Andre Soukhamthath fala sobre crescimento no UFC e critica O’Malley: “Ele não precisa agir assim”

Por Gabriel Carvalho | 02/03/2018 17:20

Antes dos principais combates do UFC 222Andre Soukhamthath fará a sua quarta luta no UFC. Pela primeira vez, o peso galo americano filho de laocianos tem a oportunidade de combater no card principal de um evento numerado, encarando a revelação Sean O’Malley na terceira luta da porção principal.

Andre teve um início ruim no UFC com derrotas para Albert Morales Alejandro Perez, mas a “Sensação Asiática” se recuperou muito bem com um nocaute sobre Luke Sanders. Em entrevista exclusiva ao MMA Brasil, ele comentou sobre a sensação de alívio e de alegria após vencer a primeira luta no octógono.

“É um ótimo sentimento de poder focar apenas na luta, sem a pressão de pensar na derrota. É óbvio que você vai pra uma luta pensando nisso, mas é diferente quando você está 0-2 e sabe que pode ser demitido. É bom saber que estou salvo e que posso ir lá para lutar.”

“Foi um alívio quando eu nocauteei, eu precisava daquilo. Precisava daquela vitória. A primeira coisa que pensei foi na minha família, eu agora posso dar coisas pra eles. Todas as minhas emoções saíram ali, foi aquilo que senti, foi muito difícil pra mim e pra minha esposa chegar aqui, mas estou feliz por finalmente conseguir a vitória.”

Seu adversário no combate de sábado será Sean O’Malley, que faz a segunda luta no UFC e já chama atenção pelo estilo incomum, principalmente por admitir o uso de maconha (o que não é normal entre lutadores) e o estilo de trash talker. Soukhamthath condena o adversário e acredita que ele não precisa disso:

“Eu acho que é isso que vende, é o que ele precisa fazer pra se vender. Ele precisa ser falso, precisa falar pro mundo inteiro que gosta de fumar maconha, que anda com o Snoop Dogg. E o UFC ama isso, ama a personalidade dele, e é ok. Acho que já tivemos muito disso com o Conor McGregor e era engraçado com ele, só olhar onde ele está agora. Mas eu acho o mundo não precisa dessa geração assim e assistida na TV, as crianças precisam de um modelo a ser seguido, por isso que quero parar o trem do hype agora. Ele (O’Malley) não é bom pro esporte na minha opinião, e eu vou provar que ele não precisa falar, não precisa agir assim para vender.”

Apesar das críticas, Andre também fez elogios ao oponente. Por serem dois strikers, ele acredita que o combate do UFC 222 deve ser uma grande luta:

“Acho que ele é um bom lutador, não vou tirar isso dele, ele é bom, trabalhou duro pra chegar onde está, mas definitivamente é cru pro UFC, é 9-0 em nove lutas, e eu tenho 17 (lutas). Ele é um bom lutador, não vou desmerecer isso, tem um bom striking e eu também, todo mundo sabe disso, por isso que é um bom confronto. Será uma grande luta, não tem como negar.”

A luta contra O’Malley também marca o um ano de Soukhamthath no UFC. Depois de duas derrotas e uma vitória, o atleta comentou sobre as diferenças do atleta que aceitou a luta contra Albert Morales, e também sobre o quão difícil foi chegar até o status atual, de lutar em um card principal do UFC:

“É uma grande mudança daquela luta no UFC Fight Pass, com uma semana de preparo para outra com treinamento completo e no card principal de um evento no Pay-Per-View. Essa é a diferença comigo, acho que cresci bastante em um ano de UFC, muitas pessoas saem, outras aprendem e crescem. Na minha primeira luta no UFC, aprendi bastante com a derrota, e na minha segunda luta, também aprendi muito mesmo achando que não perdi. Na terceira, finalmente coloquei tudo certo fisicamente, mentalmente, espiritualmente, finalmente juntei tudo e agora será minha quarta luta, estou animado para brilhar e subir. Não é surpresa pra mim que estou no card principal, isso não é surpresa porque trabalhei pra isso por 11 anos. Trabalhei muito, mereci estar aqui. Tive derrotas, lutei, limpei banheiros, dormi no tatame da academia e levei minha família até o inferno pra chegar aqui. Eu não vou deixar aquele idiota tirar isso de mim.”

Editor do MMA Brasil. Fã de esportes em geral, apaixonado pela arte de punhos em rostos alheios. Amante de filmes e música.