Por Gustavo Menor | 11/05/2016

Fala, galera do MMA Brasil!

Assim como eu, imagino que muitos de vocês estão ansiosos para o UFC 198, que, além de ser a primeira edição brasileira em um estádio de futebol, também será a estréia de Curitiba como sede do maior evento de MMA do planeta.

Conhecida por revelar alguns dos melhores lutadores de MMA da história – três dois deles inclusive presentes no card – a cidade é reduto e um dos berços do muay thai no Brasil. Porém, o evento não contará somente com o pessoal oriundo da trocação, já que teremos a presença de quatro campeões mundiais de jiu-jítsu que fizeram historia na modalidade. Falo das feras Serginho Moraes, Demian Maia, Ronaldo Jacaré e Fabricio Werdum. Nunca o UFC reuniu tantos campeões mundiais da arte suave num único evento.

Para instigar ainda mais a galera, escolhi alguns dos melhores momentos de cada um deles da época em que, ao invés de luvas, vestiam quimonos.

Ronaldo Jacaré: cinco vezes campeão mundial na faixa preta

Numa luta que para muitos é a maior final de todos os tempos, Jacaré pegou as costas de Roger Gracie e abriu 4-0. Roger conseguiu repor a guarda e atacou com um armlock tão justo que quebrou o braço de Jacaré. Mesmo com “um braço só”, o atual peso médio do UFC conseguiu resistir e levar o Mundial de 2004 no absoluto por 4-2, botando o ginásio abaixo. Além deste título, Jacaré venceu no peso e absoluto em 2005. Pela CBJJO, conquistou os mundiais no peso e absoluto do ano anterior.

Demian Maia: três vezes campeão mundial na faixa preta

O maior representante, na minha humilde opinião, do jiu-jítsu no MMA atual, Demian foi campeão mundial em 2002 (até 88kg), em 2003 (absoluto) e em 2005 (novamente até 88kg), pela CBJJO. Em 2003, seu título mundial na categoria absoluto foi atingido após vencer na final o gigante Gabriel Napão, por pontos. Um feito e tanto.

Veja abaixo a vitória de Demian Maia sobre Gabriel Napão, na final do Mundial de 2003 no absoluto:

Serginho Moraes: três vezes campeão mundial na faixa preta

Vindo de 55 finalizações seguidas na faixa marrom, Kron Gracie chegou com moral na faixa preta, mas não contava com a pressão do até então “desconhecido” Serginho, que impôs seu jogo e finalizou o filho de Rickson Gracie numa Ezequiel que possibilitou avançar na chave e ser campeão mundial pela primeira vez. Isso aconteceu em 2008, na categoria até 82kg. Serginho ainda ganhou o Mundial de 2009, na mesma categoria, e o de 2011, lutando até 88kg.

Confira abaixo a finalização de Serginho Moraes sobre Kron Gracie, no Mundial de 2008:

Fabricio Werdum: duas vezes campeão mundial na faixa preta

Muito antes de sair por aí finalizando os maiores pesos pesados da história do MMA, Werdum já se destacava nas competições de pano. Com uma boa mobilidade e elasticidade para seu biótipo, o gaúcho gostava de fazer guarda, mas também jogava muito bem por cima. Foi assim que ele finalizou, com um estrangulamento da montada, o duríssimo atleta da BTT Pedro “Matraca” Damasceno, na Copa do Mundo de 2004. Werdum venceu o Campeonato Mundial em 2003 e 2004.

Veja como Fabricio Werdum passou por Pedro Matraca, na Copa do Mundo de 2004:

Menção honrosa

Realmente 2004 foi o ano de Ronaldo Jacaré. Na semifinal da Copa do Mundo daquele ano, ele simplesmente aplicou um 10-0 em Werdum. Posteriormente, ainda botou 7-0 na lenda Fernando Margarida para garantir o título absoluto da competição e o terceiro ouro de nível mundial do ano.

Confira o passeio que Ronaldo Jacaré aplicou em Fabricio Werdum, na Copa do Mundo de 2004:

Espero que tenham gostado de relembrar ou conhecer um pouco da história destes monstros do jiu-jítsu, que hoje já se mostram mais completos em todas as valências do MMA. Não sou do tipo que acha que só o jiu-jítsu salva, muito menos que dominar a arte suave já basta no MMA. Porém, em se tratando desses nomes, com certeza a arte suave é uma ferramenta que desequilibra e pode decidir uma luta.

E que venha o UFC 198.

Oss!