Por Alexandre Matos | 22/01/2009 07:00

“Se lutar em pé, vamos matá-lo. Se conseguirmos manter essa luta em pé, se ele quiser nos enfrentar como homem, vamos dominá-lo. Ele joga um soco atrás do outro, é muito previsível. Ele faz os mesmos movimentos o tempo todo. Ele é muito comum. Seu boxe é fraco. Pelo que posso ver, acredito que Andrei estará em forma e vamos nocauteá-lo.”

A declaração acima foi dada pelo treinador Freddie Roach, técnico de boxe do bielorrusso Andrei Arlovski. Roach não é um qualquer. Além de Arlovski, treina o pugilista filipino Manny Pacquiao, melhor pound-for-pound do boxe atual. E já teve como pupilos Mike Tyson, Oscar de la Hoya, Wladimir Klitschko e Bernard Hopkins. Freddie entende do riscado e tem credibilidade para falar.

O grande problema é que o adversário a que ele se referiu é ninguém menos que Fedor Emelianenko, grande estrela do MMA e melhor peso pesado de todos os tempos. Ninguém em sã consciência deveria ter a ousadia de dizer que Fedor é “muito comum”. Ele faz os mesmos movimentos? Talvez. Para azar dos adversários. Fedor tem a velocidade de um meio-médio, com as mãos pesadas de um pesado. Resistir a um ataque feroz do russo é dose para mamute.

Talvez Roach esteja querendo atrair a atenção para seu pupilo, já que Fedor é o grande favorito e trazer (mais) mídia para a luta. Mas o UFC 92 nos mostrou que realmente tudo pode acontecer. Acho que ninguém no mundo acreditava que Frank Mir nocautearia Minotauro. Portanto, não devemos ignorar as palavras de Freddie Roach. Além disso, acredito que Arlovski seja o último grande desafio de Fedor no MMA atual, principalmente pela evolução do bielorrusso desde que saiu do UFC. Mas que eu continuo achando que Roach está louco, continuo…

O que Fedor achou disso tudo?

“É o trabalho de um treinador apontar fraquezas do oponente do seu pupilo e é trabalho dele também fazer seu lutador acreditar que o oponente tem fraquezas. Nós não lutaremos boxe ou Sambo. Lutaremos MMA… Talvez Andrei esteja tentando convencer a si próprio que eu estou enfraquecido em algum ponto, mas não tem problema. A única coisa que eu digo é que estou 100% certo que estou 100% pronto para lutar MMA contra Andrei e é a única coisa que me preocupo no momento.”

Declaração 100% Fedor Style, que é o favorito destacado a vencer. E acredito que deva fazê-lo por finalização.

Além deste grande combate, teremos outra bela luta, desta vez pela divisão dos médios. O brasileiro Vitor Belfort enfrentará o americano Matt Lindland, produto original da Team Quest. Lindland não tem pegada, bem diferente do Phenom. Apesar disso, o americano é um lutador bastante perigoso. Mesmo assim Belfort tem tudo para mostrar que merece o apelido. É um dos lutadores mais completos e mais bem dotados física e tecnicamente que já vi em ação em todos os tempos. Infelizmente alguns fatores fora do MMA atrapalharam a carreira do Phenom. Não fosse isso e talvez ele estivesse hoje coroado como o Pelé do MMA.

O americano vem de vitória sobre Fabio Pezão, no Affliction 1: Banned. Na mesma edição, Vitor nocauteou Terry Martin. Se Vitor estiver bem preparado e vier como o trator que ficou conhecido, deverá nocautear Lindland. Mas será uma luta dura.

Outra luta do card que merece destaque envolve Josh Barnett contra Gilbert Yvel. Inicialmente Barnett estava escalado para encabeçar o card contra Arlovski, mas o adiamento do evento fez os planos mudarem. Barnett precisa vencer para desafiar o vencedor da luta principal. Também teremos Renato Sobral contra Rameau Thierry Sokoudjou. Especula-se que o vencedor desta luta irá encarar o perigosíssimo Gegard Mousasi na próxima edição do Affliction. Babalu é o favorito para vencer, mas não podemos descartar a mão pesada do africano. Além desta, o irmão de Minotauro, Antonio Rogério Nogueira, enfrenta Wladimir Matyushenko, numa luta perigosa para o Minotouro.

O ponto triste desta edição será a ausência do leve Chris Horodecki, vetado por conta de uma hérnia de disco. Segundo o médico que o avaliou, a dor compromete em cerca de 80% da força no braço direito e, por este motivo, a luta foi cancelada. O canadense de 21 anos e cara de criança é uma das jovens estrelas em ascensão e lutaria contra o veterano do UFC Dan Lauzon. O vice-presidente do evento, Tom Atencio, está tentando uma substituição para a luta.

E você, o que espera da segunda edição do Affliction? Dê seus palpites na caixinha de comentários.