A farra do peso

Cortar peso para bater o limite de uma categoria é algo corriqueiro nos esportes de combate e no MMA não é diferente. Normalmente lutadores ostentam peso natural da categoria de cima, mas com trabalho de preparação física, fisiologia e nutrição específicos, baixam para o limite da divisão na qual o acordo foi assinado para lutar. Sendo assim, é normal lutadores baixarem e subirem de categoria. Um exemplo é Diego Sanchez, que começou como peso médio e será o próximo adversário de BJ Penn pelo cinturão dos leves (duas categorias abaixo).

UFC 104 Anthony Johnson não bateu o peso e foi multado

Este sobe-e-desce de peso por vezes é exagerado e acaba trazendo complicações para a saúde do lutador. Por este prisma, não temos como esquecer o bizarro caso do americano Anthony Johnson, que lutou (ou deveria lutar) como meio-médio no UFC 104. No início da preparação para o combate Rumble pesava inacreditáveis 100kg, 23 acima do limite máximo permitido pela categoria, que é de 77kg. Como era de se esperar, Johnson não conseguiu cortar todo o excesso, apresentou-se na pesagem com 80kg e teve que convencer seu adversário a lutar em categoria intermediária. Isso custou ao americano um corte em sua bolsa, além da negação ao bônus de Nocaute da Noite.

Dr. Johnny Benjamin, colunista médico do site MMAjunkie e especialista em esportes de combate, deu algumas recomendações aos lutadores que precisam cortar peso para competir o façam saudavelmente, sem riscos futuros para a saúde. Prestem atenção ao que ele diz e pensem quantos lutadores se encaixam neste perfil de conduta.

  • Os acordos (contratos) devem ser assinados pelo menos 45 dias antes da data marcada para o evento.
  • Nenhum lutador deveria assinar um contrato pesando mais que 10% acima do limite da categoria acordada. Por exemplo, numa luta de meio-médios, em que o limite é de 171lbs/77,5kg (contando a margem de tolerância), cada lutador poderia pesar não mais que 188lbs/85,2kg para assinar o contrato.
  • Trinta dias antes da luta, nenhum lutador poderia pesar mais de 5% acima do limite da categoria acordada. No exemplo acima, o lutador deveria entrar no mês final de preparação com, no máximo, 180lbs/81,6kg.
  • No dia oficial da pesagem, se um lutador estivesse com mais de 1% acima do limite, a luta não poderia ocorrer. Uma vez que o promotor é o empregador, ele seria multado pelo órgão sancionador (Comissão Atlética, Confederação, etc.).
  • No dia oficial da pesagem, se um lutador estiver com menos de 1% acima do limite, poderia ser dado a ele(a) tempo adicional para perder o excesso e bater o peso. Se na segunda pesagem o lutador continuasse acima do peso, uma penalidade financeira poderia ser atribuída e paga ao adversário que bateu o peso.
  • Se, durante a disputa de um cinturão, o campeão se apresentar para a pesagem oficial acima de 1% do limite da categoria, a luta não seria realizada e o desafiante passaria a ostentar o cinturão como campeão interino.
  • Se, durante a disputa de um cinturão, o campeão se apresentar com menos de 1% de sobrepeso e não conseguir bater o peso na segunda oportunidade, a luta poderia ocorrer. Se o campeão vencer, o título ficaria vago. Se o desafiante vencer, ele assume o título.
  • Todas as datas de pesagem (dia de assinatura do contrato e verificação de 30 dias antes da luta) deveriam ser monitoradas por vídeo e gravado. Cada equipe veria a outra calibrar a escala e fazer a pesagem ao vivo. O órgão sancionador monitoraria estas pesagens intermediárias também.

Como o próprio Dr. Benjamin disse, não são sugestões fáceis nem rápidas de implementar, principalmente pelas diferenças entre os regulamentos dos diversos órgãos sancionadores, mas acho que são válidas para preservação da saúde dos atletas. E eu ainda acrescentaria mais uma: a pesagem oficial deveria ser realizada no dia da luta, para evitar as bizarrices de lutadores que chegam a recuperar 10kg de um dia para o outro. Acho que seria mais justo e equilibrado.

  • C******* 100 quilos pra quem deveria pessar 77? takeopariu

  • will

    Concordo, é complicado esse lance de bater o peso, o problema é que cada vez mais, os lutadores querem diminuir o seu peso para ter alguma vantagem, é o caso do pitbull, diego sanchez, anderson silva, forrest griffin, brandon vera e tantos outros. Se essas regras fossem aceitas, seria algo novo para o esporte, mais teriamos outro modo para conseguir alguma vantagem.

