Por João Gabriel Gelli | 31/01/2016 03:19

O Prudential Center, em New Jersey, recebeu na noite deste sábado o primeiro evento da série do UFC realizada na FOX, emissora de TV aberta norte-americana, em 2016. O UFC On FOX 18 atraiu mais de 10 mil pessoas para a arena e gerou mais de US$800 mil de renda. Após um card preliminar com momentos monótonos, a porção principal subiu o nível, com combates mais movimentados e empolgantes.

O desfecho da luta principal era esperado. Anthony Johnson era forte favorito contra Ryan Bader e poucos imaginavam que o ex-desafiante não conseguiria o nocaute. Porém, o que surpreendeu foi Bader facilitar a tarefa do rival com uma estratégia equivocada e duas ações destrambelhadas.

Bader começou a luta partindo para uma queda que teve a distância muito mal medida, que foi facilmente defendida por Johnson. Por baixo, Bader tentou um bote no braço, buscando uma kimura, que não só não obteve sucesso como ainda permaneceu insistindo por tempo excessivo, abrindo muito espaço para Rumble, que montou e passou a desferir uma chuva de socos estrondosos. O ground and pound apagou Bader em 1:26 de combate, valendo ao vencedor um dos prêmios de desempenho da noite.

Ben Rothwell se sagra campeão moral do Metamoris

Uma surpresa aconteceu na luta coprincipal da noite. Não que a vitória de Ben Rothwell sobre Josh Barnett fosse impensável, mas o modo como ela aconteceu deixou muita gente boquiaberta.

O primeiro round foi disputado inteiramente em pé, com ambos se respeitando e estudando. Enquanto Barnett era mais cauteloso, ciente do poder do adversário, “Big Ben” era paciente em busca de socos que pudessem definir o combate. Como o volume do ex-campeão da divisão foi superior, ele levou a vantagem por 10-9.

No segundo assalto, a movimentação de Barnett reduziu e Rothwell mostrou maior senso de urgência. Isso levou Josh a buscar uma queda em um single-leg. No entanto, o astro da luta agarrada deixou seu pescoço exposto e Rothwell não deixou a oportunidade passar, capitalizando pela segunda luta consecutiva em cima de vacilos gigantescos de seus adversários com uma guilhotina. A interrupção, que aconteceu na marca de 3:48 do round, tornou Rothwell o primeiro a finalizar Barnett no MMA e o colocou próximo a uma disputa de cinturão. Além disso, o vencedor levou para casa o cheque extra referente ao segundo bônus de desempenho do evento.

Jimmie Rivera bate Iuri Marajó na melhor luta do evento

Em um promissor combate válido pelos pesos galos, Iuri Marajó e Jimmie Rivera entregaram o esperado, com o brasileiro tentando lutar mais afastado e o americano tendo preferência por usar um alto volume na curta distância. O primeiro round foi marcado por Marajó tentando se aproveitar das brechas deixadas por Rivera em seus avanços, só que este superou-o na potência e no volume, embora sem grande margem. O assalto terminou com o dono da casa conseguindo uma bela queda, que lhe garantiu o 10-9.

A segunda parcial repetiu as condições da primeira, mas com Rivera realizando alguns ajustes e conectando mais, abrindo uma boa vantagem, sobretudo quando encurtava a distância e a luta passava para a troca franca de golpes. O brasileiro ainda conseguiu aplicar um knockdown, mas o americano se recuperou rápido, voltou à ofensiva e conseguiu uma queda, dominando Marajó no solo por algum tempo, só o deixando levantar bem no final do round, quando já não tinha mais chances de fazer nada, garantindo assim mais um 10 a 9.

Jimmie-Rivera-Iuri-Marajo-UFC-On-FOX-18

Na parcial final tivemos mais do mesmo, com muita movimentação, trocação franca e equilíbrio nas ações. Marajó conseguiu outro knockdown, mas novamente Rivera se levantou rapidamente e grudou no brasileiro com o intuito de respirar e partir para uma última blitz até a buzina de término de combate soar.

No fim das contas, o MMA Brasil anotou 30-27 para Rivera. Já Diego Tintin, que estava responsável pelo Twitter do site durante o evento, marcou 29-28, placar que foi acompanhado pelos três juízes laterais, definindo uma decisão unânime e a terceira vitória seguida no UFC para o americano. Ambos saíram premiados com o bônus de melhor luta do evento.

Bryan Barberena tira a invecibilidade de Sage Northcutt na zebra da noite

Na luta que abriu o card principal, Sage Northcutt mostrou talento, mas também deficiências normais de um jovem de 19 anos. Melhor para Bryan Barberena, que anotou a vitória mais importante de sua carreira, diante de enorme audiência que estava interessada no prospecto.

Bryan-Barberena-Sage-Northcutt-UFC-On-FOX-18

Northcutt começou colocando pressão, aplicando diversas sequências em alta velocidade e cercando o oponente. O jovem também usou e abusou de sua habilidade atlética para conseguir algumas quedas, mas pouco evoluiu a partir delas. Dessa forma, Sage abriu uma boa vantagem no round. Barberena ainda conseguiu conectar dois bons cruzados e derrubou Northcutt uma vez no fim do assalto, mas nada o suficiente para virar a parcial.

Logo no começo do segundo round, Northcutt tentou um chute sem muito propósito, dando uma brecha para que Barberena pudesse derrubá-lo. A partir desse momento, Bryan passou a trabalhar de forma constante no ground and pound e avançou até a meia-guarda de Sage, fechando um katagatame com o qual arrancou os três tapinhas do rival na marca de 3:06, em uma atitude que pode ser vista tanto como pânico do garoto ao se ver em posição na qual tem pouca experiência ou talvez uma falta de coração para resistir à situação adversa.

Matchmaker do MMA Brasil, fanático por esportes, mesmo sem botá-los em grande prática. Fã de MMA, NFL, estudante de Engenharia e viciado em séries.