Alistair Overeem nocauteia Andrei Arlovski e marca posição para disputar o título dos pesados do UFC

Com quatro vitórias seguidas, duas delas por nocaute contra integrantes do top 5, Alistair Overeem finalmente se firma como forte candidato a desafiante dos pesados no UFC Fight Night 87.

A torcida holandesa que lotou a Ahoy Arena, em Roterdã, voltou para casa feliz com a vitória de seus três principais representantes no card do UFC Fight Night 87, disputado na tarde deste domingo. Mais ainda, com a possibilidade cada vez maior de ver seu lutador número um disputando o cinturão dos pesados da organização.

Na luta principal, Alistair Overeem estendeu sua série para quatro vitórias com mais um nocaute, desta vez sobre seu companheiro de equipe Andrei Arlovski, que teve os treinadores da Jackson-Wink MMA em seu córner. Porém, mesmo com a essencial ajuda no plano tático, o bielorrusso pouco fez fora o início forte.

Arlovski tentou decidir a parada no começo do combate, quando encurralou Overeem e despejou uma saraivada de socos, esperando pelo queixo do holandês acusar. Porém, “The Reem” se protegeu bem e, com uma ótima joelhada alta no thai clinch, abriu o espaço necessário para sair da pressão.

O thai clinch e os chutes baixos e médios foram as principais armas de Overeem para deter a ofensiva do rival. O holandês trocou de base constantemente e confundiu a defesa do bielorrusso quando ora chutava a costela com a esquerda, ora batia na perna com a direita, mudava a distância para uma joelhada e socos. O “Pitbull” tentou mudar o plano para levar a luta para o chão, mas esbarrou na sólida defesa de quedas de Alistair. Numa das tentativas, sofreu uma contraqueda e acabou por baixo do duro ground and pound do ex-campeão do Strikeforce.

A parada foi decidida no primeiro minuto do segundo assalto. Bem posicionado, escondendo o queixo, Overeem acertou um chute na linha de cintura e viu a oportunidade aparecer. Ele lançou um chute voador de canhota que explodiu no queixo de Arlovski. O bielorrusso recuou e o holandês emendou um cruzado de esquerda semelhante ao que nocauteou Junior Cigano. Andrei desabou e Alistair executou um pesado ground and pound até o árbitro Marc Goddard encerrar na marca de 1:12.

Além de chegar à quarta vitória consecutiva e de ficar bem perto do posto de desafiante, Overeem ainda levou um dos bônus de desempenho do evento.

Stefan Struve gasta 16 segundos para dar cabo de Antonio Pezão

Na luta principal, mal deu tempo de a torcida se manifestar. Stefan Struve aproveitou uma oportunidade e aniquilou Antonio Pezão.

Assim que o árbitro Leon Roberts autorizou o início do combate, Pezão avançou de frente, pronto para encerrar a luta. Ele conseguiu, mas pelo lado negativo. Quando encontrou o brasileiro no centro do octógono, Struve deu um passo para trás e encaixou um pesado gancho no queixo de Pezão. O uppercut emendado passou no vazio, mas o segundo pegou em cheio e fez Silva balançar. Ainda recuando, o holandês cravou uma joelhada no tórax e mais um uppercut fez Pezão cair ajoelhado. Contra a grade, Struve disparou uma metralhadora de cotoveladas até o árbitro mandar parar.

O resultado é o terceiro nocaute mais rápido da história dos pesados no UFC, atrás da vitória de Todd Duffee sobre Tim Hague (7) e de Arlovski sobre Paul Buentello (15). Para piorar, ainda deixou Pezão num retrospecto recente de cinco derrotas e apenas uma vitória. Struve levou para casa um dos bônus de desempenho.

Gunnar Nelson vence Albert Tumenov na melhor atuação da carreira

O islandês Gunnar Nelson respondeu a duas críticas: uma, que talvez tenha futuro sem precisar baixar para o peso leve; duas, que seu jiu-jítsu não era a vergonha que Demian Maia o fez passar. Sobrou para Albert Tumenov.

No começo, Nelson tentou surpreender Tumenov com sua abordagem pouco ortodoxa proveniente do caratê. Alguns golpes rápidos e trocas de guarda confundiram o russo e fizeram com que ele demorasse a encontrar a distância. Como o islandês não tinha volume de golpes, Tumenov tomou o controle das ações, mas caiu numa armadilha. Gunni mostrou precisão nas transições e mergulhou em queda que Albert nem viu de onde veio. O faixa-preta montou rapidamente e desgastou o oponente pesando sobre ele, com o quadril baixo, peito no rosto e algumas cotoveladas.