  • Antonio

    Existe uns estados nos EUA em que as comissões atléticas requerem duas pesagens, uma no dia anterior e uma antes da luta. Se o lutador estiver 7% mais pesado no dia seguinte (dia da luta), ela é cancelada.

    Só que pra uma empresa esses cancelamentos geram um prejuízo indesejável. E como o UFC é uma empresa (e não uma insituição esportiva), não compensa pros caras fazerem isso.

    O Johnson foi arrastado pelos companheiros até a balança… Esse lance da desidratação que o pessoal faz é muito mais perigoso que a luta em si. Eu acho que se não tomarmos cuidado veremos o primeiro caso de dano sério a lutadores do UFC por conta disso (e não, como muitos temem, por conta da violência do esporte).

    • Antonio,

      Pois foi este o meu intuito em tocar neste assunto, os danos que o efeito sanfona grotesco podem causar no organismo, em curto e longo prazo.

  • Antonio

    O que estamos vendo é ridículo e foge do bom senso.

    A idéia de categorias de peso foi justamente criada para beneficiar a habilidade técnica e evitar que esportes de combate se tornem simples competições de força.

    Porém, com quase ninguém lutando em seu peso natural, a corrida pelo tamanho continua.

    Lógico que hoje em dia, o grande benefício de categorias para as empresas são mais cinturões, mais lutas e mais $$$ – Por isso elas não querem fazer o óbvio que resolveria todo o problema: uma segunda pesagem no vestiário antes da luta.

    • Pois eu acho q o MMA precisa de, no mínimo, mais duas categorias: supermédios (até 195lbs) e cruzadores (até 215lbs). Mas até cabe mais q isso…

  • Antonio

    Sobre categorias, uma reformulação que gostaria de ver é reformular as categorias para melhor distribuição de pesos. A minha idéia é que a categoria seguinte seja aproximadamente 10% mais pesada que a anterior.

    Em libras, a redistribuição deixaria as categorias assim:

    Peso-mosca = 130 lb (hoje 125 lb)
    Peso-galo = 140 lb (hoje 135 lb)
    Peso-pena = 150 lb (hoje 145 lb)
    Peso-leve = 165 lb (hoje 155 lb)
    Meio-médio = 180 lb (hoje 170 lb)
    Peso-médio = 195 lb (hoje 185 lb)
    Meio-pesado = 210 lb (hoje 205 lb)
    Cruzador = 230 lb (não existe hoje)
    Peso-pesado = 265 lb (igual a hoje)
    Super-pesado = s/ limite (igual a hoje)

    Haveria um aumento nos pesos, mas considerando que todo mundo corta e aplicando minha sugestão de segunda pesagem no dia da luta, a maioria dos lutadores poderiam se manter nas suas atuais categorias.

    • Antonio,

      Do seu modo de ver, com apenas a criação de uma categoria nova, acho q ainda vamos ter problemas. A progressão não deveria ser linear em porcentagem, pois aumenta muito o intervalo entre as categorias mais pesadas. Hoje temos muitas lutas em catchweight de 195lbs pq falta um supermédio entre 185 e 205. Assim como falta a de cruzadores, pra poder encaixar os atuais pesados “pequenos”.

      O boxe tem uma divisão mais ajustada, onde a linearidade vai mais pelo peso do q pela porcentagem. Não precisa do exagero de 17 categorias do boxe, mas a divisão é mais homogênea. Isso é um assunto interessante, q merece um artigo. Vou organizar as ideias e publico.

  • O IMC do aranha é menor que o do minotauro, que tem IMC=28,alguma coisa. o Aranha, conseguiria facilmente o peso dele, e como já visto contra o (run)Forrest(run), consegue o peso do Minotouro sem alterar o talento, deve ser muito dificil pra ele ,depende muito do metabolismo e da idade, já que com uma certa idade,o corpo tende a engordar, tem gente com 1,70, Não consegue passar de 63kg(dando exemplo), o Thiago Tavares, com essa altura consegue 70kg
    Boxe tem categoria até pra anão

    • Felipe,

      A comparação dos irmãos Nogueira é legal. O Minotauro tem dificuldade de bater 90kg desde a época em q competia de pano. Os dois eram pesados, depois o Minotauro passou pra superpesado e o Minotouro ficou. Depois nem ai o Minota conseguia e precisou passar pra pesadíssimo. No MMA o Minotouro consegue bater 93, mas o Minotauro não.

      Abraço!

  • Rafael

    como fãacho divertido esse lance de os caras se matarem pra perder peso , fazerem sauna , ahhaa acho divertido mas pro bem do esporte deveria mesmo ter regras mais rigidas antes que aconteça o pior com algum lutador e o MMA que esta em alta hj, volte a ser marginalizado como antigamente…

    • hehehehehehe

      É divertido mas faz um mal do cacete pro cidadão q se submete a isso…