Alerta de Boxe: Andre Ward e Sergey Kovalev fazem a revanche do ano neste sábado

Não é todo dia que podemos ver dois legítimos integrantes do top 5 peso por peso se enfrentando em igualdade de condições. Pela segunda vez é ainda mais especial. Este é o cenário de Andre Ward contra Sergey Kovalev.

Assistir a dois dos melhores lutadores do mundo se enfrentando em seus auges é um privilégio. Vê-los repetir a dose depois de um primeiro confronto histórico tende a ser ainda melhor (e mais raro). Neste sábado, no Mandalay Bay Events Center, em Las Vegas, o americano Andre Ward concede revanche ao russo Sergey Kovalev, de quem tirou os cinturões do peso meio-pesado nas versões Associação Mundial de Boxe (WBA), Federação Internacional de Boxe (IBF) e Organização Mundial de Boxe (WBO). Absolutamente imperdível.

No ranking peso por peso da Ring Magazine, a lista mais respeitada do meio, Ward (31-0, 15 KOs) é o número um e Kovalev (31-1-1, 26 KOs), o segundo. Na minha modesta lista, Ward lidera e Kovalev vem em quarto, atrás de Gennady Golovkin e Román González. Seja como for, falamos aqui de dois dos principais expoentes do boxe mundial na era pós-Floyd Mayweather.

Pupilo de Virgil Hunter desde os 9 anos, Ward é, na minha opinião, o mais completo boxeador da atualidade. Campeão olímpico em 2004, ele varreu a divisão dos supermédios e agora reina entre os meios-pesados. Ficou quase dois anos parado na transição de categorias, mas não mostrou ferrugem e adaptou seu jogo perfeitamente ao novo peso. Do outro lado, Kovalev, treinado pelo ex-campeão mundial dos médios John David Jackson, faz parte da Santíssima Trindade dos maiores pegadores do boxe mundial, ao lado de Golovkin e Deontay Wilder. Antes de tombar perante Ward, ele dominou a categoria com limite até 79,4 quilos (175 libras) com mão de ferro desde 2013.

Confrontar dois lutadores dessa estirpe já seria motivo suficiente para qualquer fã de luta parar para assisti-los neste sábado. Porém, outros ingredientes apareceram para apimentar o duelo. Muita gente acha que Kovalev deveria ter vencido o primeiro combate, em novembro passado. Depois da luta, o respeito mútuo deu lugar a acusações de racismo, de favorecimentos ilícitos e o cavalheirismo virou acidez que certamente vai temperar as ações neste sábado.

O primeiro encontro entre ambos, dramático e técnico, reforçou o imenso poder de punch de Kovalev, que mandou o rival à lona pela primeira vez na carreira no segundo round. Reforçou também as gigantescas inteligência, capacidade de adaptação e talento de Ward para superar o momento mais difícil de sua vida esportiva em pleno voo. No entanto, o principal foi mostrar que, além de ser muito habilidoso, Ward é também duro, resistente e uma fortaleza mental. Quando Kovalev anota o primeiro knockdown numa luta, normalmente o adversário está acabado e só não percebeu ainda. Ward juntou os cacos para saber o que precisava ser mudado para reverter o quadro e anotar uma das maiores viradas dos últimos tempos.

A capacidade que Ward tem de mudar os padrões de uma luta e anular o adversário é seu principal atributo para esta revanche. Kovalev terá que ser ainda mais agressivo, deixando um pouco de lado sua abordagem metódica, que deixa espaço suficiente para um gênio como Ward mapear as trincheiras e montar um plano de movimentação e ataque. O russo não poderá deixar o americano respirar. Talento e força para fazer isso não faltam.

A potência está no lado de Kovalev, capaz de alterar os rumos de um combate com apenas uma pancada. A velocidade de pernas e punhos são trunfos do americano, que, somadas à precisão e timing, fazem de Ward um sujeito capaz de atacar de ângulos de toda sorte. O campeão é também um dos maiores mestres defensivos do boxe atual, com a vantagem de ser bem mais ofensivo que Mayweather ou Guillermo Rigondeaux.

Ward deverá variar entre uma movimentação por trás da área de tiro de Kovalev com aproximações para o infighting, situação que lhe deu vantagem no primeiro duelo com os ataques ao corpo do russo, fazendo-o pagar com condicionamento físico. Kovalev terá que ser mais intenso, mais enérgico e manter elevado o ritmo das ações. No entanto, o palpite é que Ward até deve sofrer no começo, mas novamente vai adaptar o jogo e vencer de modo mais claro que na primeira vez, de novo na decisão dos juízes.

Sobre a transmissão: até agora não conseguimos encontrar nenhuma informação a respeito da transmissão para o Brasil. Pelo visto, nenhum canal vai se dignar a exibir um combate desse nível. Uma vergonha.