Parece que Tumenov não aprendeu a lição e caiu no mesmo golpe no segundo assalto. Desta vez, Nelson caiu de guarda passada e chegou à montada de modo espetacular. Tumenov tentou raspar, mas acabou com o adversário em suas costas. Faltavam mais de dois minutos e era difícil supor que Nelson perderia a posição. E ele não perdeu mesmo. Passou o braço esquerdo por baixo do queixo do russo e apertou um mata-leão que pegou mais no queixo do que no pescoço. Porém, o estrangulamento foi forte o suficiente para fazer Tumenov batucar na marca de 3:15.

Além de evitar a quinta vitória seguida de Tumenov, Nelson se recuperou de derrota e embolsou um dos quatro bônus de desempenho do evento.

Thai clinch de Germaine de Randamie acaba com a raça de Anna Elmose

No MMA feminino, há poucos lugares menos sadios a ficar do que no thai clinch de Germaine de Randamie. A estreante Anna Elmose aprendeu do jeito mais duro.

Maior, mais forte e mais experiente, com o ginásio inteiro apoiando, De Randamie não deixou a dinamarquesa acelerar as ações e acertou diversos socos e chutes que forçaram Elmose a buscar a luta agarrada, a fim de testar a guarda da “Dama de Ferro”. Porém, a caloura não conseguiu o intento e acabou dentro do thai clinch da multicampeã de muay thai. Com a adversária encurralada, Germaine acertou uma joelhada infernal na boca do estômago de Anna, que já caiu ali nocauteada. De Randamie ainda acertou uma bomba de direita na rival caída apenas porque o árbitro Rich Mitchell demorou um pouco a chegar. Ele parou o combate na marca de 3:46. De Randamie ficou com o quarto bônus de desempenho de Roterdã.

Nikita Krylov faz Francimar Bodão lutar, mas finaliza o brasileiro no round 2

Pelo visto, as atuações burocráticas de Francimar Bodão tinham a ver com o que os adversários ofereciam. Contra o ímpeto de Nikita Krylov, o acreano teve que lutar. Os atletas fizeram um animado combate que acabou mal para o brasileiro.

Punhos voaram a milhão no primeiro round quando Krylov apertou o ritmo e Bodão, no susto, respondeu na mesma moeda. Assim que recobrou a clareza, o representante da Nova União tentou derrubar o ucraniano, mas ficou no clinch trocando joelhadas.

No segundo assalto, a pressão de Krylov seguiu forte, Bodão continuou tentando retornar fogo, mas não teve capacidade técnica de enxergar no furacão. Quando os lutadores foram para o clinch na grade, Francimar conseguiu derrubar, mas levou uma reversão imediata. O brasileiro atingiu o europeu com uma pedalada ilegal, mas Krylov não se abateu e ainda respondeu com uma cabeçada. Cenas Lamentáveis curtiu.

O árbitro Lukasz Bosacki parou a luta, mas manteve os atletas na mesma posição, com Nikita por cima. Ele então tentou uma chave de braço, se defendeu de uma tentativa de triângulo do faixa-preta e passou para as costas. Krylov então posicionou um mata-leão que não parecia bem encaixado, mas a pressão fez com que Bodão batucasse pela primeira vez na carreira.

Karolina Kowalkiewicz passa por Heather Jo Clark em busca do top 5 do peso palha

Com uma técnica mais apurada no kickboxing, a polonesa Karolina Kowalkiewicz teve algum trabalho com a americana Heather Jo Clark no começo do combate, mas conseguiu tomar as rédeas até a vitória por decisão.

A potência parecia estar ao lado de Clark, mas o volume de golpes de Kowalkiewicz foi paulatinamente baixando o ímpeto da adversária. Alguns overhands de Heather machucaram Karolina, mas combinações longas da europeia viraram a luta. Kowalkiewicz alternou entre cabeça e corpo, mas também foi superior na curta distância, tanto no dirty boxing de socos e joelhadas, como também nas cotoveladas.

Clark tentou levar a luta para o solo, mas também saiu no prejuízo, seja parando na defesa de quedas ou tendo que se defender de uma chave de braço. No fim das contas, dois juízes anotaram 29-28, enquanto o outro viu o mesmo 30-27 marcado pelo MMA Brasil.

 

Ainda não é colaborador? Quer participar? Conheça nossa campanha no APOIA.SE.