Por Alexandre Matos | 11/09/2014 15:10

O brilhante trabalho realizado na luta olímpica brasileira alcançou o maior resultado na história do esporte no país. Depois de participar pela primeira vez das finais do Golden Grand Prix com a seleção feminina, Aline Ferreira conquistou a primeira medalha brasileira na história dos mundiais da modalidade. A atleta de 28 anos venceu dois combates antes de disputar a final.

Aline Ferreira comemora a classificação para a final inédita para a luta olímpica brasileira (Foto: Maertin Gabor/UWW)

Aline Ferreira comemora a classificação para a final inédita para a luta olímpica brasileira (Foto: Maertin Gabor/UWW)

A campanha de Aline na categoria até 75 quilos começou com uma vitória por 7-0 sobre uma atleta da casa, a uzbeque Gulmira Ismatova. Em seguida, nas quartas de final, a brasileira foi ainda melhor contra a colombiana Andrea Olaya, superada pela contagem de 7-0. Neste momento, Aline já superava as melhores participações brasileiras na história dos mundiais. A mongol Ochirbatyn Burmaa, medalha de bronze no Mundial do ano passado, foi a oponente da semifinal, quando Ferreira conseguiu a classificação para a decisão com uma vitória por 5-2.

Na final, a adversária foi a americana Adeline Gray, campeã mundial em 2012 e medalhista nos quatro últimos mundiais (ela foi bronze em 2011 e 2013). Gray abriu 2-0 ao completar um single-leg e foi mais agressiva que a brasileira por boa parte do combate. No último round, Ferreira diminuiu a desvantagem com uma punição sofrida pela rival por falta de combatividade.

Até a histórica campanha de Aline Ferreira, o melhor resultado de um competidor brasileiro em uma edição do Campeonato Mundial foi o oitavo lugar de Joice Silva, em 2013, e de Giullia Penalber, neste ano. A evolução da luta feminina brasileira segue em ritmo forte rumo a uma participação ainda melhor nos Jogos Olímpicos de 2016, que serão realizados em casa, no Rio de Janeiro.

Aline Ferreira fez uma luta dura na final, mas perdeu o ouro para a americana Adeline Gray (Foto: Maertin Gabor/UWW)

Aline Ferreira fez uma luta dura na final, mas perdeu o ouro para a americana Adeline Gray (Foto: Maertin Gabor/UWW)

O Mundial de Luta Olímpica de 2014 coroou mais uma vez duas lendas do esporte nesta quinta-feira. As japonesas Saori Yoshida e Kaori Icho sagraram-se campeãs nas categorias até 53 e 58 quilos, respectivamente.

Tricampeã olímpica, Icho conquistou seu nono campeonato mundial consecutivo sem sofrer um ponto sequer. Ela bateu a uzbeque Asem Seydametova nas oitavas de final por 10-0, placar repetido nas quartas contra a americana Alli Ragan. Na semifinal, Icho passou pela bielorrussa Anastasiya Huchok por 11-0 e voltou a aplicar um 10-0 na decisão contra a russa Valeria Koblova.

Também dona de três medalhas de ouro olímpicas, Yoshida chegou ao seu décimo segundo título mundial consecutivo. Assim como a parceira de seleção, Saori não perdeu pontos durante a competição. A chinesa Pang Qianyu foi batida por 4-0 nas oitavas de final, a russa Natalia Malysheva engoliu um 10-0 nas quartas, a canadense Jillian Gallays foi derrotada por 4-0 na semifinal e a sueca Sofia Mattsson ficou com a medalha de prata após cair por 6-0. Somando-se mundiais e olimpíadas, Saori Yoshida é a maior vencedora da história da luta olímpica somando-se os três estilos (livre, greco-romano e feminino), à frente da lenda russa Alexander Karelin, que soma doze conquistas contra 15 da japonesa.