho

      Mesmo com todos os defeitos, acho que todos os eventos deveriam buscar a CABMMA.

      • O Aspera não tá com a CABMMA?

        • Gabriel Carvalho

          Tá não. Só os eventos do Combate tem parceria com a CABMMA

    • Não é papel de uma organização preparar árbitro. Tem que haver uma entidade que cuide disso, como são as comissões atléticas. Aqui no Brasil tem um monte e parece que não tem nenhuma.

  • Idonaldo Gomes Assis Filho

    Cara, aqueles chutes na cara com o mano sentado, o juiz quando acho que vai interromper ele olha e fala tipo “manda mais”, não dá nem pra falar que o juiz tava tendencioso para um dos lados já que ele fez merda com os dois lutadores, eu direto vejo uns erros terríveis na Rússia, mas esse aí se superou de longe….

    • Sim, sim, não era questão de ser tendencioso porque ele cagou pros dois lados.

  • Beto Magnun

    Essa médica que deixou o Marcio voltar? Tudo errado nesse trem.

    • Gabriel Carvalho

      Né? Sempre importante ter um médico no evento, mas ele tem que ter o mínimo de bom senso e conhecimento das regras.

      • Marco antônio

        Cara, acredito que o médico (a) não precise conhecer regras, ele tem é que ter responsabilidade e não se intimidar com pressão de evento, corners e do próprio lutador que sempre quer continuar lutando.

    • Rafael Oreiro

      Pior ainda foi o Lyoto ter a coragem de reclamar da médica depois de finalmente pararem a luta

    • Segundo o rapaz do comentário ali em cima, ela agiu corretamente.

  • Marco antônio

    O negócio é como a Kida bem pontuou. Os eventos consideram a arbitragem um gasto desnecessário, querem economizar em tudo. Até entendo que produzir eventos de mma no Brasil não é tarefa fácil, é muito complicado e que na maioria das vezes ficam no prejuízo, mas arbitragem é coisa muito séria.

    • Cara, essa questão é clara: ou o promotor faz o evento direito ou não faz. Se fizer economia porca, vai viver na linha tênue entre fazer um show legal e dar uma merda séria.

      Uma quantidade bem grande de eventos no Brasil sequer deveria ser aprovada. Repito: se o promotor não conseguiu recursos suficientes, ele não pode fazer evento. Não se pode brincar com um negócio sério desse.

  • Caio Andrade

    Velho, que parada ABSURDA e CRIMINOSA. Não é possível que esse tipo de situação ocorra. Mais de 15 segundos com o cara apagado na guilhotina. E do Lyoto nem se fala.

  • Ricardo Sedano

    Baita texto, Alexandre. Fico pensando o quanto disso é culpa de uma (grande) parte do público, na qual me inclui algumas vezes e mudei de opinião exatamente depois de ver algumas matérias e comentários daqui.
    O quanto isso não é reforçado com essa cultura de “um soco a mais não faz mal” onde os juizes sofrem duas criticas do público quando o mesmo para a luta um pouco antes do que a pessoa esperava pois “este lutador já passou por isso e ganhou a luta”.
    Claro, o que esse juiz fez foi uma barbaridade assim como o Big john na luta em Jones Vs DC II (mas esse pelo menos admitiu o erro) e que eles não deveriam ser influenciados por isso, mas estamos lidando com pessoas e elas são influenciadas. Acho que precisamos das duas coisas, tanto árbitros melhor preparados e que prezem SEMPRE pela integridade fisica do atleta e que o público compreenda que o futuro do atleta deve ser o mais importante e que um soco a mais faz mal sim…

    • Quanto à segunda coisa que você citou, eu faço a minha parte pra ajudar.

  • Rominho

    Meus queridos. O especialista em lutas é o arbitro, e somente ele define se um lutador está apanhando demais, se defendendo inadequadamente ou sem condições técnicas de continuar. Ao médico cabe definir se o lutador esta lucido e orientado, sem lacerações graves, fraturas ou luxações importantes e com boa acuidade visual. Portanto, enquanto o paciente/lutador estiver de posse de suas faculdades mentais e sem lesões graves o médico não deve interromper a luta. Sendo assim, a medica agiu corretamente!

    • Falar que a médica agiu corretamente com a questão do balão de oxigênio me parece no mínimo bizarro. Tem algum lugar nas Regras Unificadas que permite o uso de balão de oxigênio?

      Marcio Lyoto teve que ser carregado pro córner. Ele próprio disse que não tinha condição de voltar sozinho, disse que ficou inconsciente no ground and pound. E a médica, que “agiu corretamente”, não percebeu isso.

  • Vinicius Maia

    Rapaz eu vi o vídeo e não acreditei que esse maluco não terminou a peleja ou parou no primeiro chute ilegal. Árbitro totalmente amador. Um cabra desses não pode entrar num cage. Tem que fazer uma reciclagem urgente. Márcio Lyoto tava pior que o Dada 5000 e a luta só terminou por que a médica interrompeu. PQP.
    A luta do Mark Hunt foi sofrível de ver, ta louco, eu posso esta enganado mas o Stipe bateu o record de golpes conectados numa luta. Foi pra mais de 300. Não sei se o recorde se mantém até hoje mas foi um absurdo ela continuar após o round 4.